Sinebahia Itabuna tem 42 vagas de trabalho nessa quinta-feira

Há 30 vagas para pesquisador temporário.

Confira abaixo as oportunidades de emprego do Sinebahia Itabuna. As vagas estarão disponíveis nessa quinta-feira, 15 de agosto.

A agência funciona no Shopping Jequitibá. Não esqueça de levar o número do PIS, PASEP ou NIS, Carteira de Trabalho, RG, CPF, comprovante de residência e certificado de escolaridade.

Vagas exclusivas para Itabuna. 

OPERADOR DE TELEMARKETING (PCD)

Vaga Exclusiva Para Pessoas Com Deficiência

Ensino Médio Completo

Não exige experiência

05 VAGAS

VENDEDOR INTERNO

Ensino Médio Completo

Experiência 06 meses experiência com vendas

01 Vaga 

PESQUISADOR (TEMPORÁRIO)

Ensino Médio Completo

Experiência mínima de 6 meses com atendimento ao público

30 VAGAS 

(mais…)

Justiça concede habeas corpus para Lukas Paiva

O Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) concedeu habeas corpus para o vereador Lukas Paiva (PSB). Lukas está autorizado pela justiça a reassumir o seu mandado na Câmara de Vereadores de Ilhéus, no entanto, ainda deve cumprir medidas cautelares, como não sair aos finais de semana e viajar sem autorização prévia. Lukas foi acusado pelo Ministério Público da Bahia de ser o líder de um grupo criminoso que teria desviado R$ 71,8 mil de recursos públicos da Câmara nos anos de 2017 e 2018, época em que assumiu a presidência do legislativo ilheense.

Com informações do site Políticos do Sul da Bahia.

Caminhando contra o vento…

“Caminhar contra o vento significa dizer não quando querem simplesmente que a gente “siga o fluxo”, significa quebrar paradigmas, é acreditar em rupturas. É rebelar-se quando dizem para você se acomodar. É falar a verdade, mesmo que incômoda, quando todos querem que você se cale. E mesmo que às vezes doa em você também. Afinal de contas, o primeiro vento contrário a ser vencido é você mesmo, em suas acomodações e vacilações. E antes de tudo, é preciso tomar a decisão do primeiro passo, pois só se chega ao destino caminhando. É preciso também caminhar junto de quem quer chegar junto, pois sozinho não dá pra chegar a lugar algum.”

Por Guilhardes Jr.

Tem coisas para as quais a gente precisa de muita coragem. Nesse item, cada um sabe de si, de sua capacidade, de seu contexto, de sua possibilidade de juntar forças e ir em frente. Nem sempre as condições parecem ser favoráveis, e nem sempre dá pra ir na mesma direção que os outros vão ou querem que você vá. Num ser humano que tem responsabilidade e compromisso as vacilações sempre existirão. Aprendi a desconfiar de quem não tem medo de nada ou tem certezas absolutas. Desconfio também de quem em todo o tempo simplesmente segue o que parece ser a opinião da maioria, sem ao menos pensar em consequências do que é falado ou praticado.

Certo é que vivemos em tempos de grandes indefinições. As coisas vão se tornando cada vez mais complexas, e nem sempre dá pra ter certeza nem mesmo da continuidade da vida até o final do dia. Mas creio que sempre dá pra continuar mantendo o curso firme, mesmo quando os ventos são (ou parecem ser) contrários. E sempre dá pra crescer e se desenvolver indo na direção contrária dos ventos.

Exemplo disso é o avião. A aeronave só decola contra o vento! É justamente a força contrária do vento que cria as condições necessárias para que um avião levante voo. No mundo dos negócios, há muitos exemplos de empresas que cresceram absurdamente em tempos de crise, e outras que foram simplesmente à bancarrota justamente quando tudo parecia estar indo muito bem. Somente para relembrar, é justamente nos momentos considerados difíceis que somos obrigados a nos esforçar, correr riscos, usar a criatividade e buscar inovar no pensamento e nos processos, buscando maior eficácia e efetividade em tudo o que fazemos. Quando “tudo vai bem” a gente tende a se acomodar e deixar que as coisas andem no seu próprio compasso, sem nos atentar de que o “vai bem” pode nos levar pro atoleiro.

Caminhar contra o vento significa dizer não quando querem simplesmente que a gente “siga o fluxo”, significa quebrar paradigmas, é acreditar em rupturas. É rebelar-se quando dizem para você se acomodar. É falar a verdade, mesmo que incômoda, quando todos querem que você se cale. E mesmo que às vezes doa em você também. Afinal de contas, o primeiro vento contrário a ser vencido é você mesmo, em suas acomodações e vacilações. E antes de tudo, é preciso tomar a decisão do primeiro passo, pois só se chega ao destino caminhando. É preciso também caminhar junto de quem quer chegar junto, pois sozinho não dá pra chegar a lugar algum.

Nem sempre dá também pra ir com tudo certinho, com um GPS bem calibrado, ou com bases bem sólidas. É preciso ter coragem e flexibilidade para aguentar as intempéries que virão. Às vezes é preciso somente cara e coragem, nada no bolso ou nas mãos, mas é preciso seguir vivendo, e caminhando, e juntando, e chegando. Por quê não?

Guilhardes Jr. é advogado e professor da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC).

População de animais em florestas cai pela metade desde 1970

É o que revela relatório da ONG WWF. (Foto: Fabíola Sinimbú/Agência Brasil)

Desmatamento, caça ilegal, doenças, mudança climática. Para os animais silvestres que vivem nas florestas do mundo, as últimas décadas representaram uma hecatombe. Segundo um relatório divulgado pela Organização Não Governamental (ONG) ambiental World Wide Fund for Nature (WWF), a população desses animais diminuiu pela metade desde 1970.

O estudo analisou 455 populações de 268 espécies de mamíferos, répteis, anfíbios e pássaros que vivem em florestas e concluiu que houve um declínio de 53% na quantidade de animais vertebrados entre 1970 e 2014. A WWF aponta que a situação é particularmente crítica na Amazônia e em outras florestas tropicais. O estudo também analisou populações de florestas temperadas, boreais e mediterrâneas.

Segundo a ONG, 60% dessas perdas estão relacionadas ao desmatamento e à degradação drástica do habitat das populações de animais. O texto ainda aponta que a caça, a introdução de espécies invasoras, a disseminação de doenças e a mudança climática também contribuíram para o quadro.

No caso do Brasil, a WWF menciona a derrubada de árvores por madeireiros como principal causa da diminuição da população de animais, mas queimadas também tiveram efeitos duradouros sobre várias espécies.

Florestas temperadas

Em florestas tropicais como a Amazônia, em média, a perda de população das espécies estudadas superou o crescimento de todos os grupos somados. Já nas florestas temperadas, o crescimento da população de algumas espécies, especialmente pássaros, ajudou a reverter a tendência negativa na média de todas as populações.

Ainda de acordo com a WWF, a diminuição da população tem sido especialmente dura com anfíbios e répteis, enquanto as populações de pássaros registraram mais anos positivos de crescimento do que de declínio.

(mais…)

Polícia civil: divulgado resultado provisório da 7ª etapa do concurso

O Governo do Estado publicou o resultado provisório da sétima etapa do concurso público para ingresso na Polícia Civil baiana.

Composta pela investigação social, esta é a última fase do certame, lançado em 2018 e realizado de forma conjunta pela Secretaria da Administração (Saeb) e pela Polícia Civil da Bahia.

A publicação pode ser consultada no Diário Oficial do Estado (DOE); no site da organizadora do concurso, a Fundação Vunesp; e no Portal do Servidor.

O prazo legal para divulgação do resultado final e da homologação pode ser consultado no novo cronograma do concurso, publicado no DOE do dia 8 de fevereiro.

Sesab realiza primeira reunião da Sala de Situação do Sarampo

O sarampo é uma doença viral aguda, considerada uma das mais contagiosa.

Definir estratégias para o bloqueio e manejo de casos de sarampo no estado, caso seja necessário. Esse foi o principal objetivo da primeira reunião da Sala de Situação do Sarampo, realizada na manhã de terça-feira (13), no auditório Marlene Carvalho, na Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Divep), em Salvador.

O encontro reuniu diretores e técnicos da Secretaria da Saúde do Estado (Sesab) envolvidos nas ações de atenção à saúde, prevenção e controle da doença. Em um segundo momento, também deverão participar da Sala de Situação representantes de entidades como a Secretaria da Educação do Estado e o Conselho Estadual de Secretários Municipais de Saúde da Bahia (Cosems).

A diretora de Vigilância Epidemiológica da Sesab, Jeane Magnavita, explicou que a Sala Situação foi criada em razão do atual cenário epidemiológico do sarampo no Brasil, além da confirmação neste ano de três casos importados da doença na Bahia em 2019.

Para a coordenadora do Programa de Imunização da Sesab, Akemi Erdens, embora as ações de vacinação e controle do sarampo ocorreram rotineiramente, “esse é um momento de alerta, um momento em que é necessário intensificar as ações, aumentar a cobertura vacinal e capacitar profissionais para diagnóstico o diagnóstico do sarampo”.

Conforme Akemi Erdens, como o vírus do sarampo não circula há algum tempo na Bahia, alguns profissionais nunca atenderam a um caso da doença. Inicialmente, as reuniões da Sala de Situação serão realizadas quinzenalmente, mas, caso se torne necessário, poderão ocorrer com intervalos menores.

Recomendações

Na oportunidade, Akemi Erdens lembrou que o sarampo é uma doença viral aguda, considerada uma das mais contagiosas, com potencial para ser extremamente grave, afetando principalmente crianças menores de 5 anos, especialmente as mal nutridas e bebês não vacinados. A doença, no entanto, também pode acometer pessoas em qualquer idade não vacinadas. “Temos que deixar claro que a vacinação não é indiscriminada. Ela é seletiva e leva em conta o histórico vacinal de cada pessoa”, afirmou.

A coordenadora também detalhou os principais sintomas do sarampo: tosse, em geral seca e irritativa; febre alta; coriza; sensibilidade à luz; manchas vermelhas na pele e dores no corpo. Entre as complicações que podem advir da doença estão: infecções respiratórias, inflamação nos ouvidos, encefalite com dano cerebral, surdez e lesões severas de pele. Em gestantes, o sarampo pode provocar aborto ou parto prematuro.

(mais…)