QUAL A IMPRENSA QUE A BAHIA MERECE?

Por Fabricio KC

Jornal A Tarde suprime coluna de Caetano Veloso, com críticas à construção do porto Sul, em Ilhéus, e demite jornalista que denuncia crimes ambientais no setor da construção civil.

Não sei se nós, baianos, sabemos o que merecemos, mas, ao menos, já podemos saber que imprensa nós temos. Em tempos de internet, estamos bem situados para saber em que condições se encontram nossos jornais. Precisamente num momento em que os grandes jornais deviam examinar-se a si mesmos e escolher o que devem ser na nova conjuntura informacional, o Jornal A Tarde nos oferece mais um episódio vergonhoso.

O A Tarde demitiu ontem, dia 8, o repórter Aguirre Peixoto, autor da reportagem que denunciou crimes ambientais na construção do Centro Tecnológico do Governo do Estado (link), obra que o Governo realiza em parceria com empresas privadas. A diretoria do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado da Bahia (SINJORBA), divulgou nota de protesto contra a demissão do repórter (link), e a equipe de redação do jornal se manifestou através de Carta Aberta (link).

Segundo informações deste blogue, no domingo (23 de janeiro), uma coluna de Caetano Veloso com críticas à construção da Ferrovia Oeste-Leste e Porto da BAMIN foi publicada apenas nos exemplares que circularam em Salvador. A mesma edição distribuída no Sul da Bahia trouxe outra matéria no lugar da coluna.

Ora, a dinâmica da imprensa consiste em transformar fatos em notícia. Escolher o que é notícia é um imenso poder, e além de selecionar, a imprensa também distorce, insinua, manipula, oculta, erra e às vezes mente descaradamente. Como todo poder que carece de mecanismos de controle, acaba por incorrer em abusos. Aliás, uma das funções políticas mais importantes dos meios de comunicação é equilibrar os possíveis excessos do poder democrático, ao tempo que a função do jornalista é de mediador entre a realidade e a sociedade. Quando veículos de imprensa, que são também empresas privadas, se misturam com políticos quando deveriam fiscalizá-los, ou então se deixam dirigir pela ânsia de dinheiro, tais veículos passam a atuar como meros porta-vozes de grupos e facções.

O conceito que o Jornal A Tarde faz de informação pode ser melhor: a sua “verdade” jornalística soa gananciosa. A atualidade é exigente. Estamos começando a conhecer uma nova política e uma nova economia, propiciadas por novas mídias – não sabemos o que elas nos trarão, mas é melhor essa incerteza do que a depreciação clara da função do jornalismo.

Tenhamos, entretanto, a confiança – e a internet nos estimula a isso – de que a informação crítica e a responsabilidade jornalística são possíveis. Se o jornal A Tarde sacrificou nesses episódios sua orgulhosa objetividade, então é tempo de indignação – e somente a esse preço contribuiremos para uma imprensa clara e respeitável.



12 responses to “QUAL A IMPRENSA QUE A BAHIA MERECE?

  1. É a lei do silêncio! .. É o vergonhoso abuso de poder sobre a imprensa. BRASIL DEMOCRATICO COM ESSE GOVERNO???… FALA SÉRIO!!!
    (Vou postar nesse tópico, algo que postei num tópico anterior sobre mão de obra qualificada na construção do Porto Sul… Acho que aqui está mais conveniente…)…

    “Se vocês forem esperar pelo governo da Bahia, esqueçam!!!Infelizmente,Ilhéus é Estado da Bahia, um governo que nunca se preocupou em nada com Ilheenses, grapiúnas e escambau, é um governo que só faz “sugar”!… A mata atlântica, eles não estão nem aí também, basta dizer que esse governo petista criminoso ajudou a dezimar grande parte da mata atlântica com a introdução da “vassoura de Bruxa”,por isso dito como “crime de lesa Pátria”. O mesmo vão fazer com a construção desse porto e ferrovia. Certo está Caetano Veloso ao fazer essa observação oportuna em atenção com a Mata Atlantica no sul da Bahia. Ele é um baiano acima de ambições,um baiano consciente!!!”

  2. O povo merece respeito! Podemos demonstrar a nossa indignação não comprando mais este jornal. Podemos exigir que produtos de empresas que patrocinam este jornal não têm comprometimento com a JUSTIÇA e portanto não merecem ser consumidos por nós. É assim que podemos fazer. É assim que podemos demonstrar a nossa indignação. Parabéns Gusmão pelo seu compromisso com a verdade.

  3. Não me surpreenderia.

    Não é novidade o partidarismo da imprensa baiana. A Liberdade de Imprensa pressupõe uma responsabilidade ética extremamente rígida.

    Muitas vezes os jornais preferem ficar com o bônus – a liberdade – e sem o ônus – a ética – de seu ofício.

    Absolutamente lamentável.

  4. Completando minha postagem anterior, cabe ressaltar que também é lamentável a matéria do Globo News veiculada numa postagem aqui no Blog.

    Porque não mostraram o outro lado da história. Apenas umas notas da BAMIN e do IBAMA. Sem entrevistas, sem imagens. Mostram a mata, uma filmagem que inclui áreas que nem serão tocadas pelo projeto. Mas não mostram a miséria das populações da Ponta da Tulha e da Lagoa Encantada, devidamente com a economia baseada no “Turismo” e na “Agricultura familiar”.

    Repetindo a mim mesmo, “Muitas vezes os jornais preferem ficar com o bônus – a liberdade – e sem o ônus – a ética – de seu ofício”.

    Se o Jornal A TARDE agiu de maneira lamentável (eu não leio, não posso afirmar) também a Globo NEWS fez igual.

    Quanto mais o tempo passa mais eu vejo que não tem nenhum pequeno nessa luta.

  5. Degas,
    seria interessante provar que as populações da Lagoa Encantada e da Ponta da Tulha vivem na miséria.
    Pertinente também seria dar garantias de que o Porto da BAMIN vai empregar toda a mão de obra dessas localidades, que se encontra à disposição.

  6. Não se trata de provar nada. Mas de mostrar. À Imprensa não cabe “provar”, e sim mostrar. Os dois lados. Mostrar as áreas da região norte sem mostrar as pessoas pobres dali é uma reportagem extremamente tendenciosa. A emissora apenas menciona, muito rapidamente, a questão mais importante: para o IBAMA, do ponto de vista social o projeto é considerado vantajoso. Do ponto de vista ambiental ainda são necessários mais detalhes. Porque isso ficou sem destaque?

    Não se deve esperar imparcialidade da imprensa, já que ideologias permeiam tudo. Mas a ética mandaria dar espaços iguais aos dois lados. Não deveriam mostrar um deles com entrevistas e imagens enquanto o outro fica restrito a “notas”.

    Coerentemente, quem critica o jornal A TARDE por ser tendencioso também precisa criticar a GLOBO NEWS pelo mesmo motivo.

    Eu critico.

  7. Degas,
    Então vamos fazer o seguinte,
    vc acha que as populações da Tulha e da Lagoa são miseráveis.
    Talvez o termo seja forte demais, mesmo que para uma defesa apaixonada.

  8. Degas

    Entendo o que você tenta alertar. Em outro momento, devemos sim, mostrar como estão as populações das nossas Vilas, Bairros, acessos, segurança, saneamento básico, etc. tudo isso fruto de governos passados e presentes, não presentes como deveriam. As nossas Unidades de Conservação sem atenção nenhuma, etc.
    O que estamos fazendo e a Globo News mostrou, foi uma desgraça anunciada que pode ser evitada para que os problemas que você deseja sejam mostrados, não se agravem, com a promessa de que o município receberá mais 150.000 habitantes.
    Sem contar Degas que 25.000 desempregados não serão aborvidos com complexo nenhum. Aliás as suas vidas ficarão muito mais complexas. Você é um homem inteligente e sei que seu coração não está na cabeça, da mesma forma que arditaram de mim. Portanto, vamos por os pés no chão e continuar trabalhando pelo melhor de forma JUSTA e SUSTENTÁVEL! Eu te admiro muito!
    Não cabe ao Globo News mostrar os problemas que já são sabidos e corriqueiros dos nosso governantes locais e estaduais. Vamos trabalhar para contribuir no sentido de que possam ser sanados e eu tenho disposição para isso. O nosso trabalho está apenas começando. Sejamos responsáveis conosco e com os que estão cheegando nesta vida.

  9. Peraí Degas,
    Fui ver o que esttá na reportagem do Globo News e ali só tem verdade sobre o que se pretende(ia) trazer para o nosso município. Vergonhoso é assistir propaganda da empresa interessada no porto para escoar minério de ferro, levando falsas esperanças ao povo, com informações mentirosas. A palavra “arditaram” do meu comentário anterior é ACREDITARAM. Digitei rápido demais.

  10. Não se trata de ser verdade ou mentira. Trata do fato de que a reportagem ilustrou um evento que tem duas versões.

    E deu clara preferência a uma delas.

    Claro que a emissora tem suas preferências. Mas não pode tratar os dois lados da História de maneira desigual. Ou pelo menos não deveria.

    Se o jornal A TARDE faz isso eu acho que devemos criticar. Quando é a Globo que faz, critiquemos também. Porque não?

    Cobrar ética da imprensa é algo que transcende (ou deveria transcender) a questão do Complexo Intermodal. É uma garantia de que esta mesma imprensa não se torne, venenosa, ao sabor de seus próprios intereses, sabotadora dos interesses de todos no futuro.

  11. enquanto isso, no correio itajupiense, a Bamin faz o papel social e promete empregos a 6 mil pessoas…..

    O vice-presidente Clóvis Torres assina o convênio
    A Bahia Mineração (Bamin) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) lançaram nesta terça-feira (8), no Teatro Municipal de Ilhéus, o programa Mina de Talentos, que vai capacitar mais de 6 mil pessoas para trabalhar na construção e operação do projeto Pedra de Ferro.
    A solenidade de lançamento contou com a presença do vice-presidente executivo da Bamin, Clovis Torres, que falou sobre a intenção da empresa de priorizar a contratação de mão-de-obra na comunidade local, objetivo que será facilitado com o programa de qualificação.
    O evento foi prestigiado pelo secretário estadual da Indústria Naval e Portuária, Carlos Costa, a deputada estadual Ângela Sousa e diversas lideranças regionais. Como anfitrião, o prefeito de Ilhéus, Newton Lima, elogiou a proposta do Mina de Talentos e ressaltou o “novo ciclo de desenvolvimento que se inicia na região”.
    O convênio para a execução do programa foi assinado pelo vice-presidente Clovis Torres, o gerente do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), Jurandir Hendler e o diretor da Direc 6, órgão vinculado à Secretaria da Educação da Bahia, Ednei Mendonça.
    na integra
    http://correioitajuipense.blogspot.com/2011/02/bamin-lanca-mina-de-talentos-8fev2011.html8/fev/2011
    esta ação precisa de muito mais mobilizações entre empresariado local, turismo, ongs, ambientalistas, cacau, etc o povão que não lê jornais (se limpa c ele) e nem tem acesso a internet acha o máximo tudo que o governo faz…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *