Marão vai cortar o ponto do agente de trânsito Tarcísio Paixão?

Notinhas.

Marão: o pau que deu em Valmir vai dar em Tarcísio?

Depois que o prefeito Mário Alexandre jogou o ex-secretário Valmir de Inema na cova dos leões, alguns possíveis ou prováveis aderentes ficaram desconfiados.

Receosos com a falta de solidariedade do prefeito, eles perguntam:

a folha de frequência do agente de trânsito Tarcísio Paixão será fiscalizada?

Sabe-se que o servidor municipal está foragido, pode ser preso ou se apresentar à justiça. Marão, severo com Valmir, também será duro com Tarcísio?

Em caso de ausência no trabalho, o ponto de Tarcísio será cortado ou Marão vai aguardar uma sentença condenatória?

Marão será tolerante uma vez que o procurado pela justiça é vereador, aliado e conhece as partes intestinas do governo?

Governo Marão quer interromper pagamentos de precatórios por 1 ano; TRT recusa proposta e Ilhéus pode perder recursos

Governo Marão pode “travar” por causa dos precatórios.

O prefeito de Ilhéus, Mário Alexandre, tentou fazer um acordo com o Tribunal Regional do Trabalho (TRT-05) e com a participação dos sindicatos que representam os servidores municipais da cidade.

O governo municipal tentou que o TRT concedesse 1 (um) ano de moratória no pagamento dos precatórios trabalhistas. Como contrapartida, os servidores municipais afastados em janeiro deste ano voltariam à folha de pagamento.

A proposta do governo contraria o acordo firmado em 2017, quando a prefeitura assumiu o compromisso de pagar cerca de R$ 1.3 milhão a cada mês, equivalente a 15% dos repasses do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) e 10% do imposto ICMS repassado pelo governo estadual. Em 2017, as dívidas trabalhistas somavam R$ 150 milhões e o município foi considerado o 4º maior devedor do país.

Nesta quinta-feira, 16, aconteceu uma audiência de revisão do acordo na sede da OAB/Ilhéus com representantes do TRT-05. O governo municipal foi representado pelo secretário de administração, Bento Lima, e pelo procurador-geral, Jefferson Domingues. Os desembargadores Jéferson Muricy e Marizete Corrêa, além do juiz Murilo Oliveira, representaram a justiça trabalhista.

O encontro se fez necessário, pois o governo Marão não pagou integralmente algumas parcelas, cuja soma ultrapassa R$ 4 milhões. Outro problema discutido foi o surgimento de mais precatórios desde o acordo assinado em 2017. Os novos processos somam R$ 65 milhões.

Quando ouviram a proposta de moratória do governo Marão, os representantes do TRT-05 recusaram de imediato. A ideia foi considerada absurda e improvável. Os sindicatos, diante do sofrimento dos servidores que estão sem receber salários há quatro meses, também negaram qualquer possibilidade de acordo.

Se o impasse persistir, a Prefeitura de Ilhéus terá que pagar cerca de R$ 2.3 milhões por mês, e se não honrar, o município vai perder o direito às certidões de regularidade com dividas trabalhistas. Ocorrerá também a suspensão dos repasses de recursos não constitucionais e impedimento de contratar com órgãos públicos e bancos oficiais, como Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, BNDES, Banco do Nordeste e Banco Mundial.

Convênios e contratos para obras de infraestrutura, mobilidade urbana, modernização tecnológica e saneamento básico estarão ameaçados.

Advogado de Tarcísio Paixão pergunta “onde foi parar o dinheiro?” e cita Gilmar Mendes

Advogado de Tarcísio citou Gilmar Mendes no pedido de revogação.

Tarcísio Paixão (PP), por meio do advogado Constantino Neto, ingressou com um pedido de revogação do seu encarceramento preventivo, junto à Primeira Vara Criminal de Ilhéus. A prisão cautelar do vereador foi determinada pela 1ª Vara Criminal de Ilhéus, como parte da Operação Xavier deflagrada pelo MP-BA.

No pedido, uma decisão do ministro do STF, Gilmar Mendes, foi utilizada para sustentar que Tarcísio não oferece perigo à sociedade.

Outro argumento coloca em dúvida os depoimentos de Osman Antônio Lima (Manzo), que segundo o MP, descontava cheques de pagamentos da Câmara Municipal às empresas do suposto esquema e repassava para Ariel Firmo, assessor de Tarcisio.

Segundo o advogado, os depoimentos de Manzo não constituem provas de que as quantias em dinheiro foram entregues a Tarcísio. Afirma que seu cliente não possui bens capazes de gerar desconfiança e que os valores movimentados nas contas bancárias dele são condizentes com sua realidade financeira. Em determinado trecho do pedido o advogado pergunta: “onde foi parar o dinheiro?”.

O pedido de revogação (veja aqui) foi protocolado nesta quinta-feira, 16, e aguarda análise da juíza Emanuele Vita.

Vasco aposta em patrocínios diferentes para aumentar receita em 2019

O futebol brasileiro está passando por mudanças em 2019, e o Vasco não fica de fora disso. A saída dos investimentos da Caixa Econômica Federal fez com que diferentes equipes perdessem acordos de patrocínios. A solução foi abrir portas para empresas que ainda não tinham tanto espaço no futebol nacional, como sites de apostas e bancos digitais. A diretoria vascaína já conseguiu fechar bons acordos com isso.

Foram dois novos patrocínios fechados antes do Campeonato Brasileiro. O primeiro acordo é com o Banco BMG, que deve pagar cerca de R$ 10 milhões anuais para estampar o nome da instituição na camisa cruz-maltina. Além disso, a criação do Meu Vasco BMG deve gerar uma participação de 50% nos lucros da empresa para o clube carioca. Dessa forma, a receita com o patrocínio deve ser ainda maior.

O outro contrato fechado foi com um site apostas online, uma novidade que deve ganhar mais força no Brasil. O Vasco vai estampar o nome da empresa na barra inferior frontal da camisa, porém os valores da negociação não foram divulgados. É o tipo de acordo que também já acontece com outros clubes, já que o Santos também mostrou interesse em acertar um patrocínio com empresas desses jogos online.

A ideia dos sites de apostas é aumentar essa cultura no país do futebol. Os brasileiros ainda precisam aprender melhor como esses portais funcionam, o que é trading esportivo e quais são as outras modalidades de apostas que existem. O patrocínio nas camisas podem ajudar a despertar essa curiosidade, principalmente no Brasileirão. Esse método teve sucesso na Europa, onde essas empresas possuem diferentes acordos e uma rede robusta de usuários.

Fonte: Pixabay.com .

Menos dívida e mais reforços

Com novos acordos, a ideia do Vasco é continuar crescendo financeiramente. Em relatório divulgado no final de abril, o presidente Alexandre Campello declarou que a dívida da equipe diminuiu em R$ 100 milhões. Uma notícia positiva e, se confirmada, mostra uma possível retomada no clube para o futuro. A equipe precisa de melhores investimentos e também elencos com jogadores mais caros, principalmente para sonhar com títulos.

Outra notícia boa foi do superavit de R$ 60 milhões, em referência aos números de 2018. A diretoria acredita que os novos acordos de patrocínios, que de início parecem menores, vão ajudar o Vasco financeiramente. Na época da Caixa Econômica Federal, a equipe cruz-maltina recebia cerca de R$ 13 milhões, porém era quase a única renda. O acordo com os novos patrocinadores também dá chance para uma participação em novas campanhas, como a criação de contas digitais para os torcedores cariocas.

Até o final do Campeonato Brasileiro, a situação financeira em São Januário com os patrocinadores deve ser definida, principalmente no quesito de receitas finais. Outras equipes já fecharam acordos iguais ao do Vasco, principalmente com o Banco BMG. Corinthians e Atlético Mineiro, por exemplo, estão no mesmo modelo. Por isso, a tendência é que estes acordos funcionem positivamente. Assim, a equipe vascaína pode deixar este momento financeiro ruim e começar a sonhar com algo melhor no futuro.

Sinebahia Itabuna oferece 21 vagas de trabalho nessa sexta-feira

Há uma vaga para gerente de hotel.

Confira abaixo as oportunidades de emprego do Sinebahia Itabuna. As vagas estarão disponíveis nessa sexta-feira, 17 de maio.

A agência funciona no Shopping Jequitibá. Não esqueça de levar o número do PIS, PASEP ou NIS, Carteira de Trabalho, RG, CPF, comprovante de residência e certificado de escolaridade.

Vagas exclusivas para Itabuna. 

OPERADOR DE CAIXA (PCD)

Exclusiva Para Pessoas Com Deficiência

Ensino Médio Completo

Não necessita experiência

01 VAGA 

OPERADOR DE TELEMARKETING (PCD)

Exclusiva Para Pessoas Com Deficiência

Ensino Médio Completo

Não necessita experiência

05 VAGAS

OPERADOR DE TELEMARKETING

Ensino Médio Completo

Não necessita experiência

Possuir habilidade com informática

10 VAGAS

(mais…)

MP-BA acusa Tarcísio Paixão de superfaturar em 260 mil contrato da empresa SCM Contabilidade

Tarcísio Paixão.

As investigações da Operação Chave E, desencadeadas pelo MP-BA, interceptaram conversas telefônicas e documentos desabonadores contra o ex-presidente da Câmara Municipal de Ilhéus, Tarcísio Paixão.

Só no contrato com a empresa SCM (especializada em contabilidade), o MP afirma que houve um superfaturamento total de R$ 260 mil no biênio 2015/2016, quando Tarcísio presidia o legislativo municipal.

Segundo o MP, a SCM recebeu 26 pagamentos de R$ 15 mil. Deste valor, R$ 7 mil ficavam com Tarcísio, R$ 3 mil divididos entre Ariell Firmo Batista e Zerinaldo Sena e R$ 5 mil ficavam com a empresa. Os dois assessores de Tarcisio são acusados de operar nas facilitações do contrato.

As investigações trazem um diálogo curioso, no Whatsaap, entre Aêdo Laranjeira de Santana (dono da SCM preso preventivamente na quarta-feira, 15), e o seu filho Cleomir Primo de Santana (também preso).

O filho debate com pai os motivos que determinaram a maior parte da suposta propina para o  presidente da Câmara. Eles também mencionam a necessidade de passar uma parte do dinheiro para Ariell  e Zerinaldo.

Na decisão que determinou o encarceramento preventivo de Tarcísio, a juíza Emanule Vita, da 1ª Vara Criminal de Ilhéus, considera estarrecedoras as conclusões do MP sobre o contrato da SCM com a Câmara de Ilhéus. Dados bancários comprovam os desvios, segundo o MP.

O ex-presidente não foi encontrado e não se apresentou à justiça. O Blog do Gusmão não conseguiu falar com Zerinaldo Sena e Ariell Firmo. O espaço está aberto caso eles queiram publicar esclarecimentos.

Atualizado às 14h19min de 16/05/2019.

A decisão da juíza Emanuele Vita, que determinou as prisões preventivas de 7 acusados, nomeia as investigações do MP-BA como “Operação Chave E”, contudo, segundo o promotor Frank Ferrari, o nome correto é “Operação Xavier”, nome ainda mais cifrado (opinião do BG).