A RELAÇÃO CONTRADITÓRIA DE MASSAROLLO COM O “TEMPLO DA PERDIÇÃO”

Massarollo e o "templo da perdição": sedução e raiva.

No dia 20 de janeiro, o blog Agravo, do observador privilegiado Jamesson Araújo, publicou um direito de resposta do presidente do PMN de Ilhéus, Carlos Massarollo, que causou grande rebuliço  (clique aqui).

Extremamente aborrecido, devido ao cancelamento (sem aviso prévio) de duas reuniões com o prefeito Newton Lima, o “mobilizador nacional” fez duras críticas ao chefe do executivo, chegando a afirmar que ele “não está à altura da honraria de dirigir o município”. Causticamente, também fez uso de uma metáfora desnecessária, agredindo o simbolismo do nosso mais importante e belo prédio, chamando o Palácio Paranaguá de “templo da perdição”.

No mesmo texto, Massarollo propõe uma forma de condução política ideal: “o que defendemos desde o inicio do governo foi a proposição de um projeto político-administrativo para Ilhéus, não a ocupação de cargos. Partido político não é agencia de empregos nem banca de negócios”.

Amigos visitantes preparem-se para ficar boquiabertos.

No dia 21 de janeiro, portanto, 24 horas após o desencontro, Massarollo, enfim, foi recebido pelo prefeito. Ele teve a companhia dos seus correligionários de partido, os vereadores Tarcisio Paixão e Jailson Nascimento, que juntos, tentaram viabilizar a permanência do PMN no governo.

Uma fonte mais do que confiável garantiu ao Blog do Gusmão que o PMN, na pessoa do seu presidente, com o consentimento dos parlamentares, reivindicou uma secretaria. Advinhe para quem! Para o próprio Massarollo.

O olhar frio sob o texto publicado no Agravo e o que aconteceu na reunião tardia (tarda, mas, não falha), revela que a política local virou um grande teatro, onde espetáculos encenados por atores de competência duvidosa repercutem a contragosto do bem público, por mais que tentem representar os interesses da coletividade.

O PMN de Ilhéus pode até não ser uma agência de empregos, mas, serviu para dar vez e voz aos anseios da sua presidência.



8 responses to “A RELAÇÃO CONTRADITÓRIA DE MASSAROLLO COM O “TEMPLO DA PERDIÇÃO”

  1. ESSES PRESIDENTES DE PARTIDOS SÃO UMAS FIGURAS, JORGE FARIAS MATA E MORRE TRÁS DE UMA SEC. MASSAROLO NÃO FICOU ATRÁS, CARLINHOS PEGOU ATÉ TRÊS DE VEZ, ALCIDES TAMBÉM PEGOU UMA, SÓ O COITADO DO QUITO NÃO CHUPOU NADA, E MASSAROLO AINDA TE CRITICA NÃO É GUSMÃO? ELE TEM MAIS É QUE TER VERGONHA NA CARA, BANDO DE VENDIDOS.

  2. Na época de Valderico, Massarollo tinha uma irmã que era fantasma da prefeitura. Nem ia trabalhar, só que o dinheiro entrava na conta certinho.
    O PMN de Ilhéus só quer o poder, sugar e usufruir. Não tem compromisso com a cidade.

  3. Certa vez, um conhecido profissional da mídia ilheense me falou assim:
    Rapaz, o que Gusmão fala exaltando alguém, não ajuda essa pessoa em nada, mas quando ele fala mal… prujudica bastante. Pois é amigo Gusmão, Massarolo é uma excelente pessoa, e não precisa de uma secretaria para se sustentar, ele só quer contribuir para o melhor de Ilhéus, da melhor forma.

  4. Quem falou em sustento foi vc.
    Quem é pago para exaltar é vc, no caso, o seu vereador, o que é normal e faz parte.
    A opinião desse rapaz da mídia não é regra.
    Ou vc acredita nela com uma regra?
    Cuidado com as frases prontas, amigo.
    Elas encerram as discussões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *