Idoso com mais de 80 anos, já se vacinou contra a Covid-19?

Você fará o bem a outra pessoa e acabará colhendo sobre si mesmo, como divina benção, o benefício estendeu ao próximo.

Por Julio Gomes.

Na primeira fase da vacinação contra a Covid-19 em Ilhéus, que acontece nos dias 25 e 26 de janeiro, estão incluídos os idosos com 80 anos ou mais, que podem procurar os locais públicos credenciados pela Prefeitura e, mediante apresentação de documento que comprove a idade, tomar a vacina.

Entretanto, chamou a atenção de diversas pessoas – inclusive deste escriba – a timidez com que foi anunciada a tão esperada Primeira Fase de aplicação da vacina para esta parcela da população, que além dos idosos maiores de 80 anos inclui trabalhadores da área de saúde, indígenas e pessoas com mais de 60 anos, desde que estas últimas se encontrem em abrigo de idosos ou instituições congêneres.

Nada de carro de som nas ruas. Nada de grandes divulgações, que poderiam ser feitas via rádio ou TV, especificando sempre, de forma bem clara, a quem se destina a vacina nesta primeira etapa, de modo a não lotar inutilmente os postos de vacinação.

Esse acontecimento, mesmo após mais de 217.000 mortes por Covid-19 no Brasil (números divulgados em 24/01/2021) e 290 mortes oficialmente confirmadas em Ilhéus (números de 24/01/2021), parece passar despercebido, como coisa sem maior importância.

Pois bem, vamos agir!

É hora de convocar nossos idosos e todas as demais pessoas que compõem o grupo destinado a se vacinar nesta Primeira Fase – especialmente aos idosos com mais de 80 anos – para que o façam, imediatamente.

Cada pessoa vacinada será um a menos a contribuir para a disseminação do vírus, propiciando, além da sobrevivência de quem a toma, um risco menor de contaminação para as demais pessoas, que ainda terão de esperar o momento em que serão convocadas para imunizarem-se.

Quer o comércio totalmente reaberto? Quer volta às aulas? Quer o fim das restrições e o retorno à normalidade anterior? Então leve os idosos para vacinar.

Você fará o bem a outra pessoa e acabará colhendo sobre si mesmo, como divina benção, o benefício estendeu ao próximo.

Julio Cezar de Oliveira Gomes é graduado em História e em Direito pela UESC – Universidade Estadual de Santa Cruz.

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Blog do Gusmão.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *