PELA 2ª VEZ, O MINISTÉRIO PÚBLICO DIZ NÃO A JABES

Promotora Karina Cherubini explicou a função do MP Estadual, durante a reunião no auditório da Justiça Federal, no dia 20 de julho desse ano. Imagem: Emílio Gusmão.
Promotora Karina Cherubini explicou a função do MP durante a reunião no auditório da Justiça Federal, no dia 22 de julho desse ano. Imagem: Emílio Gusmão.

No dia 22 de julho, durante reunião no auditório da justiça federal, em Ilhéus, o prefeito Jabes Ribeiro passou por vários constrangimentos ao se reunir com sindicalistas e membros do Reúne Ilhéus.

Num deles, mais uma vez o alcaide tentou usar a imagem do Ministério Público. A estratégia funciona da seguinte forma: Jabes monta uma comissão com representantes de vários segmentos organizados da sociedade, incluindo membros dos MPs estadual e do trabalho. Dessa forma, sugere à opinião pública que os órgãos estão do seu lado, quando na verdade, as comissões servem para empurrar as reivindicações solicitadas, e os MPs não funcionam como consultores técnicos.

Nesse dia, a Promotora Karina Cherubini causou um dissabor ao prefeito. Ela afirmou que não é missão do Ministério Público dar consultoria à prefeitura. Disse que a sua função era apenas de acompanhamento. Em seguida, sugeriu métodos para aumentar a arrecadação, e fez um apelo para que os gestores administrem os recursos públicos com lisura, sem corrupção. Cherubini lembrou inúmeros processos respondidos pelos ex-prefeitos Antônio Olímpio, Valderico Reis, Newton Lima e o próprio Jabes. O semblante enrugado de JR traduziu o desconforto.

Ontem, durante audiência no Ministério Público do Trabalho com os sindicatos dos servidores municipais em greve (eles cobram 5,8% de reajuste), o governo Jabes Ribeiro recebeu mais uma reprimenda. O secretário de administração, Ricardo Machado, e o procurador do município, Otavio Carmo, convidaram o MPT para “participar de comissão visando apurar o limite de gastos com pessoal efetivamente praticado”.

A procuradora Claudia Soares recusou o convite. Disse que vincular a negociação em pauta à auditoria pretendida, bem como, à participação do Ministério Público do Trabalho, OAB e outros órgãos na comissão, é uma tentativa do governo de transferir suas responsabilidades. Segundo Cláudia Soares, cabe à gestão municipal “administrar suas finanças e realizar as medidas necessárias ao cumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal e que tal papel é matéria interna corporis, não sendo atribuição do MPT”.

O governo Jabes Ribeiro se isola cada vez mais.

Clique nesse link para ler a ata da audiência.



8 responses to “PELA 2ª VEZ, O MINISTÉRIO PÚBLICO DIZ NÃO A JABES

  1. Uma coisa que Jabes deveria fazer para economizar: Rever a canetada dada por Carmelita, poucos dias antes de sair da secretaria, reduzindo a carga horária dela e de alguns amigos em 20hs baseada numa lei que já foi extinta. Isso ajudaria a reduzir a folha de pagamento da educação. Você, Gusmão, tem meios para verificar a veracidade deste fato.

  2. Pelo que entendí o MPT está mandando o prefeito se virar e demitir centenas de servidores. O que dói é a omissão dos Sindicatos.
    Assim dica difícil.

  3. Dra Karina faz um excelente trabalho frente ao ministério público.
    Mas o restante dos que estão na foto… Misericórdia! Na época das eleições se mostram cordiais, preocupados com a situação dos munícipes, cheios de soluções. Agora depois que se elegem. Assumem as suas verdadeiras formas, tipo aqueles bichos da brilhante fábula de George Orwell “Farm Animal” o difícil é igualar apenas um, ao personagem principal. São tantos “Napoleão”.

  4. Hoje o que percebemos é que Ilhéus transformou-se na Cidade mais “Santificada” do mundo. Em questão de alguns meses, a quantidade de personagens que se auto proclamaram-se como santos é fenomenal.

    Algumas figuras, bastante conhecidas, que durante a administração do sr. Newton Lima e Valderico Reis, mantiveram a boca fechada por estarem usufruindo das benesses do poder, hoje querem impor uma imagem de paladinos da moralidade e de defensores dos interesses coletivos.

    Outra parte do grupo de “revolucionários”, tem como fato motivador, o não atendimento de suas demandas pelo atual governo. São os oportunistas de plantão, espalhados por diversos setores da sociedade local.

    Tem também o grupo dos sonhadores, auxiliados momentaneamente por alguns grupos de “fofoqueiros de esquina”.

    Não existe nenhum santo nessa história toda, mas não querer analisar os acontecimentos levando-se em consideração as particularidades existentes, é no minimo uma grande demonstração de cinismo.

  5. Mais parece a DANÇA dos espíritos ou dos espirituosos…ou o jogo dos erros …ah Shakespeare elucidou bem a gene humana…

  6. MAS FOI COM ESSA MESMA ESTRATÉGIA QUE ELE CONSEGUIU POESTERGAR O JULGAMENTO DE TANTOS PROCESSOS: ARTICULAVA-SE COM DETERMINADOS SEGMENTOS DA JUSTIÇA E, EM DECORRÊNCIA ELE IA GANHANDO TEMPO, PROCRASTINANDO E FAZENDO OS OUTROS LHE SEGUIREM. ATÉ CERTO PONTO, CONSEGUIU. MAS AGORA A COISA É DIFERENTE E ELE TEM VISTO A BANDA TOCAR DE FORMA CONTRÁRIA À SUA PRÁTICA.

  7. Georgenes,sds,
    vc bem que poderia DEMONSTRAR maior/melhor CONHECIMENTO no que se refere a ampliação/redução de carga horária: isto passa por ação do/a titular da pasta sob pedido de diretor/a escolar; [2º]é preciso que a Rede demonstre que existe vaga real para ampliar ou que a pessoa PEÇA a ampliação/redução; [3]existem duas Leis Municipais que regulam esta matéria:3.346/08 e 3.549/11 [4]outro detalhe: Carmelita já é APOSENTADA. Como reduziria/ampliaria “carga horária”?E qual Lei foi extinta?Vamos ocupar as mídias sociais para coisas mais SIGNIFICATIVAS.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *