CIPPA E ICMBio combatem a caça irregular no Parque Nacional Serra das Lontras

Parque Nacional Serra das Lontras, em Arataca e Una. Foto: SaveBrasil/reprodução.

Na última terça-feira, 09, por volta das 11 horas, o 2° Pelotão da CIPPA, em ação conjunta com os agentes do ICMBio, realizaram ações repressivas contra os crimes de caça predatória no Parque Nacional Serra das Lontras, cuja área de 11.336 hectares de Mata Atlântica fica nos municípios de Una e Arataca.

Durante o patrulhamento em trilhas utilizadas por caçadores, foi visualizado um homem portando espingarda e capanga que fugiu ao notar a presença da fiscalização. O caçador abandonou todo o material de caça.

Foram apreendidos: uma espingarda calibre 32; uma capanga; 04 munições e materiais para recarregar os cartuchos (pólvora, esferas e espoletas).

De acordo com o site Wikiparques, nesta Unidade de Conservação há duas serras (Javi e Quati) que chegam a mil metros de altitude e abrigam raras formações de florestas de altitude. Nos últimos anos, foram descobertas novas espécies de aves e plantas no local.

Espingarda apreendida: Foto: CIPPA/PS.

Apesar de apresentar grande potencial para ecoturismo, ainda não há muitas informações disponíveis sobre atrativos turísticos no Parque Nacional Serra das Lontras (Parna).

Com 11.336 hectares de Mata Atlântica, o parque tem elevada riqueza de espécies e significativa importância biogeográfica. O complexo montanhoso abrange florestas de baixada e de montanha.

Entre a diversidade de paisagens naturais se destacam praias, floresta e serra.

Considerando a importância ecológica e as pressões existentes na Serra das Lontras, a Sociedade para a Conservação das Aves do Brasil – SAVE Brasil definiu a área como prioritária de atuação e contribui, desde 2000, para a conservação da Mata Atlântica na região.

A região abriga um dos maiores mananciais de água da região cacaueira, abastecendo as cidades de Una e São José da Vitória.

O Parna apresenta grande potencial para ecoturismo pela beleza cênica e proximidade à BR-101.



One response to “CIPPA E ICMBio combatem a caça irregular no Parque Nacional Serra das Lontras

  1. É preciso investigar também, a captação irregular de água, feita por cafeicultores e uma análise frequente da água na região de produção de café, dada a forma como o manejo e cultivo da planta, se faz baseado em agrotóxicos e ofensivos químicos que certamente após averiguação, apontará danos ao meio ambiente e à população Arataquense.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *