Exclusivo. Ministério Público emite parecer favorável aos servidores afastados por Marão

Servidores municipais durante protesto. Foto: Sinsepi.

Após a decisão do juiz Alex Venicius Miranda, que determinou o afastamento dos servidores não estáveis da Prefeitura de Ilhéus, a Procuradoria Geral do Município entrou com um pedido de suspensão da sentença, com a justificativa de que vai causar a interrupção de serviços públicos importantes.

O recurso foi encaminhado ao Tribunal de Justiça antes da publicação do decreto do Prefeito Mário Alexandre que afastou 268 funcionários.

Os sindicatos (dentre eles o Sindiguarda), entraram com outros requerimentos para reforçar o apelo inicial.

Por meio de um parecer, o Ministério Público do Estado da Bahia opinou pela suspensão da sentença até que o recurso seja analisado pela instância superior.

A posição favorável do MP é importante para os servidores, mas a última palavra será do presidente do Tribunal de Justiça da Bahia, desembargador Gesivaldo Britto.

Leia o parecer.

Sinebahia Itabuna oferece 30 vagas nessa sexta-feira

Uma vaga para eletricista no Sinebahia Itabuna.

Confira abaixo as oportunidades de emprego do Sinebahia Itabuna. As vagas estarão disponíveis nessa sexta-feira, 15.

A agência funciona no Shopping Jequitibá. Não esqueça de levar o número do PIS, PASEP ou NIS, Carteira de Trabalho, RG, CPF, comprovante de residência e certificado de escolaridade.

Vagas exclusivas para Itabuna. 

AUXILIAR DE LINHA DE PRODUÇÃO (PCD)

Exclusiva Para Pessoas Com Deficiência

Não necessita escolaridade

Não necessita experiência

5 VAGAS 

ESTOQUISTA (PCD)

Exclusiva Para Pessoas Com Deficiência

Ensino Fundamental Completo

Não necessita experiência

1 VAGA 

OPERADOR DE TELEMARKETING (PCD)

Exclusiva Para Pessoas Com Deficiência

Ensino Médio Completo

Não necessita experiência

10 VAGAS  (mais…)

Operação prende suspeitos de tráfico de drogas em Barra Grande e Saquaíra; dois homens morreram

Foto enviada pela Polícia Militar.

Operação conjunta da PM com a Polícia Civil prendeu sete suspeitos de tráficos de drogas em Barra Grande e Saquaíra, localidades do município de Maraú.

A ação policial aconteceu às 5 horas desta quinta-feira, 14. Segundo a PM, os suspeitos atiraram contra os policiais depois que perceberam que seriam presos. Dois homens tombaram no confronto: Reinaldo de Jesus (vulgo Pajé) e outro conhecido como “Do Bode”.

Foram apreendidas três armas de fogo, seis aparelhos celulares, 300 gramas de maconha, material para embalagem e uma adolescente de 13 anos que estava no grupo.

Foram conduzidos para a delegacia de Maraú: Denivaldo dos Santos (40 anos): Heildson Bonfim Santana (26 anos); José Conceição Souza (31 anos); Joelson Assunção Marques (25 anos); Vinícius Pinto dos Anjos (18 anos); Thiago Pereira Passos (19 anos) e Ivanildo Conceição Bonfim (39 anos).

A operação reuniu policiais da 72ª CIPM/Itacaré, delegacia territorial de Marau (7ª COORPIN), CAERC, RONDESP (Sul) e GRAER.

Trabalho no Assaí Atacadista: não há mais vagas para candidatos sem experiência

Érico Fontes explica o “não há vagas”. Fotos: BG e Blog do Chicó.

Leitores do BG passaram a madrugada na fila do SAC e ouviram a informação “não há mais vagas”.

De acordo com Érico Fontes, coordenador do Sinebahia Ilhéus, o número de candidatos para vagas que não exigem experiência foi preenchido. Ele explica que grande parte das pessoas que foram até o SAC, em busca de trabalho em supermercados, está fora do perfil.

Ainda segundo Fontes, de 07 a 13 de fevereiro cerca de 800 pessoas foram encaminhadas para a disputa por vagas que não exigem o pré-requisito da experiência.

Quer economizar energia elétrica? Então conheça a tarifa branca

Imagem: Falando a Verdade/reprodução.

Desde 1º de janeiro de 2018 entrou em vigor a Tarifa Branca. Com ela, a energia elétrica consumida fora do horário de pico será mais barata, mas a população deve avaliar muito bem o seu perfil de consumo antes de aderir à nova opção, pois, se mal utilizada, pode gerar aumento na conta de luz, em vez de economia.

Desde 1º de janeiro de 2019, unidades consumidoras com média anual de consumo mensal superior a 250 kWh podem aderir à nova tarifa. Em janeiro de 2020, todas as unidades consumidoras poderão aderir à Tarifa Branca.

A medida não valerá para os grandes consumidores, como as indústrias, nem para quem é incluído na tarifa social de energia. Também não se destina à classe de iluminação pública.

A intenção da Tarifa Branca é racionalizar o consumo nos horários de ponta e estimular a utilização nos períodos de baixa demanda. Alguns eletrodomésticos que representam um alto consumo, como chuveiros elétricos e climatizadores de ar (ar-condicionado e aquecedor) costumam ser acionados pelas pessoas ao chegarem em casa, no fim do dia. Então, nem todos conseguirão reduzir a utilização nos horários em que a tarifa é mais cara. O consumidor tem que ficar atento a esses detalhes e analisar bem antes de tomar a sua decisão.

Para auxiliar os clientes a entender o que é a Tarifa Branca e ajudá-los na tomada de decisão, a COELBA disponibilizou em seu site cartilhas explicativas sobre o tema. Também a Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee) preparou uma cartilha sobre a Tarifa Branca, assim como a Agência Nacional de Energia Elétrica – Aneel.

Nos dias úteis, o valor da Tarifa Branca irá variar em três horários: de ponta, intermediário e fora de ponta. De acordo com a Aneel, a COELBA têm os seguintes horários:

DE PONTA – das 18h às 20h59;

INTERMEDIÁRIO – das 16h às 17h59;

FORA DE PONTA – das 21h até 15h59.

Nos feriados nacionais e finais de semana, o modelo de cobrança da tarifa branca será considerado fora de ponta. O consumidor poderá fazer a solicitação da sua adesão junto à concessionária de energia que atende a sua cidade. Após análise do pedido, a concessionária tem 30 dias para fazer a troca do medidor de energia, no caso de unidades consumidoras já existentes, ou nos prazos e procedimentos padronizados para casos de novas solicitações de fornecimento.

Caso o consumidor queira reverter a medida e retornar à Tarifa Convencional, ele pode solicitar à distribuidora que irá providenciá-la no prazo de até 30 dias. Mas vale registrar que este consumidor só poderá solicitar uma nova adesão à Tarifa Branca após 180 dias do retorno à Tarifa Convencional.

A distribuidora será responsável pelos custos de aquisição e instalação dos equipamentos de medição necessários ao faturamento da Tarifa Branca. Porém, o consumidor é responsável pelos custos decorrentes de eventuais alterações no padrão de entrada de sua unidade consumidora.

É importante que o consumidor seja consciente e, antes de optar pela Tarifa Branca, faça uma análise profunda de seus hábitos de utilização da energia elétrica ao longo do dia, comparando-os com os períodos de ponta e intermediário definidos pela Aneel.

Vale ainda registrar que a Tarifa Branca nada tem a ver com as bandeiras tarifárias (verde, amarela e vermelha patamares 1 ou 2). Estas, por sua vez, indicam se haverá ou não acréscimo no valor da energia a ser repassada ao consumidor final, em função das condições de geração de eletricidade no país. A definição da bandeira tarifária do mês seguinte é publicada pela Aneel ao final de cada mês, sendo compulsória para todos os clientes.​

Com informações do site da Coelba.

Assista reportagem da Rede Globo sobre o assunto.

Danos à saúde em Brumadinho vão se prolongar por anos, afirma especialista da Fiocruz

Foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press.

Do blog do CEE-Fiocruz.

O impacto da tragédia de Brumadinho sobre a saúde coletiva vai muito além das mortes já causadas pelo rompimento da barragem do Córrego do Feijão e que já torna o Brasil campeão em número de vítimas fatais – que deve ultrapassar 300 – em um desastre.

O pesquisador Carlos Machado, do Centro de Estudos e Pesquisas em Emergências e Desastres em Saúde da Fiocruz (Cepedes/Fiocruz) e integrante da Estratégia Internacional das Nações Unidas para a Redução de Desastres, analisa neste comentário, que, como já foi possível verificar no caso de Mariana – o maior em extensão ambiental –, os danos ambientais refletem-se em danos à saúde, da população local e de cidades vizinhas.

Elevação do número de casos de dengue, doenças respiratórias e doenças relacionadas à qualidade da água são algumas das consequências. “E vamos lembrar que as pessoas socorridas vão continuar precisando de atendimento. E aquelas que perderam seus entes queridos vão precisar de atenção psicossocial, de cuidados em saúde mental”, diz o pesquisador.

Nesse sentido, o papel do Sistema Único de Saúde é de enorme relevância na resposta a essas demandas. Carlos destaca também que das 24 mil barragens espalhadas pelo país, apenas 3% tinham planos de ação de emergência.

Assista abaixo.