Exclusivo. Presidente do TJ-BA suspende sentença que determinou o afastamento de servidores da Prefeitura de Ilhéus

Gesivaldo Britto, presidente do TJ-BA.

O presidente do Tribunal de Justiça da Bahia, desembargador Gesivaldo Britto, determinou a suspensão da sentença do juiz da 1ª Vara da Fazenda Pública de Ilhéus, Alex Venicius Miranda, que determinou o desligamento dos servidores municipais não estáveis.

Em outubro de 2018, o magistrado determinou o afastamento imediato dos servidores que ingressaram na prefeitura de Ilhéus, sem concurso público, entre 05 de outubro de 1983 e 05 de outubro de 1988.

O prefeito de Ilhéus, Mário Alexandre, se comprometeu a não afastar os servidores até a última decisão do judiciário, mas em janeiro deste ano voltou atrás e afastou 268 funcionários por meio de um decreto.

Em fevereiro, a desembargadora Silvia Zarif determinou o retorno imediato dos servidores, mas o prefeito Mário Alexandre, orientado pelo procurador Jefferson Domingues, decidiu não respeitar a decisão.

O advogado Davi Pedreira e os sindicalistas Lu do Sinsepi, Professora Enilda Mendonça e Professor Osman Nogueira posaram para foto nas dependências do TJ-BA.

Nesta segunda-feira, 18, a novela ganhou mais uma peripécia. O presidente do TJ-BA considerou que a decisão de primeira instância gerou lesão da ordem pública, uma vez que os servidores não tiveram direito a “ampla defesa e ao contraditório” quando o processo transitou no fórum de Ilhéus.

Gesivaldo Britto também levou em consideração as três décadas de serviço público e a faixa etária dos funcionários afastados. Segundo o desembargador, a sentença suspensa hoje gera um impacto econômico repentino para centenas de trabalhadores, em sua maioria pessoas idosas, que serviram ao Poder Público por mais de 30 anos.

Brito também reconheceu o princípio da dignidade da pessoa humana, previsto na Constituição Brasileira.

Leia a decisão.

 

Chocolate de origem do Sul da Bahia conquista consumidores de São Paulo

Foto: Daniel Thame.

Reportagem: Daniel Thame/Secom-BA.

Na semana que antecede a Páscoa, com a tradição dos ovos de chocolate, São Paulo recebeu o Chocolat Festival, realizado de sexta a domingo na Bienal do Ibirapuera.  O evento que teve o apoio do Governo da Bahia, recebeu cerca de 20 mil pessoas e gerou R$ 5 milhões  em negócios, abrindo um novo e importante mercado para o chocolate de origem produzido no Sul do Estado. O setor cresce 30% ao ano, com uma enorme demanda, em função da qualidade e com teores de amêndoas que variam de 50% até 100% de cacau, num produto de grande valor agregado.

 “A avaliação é altamente positiva. Passamos três anos planejando o festival e como o cacaueiro também frutifica em três anos, chegou o momento de expandir e consolidar o chocolate de origem afirmou o coordenador do evento Marco Lessa”. “As marcas chegam a São Paulo de forma madura, com qualidade, embalagens atraentes”. “O resultado disso é que muitos consumidores disseram que não precisam mais comprar produtos premium da Europa, o que demostra a potencialidade dos nossos produtos como negócio sustentável”, disse.

Marco Lessa. Foto: Daniel Thame.

Durante três dias, além da Feira do Chocolate, com mais de 40 marcas de origem do Sul da Bahia, o festival teve atividades como o Fórum do Cacau, Biofábrica de Cacau, Cozinha Show, Bean to Bar (da amendoa ao chocolate), ChocoDay, Ateliê do Chocolate e Cozinha Kids, um espaço especial para degustação e elaboração de chocolates, que fez a alegria das crianças.

Gerson Marques, que produz  o Chocolate Yrerê e também atua no setor de turismo rural, destaca que” Como primeiro festival em São Paulo do chocolate de origem da Bahia, ele cria condições para futuros eventos. Os produtores  estão muito satisfeitos com a exposição e as vendas realizadas e as perspectivas de novos negócios”. “Um sucesso de público e de negócios. Estamos chegando com força onde sonhamos e trabalhamos pra isso, que é o mercado paulista, que também pode ser a porta de acesso ao mercado internacional”, disse Henrique Almeida, do Chocolate Sagarana.

Gerson Marques. Foto: Daniel Thame.

Marly Brito, que produz um mix  de café, cacau e chocolate, destacou “recebemos muita visitação durante os três dias e comercializamos a totalidade dos produtos, além de garantir vendas futuras”. “Essa é uma oportunidade de aproximar o chocolate de qualidade do público paulista, que passa a perceber de um produto de origem com alto teor de cacau para o chocolate comum”.  Helen Schaly, da Conschá Chocolate, que é produzido numa unidade na própria fazenda, em Itacaré.  Já Leo Maia, do Chocolate Maia,  afirmou  que “foi  muito proveitoso, com um ótima aceitação para nossos produtos, especialmente o mel de cacau, que é o nosso carro chefe”.

Em junho, acontece em Ilhéus, o Festival Internacional do Cacau e Chocolat, o Chocolat Bahia, considerado o maior evento do gênero no país, que movimenta os setores de agroindústria, comércio, lazer, serviços e turismo.

Assaltantes matam surfista de Canavieiras na BA 001

Jackson faz a tradicional saudação “hang loose”, comum entre os surfistas. Foto: Whatsaap/reprodução.

A morte trágica de um surfista conhecido com Jackson repercute nas redes sociais.

Segundo relatos, ontem (domingo, 14), a vítima e um amigo conhecido como Maicon foram surfar no litoral sul de Ilhéus, próximo ao limite com o território de Una.

No retorno, por volta das 17 horas, a motocicleta que transportava a dupla foi interceptada na BA 001, trecho Ilhéus/Una, nas proximidades de uma propriedade conhecida como “fazenda de Fernando Gomes”. Paus e muitas pedras foram colocados na pista para impedir a passagem dos jovens. Maicon, que conduzia a moto, achou uma brecha e rompeu o cerco ao perceber que havia homens armados.

Jackson, na garupa do veículo, recebeu um tiro no abdômen e Maicon não sofreu dano. O condutor conseguiu levar Jackson até o Hospital Municipal Frei Silvério, de Una. Depois, uma ambulância o conduziu para o Hospital Costa do Cacau. Jackson entrou na emergência com vida, mas faleceu na mesa de cirurgia.

O BG busca mais informações sobre o latrocínio.

Atualizado às 13h28min.

Segundo informações do site Una News, Jackson tinha 24 anos, residia em Canavieiras e era sobrinho do vereador Nilton Nascimento, da mesma cidade.

Sinebahia Itabuna oferece 18 vagas de trabalho nessa terça-feira

Há uma vaga para gerente de supermercado.

Confira abaixo as oportunidades de emprego do Sinebahia Itabuna. As vagas estarão disponíveis nessa terça-feira, 16.

A agência funciona no Shopping Jequitibá. Não esqueça de levar o número do PIS, PASEP ou NIS, Carteira de Trabalho, RG, CPF, comprovante de residência e certificado de escolaridade.

Vagas exclusivas para Itabuna. 

OPERADOR DE TELEMARKETING (PCD)

Exclusiva Para Pessoas Com Deficiência

Ensino Médio Completo

Não necessita experiência

5 VAGAS

INSPETOR DE DISCIPLINA (MONITOR DE RESSOCIALIZAÇÃO) (PCD)

Exclusiva Para Pessoas Com Deficiência

Ensino Médio Completo

Experiência mínima de 6 meses na função

Possuir curso de vigilante ou bombeiro civil

Possuir curso de informática

2 VAGAS

MONITOR DE CFTV

Ensino Médio Completo

Experiência mínima de 6 meses na carteira

Possuir curso de CFTV

1 VAGA

(mais…)

Una: Zé Pretinho busca aproximação com a ex-prefeita Diane e o capitão Carlos

 

Capitão Carlos, Diane e Zé Pretinho. Fotos: internet/reprodução.

Na última quinta-feira, 11, a reportagem do BG encontrou por acaso, na Praça 2 de Julho, em Ilhéus, o ex-prefeito de Una, José Bispo dos Santos, o popular Zé Pretinho.

Líder político de importância eleitoral em Una, ele comentou a suspensão dos seus direitos políticos por cinco anos, conforme decisão do juiz federal Lincoln Costa, publicada neste blog no dia 13 de março.

O magistrado acatou denúncia do Ministério Público Federal que acusou o ex-prefeito de utilizar verbas da educação (FUNDEB), quase R$ 36 mil, sem comprovar o destino correto. Segundo o MPF também houve desvio de finalidade.

Zé Pretinho nos disse que foi condenado injustamente e à revelia. “A justiça não me encontrou para me intimar e todo mundo sabe onde eu moro. Não estou inelegível. Só um tribunal pode fazer isso e eu já recorri”, explicou.

Ainda prefeiturável, disse que o cenário de Una vai estar aberto nas eleições municipal de 2020 e que tentará uma aproximação com a ex-prefeita Diane Rusciolelli e o capitão Carlos, lideranças que também fazem oposição ao prefeito Tiago Birschner (PP).

Ao ser perguntado sobre os erros do passado, que propiciaram o retorno da família Birschner ao comando de Una, Zé Pretinho admitiu arrependimento, “eu mesmo tirei e eu mesmo coloquei aquele povo de volta, por isso paguei um preço caro”.

Prefeito a partir de 2005 até fevereiro de 2008, Zé Pretinho foi afastado devido a irregularidades em empréstimos consignados de servidores municipais.

Em 2016 tentou retornar ao comando da prefeitura e obteve 23.49 % dos votos válidos. No mesmo pleito, Diane tentou a releição, mas só conseguiu 25.54% e o capitão Carlos teve 12.17%. Tiago Birschner venceu a eleição com 38.04%.

Leia a nota de Zé Pretinho sobre a decisão da justiça.

Polícia prende em menos de 24h homem que assaltou deputada do partido de Bolsonaro

José Augusto usou um revólver no assalto contra a deputada. Fotos: Ascom/Civil e internet.

A Polícia Civil prendeu José Augusto da Silva Santos, na última sexta-feira, 12, acusado de roubar a deputada federal Dayane Pimentel (PSL), em Feira de Santana, no mesmo dia.

Dayane Pimentel andava na Avenida Getúlio Vargas acompanhada do arcebispo metropolitano Dom Zanoni e de assessores quando foi assaltada. A parlamentar e seus colaboradores perderam telefones celulares e uma máquina fotográfica. O bandido portava uma arma de fogo.

Em depoimento, José Augusto revelou os locais em que escondeu os aparelhos roubados e a arma utilizada no crime. O material foi apreendido no bairro Baraúnas, em Feira de Santana.

Morte de senhora canadense no São Miguel não foi por violência

Ramona Louise Dawe. Foto: Blog Agravo/reprodução.

De acordo com informações do delegado Helder Carvalhal, do núcleo de homicídios da 7ª Coorpin/Ilhéus, não foram encontrados sinais de violência e agressões físicas no estabelecimento em que faleceu a senhora Ramona Louise Dawe.

Ramona faleceu na última quinta-feira, 11, no bar Morena do Mar. Ela tinha 64 anos e era canadense. A morte gerou tristeza em muitas pessoas residentes no bairro São Miguel, em Ilhéus, comunidade em que Ramona residia há muitos anos e era benquista.

O resultado da necrópsia finalizada na última sexta-feira, 12, indicou “morte de causa a esclarecer”. Segundo o delegado Helder, a maior probabilidade é de falecimento devido a fatores naturais.