ACIDENTES NOS OLHOS DENTRO DE CASA: COMO EVITAR?

Imagem ilustrativa.

De acordo com o Ministério da Saúde 110 mil crianças precisam ser hospitalizadas por ano em decorrência de acidentes domésticos. Dentre esses, os acidentes oculares são muito comuns. Os pequenos estão em fase de descobertas e querem tocar em tudo o que veem pela frente.  Diante disso, a atenção aliada a uma informação correta e precisa podem ser ferramentas muito úteis para prevenção de acidentes no lar, caracterizado, na maioria das vezes, como um local seguro.

O médico oftalmologista Dr. Antônio Nogueira, sócio fundador do CENOE Hospital de Olhos, dá algumas dicas de como prevenir alguns acidentes domésticos. Para o médico a organização dos ambientes deve ser bem pensada, com materiais de limpeza e medicamentos, por exemplo, sempre fora do alcance das crianças. Saponáceos, desinfetantes e outros produtos de limpeza podem causar queimaduras oculares se caírem diretamente nos olhos.

Outra dica importante é ficar atento a brinquedos pontiagudos, quinas de mesas e pias, pois  oferecem grande risco de perfuração dos olhos. Nos casos de acidente, a melhor atitude é levar a criança imediatamente para o hospital, para que um especialista analise o caso. Nos casos de ciscos, areia e pelos de animais, por exemplo, os olhos devem ser lavados com água corrente. Não se deve tentar retirar o corpo estranho manualmente, para não correr o risco de causar ou agravar uma lesão na córnea, aumentando a irritação. Caso a limpeza com água corrente não resolva, o acidentado deve ser levado ao oftalmologista.

Dr. Antônio Nogueira também faz outros alertas. “Sintomas como: ardência, vermelhidão, dores e inchaço nos olhos causados por lesões nem sempre aparecem logo após o acidente. Em alguns casos, eles demoram um espaço maior de tempo para se manifestar. Por isso, é fundamental procurar um oftalmologista sempre que houver um acidente ocular, por mais simples que pareça, só esse profissional poderá avaliar a gravidade do caso, diagnosticar com precisão os danos causados e indicar o tratamento adequado”, orienta o médico.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *