DEBATE SOBRE O PORTO SUL: AÇÃO ILHÉUS X COESO

A presidente da Associação Ação Ilhéus, Socorro Mendonça, através da internet, trava uma batalha de idéias contra Aldicemiro Duarte (Mirinho),  coordenador do COESO (Comitê de Entidades Sociais em Defesa dos Interesses de Ilhéus e Região), grupo que apóia a empresa Bahia Mineração.

Este blog, que em outras ocasiões defendeu idéias de Mirinho sobre outros assuntos, não pode deixar de admitir que Socorro deu um banho de informação e conhecimento no coordenador do COESO.

O artigo escrito por  Mirinho: “A miopia pede óculos. Ou… as forças ocultas e os interesses travestidos”, em defesa do Porto Sul, foi totalmente desconstruído, deixando evidente que o autor apelou para o senso comum e a desinformação.

Leia você mesmo e tire suas conclusões.

Mirinho

Propagam que o cacau e o turismo não podem conviver com o complexo logístico e as indústrias que ele irá atrair. Argumento míope e falso.

Socorro.

Míope é quem não enxerga riqueza na natureza que temos e quem afirma que a cacauicultura foi dizimada. Falso é quem desrespeita as gerações futuras mesmo sendo responsável por trazer ao mundo, alguns Seres Humanos, que comporão essa geração. Cacau será afetado diretamente pela Ferrovia passando pelas Fazendas e ainda com a monília sendo trazida pelos trilhos (você sabe o que é isso?). A ferrovia não ligará o Atlântico ao Pacífico? Estude um pouco sobre isso. Quanto ao Turismo, nenhum Porto que escoa Minério de Ferro foi apresentado ainda como sendo benchmarking de convivência com o Turismo. Aponte um no mundo! Conhecemos Portos que destroem vidas com doenças da poeira. Veja alguns vídeos com a realidade da qual falamos:

1 – http://www.youtube.com/watch?v=ScAn5zLWL7s

2 – http://www.youtube.com/watch?v=g9xODXqNqKw

Mirinho

Grandes projetos estruturantes, em qualquer parte do Brasil, costumam enfrentar inúmeras barreiras. Estas se encontram tanto em uma legislação ambiental rigorosa (muitas vezes em excesso), quanto nos movimentos sociais que se propõem a uma defesa extrema do meio ambiente, quase sempre deixando de lado o entendimento de que é necessário conciliar proteção à natureza e desenvolvimento.

Socorro

Leia o parecer do IBAMA ou rasgue a Constituição. Segue abaixo para que leia apenas uma parte do Parecer do órgão ambiental federal que nenhum governante pode passar por cima. Estes órgãos existem para evitar desatinos como este que é o “Complexo” Porto Sul.

“…Que a ADA é composta em 94,68% de sua área por Floresta Ombrófila Densa de Terras Baixas em estágio médio e avançado de regeneração, e que, de acordo com a Lei no 11.248/06:

Art. 11. O corte e a supressão de vegetação primária ou nos estágios avançado e médio de regeneração do bioma Mata Atlântica ficam vedados quando: 1 – a vegetação: a) abrigar espécies da flora e da fauna silvestres ameaçadas de extinção, em território nacional ou em âmbito estadual, assim declaradas pela União ou pelos Estados, e a intervenção ou o parcelamento puserem em risco a sobrevivência dessas espécies;

Art. 14. A supressão de vegetação primária e secundária no estágio avançado de regeneração somente poderá ser autorizada em caso de utilidade pública, sendo que a vegetação secundária em estágio médio de regeneração poderá ser suprimida nos casos de utilidade pública e interesse social, em todos os casos devidamente caracterizados e motivados em procedimento administrativo próprio, quando inexistir alternativa técnica e locacional ao empreendimento proposto, ressalvado o disposto no inciso I do art. 30 e nos § 1º e 2º do art. 31 desta Lei.”

Mirinho

O economista Sérgio Besserman Vianna, ex-diretor do BNDES, é enfático ao condenar a visão anacrônica dos que opõem desenvolvimento e questões ambientais. Segundo Vianna, “esse anacronismo não corresponde mais à realidade” e “quem continuar apostando nisso vai errar, pois a economia global está iniciando a maior transição tecnológica desde a Revolução Industrial”.

Socorro

Meu Deus! Você está querendo destruir um homem tão competente e com visão de século XXI! Não sabe ler ou é mal intencionado? Essa entrevista que você leu e sinceramente me assustou a sua afirmação, deve ter sido a que transcrevo agora para que releia e perceba que está ERRADO. Sugiro cuidado com suas próximas citações:

http://www.istoedinheiro.com.br/noticias/49829_DISCUSSAO+AMBIENTAL+TRAVA+PROJETOS+DE+INFRAESTRUTURA

“…Atraso. Na avaliação do economista Sérgio Besserman Vianna, ex-diretor do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), a visão que opõe desenvolvimento e questões ambientais é atrasada. “Esse anacronismo não corresponde mais à realidade. Quem continuar apostando nisso vai errar, pois a economia global está iniciando a maior transição tecnológica desde a Revolução Industrial”, diz.

Segundo Besserman, a economia ancorada no desenvolvimento a qualquer custo e nos combustíveis fósseis está no começo do seu declínio, e será substituída por uma economia de baixo carbono e baseada na manutenção dos recursos naturais. “É certo que essa transição ocorrerá, e sairão na frente os países que eliminarem essa visão obsoleta de que ambiente e desenvolvimento não podem conviver.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.”

Ele afirma o que nós afirmamos e ainda usa o exemplo de Belo Monte. Nós entendemos que podemos desenvolver a Região sim, desenvolvimento não pode deixar de existir. O que não pode acontecer é o Governo querer empurrar goela abaixo obras de infraestrutura desrepeitando o meio ambiente, esquecendo que somos parte integrante dele e assim ameaçando a nossa sobrevivência. Se você o conhecesse, teria a certeza de que errou na sua citação. Aproveite para ler a entrevista do Curt Trennepohl, que acaba de assumir o comando do IBAMA. Está esclarecedora.

http://www.ecodebate.com.br/2011/03/02/licenca-de-instalacao-li-de-belo-monte-nao-e-possivel-hoje-diz-novo-presidente-do-ibama/

Quem opõe desenvolvimento a questão ambiental são os que defendem a instalação deste “Complexo”. Nós entendemos que a Região pode e deve ser desenvolvida respeitando o que resta de natureza e toda a riqueza que ela possui, sem que nada precise ser construído. Mas os míopes verdadeiros só enxergam dólares para poucos quando poderiam enxergar reais para muitos.

Mirinho

O fortalecimento da democracia brasileira e a consolidação de suas instituições são fatores que têm estimulado os grandes investimentos. O país vive um dos melhores momentos de sua economia, graças a um clima favorável e à compreensão de que o Brasil finalmente atingiu a maturidade que lhe permitirá empreender voos elevados. No entanto, persistem as barreiras.

Socorro

A maturidade do Brasil é fazer o que fizeram todos os demais países? Cometer os mesmos erros? Democracia pressupõe distribuição de riquezas. Respeito ao povo. Uma Ferrovia que irá custar R$6 bilhões dos nossos impostos para que 80% da sua capacidade seja para escoar minério de ferro que custa R$130 ton e importar trilhos R$870 ton para que os vagões carreguem nossa riqueza. Isso é respeito? É justo o governo pagar desapropriações para entregar uma área inicialmente de 500ha (497,…) fazendo um contrato de concessão gratuita de uso de bem público,por 30 anos renovável por mais 30, sem custos para o beneficiado e neste caso, a BAMIN, sem lcitação, em área de Proteção Ambiental, desrespeitando a Lei, permitindo instalação em desacordo com esta Lei, Senhor Advogado? Isso é DEMOCRACIA?

É DEMOCRACIA, concluir apresentando tantas conseqüências, algumas impossíveis de serem mitigadas outras com danos irreversíveis, destruir tantas riquezas naturais, por causa da síndrome de Cabral que ainda existe no nosso País? O que eu assisto hoje, são pessoas que discursam em defesa do povo, tomando atitude para destruir este povo e ainda filiando-se a partidos políticos que enaltecem o socialismo a democracia e na prática atuando de forma completamente contrária, fazendo com que as suas atitudes não referendem seus discursos. Isso é nojento!

O que são vôos elevados? O que é ser grande? É TER ou É SER? Quem pensa em TER será para sempre pequeno. Tenhamos o suficiente e possamos todos viver em paz.

Mirinho

Falando especificamente sobre o Complexo Porto Sul, é impressionante como este empreendimento – calcado em uma visão estratégica voltada à descentralização do desenvolvimento da Bahia – desperta a ira de um determinado e reduzido, apesar de bastante articulado, setor da sociedade. Matéria publicada neste domingo (27) no jornal A Tarde indica os interessados no naufrágio do projeto: operadores dos portos de Suape, em Pernambuco, Pecém, no Ceará, e o empresário Eike Batista, que constrói o Superporto de Açu, no norte fluminense, estão entre eles. São as tais “forças ocultas” às quais o governador Jaques Wagner se referiu em pronunciamento na Assembleia Legislativa da Bahia. É gente que hoje fatura ou que pretende faturar no futuro com o escoamento de produtos que a Bahia atualmente não tem condição de despachar. É a essa turma que interessa espalhar a fantasia de que o projeto público está atrelado unicamente ao interesse de uma empresa privada.

Socorro

Agora este grupo ou grupelho e tantos outros adjetivos pejorativos que escreveu, estão também a serviço de nomes citados no Jornal A TARDE? Que estratégia podre essa. O nosso Governador foi enganado por alguém que certamente deve ter feito ele acreditar que nestas paragens só tem imbecis e idiotas e certamente são pessoas que receberam muitos votos com seus discursos mentirosos e deve ter razão de pensar assim desse povo, já que se fez acreditar. O Governador apesar de ter dado continuidade à relatoria da Lei da Mata Atlântica, tem demonstrado não ter muita intimidade com a questão ambiental, mas isso é natural, pois poucos ainda se interessam por este tema e esta é a nossa casa. O Governador vai acordar e banir esta coisa ruim de perto dele.

Mirinho

Além das forças ocultas, há também os interesses travestidos. Gente que se fantasia de defensora da causa ambiental, mas que na verdade está associada a outras causas. É de espantar, por exemplo, a “preocupação” do senhor Fábio Feldman com o meio ambiente de Ilhéus, cidade onde serão instalados o porto e o aeroporto do Complexo Intermodal. Feldman foi deputado e secretário do meio ambiente de São Paulo e não se sabe quais foram suas grandes contribuições à natureza naquele estado. O Rio Tietê, por exemplo, seria um bom mote para Feldman levantar sua bandeira.

Socorro

É de espantar querer discutir este tema sem ter conhecimento de que Fábio Feldman foi o relator da Lei da Mata Atlântica e atuou exaustivamente na Lei Ambiental do nosso País e ainda que a Mata Atlântica não é exclusiva de Ilhéus, da Bahia e a Lei é Nacional. Portanto, é de estranhar tamanho desconhecimento e tão absurdo argumento. Certamente que Feldmann está preocupado até com a sua preservação e merece todo o nosso respeito. É importante que também saiba que a BAMIN tem seu CNPJ inscrito na Junta Comercial do Estado de são Paulo.

Mirinho

O meio ambiente em Ilhéus de fato merece atenção. Nos últimos 20 anos, acentuou-se o processo de degradação de áreas de mangue, como acontece nas invasões da Rua do Mosquito e do bairro Teotônio Vilela. Os areeiros atuam á margem da lei. Os rios e a Baía do Pontal recebem esgoto sem tratamento. A Mata da Esperança, uma das maiores florestas urbanas do mundo, enfrenta um agressivo e contínuo processo de desmatamento. Na zona norte, loteamentos irregulares há muito tempo destroem espécies da Mata Atlântica e modificam a paisagem…

Socorro

Concordamos totalmente com você. Considerando que é político partidário, deve ser mais responsável que qualquer outro cidadão, pois todos estes problemas nasceram como desejam fazer nascer à fórceps o tal “Complexo”. Todos estes problemas são paridos em campanhas eleitorais. Além disso, 20 anos é a nossa Democracia e até você demonstra ainda não ter a consciência do que seja este regime de governo. A forma correta de evitar é atuar nos espaços de governança como alguns de nós estamos atuando e fazendo a diferença. Faça isso de fato representando o povo e não com interesse político partidário ou de forma fisiológica. Caso estivesse de fato preocupado com isso, teria contribuído como estamos fazendo para evitar. O que você fez? Nós estamos fazendo!

Mirinho

Tudo isso ocorre há muitos anos, sem que nenhum dos atuais opositores do Porto Sul tenha levantado sua voz. Há que se perguntar porque os contrários somente peçam passagem quando o impacto ambiental está relacionado a um projeto de infraestrutura, que tem o objetivo de melhorar a performance da economia baiana e gerar desenvolvimento em nosso estado. É aí que fica claro porque se movem e a quem atendem os que se articulam contra o Porto Sul.

Socorro

A resposta anterior contempla a sua desinformação nessa sua afirmação.

Mirinho

Se a causa fosse a defesa do meio ambiente, seria nobre, ainda que desfocada. Mas os interesses sub-reptícios pelos quais os pretensos donos da verdade pedem passagem são os que desejam manter a Bahia como um estado de opções limitadas.

Socorro

Pobre demais a colocação para merecer resposta e já longamente respondida em colocações nossas anteriores.

Mirinho

No caso de Ilhéus, propagam que o cacau e o turismo não podem conviver com o complexo logístico e as indústrias que ele irá atrair. Argumento míope e falso, pois o cacau não sofrerá nenhuma influência do empreendimento e, em alguns aspectos, o turismo será até beneficiado, deixando de ser sazonal e ativo em apenas uma estação do ano.

Socorro

Já respondido. Procure obter maiores informações sobre os temas.

Mirinho

Outra desonestidade é misturar o projeto público do Complexo Intermodal como o projeto privado da Bahia Mineração. Quem propaga essa bobagem omite informações importantes sobre o Intermodal, uma estrutura ampla e que tem um papel estratégico bem definido. A Bahia hoje perde receita e deixa de exportar vários produtos por não ter uma logística capaz de atender a uma demanda crescente. Grãos, fertilizantes, minérios e combustíveis serão escoados pela Ferrovia Oeste – Leste e pelo Porto Sul. No futuro, com a interligação entre a Fiol e a Ferrovia Norte-Sul, a movimentação de cargas será ainda maior, de modo que ainda é precipitado afirmar que produto mais utilizará a estrutura da ferrovia e do porto.

Socorro

Se existe desonestidade é por parte do Governo. O que está sendo licenciado é um TUP – Terminal de Uso Privativo e é para ele que está sendo construída uma Ferrovia que custará R$6 bilhões dos nossos impostos, que inclusive quem mora em são Paulo ou qualquer outro lugar deste País, também estará contribuindo. Pergunte para a BAMIN o que de fato ela queria! Ela responderá que apenas um mineroduto até onde ela apontou que deveria ter um Porto dela também. Peça para conhecer os acordos assinados com o Governo da Bahia em 03 de março de 2007 (2 meses e 1 dia depois de Jacques Wagner tomar posse no seu primeiro mandato) e em 09/11/2009. Tudo o mais que você aponta, representam 20% da capacidade de carga da Ferrovia. O nosso Governo deveria ser mais competente para evitar o movimento separatista do que criar um problema maior ainda. Queremos ajudá-lo e estamos fazendo isso. Talvez você esteja complicando mais a vida dele e a de todos.

Mirinho

O uso da Ferrovia Centro Atlântica, com o transporte do minério de ferro de Caetité até o Porto de Aratu, outra tese defendida por Feldman e Cia., seria inviável porque Aratu não possui estrutura para suportar novas cargas e a FCA é obsoleta. Além disso, esta opção comprometeria a estratégia de levar o desenvolvimento para o interior do Estado.

Socorro

Devemos informá-lo, já que participou de poucas reuniões sobre o tema, que o representante da BAMIN, nos informou quando questionado que a não utilização da FCA, se dava por ser aquela ferrovia, uma concessão do seu concorrente. Comece a imaginar uma Rodovia onde só podem trafegar caminhões de uma determinada empresa! Quanto a estrutura do Porto de Aratu, também não é isso que dizem os profissionais de logísticas não contratados pelo Governo ou pela empresa interessada em menor custo e não fazer acordo com o concorrente. Também não podemos exigir que você saiba tudo isso, pois só agora está de fato demonstrando interesse e estudando o assunto, mas acreditamos que continuando a estudar tirará suas próprias conclusões, pois acreditamos que sendo profissional autônomo, não tem pretensões de ordem fisiológica ou político partidárias. Não é verdade?

Mirinho

Importante destacar que quem pratica bravata não se presta a nenhum tipo de esclarecimento. E as informações sobre o Complexo Intermodal Porto Sul sempre estiveram à disposição da sociedade. Representantes do poder público, envolvidos com o empreendimento, se cansaram de vir à região dar informações sobre o empreendimento

Socorro

As bravatas vêm de outra fonte. Quanto a nós, fomos os responsáveis para, inclusive o Prefeito, tomar conhecimento do que o Governo do Estado estava prevendo para o município onde é a autoridade máxima. Além disso, foi por solicitação nossa que aconteceram a AAE – Avaliação Ambiental Estratégica e a formação do Comitê Tripartite de acompanhamento.

Mirinho

A militância contrária ao Complexo Intermodal é míope e, como tal, não enxerga um palmo à frente do nariz. Usa da mentira deslavada e a ignorância, desprezando o fato de que é perfeitamente legítima uma parceria público-privada para viabilizar uma ação de governo. Felizmente, esse grupelho não tem respaldo na comunidade regional, que já enxerga seus verdadeiros objetivos e ligações. A máscara verde já caiu há muito tempo.

Socorro

Além de tudo isso, através de parceiros nossos os documentos começaram a ser divulgados, pois para a maioria, a DEMOCRACIA ainda não existe. Sempre que vieram à Região foi para nos desinformar, desviar, mas estivemos atentos e continuamos, a qualquer passo dado. É importante frisar que o parecer do IBAMA negando licença na Ponta da Tulha, foi dado desde novembro de 2010. O Governo ou a BAMIN deram conhecimento à população disso e quais as causas? É este o Governo que informa? Você conhece os documentos que citei, de 03/2007 e 11/2009? Você conhece e sabe onde pretendem instalar o Pólo Siderúrgico? Você sabe da ZPE? Você já sabia de grão Mogol? Você sabia que a razão para a BAMIN não trazer o minério de ferro de Caetité por mineroduto é a mesma para a SAM trazer o minério de ferro de Grão Mogol em mineroduto? Quem confunde? Quem mente? Quem é míope? Quem mente deslavadamente? Quem enxerga tudo isso ou quem mesmo colocando lupa jamais enxergará?



18 responses to “DEBATE SOBRE O PORTO SUL: AÇÃO ILHÉUS X COESO

  1. Tribunal Regional Federal libera licença de instalação da Usina de Belo Monte

    Fonte :Agencia Brasil Brasilia

    Agora manda essa tal de Socorro ir ao Tribunal Regional Federal e dizer que não pode, será que ela tem algum poder de decisão, quero que publique por favor.

  2. Poder de decisão infelizmente ela não tem. O que ela tem na verdade é vontade de contribuir para melhorar a vida das pessoas; o que ela tem é vontade de trabalhar em prol de pessoas menos informadas e esclarecidas;o que ela tem é vontade de preservar aquilo que realmente importa, como a natureza. O que ela tem na verdade é vontade de expor realmente a verdade, não maquiando informações para obter resultados que favoreçam apenas um grupo de pessoas que pensam apenas em explorar pessoas que não tem acesso a verdadeira situação que estamos vivendo.
    Socorro………muita força p continuar lutando, mesmo os que a criticam amanhã poderão reconhecer a sua importância

  3. Caro Paulo Sérgio

    O Poder de decidir juridicamente eu não tenho, mas com certeza tenho o dever de dar conhecimento ao que conheço e é de interesse público. De trabalhar para a construção mais próxima da verdade dos fatos e desconstruir o que está totalmente equivocado, exceto se for achismo. Aí não posso fazer nada. Quando escrevo, evito “achar”. Juridicamente é assim mesmo, pois as Leis permitem interpretações que variam de juiz para juiz. Eu não julgo nada de ninguém, apenas busco ser o mais fiel possível à verdade.
    Só quero lembrá-lo que eu vou a qualquer lugar se eu quiser, pois tenho livre arbitrio e ninguém manda nada.
    O foco aqui é CLIPS!

  4. Ah! É bom atentar que a notícia traz informações importante sobre ser inalterável a decisão do IBAMA e aqui em Ilhéus, o IBAMA já deu parecer sobre a não instalação do TUP na Ponta da Tulha, ou seja, eles não voltarão atrás, pois são técnicos competentes e foram extremamente criteriosos para emitir o parecer. Está de parabéns o corpo técnico do IBAMA e certamente que o Curt dirá sim à sua equipe. Em outro local pode, mas na Ponta da Tulha o IBAMA já disse que NÃO!
    Considerando que o empreendedor se preocupada tanto com o Meio Ambiente e que vai fazer tudo que for possível para mitigar os impactos ambientais, certamente fará sorrindo o investimento de mais R$1 bilhão e utilizar todos os recursos técnicos mais modernos existentes em toda a linha da captação da água no São Francisco, até exportar o minério em um ponto do litoral baiano. Estão ganhando muito com todas as benesses.
    Entendeu?

  5. O que não se pode é ver pessoas que se gostam, que se admiram, se respeitam, que são amigos, indo as farpas, enquanto quem de direito aguarda nas entre linhas o tramitar dos processos burocraticos, meus amigos, defendam cada um seus pensamentos, porém não partam para a mão não, por favor, queremos o PORTO SUL SIM, mais queremos também que seja respeitado as diretrizes basicas para sua implantação, o resto a Deus pertence, amigos, “calma com a divindade do Ilê, são pensonificados por muita gente boa, lê lê Ylê ayê, é carnaval.

    Roberto Corsário

  6. Gostei do “debate”. Dessa forma, quem estava ainda em cima do muro sobre a instalação do complexo, poderá tomar partido. Contudo, que não seja pensador com mente alheia, mas que tenha suas próprias ideias e não seja alienado. Pense por sí reflita e aja na coletividade.

  7. CONSULTAR O SITE DO IBAMA :

    1- CLICAR EM PORTOS
    2- INFORMAÇÃO
    3- AGUARDANDO DECISÃO DO IBAMA SOBRE AMPLIAÇÃO DO PORTO DE ILHEUS E O TERMINAL PONTA DA TULHA.

    QUEM DECIDE E O IBAMA E NÃO AMBIENTALISTA.

    AMBIENTALISTA NÃO TEM PODER DECISÃO JUNTO AO IBAMA.

  8. Paulo Sérgio

    O que aparece no site do IBAMA não é sequer de longe tudo que existe e ainda não foi postado.
    Ambientalista não decide nada mesmo. Ambientalista são todos que acreditam ser o Ambiente provedor da sua subsistência, pois dinheiro, ferro, cimento, não se comem, mas são importantes e devem ser utilizados com moderação a fim de evitar que o dinheiro fique na mão de poucos e os recursos naturais de onde vem a nossa alimentação desapareça. A crise do alimento já atinge vários lugares do mundo e até mesmo na nossa cidade, pessoas não têm o que comeer, pois o dinheiro está nas mãos de poucos. É esse tipo de desenvolvimento que somos contrários e tenho certeza que o Senhor também. O Senhor não é ambientalista? De onde virá o seu alimento se esburacarmos toda a terra atrás de minério para vender e ganhar cada vez mais dinheiro, não distribuir, poluir rios e mares? Vamos comer dinheiro de quem ganhou muito enquanto a maioria ficou sem ele para comprar o básico? Pense bem! E principalmente, não pensemos apenas em nós, esquecendo do futuro dos nossos filhos, netos, bisnetos, etc.
    A NOSSA NATUREZA, DEPENDE DA SUA!

  9. Corsário
    Fique tranquilo meu amigo. Isso é apenas um debate no campo das idéias. Tanto eu quanto Mirinho, somos adultos o suficiente para transformar isso em uma guerra ou não nos reconheceermos ou respeitarmo-nos. Há três anos venho sofrendo agressões de toda espécie e nem por isso deixei de dialogar com quem tentou me desqualificar ou estigmatizar. Tudo isso é válido, pois certamente que provoca nas pessoas a vontade de conhecer mais e participar. O que não é possível e não devemos, é usar adjetivos pejorativos. Discutir tecnicamente é válido e deve acontecer. Ser a favor porque é a favor, não enriquecerá em nada o resultado disso. Mirinho está de parabéns pelo que escreveu, mas está equivocado. Certamente irá ler mais, desapaixonar mais e continuaremos lutando pelo que acreditamos ser o melhor para a nossa querida Ilhéus.

  10. Boa tarde
    Eu não poderia deixar de dar uma opinião quando vejo que no calor da emoção falam de inverdades como realidades:
    (É importante frisar que o parecer do IBAMA negando licença na Ponta da Tulha, foi dado desde novembro de 2010. O Governo ou a BAMIN deram conhecimento à população disso e quais as causas?)

    Eu até agora não entendi de onde o Editor deste blog e dona Socorro foram encontrar decisões e parecer do Ibama sobre o complexo Porto Sul, tema pouco conhecido do Ibama! Em nenhum momento em lugar algum há declarações ou parecer do órgão ou seus responsáveis. A única vez que o Ibama apareceu nesta região foi no final de novembro de 2010, dois analistas vieram conhecer na área e teve o apoio do escritório local? Não nenhuma decisão, exceto pelos boatos da mídias implantados propositadamente para chamar a atenção.
    Quanto a informação da leitora Socorro referente aos dados abaixo:
    “…Que a ADA é composta em 94,68% de sua área por Floresta Ombrófila Densa de Terras Baixas em estágio médio e avançado de regeneração, e que, de acordo com a Lei no 11.248/06.-
    1) Acreditamos que a mesma esteja falando de outra área, pois quem conhece um pouco de vegetação sabe que esta informação não corresponde a área citada. Vejam a definição de Floresta Ombrófila Densa -Flloresta ombrófila densa é uma mata perenifólia, ou seja: sempre verde com dossel de até 50 m, com árvores emergentes de até 40 m de altura. Possui densa vegetação arbustiva, composta por samambaias, arborescentes, bromélias e palmeiras.
    2) A lei que esta senhora cita acima diz respeito “Lei de Gestão de Florestas Públicas (Lei Federal 11.248/06) são os estados os principais responsáveis pela fiscalização, monitoramento e o licenciamento de desmatamento, manejo florestal e transporte de produtos florestais. Se a gestão florestal está centrada nos estados eles serão determinantes na governança ambiental sobre o tema e no desenho da estratégia nacional de REDD.”
    3) Outra coisa que me chamou a atenção e foi citado pela Senhora Socorro, foi quando a mesma indagou para o outro debatedor , Mirinho se ele conhecia a monilia?
    Primeiro acho que ela deveria também conhecer e saber que a monilia é uma doença do vale do Orenoco na América Central e que chegou até os cacauais do Equador , da Venezuela e parte das Antilhas, mas o foco da Ferrovia daqui a nuitos anos será passando pelo Mato Grosso, Rondonia e Acre e através do Perú, especificamente Cuzco, chegara até o pacifico, não entendi o que a monilia tem com esta relação, acredito que ela esteja mudando o mapa das fitopatologias.
    Atenciosamente,
    Gustavo Silva

  11. Caro Senhor Gustavo Silva, será um prazer responder-lhe. Tive a clara sensação de agora, estar dialogando com o meu dileto amigo Ed Ferreira.
    O parecer do IBAMA ao qual eu, o Editor deste Blog e o jornal A TARDE, e sem dúvida pela atuação do Emilio Gusmão que solicitou informações oficiais tanto ao órgão licenciador quanto à assessoria de comunicação da Ministra Isabella Teixeira, os quais confirmaram a conclusão do parecer, estão no parecer e foi dali que retirei a informação da existência de floresta ombrófila densa naquele percentual. Certamente que a empresa interessada deve ter uma cópia do parecer, já que estão estudando outras áreas. O IBAMA apareceu aqui por duas vezes e a segunda foi em julho de 2010, se voltaram em novembro o Senhor deve saber melhor que eu, pois fisicamente fico longe do Escritório em Ilhéus, se é que eles se apresentaram por lá, mas novamente a empresa deve saber disso, pois certamente, como é praxe, representantes do empreendedor devem ter acompanhado a equipe até o local. Eu li todo o parecer.
    Acredito também que o parecer veio até aqui para confirmar o que já havia sido afirmado pelos técnicos da biodinâmica, empresa que fez o EIA Estudo de Impacto Ambiental para a BAMIN.
    Na página 5.2.1-11 do EIA, poderá encontrar a resposta para o seu questionamento sobre onde eu e o blogueiro encontramos a informação da área que o Senhor diz ser inverdade. Parace-me que não conhece vegetação. Tem também uma tabela no EIA – Pág. 5.2.1-52 – Quadro 5.2.1-15 – Área e Distribuição Percentual das Classes de Cobertura Vegetal, Uso e Ocupação das Terras na ADA do Terminal
    Vegetação natural
    Floresta Ombrófila Densa de Terras Baixas 70,723 94,68
    Áreas Brejosas 2,282 3,05
    Uso antrópico
    Área Urbana 1,695 2,27
    TOTAIS 74,700 100,00

    Espero que estas informações satisfaçam a sua curiosidade. Caso não consiga encontra o EIA/RIMA da BAMIN, pode solicitar que nós temos e poderemos passar para que o Senhor saiba mais sobre o TUP – Terminal de Uso Privativo para escoar minério de ferro.

    Quanto a MONÍLIA, por favor lamento informá-lo que ela andou mais que seu conhecimento e já se espalho de Norte ao Sul do Peru. Leia quem entende do assunto: http://www.ceplac.gov.br/radar/monilia.htm

    Quanto ao questionamento que o Senhor faz ao IBAMA, vamos aguardar para ver se algum representanto do órgão responderá. O que eu fiz foi transcrever o que está no parecer, feito por uma equipe técnica multidisciplinar do órgão federal de licenciamento e eu acredito no que escreveram.

    Gostei de debater com o Senhor. Estamos à disposição para discutir o assunto, neste nível.

  12. Caro Senhor Gustavo Silva, será um prazer responder-lhe. Tive a clara sensação de agora, estar dialogando com o meu dileto amigo Ed Ferreira.
    O parecer do IBAMA ao qual eu, o Editor deste Blog e o jornal A TARDE, e sem dúvida pela atuação do Emilio Gusmão que solicitou informações oficiais tanto ao órgão licenciador quanto à assessoria de comunicação da Ministra Isabella Teixeira, os quais confirmaram a conclusão do parecer, estão no parecer e foi dali que retirei a informação da existência de floresta ombrófila densa naquele percentual. Certamente que a empresa interessada deve ter uma cópia do parecer, já que estão estudando outras áreas. O IBAMA apareceu aqui por duas vezes e a segunda foi em julho de 2010, se voltaram em novembro o Senhor deve saber melhor que eu, pois fisicamente fico longe do Escritório em Ilhéus, se é que eles se apresentaram por lá, mas novamente a empresa deve saber disso, pois certamente, como é praxe, representantes do empreendedor devem ter acompanhado a equipe até o local. Eu li todo o parecer.
    Acredito também que o IBAMA veio até aqui para confirmar o que já havia sido afirmado pelos técnicos da biodinâmica, empresa que fez o EIA – Estudo de Impacto Ambiental para a BAMIN.
    Na página 5.2.1-11 do EIA, poderá encontrar a resposta para o seu questionamento sobre onde eu e o blogueiro encontramos a informação da área que o Senhor diz não ser verdadeira. Parace-me que não conhece vegetação. Tem também uma tabela no EIA – Pág. 5.2.1-52 – Quadro 5.2.1-15 – Área e Distribuição Percentual das Classes de Cobertura Vegetal, Uso e Ocupação das Terras na ADA do Terminal
    Vegetação natural
    Floresta Ombrófila Densa de Terras Baixas 70,723 94,68
    Áreas Brejosas 2,282 3,05
    Uso antrópico
    Área Urbana 1,695 2,27
    TOTAIS 74,700 100,00

    Espero que estas informações satisfaçam a sua curiosidade. Caso não consiga encontrar o EIA/RIMA da BAMIN, pode solicitar que nós temos e poderemos passar para que o Senhor saiba mais sobre o TUP – Terminal de Uso Privativo para escoar minério de ferro.

    Quanto à MONÍLIA, por favor lamento informá-lo que ela andou mais que seu conhecimento e já se espalhou de Norte ao Sul do Peru. Leia quem entende do assunto: http://www.ceplac.gov.br/radar/monilia.htm

    Quanto ao questionamento que o Senhor faz ao IBAMA,sobre a Lei, vamos aguardar para ver se algum representante do órgão responderá. O que eu fiz foi transcrever o que está no parecer, feito por uma equipe técnica multidisciplinar do órgão federal de licenciamento e eu acredito no que escreveram.

    Gostei de debater com o Senhor. Estamos à disposição para discutir o assunto, neste nível.

  13. Socorro, vc merece meus parabéns por sua atitude. Guerreira, destemida discutindo com responsabilidade e informando aos leigos o que poderemos sofrer com esta temida ferrovia. Se o governo investisse 20% na região, voltariamos a ser aquela região antes da VB.

  14. Caro gusmão quando fiz a proposta de um debate aqui no seu blog, não pensava que daria nesse bom banho de informação. aqui estão os dois maiores representante desse imbroglio que o porto sul. o primeiro e o sr. mirinho que um grande conhecedor das questões portuarias. e a outra e a sra. socorro mendonça, outra conhecedora das questões ambientalistas. os dois estão ajudando a aumentar o debate que pretende ser muito rico. eu comoja falei defendo o porto sul, não como sendo uma solução para a região mais como uma medida paliativa a crise na região. não penso também que a destruição do meio ambiente seja provocado apenas pelo porto sul.

  15. Caro,
    João Carlos Silva

    Meu amigo, você cometeu um grave erro em chamar Socorro Mendonça de Guerreira, sempre chamei Socorro de Minha Guerreira e Musa, na última vez que tratei ela de minha Guerreira, ameaçou me processar, desde então trato por, prezada, etc.
    Cruz Deus-Credo, quero ir não responder processo na justiça na frente do capa preta “Juiz”, que decisão de juiz e sexo de anjos ninguém sabe até ser julgado e condenado.
    Melck Rabelo

  16. EU SOU TOTALMENTE FAVORAVEL AO ARGUMENTO DE “SOCORRO”.PARABÉNS VEJO QUE VC É UMA MULHER CONCIENTE E INTEIRADA,ALÉM DE DEFENSSORA DO NOSSO O2,PÃO DE CADA DIA ,LEITE E ETC. SÓ OS IRRACIONAIS PARA NÃO ENTENDER ISSO .

  17. É por isso q Ilhéus não vai pra frente, esse bando de hippies alternativos ficam empatando nosso desenvolvimento…SE TIVESSE MAR EM ITABUNA,O PORTO JÁ ESTAVA FUNCIONANDO…ACREDITEM!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *