Erro de projeto coloca estrutura de Belo Monte em risco

Na Volta Grande do Xingu, região mais afetada pela hidrelétrica de Belo Monte, a escassez de água tem causado a morte massiva de peixes, provocado insegurança alimentar de indígenas e ribeirinhos e impedido a mobilidade da população.FÁBIO ERDOS (THE GUARDIAN).

Reportagem de Eliane Brum para o  El País

A polêmica Usina Hidrelétrica de Belo Monte ainda não está concluída, mas um documento da Norte Energia SA mostra que há problemas no projeto. Em 11 de outubro de 2019, o diretor-presidente da empresa concessionária, Paulo Roberto Ribeiro Pinto, escreveu à diretora-presidente da Agência Nacional de Águas (ANA), Christianne Dias Ferreira, uma carta com o seguinte título: “Ação urgente para controle do nível do Reservatório Xingu da UHE Belo Monte”. No documento, afirma que “o atual período de estiagem tem se mostrado bastante crítico, com vazões afluentes baixas no Xingu, sendo nos últimos dias da ordem de 750 metros cúbicos por segundo”. A usina precisa manter uma vazão acima do mínimo de 700 metros cúbicos na Volta Grande do Xingu, região que vive uma situação de total insegurança das condições de vida provocada pela insuficiência do volume de água liberado por Belo Monte.

Assim, a empresa pede autorização para reduzir a vazão no reservatório intermediário, o artificial, para compensar a baixa de água no reservatório do Xingu, sem agravar ainda mais a situação extremamente crítica da Volta Grande. A razão: se não mantiver a cota mínima de 95,20 metros no reservatório do Xingu, a onda negativa que poderá se formar devido aos ventos “atingirá áreas da barragem não protegidas por rocha”. Esta situação, afirma o diretor-presidente da Norte Energia, “pode resultar danos estruturais à principal barragem do Rio Xingu, que é Pimental”. Na tarde de 10 de outubro, dia anterior à data do documento, o nível do reservatório do Xingu já havia atingido 95,20 metros. Ou seja: danos estruturais na barragem estavam no horizonte de possibilidades.

A primeira pergunta é: como é possível que o projeto da maior hidrelétrica da Amazônia e uma das maiores do mundo não tenha contemplado o comportamento medido e documentado do rio Xingu? Entre 1971 e 2014, ocorreram vazões inferiores a 800 metros cúbicos no mês de outubro pelo menos cinco vezes: em 1971 (691 m3 /s), 1972 (639 m3 /s), 1975 (733 m3 /s), 1998 (715 m3 /s) e 2010 (782 m3 /s). Essas informações são dados da Agência Nacional de Águas.

Se este cenário já havia ocorrido, era previsto que poderia ocorrer de novo. Isso é o que mostra o passado do rio Xingu, informação básica para o início de qualquer projeto. “Não é possível entender como essa seca aparece como surpresa para a Norte Energia, se já ocorreu outras vezes. Saber como o rio se comporta é a parte inicial de qualquer projeto”, afirma o especialista no setor elétrico, Francisco Del Moral Hernández, doutor em Ciências da Energia pela Universidade de São Paulo. Ele analisou o documento a pedido do EL PAÍS.

Estudos científicos mostram que, no futuro, a crise climática tornará as secas ainda mais severas. “Um destes estudos, de 2016, projeta a redução de cerca de 50% na vazão do rio Xingu no período de 2070 a 2099”, afirma o geólogo André Oliveira Sawakuchi, do Departamento de Geologia Sedimentar e Ambiental do Instituto de Geociências da Universidade de São Paulo, que também analisou o documento a pedido do EL PAÍS. “Projeções específicas para Belo Monte, considerando um cenário de mudança climática, apontam redução de aproximadamente 30% (em relação à média histórica 1971-2014) da vazão afluente no Reservatório Pimental, para o período 2020-2050.

Portanto, condições de vazão afluente reduzida, tal como em outubro de 2019, podem ser mais frequentes e/ou intensas durante a fase de operação da usina. Isto implica intensificação do conflito.” Ao mesmo tempo, o desmatamento acelerado, que explodiu na região, em grande parte provocado pela construção de Belo Monte, também altera o comportamento do rio. A derrubada da mata no Alto Xingu, região de expansão da soja, afeta ainda mais. A conclusão é que o futuro também não foi contemplado numa obra que já ultrapassou o valor de 40 bilhões de reais, a maior parte deste dinheiro financiado pelo BNDES. Vale lembrar que, no leilão, em 2010, a usina estava orçada em menos da metade deste valor: 19 bilhões.

Leia a reportagem completa clicando aqui.

Receita abre consulta ao sexto lote do Imposto de Renda

Foto: Marcello Casal JrAgência Brasil

A Receita Federal abriu, na sexta-feira (8), a consulta ao sexto lote de restituição do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) 2019. A Receita explicou que normalmente a consulta é aberta uma semana antes do pagamento, entretanto, em função do feriado de 15 de novembro, disponibilizou na manhã de hoje. O lote de restituição do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física contempla também restituições residuais dos exercícios de 2008 a 2018.

O crédito bancário para 1.365.366 contribuintes será realizado no dia 18 de novembro, totalizando o valor de R$ 2,1 bilhões. Desse total, R$ 207.186.130,72 são destinados a 5.270 idosos acima de 80 anos, 32.641 contribuintes entre 60 e 79 anos, 4.673 com alguma deficiência física ou mental ou doença grave e 16.408 contribuintes cuja maior fonte de renda seja o magistério.

Confira a tabela com os montantes de restituição para cada exercício e taxa básica de juros, a Selic, usada para corrigir os valores: (mais…)

Caneta Azul, funk, o Rap, as bundas cantantes, apedrejá-las por quê?

É nóis, amanhã”. Temos ouvido muita coisa que insistem teimosamente afirmar ser música da melhor qualidade. Muito surpreso, nos depararmos com os mais bizarros e poucos sutis textos musicados liderando as “paradas de sucessos” nacionais, fenômeno que também ocorre lá nas terras do tio Sam. Imagina! E para não transparecer fantasioso, vou citar alguns títulos, sem as devidas letras e “partituras”, evidentemente censuradas protegendo o recato e bom senso deste Blog: Desce daí seu corno e Eu levei foi gaia (Nenho); Fuleragem (MC WM); Caneta Azul (Manoel Gomes); Tum Tum Tum e, Papum (Kevinho); Joga Bunda (Aretuza Lovi); Zé Droguinha (Matheus Yurley); Popão Grandão (MC Neguinho do ITR); Vá Lavar o Toba e, pra finalizar, Posso te empurrar?* (MC Arraia).

Por: Mohammad Jamal

Todas essas celebridades musicais contam com centenas de milhares de execuções por dia e milhões de Reais arrecadados em Direitos Autorais, uma nina de diamantes! Fica uma questão. Esses “compositores”, cantores e suas temáticas místicas são prova inconteste da mediocrização cultural porque passa o Brasil ou somos nós, elitistas assustados com os temas bizarros e, além de invejosos, um bando de incompetentes incapazes de enriquecer vendendo cágados na Sibéria? Tenho cá minhas dúvidas.

Com Caneta Azul. Refletindo pedagogicamente sobre assunto tão premente, baladas, pancadões, paradas na noite, a evolução sociocultural de uma geração, etc. não encontro na gradiente evolutiva dos povos ditos culturalmente atrasados tampouco, dos muito atrasados, lapsos pontuais para sustentar uma análise sociológica no mínimo inteligível, porque racional, impossível. Aí lá me vou atrás de sustentação analógica naquele que é considerado o pai da química moderna, o francês, Antoine Laurent Lavoisier. (mais…)