GOVERNO DO ESTADO RECONHECE O SISTEMA CABRUCA

O governador Jaques Wagner assinou na última quarta-feira (07) o decreto 14.024, que regulamenta a lei nº 10.431, a chamada Lei Ambiental da Bahia.

Com isso, o estado passa a reconhecer legalmente as atividades agrossilvopastoris (agricultura, silvicultura e criação de animais) de forma integrada, estabelecendo níveis de impacto ambiental para esses modelos.

Com a nova medida, o principal impacto na região cacaueira é a liberação do manejo do sistema cacau cabruca.

A Ceplac define a cabruca como “um sistema ecológico de cultivo agroflorestal, que se baseia na substituição de estratos florestais por uma cultura de interesse econômico, implantada no sub-bosque de forma descontínua e circundada por vegetação natural, não prejudicando as relações mesológicas com os sistemas remanescentes”.

Segundo o coordenador da Comissão Técnica de Garantia Ambiental (CTGA) da Ceplac, Demosthenes Lordello, “A CTGA, que foi estruturada em agosto de 2010, fica autorizada a emitir pareceres técnicos ambientais em sua área de atuação. Estamos aguardando apenas Resolução do Conselho Estadual do Meio Ambiente (Cepram) para começarmos a atuar” afirma.

Com a garantia do manejo, a Conservação Produtiva proposta pela Ceplac, que será apresentada na Conferência da ONU para o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), tem o caminho aberto para o reconhecimento legal como um sistema produtivo, com sustentabilidade ambiental, social e econômica e cultural.



6 responses to “GOVERNO DO ESTADO RECONHECE O SISTEMA CABRUCA

  1. Wagner está de parabéns pela decisão.
    Fica faltando agora “apenas” um projeto para recuperação desta maravilhosa lavoura cacaueira. Lavoura depauperada por 25 anos de descaso, depois do crime da vassoura de bruxa, que foi atribuído a marginais isolados, que estavam no PT de Itabuna.
    Um deles, Wagner demitiu da Secretaria da Agricultura, corrigindo o seu erro histórico da nomeação.

  2. A CEPLAC na RIO + 20 – A verdade !
    Estou pasmado e gostaria de saber por que a imprensa e sociedade organizada de Itabuna se calam diante de uma farsa montada por Juvenal Maynart atual Superintendente da Ceplac, por pura vaidade e loucura, com único objetivo de se promover utilizando um órgão como a CEPLAC com mais de 50 anos de historia agora jogada no lixo por um esquizofrênico. A invenção de Juvenal é uma armação escandalosa, pesquisei no site oficial de promoção da Rio + 20 e jamais em tempo algum a CEPLAC consta no calendário da programação, nem mesmo na programação paralela promovida pelo evento. A verdade é que o Ministério da Agricultura terá uma única participação na Rio +20 no Centro de convenções Rio Centro na tijuca no dia 15/06 com o painel do Plano ABC – Agricultura de Baixa Emissão de Carbono. Contudo no intuito de divulgar e debater outras ideias e programas, o Mapa e não a Rio +20 criou um espaço alternativo na EMBRAPA solos localizado Jardim Botânico Rio de Janeiro, RJ.
    A organizaçao da Rio + 20 avaliou varios temas e programas inclusive o da Cabruca da CEPLAC, (Bahia) no final escolheu apenas dois como tema principal: A economia verde no contexto do desenvolvimento sustentável e da erradicação da pobreza e A estrutura institucional para o desenvolvimento sustentável. O erro de Juvenal foi acreditar que o programa Cabruca já estava garantido e seria debatido como tema principal no Rio Centro, no entanto foi excluido.Surpreedido e sem alternativa para manter a barrigada, Juvenal pegou carona na apresentaçao de um tecnico da Ceplac no painel do Sistemas Agroflorestais no dia 19/06 na Embrapa solos e conseguiu inserir um filme sobre a Cabruca, bancado pela Mars cacau o instituto cabruca que custou em tono de 70 mil reais.Ainda assim ele continua alimentando essa mentira. Portanto esse Juvenal é um manipulador.
    Abaixo os endereços de site oficial que provam a ausência da CEPLAC na rio + 20 e mostram apenas a participação de forma truncada na programação criada pelo MAPA.
    http://www.rio20.gov.br/​sobre_a_rio_mais_20
    http://www.rio20.gov.br/​sala_de_imprensa/​programacao-dos-eventos-paralel​os-da-rio-20
    http://www.rio20.gov.br/​eventos/calendario_eventos
    http://www.agricultura.gov.br/​arq_editor/file/Home%20Page/​Rio+20/programacao%20RIO20.pdf

  3. de um amigo

    ” CEPLAC, RIO+20 E A VELHA MENTALIDADE OBTUSA

    A presença da Ceplac/Sul da Bahia na Rio+20, com a apresentação do projeto de Conservação Produtiva de Cacau, deveria ser motivo de orgulho.

    Mas há que, escancaradamente, torça contra e reze com as mãos contritas para que tudo não passe de balela, propaganda enganosa, espuma.

    Repete-se, no caso da Ceplac na Rio+20 e velha mania grapiuna de gastar dois reais para que outra pessoa não ganhe um real, tese espetacularmente cunhada por Helenilson Chaves, ele mesmo tantas vezes vítima de desse (mau) hábito.”

  4. Caro Valter.
    Em minha opinião, a história da CEPLAC, com mais de cinquenta anos, foi jogada fora quando foi praticado o maior crime de terrorismo biológico do planeta terra, muito provavelmente por funcionários daquela casa.
    Também, em minha opinião, a CEPLAC só pode voltar a ser respeitada, quando esse crime for esclarecido e quando os próprios funcionários daquela casa se fizerem respeitar e EXIGIREM que seja esclarecida a verdade sobre o crime da vassoura de bruxa de uma vez por todas, afim de que os inocentes não fiquem pagando pelos pecadores. Quanto a Juvenal, ele é apenas um superintendente que vai passar assim como outros passaram.
    No RIO+20, seria muito bom que o mundo conhecesse a roça de cacau em cabruca. Porém, a CEPLAC ta meio confusa, pois primeiro mandava fazer derruba total, agora gaba o cacau a pleno sol e ao mesmo tempo quer “vender” o marketing do cacau cabruca.
    Se escutassem a opinião de um simples cacauicultor, resolveriam a questão da seguinte forma: poderiam incentivar a manutenção do cacau cabruca, desde que para isso, o agricultor fosse remunerado, pois sabemos que esse tipo de cultivo tem baixa produtividade, mais também poderiam incentivar novos plantios de cacau em áreas já abertas, como forma de reflorestamento, sequestro de carbono, isso, claro, em áreas propícias para o cultivo de cacau, a pleno sol ou casado com árvores frutíferas a adequadas a ex: cajá, jenipapo e outras.
    Saudações.
    Dorcas.

  5. A TV Santa Cruz acabou de cair no conto do Juvenal.
    Desafio Juvenal, Superintendente Regional da CEPLAC, provar a participação da Ceplac no calendário de Programação oficial da Rio +20. Não vale mostrar programação do Mapa (Ministério da Agricultura)

  6. Obrigado Gusmão, a publicação do meu comentário em seu Blog estimulou uma Investigação do Jornal A Região, que recebeu um email da organização da rio + 20 desconhecendo a informação do superintendente da CEPLAC. O jornal estar nas bancas com a matéria completa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *