ACIDENTE NO IATE CLUBE: BEBÊ TEVE TRAUMATISMO CRANIANO

A vítima mais prejudicada no acidente ocorrido à meia-noite de hoje (12), no Iate Clube de Ilhéus, foi um bebê com oito meses de idade (clique aqui e aqui para mais detalhes).

Segundo informações de Josevaldo Machado, coordenador do hospital Regional de Ilhéus, a criança foi transferida para o hospital Manoel Novaes, em Itabuna.

Parentes de três vítimas, ouvidas pela reportagem do Blog do Gusmão, reclamaram que até agora, a direção do Clube não deu qualquer assistência.

A comissão que organizou a festa entrará com uma representanção no Ministério Público Estadual, contra o Iate Clube.



5 responses to “ACIDENTE NO IATE CLUBE: BEBÊ TEVE TRAUMATISMO CRANIANO

  1. Diante desta tragédia só houve uma coisa de positivo, mesmo com limitações que todos sabemos existir, as equipes de emergência e resgate fizeram um trabalho bastante satisfatório, ousaria dizer, brilhante. Em pouco mais de 2 horas resgataram, atenderam e transferiram ate a criança para o Hosp. Manoel Novais. Parabenizo a integração das equipes do SAMU, Corpo de Bombeiros e Hospital Geral Luiz Viana Filho, além dos Policiais Militares que deram um exemplo em atendimento. Aos que presenciaram viram um trabalho coeso e integrado. Mesmo no hospital, as equipes do samu e corpo de bombeiros, além de profissionais de outros setores do hospital contribuiram para acolher da melhor maneira possível os feridos. É isso que se espera dos serviços de saúde. Parabéns.

  2. Saudações, Otávio

    e aí? tudo em paz no alto da colina?

    Por aqui, no nível do mar, as coisas foram ainda mais abaixo:

    estávamos, ontem, numa festa de formatura (de uma turma de biologia da uesc), no iate clube de ilhéus, e presenciamos um acidente foda – o deque da área do salão de festa do lugar despencou sobre as pedras da beira-mar. Cerca de vinte pessoas se feriram, inclusive uma criança de oito meses (que foi levada às pressas para itabuna com um ferimento no crânio).

    Um homem, desesperado, gritava, com violência mas em vão, à multidão inflamada: “calma”.

    Meu tio estava fazendo a cobertura videográfica da festa (contratado pela empresa que organiza esse tipo de ritual) e registrou tudo.

    A frustração ganhou forma nos semblantes.

    Quando os ânimos foram se assentando sobre os salgadinhos e os copos d`água que ingeríamos, as críticas se iniciaram.

    Reza a lenda que o lugar foi construído há décadas, contudo, não parecia ser alvo de muito cuidado no que diz respeito à manutenção periódica de suas estruturas de concreto.
    Me parece que essa é uma idéia um tanto plausível, afinal as pessoas caíram e, tal qual um Tomé, eu vi (e poderia ter tocado se quisesse) os ferimentos dos que sofreram, não um infortúnio, mas um atentado à segurança pública. Todo mundo, nessas terras úmidas e salgadas do Atlântico Sul, está cansado de saber que, determinados materiais são mais vulneráveis à passagem do tempo quando expostos à tal “maresia”.

    Existe algo de podre no coronelado das terras da gabriela (e não é o cacau).

    Esse é o legado da “pujança econômica” de outrora, velhos signos ao vento… mulheres e crianças ao mar.

    a notícia não é a melhor, mas deixo um um abração,

    Thiago Dias

  3. nao eh caso de MP. tudo aih eh privado, menos a universidade que naum eh a realizadora do evento. eh direito completamente privado.

  4. so nos resta agora orar bastante pelo bebezinho que se machucou e pedi a PAPAI DO CÉU que esteja sempre ao seu lado o protejendo e o curando…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *