PROJETO DA MADRE THAÍS BENEFICIA ESTUDANTES DO COLÉGIO CATALÃO

Estudantes do quarto semestre do curso de Tecnólogo em Gestão de Recursos Humanos da Faculdade Madre Thaís (FMT) realizaraam o minicurso “Currículo e entrevista: caminhos para inserção no mercado de trabalho”. A atividade envolveu alunos do programa de Educação de Jovens e Adultos (EJA) do Colégio Estadual Eduardo Catalão. A iniciativa faz parte do “Projeto de Extensão RH na comunidade”.

O objetivo do minicurso é destacar as tendências do atual mercado de trabalho e promover orientações práticas nas principais etapas para a construção de um currículo profissional.

O projeto foi orientado pelos professores Antônio Sampaio e Elisane Colavolpe. A atividade serve para incentivar os graduandos a ampliar as suas perspectivas no campo de formação.

De acordo com a professora Elisane Colavolpe, que é a idealizadora do projeto RH na comunidade, o desenvolvimento de atividades como essas agregam conhecimento aos educandos e fortalece os conteúdos vistos teoricamente e os diálogos realizados em sala de aula.

A coordenadora do curso de Tecnólogo em Gestão de Recursos Humanos, professora Elba Karla Leão Silva, destaca que o projeto impulsiona o crescimento profissional e pessoal dos graduandos, como também agrega a formação da comunidade inserida no projeto de extensão.

O PRAZER DE ASSISTIR UMA AULA DE LITERATURA DO “IMORTAL” RAMAYANA

Nessa quarta, Ramayana vai assumir cadeira na Academia de Letras de Ilhéus.

Às 19 horas dessa quarta-feira (18), o professor Ramayana Vargens vai assumir a cadeira número 11 da Academia de Letras de Ilhéus. O novo “imortal” substituirá o também professor Dorival de Freitas (1933-2016).

Referência no ensino de literatura em todo o sul da Bahia, Ramayana é professor há mais de trinta anos. Atuou como jornalista nas décadas de 1960 e 1970, na cidade do Rio de Janeiro, principalmente no Jornal do Brasil. Na capital fluminense, também trabalhou como produtor cultural e diretor de teatro.

No início da década de 1980, como coordenador de cultura do Acre, foi um dos líderes do grupo de gestores que apresentou ao governo federal a proposta de criação do Ministério da Cultura. Na mesma época, também na coordenação, participou do Pacto Cultural da Amazônia.

O talento artístico de Ramayana transita livremente da poesia ao conto, passando pela música. Em parceria com Luciano Sanjuan Portela, compôs a canção “Ilhéus”. Com textos editados em antologias e diversos suplementos literários do país, tem dois livros prontos – Então Eu Grito (poesias) e Sustos Sem Suspiros (contos) – para publicação.*

Comentário do Blog do Gusmão.

A escolha da academia não poderia ser melhor. Ramayana é um literato. Nas suas aulas, interage com o texto de forma viva, suscitando o prazer da literatura. Essa paixão pela fruição literária é uma das suas grandes marcas.

A atitude dele em aula mobiliza o auditório, porque a sua interpretação entusiasmada abre caminho para o prazer estético de ler uma grande obra. O blog acredita que é remota a possibilidade de uma pessoa assistir aulas de Ramayana e não desenvolver interesse pela literatura. Além de aprofundar a discussão das obras, ele aborda como poucos as relações entre os textos e os contextos históricos dos escritores.

Levando-se em conta o nome “Academia de Letras”, a presença de Ramayana neste círculo especial é justíssima, pois poucos entendem de letras, sobretudo de literatura, como ele.

A Academia de Letras de Ilhéus está de parabéns.

* Esta matéria aproveitou informações do levantamento biográfico realizado pelo jornalista Zé Carlinhos.

EDITUS LANÇA FESTA LITERÁRIA DE ILHÉUS NESTA TERÇA-FEIRA

Editora da UESC realiza festa literária.

O lançamento da Festa Literária de Ilhéus está marcado para as 19 horas desta terça-feira (17), no Teatro Municipal. A Editora da UESC (Editus) é responsável pela realização da atividade, em parceria com a Fundação Pedro Calmon, a Secretaria Municipal de Cultura e a Academia de Letras de Ilhéus.

O encontro desta noite vai ter um bate-papo com o tema “A juventude na Era da Transmidia”. A diretora da “Associação EraTransmidia”, Renata Lea, e o professor, comunicólogo e produtor audiovisual Tcharly Briglia vão participar da roda de conversa. Já o Mc Cijay vai comandar no microfone na hora da intervenção musical.

A atividade vai ser um momento de preparação para a 6ª Feira do Livro da UESC e o III Festival Literário de Ilhéus, que acontecerão em maio. O tema em debate, transmidia, é uma área de estudo da comunicação social e das letras. O conceito de transmidia envolve produtos culturais elaborados para transitar em diferentes meios, como o texto impresso, a internet e o audiovisual.

PROFESSORES DA UESC APROVAM PARALISAÇÃO

Professores tomaram decisão em assembleia. Imagem de arquivo (2017): ADUSC.

Reunidos em assembleia na manhã desta terça-feira (17), professores da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC) decidiram que vão paralisar suas atividades na próxima quarta (25). Na oportunidade, a Associação dos Docentes da UESC (ADUSC) vai realizar um protesto em Salvador, com o objetivo de sensibilizar o governo Rui Costa a retomar o diálogo com a categoria.

Segundo a ADUSC, “após três anos sem correção das perdas provocadas pela inflação, os professores das Universidades Estaduais da Bahia (UEBA) acumulam o maior arrocho salarial dos últimos 20 anos. O dado faz parte de uma pesquisa encomendada pelo Fórum das Associações de Docentes (ADs) da UESC, UEFS, UESB e UNEB, ao Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (DIEESE)”.

Além da reposição salarial, os professores afirmam que o governo Rui Costa não respeita outros direitos trabalhistas. Os docentes também denunciam a defasagem do orçamento para a manutenção das universidades estaduais.

Professores das outras três universidades estaduais também podem aderir ao movimento de paralisação. Eles vão realizar assembleias ao longo desta semana.

AUTORIDADES BUSCAM SOLUÇÃO PARA ALAGAMENTOS NO VILELA

Reunião para solucionar alagamentos no Vilela. Imagem: Secom/Ilhéus

Na manhã dessa segunda-feira (16), representantes da Prefeitura de Ilhéus, Embasa e moradores do bairro Teotônio Vilela se reuniram no Centro Administrativo do Município, localizado no Bairro da Conquista.

A reunião teve como intuito debater as dificuldades encontradas pela comunidade, nas ruas Belo Horizonte e Padre João Borges, duas das principais vias de acesso ao Colégio Fábio Araripe e ao Residencial Vilela, que sofrem com os alagamentos.

O encontro foi mediado pelo secretário de Governo, Alisson Mendonça, que esteve acompanhado do Secretário de Serviços Urbanos e Infraestrutura, Hermano Fahning, do Superintendente de Obras, Átila Docio, vereador Abrahão Oliveira, engenheiro civil Leopoldo Pimentel, parcela da comunidade do bairro Teotônio Vilela e do presidente da Associação de Moradores do Residencial Vilela, Sputnik.

Segundo o secretário de governo Alisson Mendonça, o Teotônio Vilela sofre com problemas da falta de drenagem por ser um bairro nascido em área de mangue. Para o vereador Abrahão Oliveira (PDT), a reunião foi proveitosa, pois a população foi atendida pelo governo, expondo suas dificuldades.

No encontro ficou decidido que na próxima quinta-feira (19), técnicos da prefeitura e da Embasa estarão no local para a identificação dos bloqueios que causam os alagamentos. 

CONCURSO DA UESC DIVULGA GABARITOS DAS PROVAS

A Consultec, responsável pelo concurso da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), divulgou nessa segunda-feira (16) os gabaritos preliminares das três provas do certame. Acesse aqui. Já os gabaritos definitivos vão sair no próximo dia 30, e o resultado preliminar das provas, no dia 2 de maio, conforme previsão do edital.

DIREITOS HUMANOS EM DEBATE NA TENDA

Apresentações no Teatro Popular de Ilhéus.

Com o intuito de debater assuntos diversos e promove a arte, o Teatro Popular de Ilhéus retoma o projeto “Improviso Oxente” neste mês de abril.

O projeto contará com duas apresentações, hoje (17) e na próxima terça-feira (24), sempre às 19h, na Tenda Teatro Popular de Ilhéus, localizada na Avenida Soares Lopes.

Hoje o debate vai girar em torno do tema: Guerra e Paz – Conflitos que ampliam a desigualdade.  O assunto terá a mediação do professor Rafael Guimarães (UFSB). A apresentação contará com a participação de Andrea Liliana Ortiz Gonzalez (Universidad Sergio Arboleda/Colômbia), falando sobre o conflito armado e processo de paz na Colômbia, e de Janira França, militante da educação e do movimento de mulheres negras do campo, discorrendo sobre o papel da mulher na luta pela terra.

No dia 24 a exposição terá a mediação de Cleber Braga, (Universidade Federal do Amapá – UFAM), que vai abordar o tópico “As listas dos povos ancestrais”, com a presença de Mayailuz Ibargüem (Universidad Nacional Autonoma de México) abordando o tema “Conselho Indígena de Governo e a Vocera Marichuy: ganhos políticos”. Já os professores Casé Angatu Xukuxu (UESC) e Katu Tupinambá (diretor da Escola Estadual Indígena Tupinambá de Abaeté/Brasil) vão discutir as questões que envolvem a luta pela demarcação das terras em Olivença.

A participação do público vai ser gratuita.

JUSTIÇA CONDENA MORADOR DO VILELA POR POLUIÇÃO SONORA

No último dia 28, o juiz Guilherme Vieito Barros Junior, da 2ª Vara Criminal de Ilhéus, condenou Gilmar Cardoso Guimarães por poluição sonora.

De acordo com a sentença, no dia 28 de dezembro de 2015, a Companhia Independente de Polícia de Proteção Ambiental (CIPPA) flagrou a emissão sonora de 63 decibéis numa festa realizada na casa de Gilmar, no bairro Teotônio Vilela. Os policiais foram ao local às 18h15min, após uma reclamação da vizinhança. Por se tratar de uma área residencial, naquele horário, o volume máximo de som permitido é de 50 decibéis.

A polícia apreendeu o som usado na festa, que estava num carro. Depois, o Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA) denunciou o caso à Justiça, com base no artigo 54 da Lei de Crimes Ambientais (9.605/1998). O magistrado julgou a denúncia procedente e condenou Gilmar a um ano de reclusão, em regime inicial aberto.

No entanto, o juiz decidiu substituir a pena por uma medida de restrição de direito. Assim, proibiu o condenado “de frequentar bares e casas de tolerância” por um ano. Também determinou que o aparelho de som apreendido seja doado a uma instituição beneficente. Cabe recurso ao Tribunal de Justiça do Estado da Bahia (TJ-BA).

A SEGUNDA

A sentença do juiz Guilherme Vieito Barros Junior foi a segunda condenação por poluição sonora em Ilhéus. A primeira veio ao mundo em janeiro deste ano, proferida pela juíza Emanuele Vita Leite Armede – lembre aqui.