ENQUANTO SÉRGIO CABRAL RECUA, JABES RIBEIRO PREPARA REPRESÁLIAS

Nessa segunda feira 29, em entrevista coletiva e com um tom emocionado, o governador do Rio de Janeiro recuou. Sérgio Cabral tinha a voz embargada quando apelou que os ativistas desocupassem a rua de sua residência, no Leblon – uma das moradas mais caras do mundo. 

“Tenho filhos, um de 6 e outro de 11 anos”, informou Cabral, ao pedir que as manifestações voltassem para a sede do governo estadual. Com essa intenção, o governador retirou as grades que cercavam o Palácio Guanabara. Porque lá é o palco do “jogo político”, refletiu. Para Cabral, sua vida particular não deve ser perturbada, se referindo à suposta dicotomia entre o sujeito e o homem público. 

Sérgio Cabral não recuou apenas com as palavras. Ele anunciou que o parque aquático no complexo do Maracanã (que seria demolido e transformado em estacionamento e lojas) será preservado. O espaço é usado por atletas para treinos diários.

O governador do Rio de Janeiro também enfatizou que está aberto ao diálogo com os manifestantes. “Não sou um ditador”, disse Cabral. 

****

Comentário do Blog:

Enquanto Cabral recua, Jabes Ribeiro prepara represálias contra os trabalhadores mobilizados. As circunstâncias que afligem os dois políticos experientes são parecidas. O governador do Rio de Janeiro é mais pressionado pela maior visibilidade da sua situação. Por isso seu passo atrás. Mas na velha capitania, Jabes não está disposto a recuar. 

As supostas previsões de não pagamento do funcionalismo, corte de ponto e judicialização do confronto com os sindicatos, assombram os servidores ilheenses e articulam forças contra sua greve geral. 

Jabes agiu de forma parecida quando o Palácio Paranaguá foi ocupado pelo Reúne Ilhéus. Sempre à distância, representado por comissões do seu governo, o prefeito é acusado pelos manifestantes de usar essas comissões para ganhar tempo. Enquanto age através do sistema judiciário. Foi assim que ele expulsou o Reúne Ilhéus da Prefeitura, sem ao menos aparecer para o “diálogo aprofundado” de que tanto sente falta. 

Jabes também levará para a Justiça seu “diálogo aprofundado” com os trabalhadores ilheenses? 

 



15 responses to “ENQUANTO SÉRGIO CABRAL RECUA, JABES RIBEIRO PREPARA REPRESÁLIAS

  1. Como servidor do município e também como cidadão de um Estado Democrático, desconheço a autoridade deste governo de Ilhéus, a partir do momento que acarapuça democrática caiu e cedeu lugar a verdadeira face autoritária deste prefeito, algoz dos servidores. Os sindicatos devem assumir uma postura mais agressiva contra este prefeito. Devem usar o carro de som para divulgar as mazelas administrativa e convocar o povo para rua afim de tirá-lo já que foi o povo que o colocou lá no Palacio Paranaguá. FORA JABES, FORA JABES, FORA JABES…

  2. Gostaria muito e ficaria, deveras, mais e melhor informado sobre o assunto (como estrangeiro que sou, nunca ter trabalhado por conta de outrem no Brasil (já aqui cheguei como Aposentado) e de não estar ao corrente das Leis Laborais no País, daí as perguntas), que o Editor deste Blog me informasse do seguinte: Em caso de greves (decretadas e organizadas pelos Sindicatos), quem é que deve pagar (aos trabalhadores) pelos dias não trabalhados (consequência das greves)? Será que a Lei da Greve, determina Serviços Mínimos? E quem controla esses serviços mínimos? E quem não está inscrito como membro (sócio) do Sindicato, também é obrigado a cumprir as decisões dos Sindicatos (não só em referência às greves, mas também em outros assuntos correlativos)? No Brasil, a obrigatoriedade de se ser, ou estar sindicalizado, é efetiva? E quem quiser cumprir os Serviços Mínimos (caso não esteja inscrito em nenhum Sindicato), poderá fazê-lo ou será barrado? E as greves são decididas (decretadas) pela maioria dos Trabalhadores e em Plenários da Classe? E como são formados os Piquetes de Greve? E quem paga as quotas mensais aos Sindicatos (só os sócios dos mesmos (devidamente inscritos) ou todos os trabalhadores em geral? E ainda recebem “subvenções” da União, do Estado ou dos Municípios? E apresentam a sua (dos Sindicatos) “contabilidade” aos sócios e à Receita Federal? E os Corpos Diretivos dos Sindicatos (Secretariado, Tesoureiros, Diretores e outros) são remunerados? E há Eleições para os Corpos Diretivos, dentro dos Sindicatos? Quem deverá pagar os proventos pelos dias de greve (por isso não trabalhados), Sindicato ou Patronato?
    Agradecendo desde já a sua amabilidade nestas respostas (desculpe-me pelo facto da lista de perguntas ser um pouco extensa), espero que me deixe rigorosamente elucidado.

  3. ESSE É O DEMOCRÁTICO PREFEITO:

    Enilda falou em nome das cinco categorias de servidores que estão paralisadas. A sindicalista voltou a afirmar que o município nunca sentou à mesa para negociar as pautas e foi além: “O governo conversa via imprensa”.
    Segundo a professora, o prefeito Jabes Ribeiro alega falta de recursos para conceder aumento salarial a professores, guardas e agentes de saúde, mas reajustou o salário de seu chefe de gabinete e criou cargos “desnecessários” na procuradoria do município. E completou “O governo não quer cortar na própria carne, quer cortar a do servidor”.
    A sindicalista contestou a “abertura para o diálogo” da qual o prefeito tanto fala. Segundo Enilda, apesar de adotar esse discurso, o prefeito já afirmou que o aumento será zero. “Ninguém vai pra mesa negociar reajuste zero”, disse.
    As categorias, de acordo com Enilda, podem aceitar o reajuste zero, mas exigem o repasse da inflação, o “mínimo que o governo deve fazer”.
    FONTE: http://soemilheus.blogspot.com.br/

  4. Muito grata pelas publicações, Gusmão!Jabes só está piorando a sua situação, infelizmente para todos os ilheenses!

  5. Imaginava-se que o prefeito Jabes, tendo sido eleito pelo povo e não, proclamado monarca de Ilhéus como ele demonstra no agir; deveria sim, por compromisso, trabalhar para o bem coletivo ou pelo menos uns 50% para a coletividade e, os outros 50% para si e seus acionistas políticos instalados no palácio as expensas da viúva!
    Não entendemos os porquês dessa radicalização tzarista típica de Ivã O Terrível? Pós-empossado, o homem não dá mais um prego sequer em favor do povo! Agora só faz alguma coisa em seu próprio interesse ou dos seus serviçais; mucamos e damos de companhia! Pra nós, povo; plebeus e ralé, ele soltou os cachorros; mandou o truculento pessoal da MOSSAD fazer apreensões indiscriminadas pela cidade e, ainda por cima, nos ameaça com a Cavalaria e umas bordoadas a serem aplicadas pela Guarda palaciana? Como se já não fosse suficiente ter colocado toda a população do reino pão e água desde janeiro/2013.
    Piedade, meu rei! Manera aí que porque o povo já anda falando em avançar sobre os muros da Bastilha e acabar com essa bacanal que rola aí dentro por sete meses às nossas custas!

  6. Uma greve sem pé nem cabeça. Ilhéus não pode gastar tudo que arrecada com folha se não nunca terá dinheiro para reorganizar a cidade. Não lembro de mobilização desse nível no governo Nilton quando os salários viviam atrasando.
    Sindicatos oportunistas faz assim.

  7. ENGRAÇADO NÃO ESTOU SENTINDO FALTA DE PELO MENOS 1000 DESSES FUNCIONARIOS, OU SEJA, SE NÃO FAZEM FALTA É PQ SÃO DESCARTAVEIS.
    RUA NELES E USA ESSE DINHEIO PARA OBRAS PARA O POVO.
    FUNCIONARIO DA PREFEIURA DE ILHEUS QUER ISSO, O DINHEIRO DO POVO TODO PARA ELES E NADA PARA O POVO.
    FORA DILMA E LULA, CADEIA PARA OS MENSALEIROS DO PT.

  8. CHEGOU A HORA DO POVO ILHENSE, MOSTRAR PARA ESSE PREFEITO JABES RIBEIRO, QUE NÃO ESTA CONTENTE COM SUA ADMINISTRAÇÃO, E IR PARA AS RUAS PEDIR FORA JABES.

  9. A forma de ação entre Jabes e Cabral não poderia ser a mesma. O cenário a que Jabes está exposto tem características “muito particulares”.

    Por ser uma cidade pequena e entendendo o porque de muita gente está “jogando lenha na fogueira”, nos obriga a ser cauteloso na analise da situação e ter responsabilidade e muito cuidado na exposição pública das opiniões.

    As reivindicações são justas, mas não podemos esquecer dos “dois lados da moeda”.

  10. Todo castigo para esse pessoal que votou em jabes, é pouco. Pena que quem não votou nele também sofre com essa administração icnompetente e desastrosa que se instalou em Ilheus dando seguimento ao governo anterior. Um governo que pode tudo, até plantar notícias através do radialista Vila Nova que a prefeitura encontra-se numa situção difícil porque até as verbas da educação, saúde e merenda escolar estão sendo bloquedas para pagarem precatórios; tenha paciência, quanta mentira vomitada no ouvido do povo.

  11. Há, Há, Há!
    F. M. G. Pires . Pires? É estrangeiro? É igual a Jabes Ribeiro que mora em Salvador. kkkkkkkkkkkkkkkkkkk!

  12. Calma lá sei João Romão…
    O gringo F.M.G. Pires pode não ter um green card brasileiro, mas não deixa dúvidas de que é estrangeiro sim! Pelo sotaque, deve ser lá das bandas dos United States of Serjype.
    Um filho legítimo do Tio Sam; que em Ingrês é : uncle Sambastião.
    Pronto: Defendi o homem, matei a cobra, só não mostrei o pau!

  13. Sim, sr. João Romão, sou estrangeiro (Português) e resido em Ilhéus, vai fazer 8 anos. Só fiz aquelas perguntas, porque não entendo como é que, se fazem greves e não há, ao menos (como é o caso atual em Ilhéus), os serviços mínimos. Na Europa quando há greves (e são muitas ao longo de todo o ano), não é como aqui, daí a minha “apreensão” e eu, tal como todos os habitantes de Ilhéus e seus arredores, sofremos na pele, este “descalabro dos serviços municipais” (nada funciona). Também lá, tal como em qualquer País do Mundo (onde é permitido por Lei, fazer greves), não é o patronato que paga os dias não trabalhados devido a greves e sim os Sindicatos da classe, os quais decretam tais jornadas de luta com vista a melhorias salariais e outras reivindicações de nível social ou de aperfeiçoamento profissional para os trabalhadores por eles representados.
    Sr. Romão, não estou a ver onde está a semelhança ou igualdade, entre mim e o Jabes Ribeiro, como também não estou a ver, o que lhe deu, para rir assim tão “desalmadamente” (KKKKKKKKKKKKKKKKK).(Penso que ele também tem residência em Ilhéus, já que um vizinho meu, que é Guarda Municipal, faz serviço noturno de segurança na residência do Prefeito Jabes).
    E fico-me por aqui, pois já tenho mais do que fazer e ir consultar os Links que o Thiago Dias me sugeriu, para melhor saber acerca das Leis Laborais, do Direito à Greve e dos Sindicatos. Para si, as minhas risadas de d……. .
    P.S. Como estrangeiro, não quis, nem quero e nem devo me imiscuir nos assuntos internos e nem com pessoas, de um País que me têm acolhido muito bem. Simplesmente, quis saber mais pormenores sobre os direitos e regalias dos trabalhadores brasileiros, tal como suas obrigações e deveres. Passar muito bem…

  14. Sem dúvidas nenhumas que, o sr. Mustafá (SERÁ DESCENDENTE DOS MEUS VIZINHOS DO MAHGREB? (Países do Norte de África), é “um cara” com muita piada (fartei-me de rir com o que ele escreveu!!!…, já há muito tempo que não me ria tanto).
    Penso que não me defendeu e não matou cobra nenhuma, mas se quiser mostrar o pau, pode fazê-lo (se tiver coragem…), garanto-lhe que não me irei rir, do que, nos ou me mostrar.
    Passar muito bem, e… continue a fazer as “suas defesas!…”, especialmente aos “gringos”, pois eles bem precisam de suas “ajudas” (defesas).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *