Pesquisa que revelou forte rejeição do eleitorado a Marão é da Sócio Estatística, do professor Agenor Gasparetto

Notinha.

A pesquisa de opinião que publicamos na última segunda-feira, 02, cujos resultados mostraram que 78.78% do eleitorado de Ilhéus não pretende votar no prefeito Mário Alexandre, foi realizada pela empresa Sócio Estatística, do conceituado sociólogo Agenor Gasparetto, professor da UESC (veja os resultados aqui).

Nesta terça-feira, 3, a fonte que nos passou o relatório completo autorizou a divulgação do nome da empresa responsável, uma vez que o governo Marão, por meio de blogs anônimos, tentou menosprezar o resultado e acusou o BG de publicar dados falsos.

A Sócio Estatística é a mesma empresa que apontou a vitória de Marão nas eleições municipais de 2016. Na época, o grupo do ex-prefeito Jabes Ribeiro (PP) disseminou mensagens nas redes sociais desconsiderando o resultado que previu a derrota de Cacá Colchões.

Hoje o grupo de Marão usa do mesmo veneno e da mesma estratégia mentirosa.

Veja a capa da pesquisa e a folha que trouxe o resultado que divulgamos.

 

Governo Marão é acusado de perseguir “os sucos do Magela Rossi”

Magela Rossi (à direita da imagem) pode estar com os dias contados na Pracinha de Irene. Foto: BG.

O comerciante Magela Rossi disse à reportagem do BG que sofre perseguição do governo Mário Alexandre.

Magela, também radialista e comentarista de futebol, vende sucos há 25 anos na Pracinha da Irene (Castro Alves), na Avenida Soares Lopes.

O governo Marão passou a exigir rótulos nas embalagens dos sucos, e por este motivo na última sexta-feira, 30, a fiscalização sanitária aplicou notificação. A fiscal teria dito que agiu a mando do secretário municipal de desenvolvimento econômico, Jerbson Moraes, que por sinal, não tem responsabilidade pela fiscalização sanitária, lotada na secretaria de saúde. O vendedor tem 10 dias para comparecer no setor e prestar esclarecimentos. Veja o termo de vistoria.

Segundo Magela, a prefeitura atua exclusivamente contra ele movida por perseguição política, pois outros comerciantes que vendem produtos parecidos não foram notificados.

Nossa redação tentou ouvir o governo por meio do secretário de comunicação, Hélio Ricardo. Até a publicação não recebemos resposta.

Comentário do BG.

A atuação “diligente” surpreende, pois supermercados denunciados por venderem carnes e outras mercadorias estragadas não costumam receber fiscalizações preventivas da secretaria de saúde.

Desconhecemos apreensões de produtos impróprios para o consumo feitas nesses grandes estabelecimentos.

Bolsistas do CNPq podem não receber bolsa a partir deste mês

A partir do mês de setembro, é possível que mais de 2,3 mil pesquisadores baianos fiquem sem receber a bolsa financiada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

O órgão, afetado pelas restrições orçamentárias do governo federal, sofre com um deficit de R$ 330 milhões e havia informado que só teria verba para pagamento dos bolsistas em todo o Brasil até agosto.

As bolsas em risco são para diferentes modalidades: da Iniciação Científica Júnior, para estudantes do ensino médio, no valor de R$ 100, às pesquisas de mestrado e doutorado, que pagam R$1,5 mil e R$ 2,2 mil, respectivamente. No estado da Bahia, a maior parte dos pesquisadores é vinculada à Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Em junho, o Congresso Nacional autorizou um crédito extra de R$ 248,9 bilhões para o governo federal, sob condição de que o governo se comprometesse a liberar R$ 330 milhões para bolsas do CNPq. No entanto, até o momento o acordo não foi cumprido.

“A discussão é sempre em torno disso. O que é prioridade ou o que não é, e isso está sempre a cargo do pessoal técnico da Economia. Temos falado com eles há algum tempo, falado também com (o ministro) Paulo Guedes e sempre existe essa questão: vou tirar daonde (sic)?”, relatou o ministro Marcos Pontes, titular do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), em entrevista ao Fantástico.

O MCTIC informou que não houve contingenciamento e que repassou integralmente ao CNPq os recursos previstos na Lei Orçamentária para o ano de 2019. O CNPq ainda não se posicionou diante da situação. Informações do Metro1.

Produção industrial cai pelo 3º mês e tem pior julho em 4 anos

A produção industrial brasileira encolheu 0,3% em julho ante o mês anterior, com ajuste sazonal, engatando a terceira baixa consecutiva e registrando o pior desempenho para o mês em quatro anos.

Contra um ano antes, a produção recuou 2,5%. O dado de junho foi revisado para pior, passando a mostrar contração de 0,7% sobre maio, ante queda estimada anteriormente de 0,6%.

Tanto na comparação mensal quanto na anual os números de julho vieram piores que o estimado por analistas consultados pela Reuters: alta de 0,3% sobre o mês anterior e queda de 1,3% na base anual.

O recuo de 0,3% em julho é o pior para o mês desde 2015 (-1,8%), enquanto o de 2,5% é o mais forte também para o mês desde 2016 (-6,1%).

No acumulado de 2019, a produção acumula baixa de 1,7%. Em 12 meses, a indústria recua 1,3%, indicando perda de ritmo, já que no período até junho a contração havia sido de 0,8%.

Segundo o IBGE, que divulgou os números, a trajetória da indústria pela métrica de 12 meses tem sido “predominantemente descendente” desde julho de 2018, quando em 12 meses a produção acumulava alta de 3,2%.

Onze dos 26 ramos pesquisados mostraram quedas na produção, com outros produtos químicos (-2,6%), bebidas (-4,0%) e produtos alimentícios (-1,0%) exercendo as maiores influências negativas.

Já entre os 15 setores que ampliaram a produção, destaque a produção em indústrias extrativas, com alta de 6,0%, a terceira consecutiva.

Dentre as grandes categorias econômicas, bens intermediários (-0,5%) e bens de capital (-0,3%) caíram, enquanto os setores produtores de bens de consumo semi e não-duráveis (+1,4%) e de bens de consumo duráveis (+0,5%) subiram. Informações de Reuters.

INSS publica resolução sobre prova de vida para pagamento de benefício

A resolução que regulamenta a comprovação de vida e renovação de senha para os beneficiários do Instituto Nacional de Seguro Social (INSS), bem como a prestação de informações por meio das instituições financeiras pagadoras, está publicada na edição desta terça-feira (3) do Diário Oficial da União. O documento diz ainda que esse procedimento deve ser feito anualmente, independentemente da forma de recebimento do benefício.

“A comprovação de vida e a renovação de senha deverão ser efetuadas na instituição financeira pagadora do benefício, por meio de atendimento eletrônico com uso de biometria ou mediante a identificação por funcionário da instituição financeira ou ainda por qualquer meio definido pelo INSS que assegure a identificação do beneficiário”.

Procurador

No caso da comprovação ser feita por representante legal ou procurador, ele precisa estar previamente cadastrado no INSS e só poderá ser constituído nas seguintes situações do beneficiário: ausente do país, portador de moléstia contagiosa, com dificuldades de locomoção ou idoso acima de 80 anos.

Nos casos específicos de segurados com dificuldades de locomoção ou idosos acima de 80, a comprovação de vida poderá feita também por intermédio de pesquisa externa, mediante o comparecimento de um representante do INSS à residência ou local informado pelo beneficiário no requerimento feito ao instituto, pela Central 135, pelo Meu INSS ou outros canais a serem disponibilizados pelo INSS.

“A não realização anual da comprovação de vida ensejará o bloqueio do pagamento do benefício encaminhado à instituição financeira, o qual será desbloqueado, automaticamente, tão logo realizada a comprovação de vida”, diz ainda a resolução.

Inscrição para vagas remanescentes do Fies começa nesta quarta-feira

O processo seletivo para vagas remanescentes do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) referente ao segundo semestre de 2019 começa nesta quarta-feira (4). As inscrições são gratuitas e devem ser realizadas pelo site do programa.

As vagas remanescentes são aquelas que não foram ocupadas durante os processos seletivos regulares do Fies. Por exemplo: desistência dos candidatos pré-selecionados ou pela falta de documentação.

O edital com os prazos foi publicado na edição dessa segunda-feira (2) do Diário Oficial da União.

Como ocorre desde o segundo semestre de 2015, houve o estabelecimento de cursos prioritários. Até sexta-feira (6), serão ofertadas somente as vagas remanescentes nas áreas de saúde, engenharia e ciência da computação, licenciatura, pedagogia normal e superior.

A partir de sábado (7), as inscrições são abertas para todas as áreas. Os prazos para participar do processo seletivo dependem da situação do estudante. Candidatos não matriculados em Instituição de Educação Superior têm até 11 de setembro para se inscrever. Para os matriculados, o prazo é 29 de novembro.

Para a inscrição, o candidato tem que atender às seguintes condições: ter participado do Enem, a partir da edição de 2010, obtendo média igual ou superior a 450 pontos e nota na redação superior a zero; e possuir renda familiar mensal bruta per capita de até três salários mínimos.

A ocupação das vagas será ocorrerá de acordo com a ordem de conclusão das inscrições, que garantem ao candidato apenas a expectativa de direito à vaga remanescente para a qual se inscreveu. Após a conclusão da inscrição, o candidato tem dois dias úteis para validar as informações na instituição de ensino.

Não pode fazer a inscrição o candidato que não tenha quitado financiamento anterior pelo Fies ou pelo Programa de Crédito Educativo ou aquele que atualmente possua financiamento do Fies.