MPF DE OLHO EM JORGE BAHIA

 

"Lolas Bahia": o MPF não esqueceu.

Os escândalo das “Lojas Bahia”, denunciado pelo procurador federal Israel Nunes, que pegou o secretário de finanças de Ilhéus, Jorge Bahia, vendendo computadores para a secretaria de ação social, não foi esquecido. Eduardo Hage, procurador do ministério público federal, tem enviado ofícios à prefeitura cobrando explicações.

Em novembro de 2009, quando era chefe de gabinete, Bahia usou uma empresa cujos donos são sua empregada doméstica e um ex-funcionário (supostos laranjas), para fornecer equipamentos de informática ao programa bolsa família, gerenciado pelo município.

O “engavetador”, aliás, procurador geral do município, Luís Carlos Nascimento, não “viu” nenhuma irregularidade no caso e optou pelo arquivamento.

O MPF pensa diferente e continua futucando.



9 responses to “MPF DE OLHO EM JORGE BAHIA

  1. Não é atribuição do Procurador GEral do Municipio fazer investigação alguma, ele deve apenas verficar se a documentação acostada no processo licitatório fazia jus ao pleito.
    A obrigação sempre foi do Ministério Público, para quem não sabe são procuradores também, com atribuições diferentes.

  2. Para este rapaz só tem um caminho, argola de prata nos pulsos, este é o pior de todos tem um carater latrinal.

  3. Qua Qua Qua, faço igual a Marcos Pennha, me faça uma garapa para acalmar o ‘indignado’ defensor de corrupto.

  4. O Pálacio Paranaguá tá cheio de gente como esse Bahia!
    Newton Banana Lima está chegando ao posto de Valdericooo e vai conseguir ser pior e a robalheira maior ainda.
    Será que ele gosta de pizza??

  5. Gostaria de saber o que o irmão do prefeito de nome Calunga ou melhor Cafuringa faz tanto no Palácio Paranaguá bem cedo,tipo 7 e pouca da manhã.Ele não é funcionário da Prefeitura,só porque é irmão do prefeito tem acesso a toda hora,tem muito caroço nesse angu.Será que a Tesouraria ou a secretaria de Finanças funciona também neste horário. Especialmente para o Calunga, ou melhor o Cafuringa?

  6. Indignado está completamente errado. É atribuição do Procurador Geral d instaurar Processo Administrativo Disciplinar, sob pena de responder por Improbidade Administrativa. Contudo, no presente caso se não foi instaurado é porque o Senhor Jorge Bahia não praticou nenhum ato criminal ou administrativo cabivel de punição. Vale dizer que o Dr. Jorge Bahia é uma pessoa integra, trabalhador e, sempre buscou o melhor para Ilhéus.

  7. Ou cláudio “não conhece a peça”, (ou melhor, nunca nem viu, pq kem vê percebe) ou é a própria peça… nada mais justificaria tal defesa!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *