Deus no comando

Nossas cautelas são absolutamente indispensáveis. Se pensarmos que Deus já decidiu tudo, então não adianta ter limite de velocidade nas estradas, nem cuidados especiais com armas de fogo, nem evitar situações de risco, nem usarmos EPIs (equipamentos de proteção individual) no trabalho, nem cuidar da saúde, não fumar etc. Afinal, já estaria irremediavelmente decidido o dia, a hora e a forma da morte de cada um de nós!

Por Julio Gomes.

A atitude de alguns irmão e irmãs de fé cristã tem chamado nossa atenção de forma especial nestes últimos meses, o que traz a necessidade de aprofundar um assunto que, embora já abordado, merece novas e mais acuradas considerações.

Esclareço, inicialmente, que aquilo que será objeto de nossos comentários servem a todos os que são ou se consideram cristãos: evangélicos, católicos, espíritas e outras vertentes do cristianismo. E, devido ao alcance social, aplica-se também às demais religiões, desde as afro-brasileiras às de origem oriental.

Tenho visto desde o início da pandemia pessoas que, por contarem com a proteção divina, se recusam a adotar cuidados elementares tais como: usar máscaras, evitar ir às ruas desnecessariamente, conversar muito de perto, enfim, que agem sem as mínimas cautelas necessárias; e que teimam em frequentar locais públicos, com grande número de idosos, mesmo depois que alguém, em sua residência, recebeu diagnóstico positivo no exame para Coronavírus ou se encontra em quarentena ou tratamento de Covid.

Em primeiro lugar faz-se necessário afirmar que se expor-se a risco é problema seu – o que só funciona na teoria, porque na prática quando algo dá errado corremos para pedir ajuda aos outros – devemos entender, definitivamente, que expor a terceiros não faz parte de nossos direitos. Se alguém quer correr riscos, que faça isso sozinho, não leve ninguém consigo!

Outra questão que merece ser melhor elucidada é a de que a proteção divina não exclui nossos cuidados.

Tenho visto muita gente dizer que quem estiver marcado por Deus para morrer, vai morrer. Concordo, mas pergunto: e quem dentre nós sabe quais são as pessoas que têm, por desígnio divino, a destinação de falecer por Covid? Ninguém!

Acredito que se for da vontade do Altíssimo que alguém, na condição de médico, ao trabalhar durante esta pandemia, venha a se contaminar e morrer, ninguém poderá evitá-lo. Mas creio igualmente que se um profissional qualquer, médico, vendedor, policial, açougueiro, motorista ou mecânico, negligenciar os cuidados elementares a serem adotados, se contaminar e morrer, a culpa disso será dele, e isto terá ocorrido não porque Deus quis, mas pelo uso equivocado do livre arbítrio da própria pessoa.

Nossas cautelas são absolutamente indispensáveis. Se pensarmos que Deus já decidiu tudo, então não adianta ter limite de velocidade nas estradas, nem cuidados especiais com armas de fogo, nem evitar situações de risco, nem usarmos EPIs (equipamentos de proteção individual) no trabalho, nem cuidar da saúde, não fumar etc. Afinal, já estaria irremediavelmente decidido o dia, a hora e a forma da morte de cada um de nós!

As pessoas podem, sim, provocar a própria morte, antes da “hora marcada”, e a até mesmo sem desejarem isso. Basta agirem de forma negligente ou imprudente.

Creio, firmemente, que Deus está no comando, que Jesus governa nosso planeta, e que jamais somos abandonados pela Providência Divina, na qual deposito a mais fervorosa fé. Mas lembro sempre que Deus nos deu dois braços, duas pernas, cérebro, olhos, ouvidos e tudo o mais, em um corpo saudável e perfeito, para que, no uso de nosso livre arbítrio, façamos a nossa parte, trabalhando, cuidando, acautelando, evitando, protegendo e tomando todas as providências necessárias para a manutenção de nossa saúde e de nossa vida.

Na hora certa, o Altíssimo nos chamará de volta à vida espiritual. Mas isso é decisão dele, e não nossa. Tudo o que cabe a Deus, Ele já fez. Façamos nós a nossa parte, cuidando da melhor forma possível de si, e de quem depende de nós.

Julio Cezar de Oliveira Gomes é graduado em História e em Direito pela UESC – Universidade Estadual de Santa Cruz.

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Blog do Gusmão.



One response to “Deus no comando

  1. Excelente. Se tudo é questão de fé, para que os cristãos correm para os hospitais quando passam mal? Melhor que fiquem esperando pela salvação divina e, assim, não ocupam serviços dos que não acreditamos em deus, mas sim na ciência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *