Empresa grega é suspeita do vazamento de óleo, diz Polícia Federal

As pessoas removem um derramamento de óleo na praia de Coruripe, estado de Alagoas. REUTERS / Adriano Machado

Fonte: Agência Brasil

A Polícia Federal (PF) deflagrou ontem (1º) a Operação Mácula, com objetivo de investigar uma embarcação grega suspeita de ter causado o derramamento de óleo que atingiu mais de 250 praias nordestinas brasileiras.  A embarcação grega teria atracado em 15 de julho na Venezuela, onde ficou por três dias antes de seguir a Singapura, via África do Sul.

“O navio grego está vinculado, inicialmente, à empresa de mesma nacionalidade, porém, ainda não há dados sobre a propriedade do petróleo transportado pelo navio identificado, o que impõe a continuidade das investigações”, informou a PF. Os dois mandados de busca e apreensão expedidos pela 14ª Vara Federal Criminal de Natal (RN) estão sendo cumpridos no Rio de Janeiro, em sedes de representantes e contatos da empresa grega no Brasil.

As investigações começaram em setembro e contaram com a participação da Marinha, do Ministério Público Federal, do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente, da Agência Nacional do Petróleo, Universidade Federal da Bahia, Universidade de Brasília e Universidade Estadual do Ceará, além de uma empresa privada do ramo de geointeligência.

Dessa forma foi possível localizar a mancha inicial do óleo, a 700 km da costa brasileira (em águas internacionais), de extensão ainda não calculada. A partir da localização da mancha inicial, foi possível estimar que o derramamento deve ter ocorrido entre os dias 28 e 29 de julho. Fazendo uso de técnicas de geociência, foi possível chegar “ao único navio petroleiro que navegou pela área suspeita”, naquela data. A Polícia Federal solicitou diligências em outros países, a fim de obter mais dados sobre a embarcação, a tripulação e a empresa.

A PF informou, ainda, que está realizando “diversos exames periciais no material oleoso recolhido em todos os estados brasileiros atingidos, bem como exames em animais mortos, já havendo a constatação de asfixia por óleo, assim como a similaridade de origem entre as amostras”.

Feira de Negócios em Ilhéus abordou crescimento do comércio varejista de lojas 4.0

Adalberto Santos, especialista em Gestão Empresarial, durante sua palestra, com auditório completamente lotado.

Durante palestra realizada na XIV Feira de Negócios e Oportunidades da Faculdade de Ilhéus, sobre o tema “Tendências e inovações do mercado varejista: o papel do empreendedor”, o especialista em gestão empresarial e gestão estratégica de negócios, Adalberto Santos, destacou o crescimento no país do novo modelo de lojas 4.0, que usam a tecnologia para criar uma sintonia entre os ambientes físico e virtual a fim de melhorar a experiência de compra dos clientes.

Adalberto Santos é executivo da empresa Guersola Consultoria & Assessoria de Empreendimentos Gastronômicos e professor do Instituto de Negócios da Gastronomia (ING), e vem prestando serviços a restaurantes e bares em diversas cidades brasileiras para a modernização da gestão nesses estabelecimentos.
Esse novo conceito de vendas proporciona ao cliente uma experiência cada vez mais conectada entre online e offline, e expande as vendas do e-commerce com a ajuda da loja física. Na loja 4.0, o consumidor inicia a jornada de compra no ambiente online e a conclui dentro da loja física.

Santos afirmou que a base tecnológica passou a ser o centro da questão no mercado varejista. Ele apresentou, como exemplos, as inovações adotadas pelas lojas da marca Tramontina e pela rede varejista Riachuelo, que, com esse novo conceito, buscam o reposicionamento no mercado.

Com a instalação de megalojas, a varejista Tramontina complementa os canais físicos com o mundo virtual. Segundo o jornal Diário do Comércio, “a Tramontina investe em loja própria para se aproximar do consumidor e isso inclui uma agressiva transformação digital, investimento em inovação, a adoção do posicionamento premium e sua entrada no varejo com um modelo de loja ambicioso”. (mais…)

Chocolates de cooperativa de Ilhéus fazem sucesso em Paris durante evento gastronômico

Imagem ilustrativa.

Os chocolates da marca Natucoa, com teores de 56%, 70% e 80% cacau, produzidos pela Cooperativa de Serviços Sustentáveis da Bahia (Coopessba), do município de Ilhéus, estão sendo destaque no estande do Brasil, instalado na 25ª edição do Salon Du Chocolat, que acontece até domingo (03), em Paris.

Dedicado exclusivamente ao chocolate e ao cacau, o Salon Du Chocolat é considerado um dos maiores eventos gastronômicos da França. A expectativa é que o Centro de Exposições de Porte de Versalhes, onde o salão é realizado, receba um público de aproximadamente 130 mil visitantes.

A jornalista especialista em confeitaria e chocolate, Chiéko Saïto, degustou os chocolates da Natucoa e disse que eles são produtos diferenciados e apresentam uma excelente opção para crianças e famílias: “O chocolate 56% é uma opção mais saudável, sendo um chocolate ao leite, ele é uma versão mais ideal para famílias com criança, pois tem um gosto bom para todo mundo, por não ser muito doce e nem muito amargo”, avaliou.

Carine Assunção, presidente da Coopessba, destacou a satisfação em representar a produção rural baiana: “A Coopesba, com a marca Natucoa, está aqui representando a agricultura familiar no Salon Du Chocolat, que é a maior feira de chocolate internacional. Estamos aqui mostrando nossos chocolates, produzidos agricultores familiares, que fazem um cacau de qualidade”.

A Coopesba é uma das cooperativas beneficiadas pelo Bahia Produtiva, projeto executado pela Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), empresa pública vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR). A partir da seleção no edital de Alianças Produtivas, o empreendimento vem trabalhando a melhoria da qualidade da amêndoa do cacau, o aumento da produção, e qualificando o processo de comercialização.

O Salon Du Chocolat tem o objetivo de estabelecer a ligação entre as diferentes partes que compõem a cadeia produtiva do cacau ao chocolate, reunindo os principais países produtores e consumidores do produto. O evento destaca também as novas tecnologias empregadas nas fábricas de chocolate, as inovações e tendências e permitem a troca de experiências entre os participantes.