PRF prende dois foragidos da justiça nas rodovias federais da Bahia

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) prendeu dois foragidos da justiça, nesta última terça-feira (17), nas rodovias federais do estado da Bahia. As prisões aconteceram no Anel Viário de Vitória da Conquista (Km 16), e em Feira de Santana (Km 429), ambas na BR 116.

Em Vitória da Conquista, por volta das 11h, policiais rodoviários federais abordaram um veículo VW/Novo Gol com 05 ocupantes. Durante abordagem um dos passageiros não entregou os documentos pessoais e apresentou nervosismo em excesso para os policiais.

Após consulta nos sistemas de segurança, ficou constatado que o passageiro possuía em seu desfavor um mandado de prisão em aberto decorrente de processo pelo crime previsto no artigo 33 da Lei 11.343/2006 (tráfico de drogas), expedido pela 5ª Vara Criminal de Rondonópolis (MT).

A ocorrência foi encaminhada para a Delegacia de Polícia Civil de Vitória da Conquista (DISEP). O grupo pretendia deslocar-se para a cidade turística de Itacaré (BA), porém, o veículo foi recolhido ao pátio da PRF, em razão de estar com o licenciamento atrasado.

Já em Feira de Santana, às 15h, durante fiscalização da Operação Lábaro, agentes deram ordem de parada a um automóvel GM/Classic LS. Após consulta, foi constatado mandado de prisão em desfavor do passageiro, um homem de 45 anos. O documento foi expedido pelo Tribunal de Justiça do estado de Sergipe, pelo crime de tráfico de drogas.

Questionado, o foragido disse que saiu de Uberlândia (MG) e pretendia chegar em Aracaju (SE). Disse ainda, que foi preso anos atrás pela PRF por ser flagrado com drogas. Ele foi encaminhado para a Delegacia de Polícia Judiciária local.

A operação Lábaro acontece em todo o país e visa ampliar o enfrentamento ao crime organizado, atuando nas divisas dos estados e nas regiões e corredores estratégicos, em consonância com conhecimentos de inteligência policial e análise criminal. Além disso, busca prevenir e reprimir as condutas que mais provocam mortes e lesões no trânsito, nos trechos críticos de acidentabilidade.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *