DISPUTA ENTRE VEREADORES DA BASE EXPÕE LIDERANÇA FRÁGIL DE MARÃO

Jerbson Moraes, Mário Alexandre e Paulo Carqueija.

Na tarde dessa quarta-feira (12), em votação secreta, a Câmara de Vereadores de Ilhéus vai eleger o presidente e os demais membros da sua Mesa Diretora para o biênio 2019-2020. Dois vereadores do partido do prefeito Mário Alexandre, o PSD, estão na disputa: Jerbson Moraes e Paulo Carqueija.

A necessidade de independência entre os poderes deriva da sua separação. É assim no plano ideal. Na prática, a história que conhecemos é a da influência do Poder Executivo sobre o Legislativo, nas três esferas, por meio da distribuição de cargos como matéria-prima da formação das bases aliadas.

Em Ilhéus não é diferente. Marão mantém a maior parte dos vereadores sob a sua influência. Em troca, esses edis ocupam espaço na gestão com indicações. Em dois anos, não se tem notícia de incômodo causado pela Câmara ao governo. Um ou outro vereador se rebela, mas sempre como voz vencida pela maioria.

A eleição do vereador Lukas Paiva para a Presidência da Câmara não desafiou Marão, porque foi um dos atalhos para o apoio do PSB ao seu governo. A escolha do presidente da Casa resultou de um consenso.

A situação atual é diferente. Duas lideranças influentes da base do governo querem presidir o Legislativo. Não há consenso, e o prefeito não demonstra capacidade para construí-lo. Também lhe falta coragem para expor sua preferência, mesmo entre os aliados. A hesitação expõe, por outro lado, a fragilidade da sua liderança.

Carqueija e Jerbson confessaram o desejo em comum ao prefeito, que não soube dizer não a nenhum dos dois.

Ainda que não explicite preferência,  o que se comenta nos bastidores é que o prefeito apoia Jerbson Moraes. Isso pode prejudicar a coesão da base, pela falta de transparência do prefeito com seus próprios aliados, ao optar por não tornar seu apoio público. Para manter a base unida, seria melhor que ele tivesse escolhido um nome. Na política tradicional, a orientação das bases funciona assim. Não é o espírito democrático que orienta Marão, mas sua falta de capacidade para calcular e assumir as consequências da escolha que se impõe.

Ele já deu prova dessa falta de habilidade quando revelou a contratação de pesquisa para captar a avaliação dos moradores sobre o trabalho dos secretários municipais. Disse isso em outubro, após a derrota eleitoral da sua mãe, a deputada estadual Ângela Sousa (PSD). Se já tem o resultado do levantamento, não o divulgou. O certo é que o prefeito, indiretamente, admitiu que não é capaz de avaliar o desempenho dos profissionais que lhe cercam na administração do município.

O prefeito Mário Alexandre faz uma campanha para tentar calar o Blog do Gusmão com processos descabidos. Inclusive este texto pode ser objeto das investidas judiciais do alcaide. Pedimos a contribuição dos nossos leitores para a Vakinha que tem o objetivo de cobrir as despesas com advogados nas ações movidas contra o blog. Caso queira colaborar, acesse aqui.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *