Bahia: 5 milhões não possuem serviço de coleta e tratamento de esgoto

Reprodução da internet.

Em debate na Câmara dos Deputados, o saneamento básico pode ter um novo marco regulatório para incentivar mais investimentos no setor e combater o déficit na cobertura dos serviços de água e esgoto no país.

Números do anuário Panorama do Saneamento, com base em dados do SNIS – Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento, do Ministério do Desenvolvimento Regional, indicam que 5,1 milhões de baianos não têm serviço de esgotamento sanitário, e 3 milhões não possuem acesso à água potável no estado.

No Brasil, mais de 100 milhões de pessoas não têm acesso a coleta de esgoto e 30 milhões não recebem água tratada em casa. O país precisa no mínimo dobrar a atual média de investimento no setor (R$ 10 bilhões/ano) para conseguir cumprir a meta de oferecer saneamento básico a toda a população até 2033, de acordo com o Plano Nacional de Saneamento Básico (Plansab).

O Congresso está discutindo o projeto de lei 3.261/2019, que moderniza o marco legal do saneamento e permite maior participação de empresas privadas no provimento de serviços de saneamento. A perspectiva é que o PL 3.261 seja votado no plenário da Câmara até o final de outubro.

“É essencial o aumento da participação da iniciativa privada para viabilizar os investimentos necessários ao avanço do saneamento, melhorando a saúde pública e a qualidade do meio ambiente. A maior participação do setor privado não representa a ausência do Estado, que mantém seu papel de formulador de políticas e, fundamentalmente, de regulador dos serviços”, avalia Percy Soares Neto, diretor executivo da ABCON, entidade que reúne as operadoras privadas de saneamento e que participou dos seminários promovidos na Câmara para esclarecer as demandas de saneamento do país.

Secretário Jerbson Moraes chora em gravação sobre manchas de óleo

Secretário Jerbson Moraes. “Se chegar a gente limpa” pode ser frase de pré-campanha. Imagem extraída de vídeo da Secom-Ilhéus.

Dizendo amar a cidade de Ilhéus, o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Meio Ambiente e Urbanismo, Jerbson Moraes, chorou ao gravar um áudio que circula no WhatsApp.

Com a fala embargada, Jerbson anunciou que foi o primeiro a chegar no litoral norte e que aguardava a chegada dos órgãos competentes para iniciar a remoção das manchas de óleo. Choroso, solicitou que todos se unissem para contornar a grave situação.

Comentário do BG.

O secretário e o governo Marão adotaram o slogan “se chegar, a gente limpa”, como se o óleo fosse removível em qualquer tipo de lugar.

Os manguezais, por exemplo, são ecossistemas que possuem vegetação de raízes finas, solo instável e de grande permeabilidade, o que facilita a absorção do material tóxico.

Vale lembrar que os manguezais são berçários dos organismos aquáticos. Neles peixes e crustáceos se reproduzem. A contaminação vai prejudicar consideravelmente a cadeia da pesca na região e com isso, muitas famílias que conseguem renda por meio dela terão seu meio de subsistência dificultado por conta da contaminação.

As lágrimas do secretário Jerbson Moraes podem ser autopromocionais e sensacionalistas. Como só cabe a Deus policiar consciências, é bom ressalvar que esse tipo de manifestação deve ser vista com desconfiança, pois estamos no ano anterior às próximas eleições municipais. No universo da política tudo é válido para convencer e atrair simpatias.

Ouça a gravação do secretário.

Ilhéus: Vídeo mostra trabalho de retirada de óleo da Praia do Norte

Foto: José Nazal.

Equipes do Corpo de Bombeiros, Marinha do Brasil, Prefeitura de Ilhéus, organizações não governamentais e sociedade civil, estão neste momento retirando o material tóxico que chegou ao litoral norte de Ilhéus na madrugada desta sexta-feira, 25. Clique aqui para ver a matéria sobre as manchas encontradas. O vídeo e as fotos foram feitas pelo vice-prefeito de Ilhéus, José Nazal.
Veja o vídeo da retirada do óleo da praia do Norte.

Flica inova com temática LGBTQI+, cordel e quadrinhos na programação oficial

Foto: Camila Souza/GOVBA

Música, dança, poesia e muitos livros. A abertura oficial da Festa Literária Internacional de Cachoeira 2019 (Flica), nesta quinta-feira (24), atraiu um público variado, do acadêmico ao aluno do ensino básico, do turista ao historiador. A novidade desta edição é o ingresso das temáticas LGBTQI+, da literatura de cordel e dos quadrinhos. Outro destaque é a inauguração de um espaço voltado para a juventude, o Geração Flica.

Com a presença das secretárias da Cultura (Secult), Arany Santana, representando o governador Rui Costa, da Promoção da Igualdade Racial (Sepromi), Fabya Reis, e de Políticas para as Mulheres (SPM), Julieta Palmeira, a mesa de abertura teve como tema ‘Cartografias do Brasil Contemporâneo’ com as autoras Lilia Moritz Schwarcz e Eliana Alves Cruz, mediadas pelo diretor da Fundação Pedro Calmon (FPC), Zulu Araujo.

A secretária Arany Santana avalia que a Flica serviu de inspiração para outros eventos literários. “A Flica foi extremamente inspiradora, em 2020 serão 25 eventos dessa natureza. A Bahia abraçou o caminho do fortalecimento da Cidadania, da Educação e da Cultura. Então é nosso interesse continuar investindo, através do FazCultura, para realmente promover a cidadania da nossa juventude”. (mais…)

Manchas de óleo chegam ao litoral norte de Ilhéus, próximo de Juerana

 

 

Mancha encontrada na Praia do Norte.Foto enviada via WhatsApp.

Uma grande quantidade de óleo foi encontrada na praia do norte de Ilhéus, na madrugada desta sexta-feira (25) nas proximidades da Vila Juerana, no sítio da família Ramos, conhecido como “Igrejinha”.

Pescadores da região informaram que a mancha chegou até a areira por volta das 4h.

Esta foi a maior quantidade registrada até o momento em praias na região do sul da Bahia. A Marinha já foi acionada.

Local onde as manchas foram encontradas. Foto: José Nazal

Governo libera R$ 130 milhões para seguro-defeso a pescadores do NE

 

Foto: REUTERS / Adriano Machado.

Fonte: Agência Brasil

O presidente em exercício, Davi Alcolumbre, assinou ontem (24) um decreto presidencial autorizando a prorrogação da concessão extraordinária do seguro-defeso para os pescadores artesanais afetados pelo vazamento de petróleo no litoral nordestino. Mais cedo, Alcolumbre já havia anunciado a decisão de prorrogar por até mais dois meses a decisão do governo federal de conceder o benefício extraordinário para os pescadores, ampliando a concessão anunciada pelo governo de conceder o seguro extra em novembro.

“Trago hoje aqui ao estado de Sergipe o decreto presidencial que eu vou assinar autorizando extraordinariamente a prorrogação do seguro-defeso que a gente pode falar que é o seguro desemprego do pescador brasileiro, do pescador nordestino, ” disse Alcolumbre durante entrevista.

A concessão extraordinária do seguro defeso em novembro já havia sido anunciada pelo secretário de Aquicultura e Pesca do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Jorge Seif Júnior, na terça-feira (22). A medida beneficiará cerca de 60 mil profissionais. A estimativa é que o governo federal desembolse R$ 59 milhões no mês de novembro. (mais…)

Reunião propõe alinhamento sobre situação das manchas de óleo no Sul do Estado

Reunião de alinhamento das ações de monitoramento acontece nessa sexta-feira, 25, às 15h no Centro de Convenções de Ilhéus. Foto: Arquivo.

O secretário do Meio Ambiente, João Carlos Oliveira, estará no município de Ilhéus, Sul do Estado, nesta sexta-feira (25), para alinhamento das ações a serem adotadas para limpeza das praias atingidas pelo óleo nos municípios de Cairú, Uruçuca, Ilhéus, Maraú e Itacaré. A reunião será realizada às 15h, no Centro de Convenções de Ilhéus, e contará também com a presença da Defesa Civil do Estado, do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema), Corpo de Bombeiros Militar da Bahia, Bahia Pesca, além de representantes dos municípios impactados.

Durante o encontro, serão apresentadas as ações do Governo do Estado para mitigação dos impactos ambientais, sociais e econômicos causados pelo óleo. Na oportunidade, será distribuído para as prefeituras o manual básico para manuseio seguro e estocagem temporária dos resíduos de óleo retirados da praia. As instruções foram elaboradas pela equipe técnica do Inema e irão subsidiar o trabalho dos municípios. As instruções vão desde a forma correta da coleta do óleo, à prevenção e cuidados no manuseio e armazenagem em local apropriado.

O Governo do Estado cobra posicionamento da União para contenção das manchas de óleo em alto mar e aderiu à ação civil pública do Ministério Público Federal (MPF) e Ministério Público Estadual (MPE-BA) exigindo que o Governo Federal e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) coloquem as barreiras de contenção nos nove estuários do Litoral Norte, e adotem medidas efetivas de proteção do litoral baiano.

Ao todo, já são 15 municípios baianos impactados (Jandaíra, Conde, Entre Rios, Esplanada, Mata de São João, Camaçari, Lauro de Freitas, Salvador, Itaparica, Vera Cruz, Cairú, Uruçuca, Ilhéus, Maraú e Itacaré), seis deles declararam situação de emergência (Jandaíra, Conde, Entre Rios, Esplanada, Camaçari e Lauro de Freitas).

Engenheiros da USP criam plástico biodegradável feito de mandioca, transparente e resistente

Amido de mandioca tratado com tecnologia de ozônio terá grande utilidade na fabricação de plásticos biodegradáveis, podendo ser utilizado em inúmeras aplicações, como a produção de embalagens – Foto: Gerhard Waller/ Esalq.

Fonte: Jornal da USP

Um novo tipo de plástico biodegradável, que tem como matéria-prima o amido de mandioca, foi produzido em parceria por duas unidades da USP: Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), em Piracicaba, e Escola Politécnica (Poli). Os pesquisadores desenvolveram uma técnica que utiliza o gás ozônio para processar o amido e melhorar as propriedades do plástico. O resultado é um produto mais transparente e resistente, que poderá ser usado em diversos tipos de embalagens. O método já teve a patente requerida, visando a transferência de tecnologia para a indústria.

“A busca por alternativas renováveis para a produção de plásticos biodegradáveis é crescente, sendo foco do estudo de diversos grupos de universidades no mundo inteiro”, explica o professor Pedro Esteves Duarte Augusto, coordenador do Grupo de Estudos em Engenharia de Processos (Ge²P) da Esalq. “Uma das possíveis matérias-primas para a produção desses plásticos é o amido, ingrediente natural obtido de vegetais como milho, mandioca, batata, arroz, entre outros.”

Segundo o professor, a união dos grupos de pesquisa ocorreu porque a produção de plásticos a partir de amidos tem sido explorada há 15 anos pelo grupo da professora Carmen Cecilia Tadini, do Laboratório de Engenharia de Alimentos (LEA) da Poli e do Food Research Center (FoRC), um dos Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão (Cepids) da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). “Por outro lado, no Ge²P estudamos, desde 2015, diferentes tecnologias para modificação de amidos e possíveis aplicações”. De acordo com o professor Duarte Augusto, embora o grupo já tenha desenvolvido trabalhos com as tecnologias de ultrassom e irradiação, os estudos com modificação de amidos com ozônio têm resultado em diversas aplicações, como a melhoria da expansão no forno e impressão 3D. (mais…)