PLANO TRAÇA POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

Lançamento do Plano Estadual dos Direitos da Pessoa com Deficiência. Foto: Jorge Cordeiro/AGECOM

A Secretaria de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos (SJCDH) e o Comitê Gestor Estadual de Políticas de Inclusão das Pessoas com Deficiência lançaram na tarde desta terça-feira (21), na Biblioteca Pública dos Barris, em Salvador, o Plano Estadual dos Direitos da Pessoa com Deficiência. O documento é fruto de uma ampla discussão que envolveu o poder público e a sociedade civil e lista 24 ações e propostas voltadas para o segmento.

Durante o lançamento, o coordenador executivo dos Direitos da Pessoa com Deficiência da SJCDH, Alexandre Baroni, disse que o Plano vai nortear a elaboração de políticas públicas para o segmento, incluindo os deficientes nas discussões.  “O plano prevê ações em áreas como saúde e educação, mas, o melhor é que a partir de agora nada sobre as pessoas com deficiência vai ser discutido sem a participação de pessoas com deficiência, isso está sendo reconhecido pelo Governo do Estado.”

Para Wilson Cruz, que tem deficiência motora e é integrante da Associação Baiana de Pessoas com Deficiência (Abadef), o Plano pode mudar a forma como o tema é tratado na Bahia. “Antes do Plano nós ficávamos reféns de gestores que fossem sensíveis ao tema, muitas vezes ficávamos sem apoio, esquecidos. Com esse documento a observação de nossos direitos passa a ser uma política de estado”.

AGECOM



One response to “PLANO TRAÇA POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

  1. Nós PcD aqui no Sul e extremo Sul estamos em estado de alerta, porque são enormes as nossas expectativas quanto às politicas publicas nos municípios baianos. Estamos a anos luz de se quer termos uma rampa construída nos padrões das normas da ABNT. quanto mais politicas para o nosso segmento nas areas de saude, educação, esporte e lazer.
    Aguardamos de fato que aconteça o que nosso querido Baroni relata em sua fala: “o melhor é que a partir de agora nada sobre as pessoas com deficiência vai ser discutido sem a participação de pessoas com deficiência”, confirmo, plagiando o seu slogan: “NADA SOBRE NÓS SEM NÓS PcD”..Porque aqui no sul da Bahia o que vemos são discussões, isoladas sem a participação dos interessados, ouvir o usuário do serviço público deve ser a prática dos gestores municipais
    Angela

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *