NOTA DE ESCLARECIMENTO DA BAMIN

O processo de licenciamento prévio do Terminal de Uso Privativo da Bahia Mineração, em Ilhéus, permanece em seu curso normal, ao contrário do que informa nota produzida por este blog (clique aqui).

É necessário esclarecer que o parecer técnico 186, publicado a 8 de novembro de 2010 pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), não é conclusivo. O órgão ambiental solicitou a apresentação de novos estudos e alternativas locacionais, a fim de que a instituição tenha melhores condições para se definir quanto ao projeto.

Acerca do citado parecer, o então presidente do Ibama, Abelardo Bayma, encaminhou, no dia 25 de novembro de 2010, ao coordenador geral de Transportes do instituto, Eugênio Pio Costa, ofício no qual enfatiza o caráter dinâmico do processo de licenciamento ambiental e afirma que o Ibama analisará novos documentos antes de emitir parecer definitivo sobre a questão.

A empresa Bahia Mineração salienta que os novos estudos solicitados peloIbama, inclusive relativos a eventuais alternativas locacionais, encontram-se em fase de conclusão e os resultados serão apresentados ao instituto até o final deste mês.

A Bamin reafirma seu compromisso com o desenvolvimento da Bahia, com atuação social e ambientalmente responsável, bem como com a transparência em todos os seus posicionamentos.

Bahia Mineração

Assessoria de Imprensa

Comentário do blog.

O parecer técnico do IBAMA não representa a decisão final, mas é conclusivo quando afirma que a licença não deve ser concedida para Ponta da Tulha.

A BAMIN demonstra não estar preocupada em encontrar outras alternativas locacionais.

No dia 27/02, o vice-presidente da empresa, Clóvis Torres, afirmou em tom de ameaça (clique aqui), que a instalação do porto em outra localidade, que não a de Ponta da Tulha, seria economicamente inviável e que se a licença ambiental for negada, a empresa fecharia as portas no Estado.

Essa declaração é um desrespeito às leis ambientais e bate de frente com o parecer técnico do IBAMA.

Levando ao “pé da letra” o que disse Clóvis Torres, não temos condições de acreditar que a BAMIN seja “ambientalmente responsável”.



2 responses to “NOTA DE ESCLARECIMENTO DA BAMIN

  1. A verdade é uma só, com tantas tecnologias existentes, com tantos profissionais capacitados, um empreendimento com essa magnitude não passaria por despercebido. É muito difícil Com tantas informações não haver crescimento sustentável Todos nós seriamos hipócritas em acreditar em que não vai haver impacto ambiental, por menor que seja haverá, mas convenhamos. O Japão não é um país de primeiro mundo, uma super potência? Olha o impacto que ele esta gerando. Acredito que todo crescimento tem seu lado bom piores também. Deveríamos aprender com os dois lados. O que não pode é ver uma cidade, uma região com um potencial enorme de crescimento, sendo massacrada por pessoas que se diz ambientalista, mas na verdade esta sendo patrocinada por grandes empresários do setor. Sou a favor do complexo. Pelo menos alguma coisa vai mudar aqui, e eu vou ver uma mudança que nunca vi nesses meus 36 anos de vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *