EXCLUSIVO! MAPAS COMPROVAM QUE TURMA DE JAILSON NASCIMENTO FEZ O MOSQUITO DA DENGUE TOMAR CONTA DE ILHÉUS

O Blog do Gusmão teve acesso a três mapas, elaborados por técnicos da Fundação Nacional de Saúde (FUNASA), que comprovam o péssimo trabalho desenvolvido pela equipe ligada ao vereador Jailson Nascimento, responsável pelo programa de combate à dengue em Ilhéus.

Os números são assustadores! Veja os mapas. Clique em cima para ampliar.

O Blog do Gusmão, antes de publicar esta postagem, ligou duas vezes para o celular do assessor de imprensa da câmara de vereadores de Ilhéus, Roberto Scarpita, com o objetivo de colher explicações, ou dar possibilidade para que o presidente do legislativo ilheense se defendesse das denúncias apresentadas.

O assessor não atendeu e também não retornou a ligação.

Em janeiro de 2005, pessoas ligadas ao vereador Jailson Nascimento deixaram a coordenação do programa. Em Fevereiro do mesmo ano, os números de infestação do mosquito nos lares dos ilheenses era preocupante. As áreas pintadas de verde significam que o índice de infestação é de 0 a 2,9% (risco aceitável), amarelas de 3% a 4,9 % (alerta), vermelhas acima de 5% (alto risco). Confira!
Em janeiro de 2005, pessoas ligadas ao vereador Jailson Nascimento deixaram a coordenação do programa. Em Fevereiro do mesmo ano, os números de infestação do mosquito nos lares dos ilheenses era preocupante. As áreas pintadas de verde significam que o índice de infestação é de 0 a 2,9% (risco aceitável), amarelas de 3% a 4,9 % (alerta), vermelhas acima de 5% (alto risco). Confira!

Em 2007, a equipe que trabalhava não sofria interferências políticas. O agentes trabalhavam com o sistema de zoneamento, cada um desempenha suas funções no próprio bairro que reside. Os índices de infestação caíram drasticamente. Áreas verdes: de 0 a 2,9% (aceitável). Amarela: de 3% a 4,9%.
Em 2007, a equipe responsável não sofria interferências políticas. Os agentes trabalhavam com o sistema de zoneamento (cada um desempenhava suas funções no próprio bairro que reside). Os índices de infestação caíram drasticamente. Áreas verdes: de 0 a 2,9% (aceitável). Amarela: de 3% a 4,9% (alerta).

Mapa feito neste mês (novembro). Em setembro de 2007, o vereador Jailson Nascimento conseguiu a exoneração do coordenador Orlando Mendes, e nomeou o seu apaniguado Nailton Costa. Daí em diante houve uma queda acentuada na qualidade do serviço prestado pelos agentes. O zoneamento foi abandonado dando lugar ao multirão. O mosquito volta com força total. Veja os números e confira a situação do seu bairro. Áreas verdes: de 0 a 2,9% (aceitável). Amarelas: de 3,0% a 4,9 (alerta). Vermelhas: acima de 5,0% (alto risco).
Mapa feito neste mês (novembro). Em setembro de 2007, o vereador Jailson Nascimento conseguiu a exoneração do coordenador Orlando Mendes, e nomeou o seu apaniguado Nailton Costa. Daí em diante houve uma queda acentuada na qualidade do serviço prestado pelos agentes. O zoneamento foi abandonado dando lugar ao mutirão. O mosquito volta com força total. Veja os números e confira a situação do seu bairro. Áreas verdes: de 0 a 2,9% (aceitável). Amarelas: de 3,0% a 4,9 (alerta). Vermelhas: acima de 5,0% (alto risco).

TELEANÁLISE: DENTÕES, COLARES E RISCOS LÚDICOS

Por Malu Fontes.

malu fontesEsperta que só ela, Ana Maria Braga resolveu inaugurar seus dentões novos num período em que os olhos da mídia inteira estavam voltados ora para a fumaça ainda em torno do vestido da aluna da Uniban, ora para a politização, a arrogância e as trapalhadas das autoridades em torno do blecaute que deixou metade do país no escuro. Inspirada, não se sabe, se nos mordedores estreados um dia desses pelo ator Stênio Garcia, ou, quem sabe, acompanhando o que pode ser uma tendência dentária eqüina, pela proporção da verticalidade dos dentes, o fato é que o rosto da apresentadora ficou estranhíssimo.

Como bem já disseram os meninos do quadro “Exagerados’, do Fantástico, esse negócio de ficar bonito já está começando a ficar feio. Mas, diante das tantas estranhezas outras que se sobrepõem ininterruptamente neste país, que mente sã iria atentar justo para a nova coleção de dentões de uma apresentadora? Mesmo porque, como deter os olhos nos dentes se o que a mesma apresentadora mostra em sua tela é mais tão dantesco? Na segunda-feira, por exemplo, ela mostrava centenas de desabrigados das chuvas na baixada fluminense, muitos sem dentes, chafurdando como porcos na lama disputando donativos entre si.

(mais…)

MINÉRIO DE FERRO: EFEITOS COLATERAIS DO “PROGRESSO”

Segundo o blog Pimenta na Muqueca (clique aqui), Ilhéus poderá “ganhar”um presente de grego (opinião deste blog), uma siderúrgica, que se não for construída e gerenciada com o mais absoluto cuidado, trará destruição ao meio ambiente, e perda da qualidade de vida.

Vejam neste documentário, o sofrimento de 300 famílias que moram no distrito de Pequiá, em Açailândia, no Maranhão, próximas a um pátio de descarga de minério de ferro, da Vale do Rio Doce, rodeado por cinco siderúrgicas e um britador.

Vale a pena ver o vídeo.

URÂNIO DE CAETITÉ SERÁ EXTRAÍDO DE MINA SUBTERRÂNEA

Reportagem do jornal A Tarde.

Túnel de 500 metros foi aberto na rocha para extração subterrânea de 600 toneladas/ano de urânio.
Túnel de 500 metros foi aberto na rocha para extração subterrânea de 600 toneladas/ano de urânio.

Uma mina com 1.136 metros de rampa e 19 metros de altura é a nova aposta das Indústrias Nucleares do Brasil (INB) para extração de urânio em Caetité, a 757 km de Salvador. A exploração a céu aberto, como é feita atualmente, durará mais três anos. A nova mina deve entrar em operação em 2011, com investimento de R$ 17, 5 milhões.

Segundo o gerente de produção da INB, Hilton Mantovani Lima, o objetivo é atender ao novo Programa Nuclear Brasileiro (PNB), que demandará, em média, 1.770 toneladas/ ano de urânio. Sete usinas nucleares estão previstas para serem instaladas no País até 2030.

De acordo com o gerente, o aumento do custo para exploração a céu aberto determinou a opção pela operação subterrânea. “No início das atividades, era necessário extrair duas toneladas de estéril para cada uma de minério. Com o aprofundamento da jazida essa relação aumentou, sendo necessário retirar mais de três toneladas de estéril para uma de urânio”, informou.

(mais…)