Sinebahia Itabuna oferece 28 vagas de trabalho nessa quinta-feira

Há 10 vagas para vendedores pracistas.

Confira abaixo as oportunidades de emprego do Sinebahia Itabuna. As vagas estarão disponíveis nessa quinta-feira, 23 de maio.

A agência funciona no Shopping Jequitibá. Não esqueça de levar o número do PIS, PASEP ou NIS, Carteira de Trabalho, RG, CPF, comprovante de residência e certificado de escolaridade.

Vagas exclusivas para Itabuna. 

OPERADOR DE CAIXA (PCD)

Exclusiva Para Pessoas Com Deficiência

Ensino Médio Completo

Não necessita experiência

01 VAGA 

OPERADOR DE TELEMARKETING (PCD)

Exclusiva Para Pessoas Com Deficiência

Ensino Médio Completo

Não necessita experiência

05 VAGAS

CONSULTOR DE VENDAS

Ensino Médio Completo

Experiência mínima de 6 meses na função

03 VAGAS

(mais…)

Segundo promotor, Manzo é apenas uma testemunha. “Vão perceber que ele é muito pequeno diante dos fatos”

Promotor Frank Ferrari. Foto: Toda Bahia/reprodução.

O promotor Frank Ferrari disse ao Blog do Gusmão que percebe a intencionalidade de transformar Osman Antonio Lima (Manzo) num “bode expiatório”. Ressaltou que o rapaz não é a única testemunha e estão aparecendo outras, com muitas provas. “As pessoas ainda vão perceber que ele é muito pequeno diante dos fatos”.

Ferrari se posicionou sobre parte dos argumentos da defesa do vereador Lukas Paivas, publicada pelo BG.

Disse haver exposição exagerada do servidor da Câmara devido à sua vulnerabilidade. Contou que existem outros depoentes e estão surgindo mais. “Na perspectiva do MP-BA, Manzo é só mais uma prova”, explicou.

Vítima de vários tipos de assédio (incluindo psicológicos e contra a integridade física), segundo Ferrari, querem silenciar Manzo, mas o MP-BA está disposto a protegê-lo.

“O Ministério Público está acompanhando de perto tentativas de assédio dirigidas a ele e a qualquer outra testemunha. Quem insistir nisso será duramente responsabilizado”, advertiu o promotor.

Frank Ferrari admitiu a possibilidade de Manzo ser inserido num programa de proteção.

Advogado desmente pedido de prisão contra Gilmar Sodré

Vereador Gilmar Sodré.

Em contato com o Blog do Gusmão na manhã desta quarta-feira, 22, o advogado Fabiano Resende desmentiu suposta ordem de prisão contra o vereador Gilmar Sodré, empossado ontem na Câmara Municipal de Ilhéus.

Em 2008, Sodré foi acusado de cometer abusos sexuais contra uma adolescente de 13 anos. O caso foi julgado em Ilhéus pela juíza Emanuele Vita, da 1ª Vara Criminal, e o vereador foi absolvido. Uma das razões alegadas foram os depoimentos contraditórios da vítima.

Posteriormente, o MP-BA recorreu e o TJ-BA condenou Gilmar, mas segundo Fabiano Resende, que faz a defesa do vereador, o mesmo tribunal no dia 16 de abril de 2016, por meio da desembargadora Rita de Cássia Nunes, concedeu o direito de o acusado recorrer em liberdade às instâncias superiores (STJ e STF).

Resende explica que a condenação no TJ-BA ocorreu mesmo com um parecer da procuradoria do MP-BA desprovendo o recurso do promotor de Ilhéus.

Segundo o advogado, mesmo com a manifestação do MPF requerendo a execução provisória da pena, conforme foi noticiado, o direito do recurso em liberdade está assegurado pelo TJ-BA.

Exclusivo. Defesa de Lukas Paiva afirma que Manzo é dedo-duro do Ministério Público

Defesa de Lukas Paiva ataca Manzo, testemunha das supostas irregularidades.

O pedido de revogação do encarceramento cautelar do vereador Lukas Paiva, feito pelo experiente advogado e professor Sérgio Habib, optou pelo confronto às ações do Ministério Público do Estado da Bahia.

Habib considerou a Operação Xavier “espalhafatosa”, com apelo à mídia, “policialesca” e “arbitrária”. Afirma que o MP-BA demonstrou “estardalhaço” e “ânsia de prender” e chama as prisões preventivas de Lukas Paiva e de Leandro Silva Santos (sócio da empresa Licitar) de “odiosa medida de exceção”.

O advogado argumenta que se as acusações contra Lukas e Leandro fossem verdadeiras, a testemunha Osman Antonio Lima (Manzo) também deveria ser encarcerada por participar do suposto esquema. Habib o chama de “alcaguete” [dedo-duro] do Ministério Público.

Ainda na linha de confronto com o MP-BA, a defesa de Lukas Paiva afirma que a Operação Xavier buscou apaziguar o “vozerio insensato das ruas” e defende que o decreto de prisão preventiva seja considerado nulo, pois a denúncia ainda não foi oferecida, como também, não há ação penal instaurada.

No fim pede que a prisão seja convertida em outras medidas alternativas e afirma que Lukas e Leandro estão dispostos a prestar esclarecimentos.

O pedido da defesa vai ser analisado pela juíza Emanuele Vita.

Atualizado às 14h13min.

Promotor Frank Ferrari. Foto: Toda Bahia/reprodução.

O promotor Frank Ferrari disse ao Blog do Gusmão que percebe a intencionalidade de transformar Manzo num “bode expiatório”. Ressaltou que o rapaz não é a única testemunha e estão aparecendo outras, com muitas provas. “As pessoas ainda vão perceber que ele é muito pequeno diante dos fatos”.

Disse haver exposição exagerada do servidor da Câmara devido à sua vulnerabilidade. Contou que existem outros depoentes e estão surgindo mais. “Na perspectiva do MP-BA, Manzo é só mais uma prova”, explicou.

Vítima de vários tipos de assédio (incluindo psicológicos e contra a integridade física), segundo Ferrari, querem silenciar Manzo, mas o MP-BA está disposto a protegê-lo.

“O Ministério Público está acompanhando de perto tentativas de assédio dirigidas a ele e a qualquer outra testemunha. Quem insistir nisso será duramente responsabilizado”, advertiu o promotor.

Frank Ferrari admitiu a possibilidade de Manzo ser inserido num programa de proteção.