Justiça do Rio proíbe cultos da igreja de Silas Malafaia

Pastor Silas Malafaia promove culto em igreja de Campo Grande, na zona oeste do Rio
Imagem: Divulgação.

Do UOL.

A Justiça do Rio de Janeiro decidiu proibir os cultos da igreja evangélica liderada pelo pastor Silas Malafaia, informou o MP fluminense.

Essa é a segunda tentativa de proibir os cultos. Numa primeira tentativa, a Justiça não tinha autorizado a paralisação das celebrações.

Em meio ao avanço do coronavírus, Malafaia havia convocado fiéis a irem aos templos para rezar e fazer uma corrente de fé contra o Covid-19. A conclamação gerou uma enorme polêmica, uma vez que médicos e especialistas têm recomendado o isolamento social e que as pessoas evitem concentrações e aglomerações.

“O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), obteve decisão com a determinação para que a Assembleia de Deus Vitória em Cristo (ADVEC) e o pastor Silas Malafaia deixem de realizar cultos em suas respectivas igrejas” , disse o MP em nota.

Caso a medida seja descumprida, a pena prevista é de multa diária de 10 mil reais. A decisão judicial determina ainda que o Estado e o município do Rio fiscalizem o cumprimento da medida.

Desde a semana passada, a arquidiocese do Rio de Janeiro decidiu fechar as igrejas católicas do Estado e passou a realizar missa on line pela internet.

Outras correntes religiosas também têm adotado novas práticas no Rio de Janeiro diante do avanço do Covid-19.

O Estado já tem 4 mortes confirmadas por coronavírus e 233 casos confirmados da doença.

MP recomenda que comércio de Itabuna e Camaçari garantam venda de produtos de primeira necessidade

O Ministério Público estadual, por meio dos promotores de Justiça Thiara Rusciolelli Souza Bezerra, da comarca de Camaçari, e Rafael Lima Pithon, da comarca de Itabuna, recomendou que os fornecedores, distribuidores e revendedores assegurem o oferecimento para venda ao consumidor de produtos de primeira necessidade nesses municípios. Os promotores de Justiça orientaram que água mineral, alimentos, combustíveis, gás liquefeito de petróleo, medicamentos, álcool, máscaras cirúrgicas descartáveis e produtos de saneamento sanitário domiciliar sejam comercializados pelos mesmos preços praticados antes da pandemia e que eventuais alterações de valor sejam fundamentadas na comprovação de alteração dos custos empresariais logísticos ou funcionais, que devem ser divulgados ao consumidor e aplicados respeitando os estoques disponíveis.

Restrições quantitativas de compra podem ser adotadas com o objetivo de garantir o equilíbrio e a harmonia social, para garantir o atendimento ao maior número possível de consumidores até que a situação se normalize. Thiara Rusciolelli e Rafael Pithon recomendaram ainda que os farmacêuticos, ou profissionais responsáveis, orientem o consumidor quanto às medidas de autopreservação e de uso de itens de higiene pessoal, máscaras de proteção, antissépticos e congêneres, informando eventuais itens similares equivalentes aos buscados pelos consumidores.

Corona vírus em Ilhéus: e os trabalhadores das indústrias?

Forçar os trabalhadores das indústrias a trabalhar a partir de amanhã, quando quase todos os demais ficarão em suas casas, contraria diretamente as determinações do Ministro da Saúde do Governo Federal.

Por Julio Gomes.

Sem dúvida, houve avanços nas últimas horas em Ilhéus, com relação ao combate à disseminação do Corona Vírus, e isto começou a acontecer com mais visibilidade hoje, quando o comércio fechou às 15:00 horas para não reabrir amanhã nem nos próximos quinze dias, ressalvadas as atividades essenciais; fato acompanhado pela suspensão do serviço de transporte coletivo urbano, que ocorrerá a partir da meia-noite de segunda para terça-feira, tudo em obediência ao Decreto nº 20, de 22/03/2020, publicado pelo poder Executivo do Município de Ilhéus.

Outras medidas importantes também constam do mesmo Decreto acima, e constituem passos importantes para o enfrentamento da crise gerada pelo Covid-19, porém, obviamente, não esgotam todas as questões relacionadas à prevenção da disseminação do Vírus.

Há setores de nossa sociedade que parecem ser dotados de invisibilidade, ou que, aparentemente, podem ser ignorados quanto à biossegurança e respeito à vida que lhes é devido, mesmo se tratando de trabalhadores que contribuem ativamente para a geração de renda e sobrevivência econômica de nosso Município. (mais…)