Decreto de Marão afasta 100 professores e 22 guardas municipais. Veja o levantamento

Servidores municipais durante protesto. Foto: Sinsepi.

O decreto nº 128, assinado por Mário Alexandre e Bento Lima que afasta temporariamente 268 servidores não estáveis, afeta, sobretudo, o corpo docente da secretaria municipal de educação. Cem professores foram suspensos e não receberão salários.

Em obediência ao poder judiciário, também foram afastados 22 guardas municipais, 19 auxiliares de serviços gerais, 18 assistentes administrativos, além de vários servidores que exercem outras funções.

A lista afasta, infelizmente, pessoas muito conhecidas e de relevantes serviços prestados à população, a exemplo dos médicos Carlos Lira (obstetra), Silvana Otero (ginecologista) e Leônidas Azevedo (pediatra), a arquiteta Marilene Lapa e o jornalista e ex-secretário de comunicação de Ilhéus, Valério de Magalhães.

Cento e vinte e cinco servidores ganham entre R$ 5 mil a R$ 10 mil, oitenta e sete recebem de R$ 2.500 a R$ 5 mil.

Vale destacar que não há ilegalidades nos salários, uma vez que os servidores conquistaram as correções na justiça trabalhista, com base nos direitos previstos no plano de carreira, cargos e salários aprovado no final da gestão do ex-prefeito João Lyrio (1889-1992).

O Blog do Gusmão fez um levantamento, confira.



3 responses to “Decreto de Marão afasta 100 professores e 22 guardas municipais. Veja o levantamento

  1. E as familais de quem fez o concurso passou e ate hj está desempregado?
    Isso ninguém pensa!
    Perdeu noites estudando, se sacrificou passou e ñ foram chamados , e demais areas também!
    Isso é justo?
    Meritocracia já!

  2. E justo as pessoas estudarem , perderem noites estudando se sacrificando, passar num concurso e ñ ser convocado?
    E as familias dessas pessoas q estão desempregadas sabendo q é um direito seu ser convocado, enquanto dizias e mais dúzias ganharam o emprego atraves de indicação política sem mover uma pedra e nem está com o emprego?
    Obvio q ñ é…
    Meritocracia já!
    Que se cumpra a Lei!

  3. É justo pais e mães de famílias sofrerem as consequências da incompetência dos governantes que fizeram concurso sem legalizar a vida dos que já estavam?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *