CONCURSO DA POLÍCIA CIVIL: SAIBA OS LOCAIS DAS PROVAS

Do site Concursos Brasil

brasao_policiacivilO Superintendente de Recursos Humanos da Secretaria de Administração do Estado da Bahia (SAEB) tornou públicos a data, o horário e o local da aplicação das provas objetivas e da prova discursiva, referentes ao concurso público para ingresso nas carreiras de Delegado de Polícia, Escrivão de Polícia e Investigador de Polícia do quadro de pessoal da Polícia Civil do Estado da Bahia (PC/BA).

As provas objetivas e a prova discursiva para o cargo de Delegado de Polícia terão a duração de 5 horas e serão aplicadas no dia 05 de maio de 2013, às 8 horas (horário local).  Já as provas objetivas e a prova discursiva para os cargos de Escrivão de Polícia e Investigador de Polícia terão a duração de 4 horas e 30 minutos e serão aplicadas no dia 05 de maio de 2013, às 8 horas (horário local). 

O edital de convocação informa ainda que o candidato deverá comparecer ao local designado para a realização das provas com antecedência mínima de uma hora do horário fixado para o seu início, munido somente de caneta esferográfica de tinta preta, fabricada em material transparente, do comprovante de inscrição e do documento de identidade original.

Clique em “leia mais” e confira o local de sua prova.

(mais…)

O BLOG DO GUSMÃO RECOMENDA: A MULHER DO PRÓXIMO

capa-mulher-do-proximoHá muitos iludidos certos de que fazem grande jornalismo.

Essa foi a constatação deste editor ao concluir a leitura de “A Mulher do Próximo”, de Gay Talese, uma reportagem “pra valer” em que pouquíssimos seriam capazes de chegar.

O autor, uma das referências do “New Jornalism”, choca os que têm certeza do passado mais careta (noção infantil).

Cuidadoso trabalho de pesquisa, cujo estilo mistura elementos da produção literária, a obra expõe o furor sexual da sociedade norte-americana antes da explosão da AIDS (final da década de 70).

Mulheres reais são expostas por segredos íntimos desvendados (na prática). O macho “dono da fêmea” fica vergonhosamente nu diante da liberdade feminina, sedenta por saciar desejos sexuais tão comuns (porém ignorados) quanto os dos homens.

O livro relata a coragem dos primeiros editores da indústria pornográfica e a intensa luta que travaram – contra o fundamentalismo religioso e moral – para fazer valer um dos princípios da 1ª emenda da constituição ianque (liberdade de expressão).

A vida de prazeres de Hugh Hefner (fundador da Revista Playboy) é descrita pelo olhar objetivo e encantado de Talese (eu queria estar no lugar dele).

A capa de uma sociedade supostamente puritana cai nos relatos das casas de swing e de seitas onde a permissividade era comum.

‘O paraíso da carne” (definição de John Updike) é objeto de investigação jornalística. O autor expõe seus entrevistados com surpreendente realismo (e concordância).

Há também um breve acerto de contas, quando o próprio Talese se mostra.

O livro é muito bom, excitante, um tijolo na testa dos preconceitos.

gay talese“Numa noite de domingo, quando voltavam ao campus num ônibus da Greyhound, na sequência de uma troca de beijos e carícias cada vez mais apaixonados no veículo escuro, ele instou-a a fazer uma felação nele ali mesmo, sob um cobertor. Ela ficou surpresa com o pedido e mais ainda com a própria disposição de ceder ao desejo dele sem relutância ou constragimento, tão ansiosa estava no momento para agradar-lhe, bem como excitada pela idéia de executar aquele ato nas costas dos outros passageiros. Quando abaixou a cabeça e pôs o pênis de Hugh na boca, sentiu não somente amor por ele, mas também o despertar intenso de sua própria libertação”.

Trecho do livro A Mulher do Próximo. Uma crônica da permissividade americana antes da era da Aids, do escritor norte-americano Gay Talese.