CONSTRUÇÃO DA NOVA PONTE ILHÉUS-PONTAL LEVANTA QUESTIONAMENTOS

nova-ponte
Suposto “espigão” levanta dúvidas em muitas pessoas. Transparência no trato com as informações pode dirimir questionamentos. Foto: José Rezende Mendonça.

A construção da nova ponte Ilhéus-Pontal, obra executada pela empreiteira OAS, tem despertado questionamentos.

Por falta de transparência do Governo do Estado e da construtora, muitas pessoas não sabem precisar se o projeto original da “ponte estaiada” foi ou não modificado. Em junho de 2013, o então governador Jaques Wagner assinou a ordem de serviço da obra e inseriu a palavra “estaiada” na expectativa e no vocabulário dos moradores de Ilhéus. Conforme anunciado, o novo elo mediria 497 metros de extensão.

Com todo o direito, cidadãos querem saber se o projeto anunciado em 2013 foi modificado. Imagem: SECOM/BA.
Com todo o direito, cidadãos querem saber se o projeto anunciado em 2013 foi modificado. Imagem: SECOM/BA.

A desconfiança também é alimentada pela redução no valor final da obra, antes avaliada em R$ 180 milhões, hoje em R$ 96 milhões. O senso comum relacionou a queda no custo à operação Lava Jato, do juiz Sergio Moro. A impressão foi reforçada pelo fato da Constran (a primeira empreiteira que construiria a ponte) ter sido flagrada como parte do grande esquema de corrupção.

O surgimento de um suposto “espigão” bem próximo da Praia do Cristo também merece esclarecimentos. Até hoje as autoridades e a empreiteira não explicaram por quais motivos foi erguido e por quanto tempo ficará no local.

De acordo com informações chegadas a este blog, o Ministério Público Estadual já pediu explicações aos órgãos responsáveis.

Comentário do blog.

Atenção turma que acredita no mito do progresso. Não somos contra a ponte. 

O governo estadual deve realizar uma audiência pública para explicar às pessoas interessadas como a obra vai acontecer. É óbvio que a nova ponte é mais do que necessária, mas, por acontecer num espaço público, diga-se de passagem, no local mais belo da cidade, merece sim transparência e explicações.

PREFEITO ELEITO QUER REFORÇO NA SEGURANÇA DE ITACARÉ

Rosemberg Pinto, Maurício Barbosa e Antônio de Anísio.
Rosemberg Pinto, Maurício Barbosa e Antônio de Anísio. Foto: ASCOM.

Antônio de Anísio, prefeito eleito de Itacaré, participou na tarde desta quinta-feira, 27, de uma audiência pública na Secretaria Estadual de Segurança Pública e no Centro de Operações e Inteligência (COI).

Durante a reunião, o futuro prefeito destacou alguns pontos sensíveis na segurança pública da cidade. O objetivo da audiência foi buscar parcerias e investimentos para o município, um dos principais polos turístico da Bahia.

Antônio solicitou ao secretário estadual de Segurança Pública, Maurício Barbosa, um reforço na Operação Verão 2017 e a implantação do sistema de videomonitoramento no município, que será integrado ao Centro de Operações e Inteligência (COI).

O gestor solicitou ainda a instalação do Distrito Integrado de Segurança Pública (DISEP – ITACARÉ), o aumento do efetivo policial integrando a Polícia Montada (cavalaria) e Polícia Ambiental e aproveitou a oportunidade para entregar ao secretário a documentação do Conselho Comunitário de Segurança de Itacaré.

Além do prefeito eleito e do secretário de segurança, a audiência contou com a presença do deputado estadual Rosemberg Pinto, do vice-prefeito eleito Genilson Souza, do futuro secretário municipal de turismo, Júlio Oliveira e do futuro secretário de desenvolvimento urbano, Ademar Sá.

ÂNGELA RESSALTA BOM DESEMPENHO DO PSD NAS ÚLTIMAS ELEIÇÕES

angela destaque
Ângela Sousa. Foto: ASCOM.

Da ASCOM de Ângela Sousa

Em sessão plenária da Alba, da última terça-feira (25), a deputada Ângela Sousa agradeceu o apoio e parabenizou os colegas deputados pelo resultado nas eleições municipais de 2016. Ainda na oportunidade, ressaltou a expressiva representatividade do PSD nos municípios baianos, a sigla foi a que mais elegeu prefeitos no Estado, saindo vitoriosa em 83 cidades.

Falando em vitória maiúscula, a parlamentar parabenizou o prefeito eleito de Ilhéus, doutor Mário Alexandre, que resgatou em Ilhéus o desejo de mudança, com muita humildade e determinação colocou seu nome à disposição para receber o voto de confiança dos ilheenses, e venceu com 36.019 votos, quase 21 mil votos de frente para o segundo colocado.

A deputada finalizou sua fala dizendo que o tamanho da vitória é o tamanho da responsabilidade do futuro gestor, e faz com que ele estejam juntos com os ilheenses para cuidar da cidade.

Ressaltou também a colaboração de toda a equipe e de muitos voluntários que se juntaram para fazer esta campanha vitoriosa. Agradeceu o prefeito eleito Mário Alexandre seu vice Nazal e seus familiares, que juntos se fortaleceram para este expressivo resultado.

A parlamentar finalizou seu discurso endossando as palavras do deputado Robinho (PP), que trouxe para o plenário a discussão do problema da demarcação de terras que envolvem cidades do sul da Bahia, luta que ela vem travando junto os governos estadual e federal para acabar com esses conflitos entre pequenos produtores e indígenas.

O MERCADO DE TRABALHO EM ILHÉUS E ITABUNA NO MÊS DE SETEMBRO DE 2016

Sérgio RicardoPor Sérgio Ricardo Ribeiro Lima

Os municípios de Ilhéus e Itabuna após sucessivos saldos negativos mensais de emprego (diferença entre admissões e desligamentos), no mês de setembro voltaram a apresentar saldos positivos. Itabuna já apresentou saldo positivo em agosto, mantendo agora em setembro.

Para Ilhéus, no mês de setembro, o saldo foi positivo em 117 empregos e, em Itabuna, com 214 empregos. O setor com maior saldo positivo em Ilhéus foi a construção civil e, em Itabuna, foi o setor de serviços. Quanto às admissões, para Ilhéus, os que mais empregaram foram, por ordem, serviços, construção civil e comércio e, para Itabuna, serviços e comércio. Quanto aos desligamentos, em Ilhéus, os mais fortes, por ordem maior, foram serviços e comércio e, em Itabuna, por ordem maior, comércio e serviços.

No ano, de janeiro a setembro, Ilhéus vem acumulando perda de 1.300 empregos e Itabuna com perda de 52 empregos. Comparativamente ao mesmo período do ano passado, Ilhéus teve saldo negativo entre janeiro e setembro de 2015 de 694 empregos e Itabuna de 1.287 empregos.

Em resumo, observa-se que para o mês de setembro de 2016, Ilhéus e Itabuna parecem entrar na rota de recuperação dos empregos perdidos desde o ano passado. Em relação ao ano (janeiro a setembro) a situação de Ilhéus está bem pior, quando quase dobrou o saldo negativo de empregos quando comparado ao mesmo período do ano passado, enquanto Itabuna passou de um saldo negativo, entre janeiro e setembro de 2015, de 1.217 empregos para um saldo negativo de 52 empregos para o mesmo período deste ano.

Esperamos que os dois municípios entrem na rota de recuperação de suas economias. Brevemente estaremos lançando o Boletim de Conjuntura Econômica e Social[1] dos dois municípios, quando traremos o comportamento do emprego para o 3º trimestre e no início de 2017 lançaremos os dados do 4º trimestre e do ano de 2016. A expectativa é que Ilhéus e Itabuna, com a proximidade do fim do ano e com o veraneio e carnaval (particularmente para Ilhéus) entrem em processo de recuperação do empregos e de suas economias.

[1] O Boletim de Conjuntura Econômica e Social é uma produção do Projeto de Extensão CACES (Centro de Análise de Conjuntura Econômica e Social) vinculado ao Departamento de Economia da UESC. O objetivo deste boletim é a divulgação trimestral de indicadores econômicos e sociais dos municípios de Ilhéus e Itabuna.

Sérgio Ricardo Ribeiro Lima é professor do Departamento de Economia da UESC.

MARÃO E NAZAL PARTICIPAM DE REUNIÃO NA ASSOCIAÇÃO DOS DEFICIENTES FÍSICOS

marao-e-nazal-com-os-cadeirantes
Imagem: ADEFI.

Durante a campanha, os então candidatos a prefeito e a vice-prefeito de Ilhéus, Mário Alexandre (Marão – PSD) e Nazal (Rede), firmaram compromisso com a Associação dos Deficientes Físicos de Ilhéus (ADEFI). Garantiram que o próximo governo vai se aproximar da entidade para conhecer melhor as demandas dos seus membros.

Na manhã dessa sexta-feira (28), a convite do presidente da ADEFI, José Cruz, Mário Alexandre e Nazal participaram novamente de uma reunião na sede da entidade, na Avenida Almirante Aurelino Linhares, no Centro da cidade.

O presidente apresentou as principais propostas da ADEFI. A entidade defende a criação do Conselho Municipal das Pessoas com Deficiência. Também quer um setor específico da prefeitura para o atendimento das solicitações das entidades que representam cadeirantes e outras pessoas com necessidades especiais.

Os associados aprovaram hoje o regimento da ADEFI. Segundo Nazal, a organização demonstra a força do grupo para lutar por seus direitos. “Essas pessoas querem o respeito que merecem. Apontaram problemas no atendimento da prefeitura e deram sugestões que vão nos ajudar a resolvê-los”.

Conforme Marão, um tema comum em reuniões com outros grupos também foi o destaque do encontro dessa sexta-feira. “Todos os setores cobram mais espaço para o diálogo com os gestores municipais. Dessa vez, reafirmamos o compromisso sob o peso da responsabilidade que a confiança do nosso povo trouxe. Chegou a hora de cuidar das pessoas que mais precisam do poder público”, explicou o prefeito eleito.

BEBETO FAZ BALANÇO DA ELEIÇÃO E FALA SOBRE EMENDAS PARA ILHÉUS

bebeto-em-vila
Vila Nova entrevista Bebeto. Imagem: ASCOM Bebeto Galvão.

Da ASCOM de Bebeto Galvão.

O deputado federal Bebeto Galvão (PSB) cumpriu agenda de compromissos políticos em Ilhéus, ontem e hoje (dias 27 e 28), quando se reuniu com representantes dos partidos que compuseram sua chapa na sucessão municipal e com seus coordenadores de campanha. O encontro serviu para avaliar o processo sucessório e ainda para que o deputado reafirmasse seu compromisso com o município.

Bebeto apresentou recentemente emendas individuais que beneficiarão a saúde e a educação de Ilhéus, além de ter lutado para aprovar emendas de bancada que garantiram recursos de R$ 35 milhões para a requalificação da Central de Abastecimento do Malhado e verba para a duplicação do trecho Ilhéus – Itabuna da BR 415. 

O deputado assegurou que o prefeito eleito Mário Alexandre poderá contar com o seu compromisso em favor do município. “Terá o mesmo apoio que nosso mandato deu ao atual governo, apesar das divergências, tanto que viabilizamos recursos para obras nos morros, construção de quadras e equipamentos destinados ao Hospital Geral e para a Maternidade”, enfatizou Bebeto. Na condição de membro efetivo da Comissão Mista de Orçamento do Congresso, o parlamentar disse que manterá o empenho em busca de recursos para Ilhéus.

SALDO POSITIVO – Para Bebeto, mesmo sem ter conquistado a vitória nas urnas, a participação na corrida sucessória teve aspectos positivos. “Hoje pode ter alguém que conheça Ilhéus tanto quanto eu, mas ninguém conhece mais do que eu”, declarou o parlamentar. Ele disse que, ao assumir o desafio de disputar o governo municipal, estudou a fundo todo o funcionamento da máquina administrativa ilheense, além de ter visitado todos os bairros e distritos ao longo da campanha. 

“O que fica é uma relação de respeito pela população, que escolheu de maneira livre e democrática seu prefeito e terá deste deputado toda a dedicação e empenho para ajudar Ilhéus a avançar e a resolver seus problemas”, afirmou. Em entrevistas concedidas aos programas Tropa de Elite, da Rádio Bahiana, e O Tabuleiro, da Conquista FM, Bebeto destacou ter procurado fazer uma campanha baseada no debate de ideias. “Fomos alvo de tentativas de desconstrução, inclusive com muitas mentiras, mas mantivemos a linha propositiva de nossa campanha, pelo respeito que sempre tivemos e teremos ao povo de Ilhéus”, comentou. 

PEC 241 – Bebeto falou ainda sobre seu posicionamento com relação à Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 241, que estabelece um teto para os gastos federais pelos próximos 20 anos. O deputado disse que apoia o mérito da proposta, por defender a ideia de um orçamento realista, mas se absteve no segundo turno da votação da PEC na Câmara, por ter divergido da duração da medida. 

“Nós defendemos que o prazo fosse fixado em dez anos, com possibilidade de revisão na metade desse tempo, além de um dispositivo que permitisse, quando o país tivesse superávit, a destinação de 50% dessa economia para as áreas de saúde, educação, assistência social e infraestrutura”, afirmou. Segundo Bebeto, como o governo endureceu nas negociações, ele optou por se abster no segundo turno.