UMA SOLUÇÃO PARA UM PROBLEMA INSOLÚVEL

Por Daniel Thame.

Que o município de Itabuna não reúne condições de gerir de forma satisfatória o Hospital de Base Luiz Eduardo Magalhães, é fato que pode ser facilmente constatado.

E isso independe do prefeito ser o Capitão Azevedo, Zé da Silva ou João das Botas. O problema é que o poder público municipal é absolutamente incapaz de administrar uma unidade médico-hospitalar que atende (ou deveria atender) pacientes de mais de 100 cidades e cuja demanda não para de aumentar.

Some-se a essa absoluta falta de capacidade de gestão, a incontrolável vocação que alguns dirigentes do hospital têm para desviar recursos que deveriam ser aplicados exclusivamente na saúde pública. Os recursos já não são suficientes e o quadro se agrava quando parte deles escorre pelo ralo insaciável da corrupção.

(mais…)

JAMESSON ARAÚJO DEIXA GOVERNO NEWTON LIMA

Jamesson Araújo, editor do Blog Agravo, entregou na tarde de hoje (quarta-feira/18) uma carta ao prefeito Newton Lima solicitando  exoneração.

O blogueiro teve um forte desentendimento com o secretário de governo Alcides  Kruschewsky. No dia 18, no térreo do Palácio Paranaguá, os dois quase tiveram uma luta corporal.

Jamesson vai assumir a coordenação da campanha de Carlos Massarollo, candidato a deputado federal (PMN), que na última sexta-feira, teve sua candidatura validada pelo TRE, após um indeferimento parcial devido a problemas com documentação.

Ao receber o pedido, Newton demonstrou gratidão a Jamesson pelo bom trabalho desenvolvido na campanha de 2008. “A portas estão abertas pra você”, garantiu.

O dono do Agravo assegurou fidelidade ao prefeito, porém, fontes palacianas garantem que ele pretende iniciar uma campanha dura contra o “todo poderoso Cidão” .

DE BANANAS A PALMADAS, LEGISLADOR QUER REGULAR TUDO

Por Terra Magazine.

A hiper-legislação tem sido uma marca do direito moderno.

No Brasil, ela é cada vez mais freqüente. Mostra-se pujante principalmente no direito penal, mas não só nele.

Da obrigação de vender bananas por quilo à proibição das palmadas na educação familiar, passando pelas minuciosas restrições da propaganda eleitoral, as pretensões do legislador para adequar a sociedade aos bons costumes e regras saudáveis são infinitas.

O excesso de regulação, com nítido caráter moralista, tende a produzir uma hipertrofia das funções do Estado. E, por conseqüência, aumentar sensivelmente o poder e a competência de seus agentes, inclusive os juízes.

(mais…)

“SARNEY” ATACA NOVAMENTE

Do Pimenta na Muqueca.

Jailson legislando em causa própria.

Dono de pequena frota de ônibus, que aluga ao município para o transporte de alunos da rede pública de ensino, o vereador ilheense Jailson Nascimento (PMN) tentou alterar um dispositivo da Lei Orgânica que limita em cinco anos a idade dos veículos a serem empregados naquele serviço.

Quem mora em Ilhéus sabe que os ônibus de Jailson são candidatos fortíssimos ao quadro “Lata Velha”, do Caldeirão do Huck. O vereador percebeu movimentação no governo municipal para tirar suas sucatas de circulação e agiu rápido: solicitou ao colega Alzimário Belmonte (o “Gurita”) que apresentasse emenda à Lei Orgânica, prevendo que o limite de vida útil dos ônibus, para uso no transporte coletivo no município, passasse a ser de 20 anos.

A ideia de Jailson Nascimento, que preside o legislativo, era aprovar a matéria a toque de caixa, atropelando o procedimento das comissões técnicas. Só que a operação foi descoberta e a proposta – apresentada na semana passada – voltou para a geladeira.

O presidente da Câmara, no entanto, não desistiu da ideia e está pressionando a administração municipal a deixar suas latas velhas rodando em paz. Ainda que elas representem um sério risco para os estudantes da rede municipal, além de outros clientes dos sucatões, já que o vereador também os aluga para particulares.

O PORTO SUL, A SECRETARIA E OS AREAIS

Ilhéus vive um período em que muito se fala em desenvolvimento, progresso e geração de empregos. Obras que vão causar impactos ambientais irreversíveis (segundo o EIA da BAMIN) estão sendo debatidas com intensidade. A maioria, infelizmente, deseja o crescimento com destruição, a todo custo.

Porém, na parte sul da cidade, os areais não estão sendo fiscalizados pela secretaria municipal de meio ambiente. Alguns possuem licenças para pesquisa, mas realizam extrações, o que é proibido por lei.

A secretaria não dispõe de estrutura satisfatória, recursos financeiros e servidores de carreira capazes de impedir que os areais clandestinos funcionem.

Esse fato levanta uma dúvida.

Na realização de uma obra com nível imensamente maior de degradação ambiental, como o Complexo Intermodal, o município, com a estrutura atual, terá condições de acompanhar de forma efetiva todos os problemas ambientais que surgirão?

EU VI A ELEGÂNCIA DO SAMBA

Ontem (terça-feira/17) este blogueiro teve o prazer de assistir uma apresentação maravilhosa do grupo “Prato Feito de Samba”.  A elegância do ritmo brasileiro “desfilou” no projeto “Terça Rua Musical”, promovido pela Casa dos Artistas de Ilhéus, no calcadão da rua Jorge Amado.

Rua Jorge Amado durante a apresentação.

Potira Castro (voz e efeitos), Fernando Falcão (voz e violão), Lucas  Araújo e Pedro Gouveia (percussão) tocaram clássicos do “samba de raiz”, lembrando os grandes mestres: Dorival Caymmi, Cartola, Nelson Cavaquinho, Paulinho da Viola e outros.

Prato Feito de Samba.

Abaixo você pode ver um pequeno trecho do show. Se tiver interesse em contratar a rapaziada é so ligar para 73 8834 4684.

INFORMAÇÕES EXCLUSIVAS SOBRE A LIBERAÇÃO DO CACIQUE BABAU

Cacique Babau.

Depois que os advogados da FUNAI entraram com três pedidos de Habeas Corpus no tribunal de justiça da Bahia, tentando soltar o Cacique Babau e seus irmãos Givaldo e Glicéria, o caso passou a ser acompanhado pela secretaria nacional de direitos humanos, que constantemente se comunicava (por telefone) com representantes do órgãos envolvidos.

O juiz Jefferson Assis foi convocado pelo TJBA para analisar os pedidos de soltura. Por duas vezes, ele solicitou esclarecimentos ao juiz que decretou a prisão (Antônio Hygino, da comarca de Buerarema).

Hygino demorou para esclarecer o caso ao TJ. Na segunda solicitação, Jefferson Assis iniciou o ofício usando estes termos: “lamentavelmente, em caráter reiterativo, ordeno”.

Os esclarecimentos foram enviados, mas o próprio juiz Antônio Hygino decidiu liberar os três índios. A revogação ocorreu na última segunda-feira (16).