SINEBAHIA ITABUNA OFERECE 38 OPORTUNIDADES DE TRABALHO

Confira abaixo as oportunidades de emprego do Sinebahia Itabuna. As vagas ficarão disponíveis na próxima segunda-feira, 23.

A agência funciona no Shopping Jequitibá. Não esqueça de levar o número do PIS, PASEP ou NIS, Carteira de Trabalho, RG, CPF, comprovante de residência e certificado de escolaridade.

Vagas exclusivas para Itabuna. 

AUXILIAR DE LINHA DE PRODUÇÃO (PCD)

Exclusivo para pessoas com deficiência

Não exige escolaridade

Não necessita experiência

5 VAGAS 

OPERADOR DE TELEMARKETING (PCD)

Exclusivo para pessoas com deficiência

Ensino Médio Completo

Não necessita experiência

10 VAGAS 

COMPRADOR

Ensino Superior Completo em Administração,Ciências  Contábeis , Economia ou afins

Experiência mínima de 6 meses na carteira

1 VAGA

(mais…)

NA DESPEDIDA, SECRETÁRIA DE SAÚDE PEDE DESCULPAS POR ATOS INTRANSIGENTES

Elizângela Oliveira. Imagem: Clodoaldo Ribeiro.

O governo Marão decidiu exonerar a secretária de saúde de Ilhéus. Sai Elizângela Oliveira, entra o ex-secretário da área em Teixeira de Freitas e Itabuna, Geraldo Magela.

A própria Elizângela comunicou seu afastamento e o nome do substituto em grupos do Whatsaap.

Na mensagem postada nessa quinta-feira, 19, em tom emotivo ela fez agradecimentos e pediu desculpas por “qualquer ato intransigente”. Leia.

“Boa noite, filhotes!

Queria agradecer a cada um de vocês, [por] um ano de muito aprendizado, suor, brigas, amores, amizades, conquistas e principalmente trabalho.

Também queria me desculpar por qualquer ato intransigente, mas saibam que não tinha cunho pessoal. Aprendi a admirar cada um de vocês do jeito ímpar transferindo ao meu trabalho e pessoa.

Só tenho a agradecer e amar todos.

O mundo gira, e não pára, vamos nos encontrar muito com vcs, bem pertinho e com a saudade e com o coração!

Fico até o final do mês.

Já vou adicionar o novo secretário, Magela”.

Geraldo Magela não deixou boas lembranças em Itabuna. O ex-prefeito Capitão Azevedo (2009 a 2012) responde processo por usar recursos de um programa federal da saúde, para quitar a folha de pagamentos dos servidores. Magela era o secretário.

REDE ESTADUAL ABRE MATRÍCULAS PARA CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO

Imagem: Ascom.

A Secretaria da Educação do Estado da Bahia divulgou o período de matrícula dos cursos técnicos de nível médio para o segundo semestre letivo de 2018. São ofertadas 17.310 vagas, para 50 cursos. As vagas são para os Centros Estaduais e Centros Territoriais de Educação Profissional, além de unidades compartilhadas da rede estadual de ensino, em 115 municípios, em todos os 27 Territórios de Identidade da Bahia. A matrícula será entre os dias 24, 25 e 26 de julho na unidade escolar escolhida pelo estudante. O início do período letivo será no dia 30 de julho.

Do total de vagas, 9.335 são para a modalidade subsequente, destinadas a estudantes que concluíram o Ensino Médio e se inscreveram no Processo Seletivo que foi encerrado na quarta-feira (18) e cuja lista com os classificados já está disponível no Portal da Educação (www.educacao.ba.gov.br). As demais vagas são para as modalidades: Proeja Médio, voltadas para quem concluiu o Ensino Fundamental ou tenha o Ensino Médio Incompleto, com 18 anos completos, e Concomitante ao Ensino Médio, direcionada para o aluno que está matriculado no 2º ano do Ensino Médio em qualquer escola da rede estadual de ensino.

Matrícula – No caso dos que se inscreveram no sorteio eletrônico, os classificados conforme o número de vagas, devem se dirigir às unidades para as quais foram inscritos para realizar a matrícula. Nos demais casos, os interessados devem se dirigir às unidades com matrículas abertas, cuja lista está disponível no Portal da Educação. No ato da matrícula é preciso apresentar os seguintes documentos: original do histórico escolar; originais e cópias da carteira de identidade, do CPF, do comprovante de residência (água, luz, telefone fixo ou móvel, gás encanado, internet, contrato de aluguel, IPTU ou cartão de crédito), com data recente.

(mais…)

MÉDICO EXPLICA RELAÇÃO ENTRE O SONO RUIM E O GANHO DE PESO

Igor Salarini de Lucena. Imagem: Thiago Dias.

Há uma boa tendência entre os médicos atuais: facilitar a compreensão das pessoas sobre as práticas médicas. Esse é um esforço para transformar a relação com os pacientes. Nesse movimento, o profissional abre mão do rigor da linguagem técnica para tornar as informações de saúde acessíveis ao maior interessado: o paciente.

Os meios de comunicação, quando bem usados, são ferramentas importantes para alavancar esse movimento de aproximação entre médicos e pacientes. Tendo isso em vista, o Blog do Gusmão voltou a entrevistar o médico Igor Salarini de Lucena, com quem conversamos pela primeira vez em 2016, quando ele chegou da cidade do Rio de Janeiro para morar e trabalhar em Ilhéus, na Otoclin – lembre aqui.

Nesta segunda entrevista, realizada no último mês de junho, o otorrinolaringologista também se esforça para traduzir informações importantes da linguagem médica para atender a compreensão de quem não é da área. Um dos temas que Igor Salarini aborda é a relação entre um sono de baixa qualidade e o ganho de peso. Também trata dos procedimentos cirúrgicos que realiza em pacientes com problemas de audição, má-formação óssea facial ou lesões traumáticas. Confira.

Blog do Gusmão – O que mudou na Otoclin ao longo dos últimos dois anos, depois da sua chegada e de outros profissionais?

Igor Salarini de Lucena- Ao longo dos últimos anos, com o trabalho de toda a equipe da Otoclin, a gente implementou cirurgias de ouvido que antes só eram feitas em Salvador. Agora a clínica também realiza procedimentos cirúrgicos mais complexos na área da laringe, como a parte tumoral de alguns tipos de câncer. Também implementamos as cirurgias ósseas da face. Colaboramos também com a ampliação das plásticas de face na cidade e os tratamentos para a qualidade do sono.

BG – Como a pessoa pode avaliar a qualidade do próprio sono?

Igor Salarini de Lucena – Uma maneira é pedir que o companheiro preste atenção a isso, se a pessoa ronca ou demonstra dificuldade para respirar enquanto dorme. Esses são indicadores de problemas no sono. A gente faz uma distinção entre acordar e despertar. O paciente com apneia costuma acordar durante a noite, sem despertar. É como se permanecesse num estágio superficial do sono, o que é ruim, porque a pessoa não descansa.

BG – Existe uma relação entre a qualidade do sono e o ganho de peso?

Igor Salarini de Lucena – Sim. Muitas coisas estão relacionadas com a qualidade do sono. Nesse caso, se você dorme mal, seu metabolismo cai. Vamos pensar o seguinte: se nosso corpo não precisasse do sono, nós não dormiríamos. Se precisamos dormir, é por um bom motivo. Durante o sono, o corpo mantém o metabolismo basal. Quando desperta, você volta para o metabolismo mais elevado, por isso tem disposição. Mas, se você sofre com apneia e dorme mal, você não descansa. Assim, seu metabolismo não verticaliza essa variação entre o funcionamento basal e o elevado, ele se mantém mais linear. Com o metabolismo linear, o corpo tende a reter líquidos e a ganhar peso, porque fica lento, diminui a queima de calorias e aumenta o acumulo de gordura. A relação é essa: o sono ruim prejudica o metabolismo e isso repercute no ganho de peso. Tem gente que não descansa direito quando dorme e fica o dia todo sonolento.

Imagem: Thiago Dias.

BG – Você nota melhora na autoestima dos pacientes que realizam cirurgias faciais?

Igor Salarini de Lucena – Sim, melhora muito. O paciente que faz esse tipo de cirurgia plástica, normalmente, tem baixa autoestima por não se sentir belo. Quando um procedimento cirúrgico correto transforma essa relação com o corpo, você percebe o ganho de autoestima. Eu tenho o exemplo de pacientes que fizeram a rinoplastia, uma cirurgia que pode ser corretiva e estética ao mesmo tempo, e se transformaram depois da operação: o sorriso, o cabelo, a postura e o modo como se apresentam, tudo isso reflete os efeitos do nível de autoestima.

BG – Sim. Isso contraria a ideia de que a cirurgia plástica é algo fútil.

Igor  Salarini de Lucena – Mas existem também as doenças. Algumas pessoas se veem de uma forma distorcida. Quem sofre com esse tipo de distorção, independente do que o médico faça, vai se sentir feio. Aqui não é uma questão da aparência, há outra coisa por trás. Esse é um ponto importante que devemos compreender. O médico deve estabelecer critérios que o ajude a identificar isso. Às vezes, a pessoa diz que tem mudar tudo. Você olha e percebe que ela não precisa disso. Muitas vezes, a pessoa quer realizar uma cirurgia plástica para compensar outra coisa da vida. Por exemplo: “o relacionamento está ruim? Vou fazer uma cirurgia para melhorar.”

BG – Quais são as cirurgias de ouvido mais realizadas na Otoclin?

Igor Salarini de Lucena – Nós fazemos cirurgias de ouvido que ninguém faz na região. De certa forma, a Otoclin está se consolidando como referência regional nessa área.A gente faz a reconstituição do tímpano, a chamada timpanoplastia. Também realizamos as cirurgias de mastoide, indicadas para pessoas que sofrem com secreções nos ouvidos. É um procedimento mais complexo, porque envolve uma lesão interna que deve ser removida da parte óssea do ouvido. Também realizamos a cirurgia de otosclerose, que a gente pode comparar como uma artrose no ouvido. A pessoa começa a ter dificuldade para escutar, mas não ocorre uma perda neurológica da audição, é um problema ortopédico que afeta a sensibilidade. Isso pode ser resolvido com o implante de uma prótese.

BG – Você falou sobre a perspectiva de trazer outros serviços para a cidade. Qual é o mais próximo em vista?

Igor Salarini de Lucena – A gente está trabalhando na implementação do implante coclear. Com ele, crianças que nascem surdas podem passar a ouvir. Também é utilizado em adultos e idosos com perda auditiva.

BG – Por que esse tipo de implante é mais complexo?

Igor Salarini de Lucena – Porque é um procedimento profundo. Para dizer de uma forma mais clara e menos técnica, é como o implante de um transmissor dentro do ouvido. Aqui já estamos falando de uma zona neurológica.

Imagem: Thiago Dias.

BG – Muitos pacientes recorrem a cirurgias faciais para melhorar a aparência?

Igor Salarini de Lucena – No caso das cirurgias plásticas, sim, a maioria buscar melhorar a aparência. Já a cirurgia óssea facial, muitas vezes, é reconstrutiva e funcional, tem os esses dois aspectos associados. Há um ganho estético, mas o foco da cirurgia óssea é o tratamento.

BG – Em que circunstância o paciente pode ser submetido a uma cirurgia óssea na face?

Igor Salarini de Lucena – Vou dar o exemplo do Instituto do Sono da Otoclin. Os dois principais tratamentos para melhorar a qualidade do sono são: o cpap, aparelho que auxilia o paciente a respirar enquanto dorme, e alguns pacientes recebem a indicação para a ortognática, que é uma cirurgia óssea facial. Nela, o médico reposiciona os tecidos ósseos do paciente, mobilizando também os músculos faciais. Com isso, a pessoa para de roncar e tem um ganho significativo na qualidade do sono, sem o desconforto das apneias. Mas não são todos os pacientes que têm essa indicação. É bem restrito.

BG – Quais são os traumas que costumam trazer os pacientes para o Otoclin?

Igor Salarini de Lucena – A gente também está implementando essa parte de tratamento mais específico dos traumas na face, que também não existiam aqui. Por exemplo: o paciente que vai jogar futebol e toma uma cotovelada no nariz, sofre uma fratura, o nariz fica torto. Há outros tipos de fraturas e afundamentos faciais. Às vezes existe a lesão, mas o paciente não sente dor. Ainda assim, é bom que o médico seja consultado. Nós não fazemos o atendimento de emergência, aquele primeiro contato com a pessoa depois do trauma. Mas nós temos uma equipe capacitada para lidar com as etapas seguintes do tratamento. Por outro lado, existem os casos de objetos enfiados dentro do ouvido ou nariz. Nesse tipo de situação, recomendamos que o paciente seja levado direto para o otorrino, pois o hospital pode não ter instrumentos específicos para a remoção dos objetos. Nesses casos específicos, para remover objetos da região facial ou do ouvido, a gente atende situações de emergência.