MP-BA abre inquérito civil para apurar estacionamentos de locadoras nas ruas do Pontal

Carros de locadoras na Rua do Bonfim. Foto: Google Earth.

O Ministério Público da Bahia instaurou inquérito civil para apurar o uso de algumas ruas do bairro Pontal, em Ilhéus, por carros de locadoras. Os veículos ficam permanentemente estacionados nas imediações do aeroporto Jorge Amado, dificultando o trânsito e a circulação de pedestres e deficientes físicos.

Na portaria assinada na última sexta-feira, 19, o promotor Paulo Sampaio (11ª Promotoria) informa que o MP recebeu representação de um grupo de moradores sobre o uso indevido das ruas.

Segundo os reclamantes, a empresa Localiza é a mais abusiva, pois usa a Rua Davi Maia (antiga Bonfim) como garagem para os seus carros.

Leia a portaria.

Os solitários de si

Por Mohammad Jamal.

Na era da comunicação em massa, paradoxalmente ainda existe muita que vive em absoluta solidão; a solidão de si. Sei que causarei algum impacto com essa afirmação que vai de encontro aos sistemas ou pressupostos que se impuseram como incontestáveis ao pensamento, digo, contra aqueles que ainda pensam analítica e reflexivamente.

Reflexiono oportuno, sobre os Cem anos de Solidão, onde o Gabriel Garcia Marques, corajosamente, foi revolver o terreno do imaginário, exumar múmias inspiradas, talentos sepultados por séculos, numa tentativa desesperada para devolver à literatura a imaginação e personalidade perdidas. Não como o grito de arrebatamento proferido magistralmente sobre o degredo miserável exposto em O Arquipélago de Gulag por Alexander Soljenítsin, quando descreveu as dores e sofrimentos, no intenso conteúdo literário sobre suas memórias vívidas na gélida e distante Sibéria, os horrores praticados por um dos maiores assassino e fraticidas da história moderna Josef Stálin.

Vivemos uma era de admissibilidades e inexigibilidades comportamentais quase absolutas, onde tudo, ou quase, é corriqueiro, usual, comum… Não importando o “quantum” do agravante e desconfortável impacto é causado àqueles que ficaram para trás, que não entraram no clima, não assimilaram o “moderno” e, por isso, entraram para o rol das obsolescências, perderam as personalidades ante os novos “perfis” do moderno, ante a dinâmica “evolutiva” das populações e as variações de ocorrências comportamentais de indivíduos da mesma espécie (população); tudo isso por não conseguir, sem admitir concessões, defini-las entre os milhares de porquês subjetivos. Essa ignorância e desajuste a uma nova ordem social e sua pseudofilosofia comportamental os segrega e confina no gueto da obsolescência como um Gulag destinado ao arcaísmo sociológico de velhos cafonas.

Vivemos um mundo de fantasias megalomaníacas envoltas em transtornos obsessivo-compulsivos, dissociativos e conversivos amparados numa paranoia que força à compulsiva busca pelo destaque pessoal e meritocracia a qualquer custo. Gigantes num mundo liliputiano. Isso leva inúmeras pessoas a viver uma existência surreal e fantasiosa, porquanto dominadas pela ditadura dos modismos, das ambivalências alienistas. Você pode ter constituído talvez até mesmo introjectado e se revestido com dezenas “perfis” – vou omitir as inúmeras redes sociais – mas estará restrito uma única e exclusiva personalidade, porque de resto, tudo não passa de uma delirante surrealidade existencial. Ao desligar seu smartphone, seu notebook ou desktop você voltara ao confinamento no seu Gulag existencial, vestindo os panos que você considera desbotados e fora de moda com seu “eu” apequenado na penumbra.

(mais…)

Nazal apresenta sugestão de projeto de lei para organizar CEPs de Ilhéus

Vereadores Luis Carlos Escuta, Juarez Barbosa e o vice-prefeito José Nazal durante sessão. Foto: Ascom/CMI.

A necessidade de organizar os códigos de endereçamento postal (CEPs) do município de Ilhéus levou diversos representantes de associações de moradores, membros da sociedade civil organizada ao plenário da Câmara de Vereadores de Ilhéus, na tarde da última quarta-feira, 17.

Em Ilhéus, diversos bairros e sedes distritais possuem ruas sem nome, ruas identificadas por letras, números ou com nomes de pessoas vivas e outras sem qualquer identificação.

O vice-prefeito de Ilhéus, José Nazal, apresentou uma sugestão de projeto de lei para servir de base no trabalho do Poder Legislativo, permitindo que todas as ruas dos bairros, sedes distritais e áreas urbanas isoladas sejam devidamente denominadas. “A proposta é definir novos nomes para as ruas que possuem leis que não estão aplicadas; substituir as letras e números por nomes e colocar nomes nas ruas nas áreas urbanas, inclusive as da zona rural, buscando a posterior inclusão no cadastro do CEP”.

Além da organização da cidade, o vice-prefeito de Ilhéus, que participou da sessão, pontuou que a regularização do código postal do município vai permitir a inclusão de cidadãos nos sistemas digitais; possibilitar a abertura de empresas conforme exigência da JUCEB e o atendimento por parte dos Correios.

“Desta forma, Poderes Executivo e Legislativo iniciaram um minucioso levantamento sobre toda a legislação que envolve a denominação de ruas em Ilhéus, desde 1969 até os dias atuais. Foram levantadas 306 leis, nos últimos 50 anos, que definem os logradouros de cerca de 450 localidades. A cidade de ilhéus tem hoje 1.182 logradouros com CEP, e, após aprovação desse projeto o número de ruas cadastradas vai aumentar”, explicou o vice-prefeito.

Ainda segundo o vice-prefeito, “a má aplicação das leis vigentes no município e leis mal executadas atrapalham na condução desse processo de regularização do endereçamento postal. Locais como Inema e Banco Central, por exemplo, possuem leis denominando as ruas, porém, não estavam identificadas. É necessário que seja feito um esforço por parte de ambos os poderes para permitir a organização dos topônimos denominando as ruas e a devida atualização cadastral por parte dos Correios tornando obrigatórios que as concessionárias de serviços públicos unifiquem seus cadastros, beneficiando a população”, afirmou.

De acordo com o vereador Ivo Evangelista (PRB), autor do requerimento que promoveu a sessão espacial, a partir do projeto lei “a população poderá participar desse processo de regularização, indicando nomes e garantindo que a nomenclatura de ruas de bairros e distritos possam estar de acordo com o desejo de seus moradores, eliminando possíveis erros e permitindo o acesso a serviços básicos.

O vereador espera que a organização do código de endereçamento postal ocorra dentro de um prazo de até 120 dias, para que a lei seja sancionada pelo Prefeito Mário Alexandre e encaminhada para os Correios.

Governo Marão deixa orla de Olivença suja no feriado prolongado

O governo do prefeito Mário Alexandre parece que boicota o turismo de Ilhéus.

Muitas pousadas e hotéis estão com mais de 90% dos leitos ocupados.

O movimento cresceu principalmente na zona sul, onde carros de outras cidades circulam em grande quantidade.

Além da prefeitura não ter organizado um calendário de eventos, como em Itacaré e Porto Seguro, o governo Marão sequer faz o mínimo do básico.

A orla de Olivença, trecho exuberante do litoral ilheense, está repleta de lixo.

Não há justificativa para este erro crasso em pleno feriadão, pois o gasto com a limpeza pública aumentou depois que o governo tirou a empresa Solar Ambiental para colocar a CTA.

As imagens abaixo são da última quinta-feira, 18, feitas por um morador.