Homenagem a Santa Dulce dos Pobres fortalece o turismo religioso

Missa em homenagem a canonização de Irmã Dulce, na Arena Fonte Nova. Foto: Elói Corrêa/GOVBA.

Nas camisas, nos olhos, nos corações. A fé em Irmã Dulce, agora Santa Dulce dos Pobres, canonizada no último dia 13, atraiu milhares de fiéis à Arena Fonte Nova, em missa celebrada pelo arcebispo primaz do Brasil, dom Murilo Krieger, neste domingo (20).

O governador Rui Costa participou da celebração, acompanhado da primeira-dama e presidente das Voluntárias Sociais da Bahia (VSBA), Aline Peixoto, e de José Maurício Moreira e Cláudia Araújo, que receberam a graça da cura, reconhecida pelo Vaticano.

Para Rui, Santa Dulce dos Pobres está acima das religiões pela generosidade, história e cuidado com o próximo. “Com a canonização de Santa Dulce dos Pobres, a Bahia torna-se uma referência ainda maior do que já é da fé, com suas mais de 300 igrejas, como a do Bonfim, de Nossa Senhora da Conceição da Praia, do Rosário dos Pretos e de São Francisco. Isso vai ser muito bom também para reforçar o destino religioso que é a nossa capital”, afirmou o governador.

Segundo o secretário do Turismo do Estado, Fausto Franco, o fortalecimento do turismo religioso já é uma realidade. “Nós já tivemos, nesta noite, 86% de ocupação na rede hoteleira de Salvador. É um número expressivo para um fim de semana comum”, revelou.

O turismo da Bahia, lembrou o secretário, é plural e o turismo religioso faz parte desse conjunto. “Este é um turismo independente da alta estação, de estar chovendo ou fazendo sol. E as pessoas que fazem turismo religioso têm como característica retornar outras vezes ao destino. A Bahia é muito rica na cultura religiosa. É um mix que a Bahia oferece e faz com que sejamos um estado muito especial”, acrescentou Fausto Franco. (mais…)

Projeto (a)mar divulga alerta sobre risco de manchas no litoral sul da Bahia

Voluntários ajudam na retirada do material tóxico em praias do Nordeste.

O Projeto (a)mar vem alertar através desse texto sobre o risco de manchas com aspecto e odor de petróleo (a ser confirmado pelo Comando Unificado de Incidentes) que já esta presente em nosso litoral sul da Bahia.

O petróleo é um material tóxico que pode causar graves danos onde é derramado. Esse dano pode ser maior ou menor em função do ambiente em que se encontra, de como um organismo é exposto e por quanto tempo. O objetivo central da resposta a derramamentos de óleo é reduzir esse dano. Mas quais danos são esses?⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

– Existem os danos físicos que ocorrem por sufocar algumas espécies pequenas de peixes, invertebrados, crustáceos, plantas, entre outros. Além de cobrir penas e pelos de animais, reduzindo a capacidade de pássaros e mamíferos de manter a temperatura corporal e de se locomover.⠀

⠀⠀⠀⠀⠀⠀
– Existem os danos por intoxicação química que estão associados a dois componentes importantes do petróleo bruto: compostos orgânicos voláteis (COVs) e hidrocarbonetos policíclicos aromáticos (HPAs). Ambos podem ser altamente tóxicos e carcinogênicos quando inalados ou ingeridos. Os COVs são bastante voláteis e evaporam rapidamente enquanto o óleo flutua na superfície do mar. Por outro lado, os HAPs podem persistir no ambiente por muitos anos, podendo prejudicar os organismos por muito tempo após o derramamento do óleo. A inalação deles resulta em irritação do trato respiratório e narcose em mamíferos – incluindo pessoas – e aves. A intensidade da intoxicação varia com o grau de exposição.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Os derramamentos de óleo também afetam as atividades costeiras econômicas e as comunidades que exploram os recursos do mar. Diante do desastre ambiental das manchas de óleo no litoral do nordeste, precisamos agir e cobrar ações. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Fonte: NOAA – Office of Response and Restoration.

Extrativistas e indígena receberam Prêmios Internacional Pela Conservação da Natureza

Lilian dos Campinhos, Sônia Guajarara, Carlos Alberto dos Santos e Maria da Gloria receberam Prêmios em evento internacional.

Fonte: Povos Indígenas

Em Lima no Peru aconteceu o III Congresso de Áreas Protegidas da América Larina e Caribe (CAPLAC), no Centro de Convenções de Lima, de 14 a 17 de outubro e reuniu mais de 2.500 especialistas em temas de conservação de 37 países.

Presentes a iniciativa representações extrativistas, indígena, organizações da sociedade civil e do poder público que promovem a gestão ambiental, o desenvolvimento sustentável, a conservação dos territórios e contribuir com a defesa e proteção dos territórios tradicionais brasileiro.

O evento organizado pelo Ministério do Meio Ambiente do Peru e o Serviço de Áreas Protegidas pelo Estado (Sernanp), a União Internacional para a Conservação da Natureza e sua Comissão Mundial de Áreas Protegidas, Rede Latino-Americana de Cooperação Técnica em Parques Nacionais, outras Áreas Protegidas, Flora e Fauna Silvestre (RedParques) e pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO). Maiores informações clique aqui. (mais…)

Itacaré: Secretário do Meio Ambiente comenta situação das praias

Foto: Secom/Itacaré.

O secretário de Meio Ambiente de Itacaré afirmou nas redes sociais que houve, de fato, a chegada de poucas manchas de óleo em algumas praias do município. Ele explicou que parte da população ficou alarmada, mas que o fato em si não gerou maiores danos.

Marcos Luedy disse que o material foi recolhido e houve limpeza de todas as praias da cidade.  O volume de material recolhido chegou a três quilos, o que a princípio é considerado um número baixo, levando-se em conta a extensão do litoral de Itacaré, disse o secretário.

Luedy afirmou que a situação está sob controle, com praias limpas e equipes de prontidão e que a partir das 5h do domingo, 20,  vai acontecer um novo monitoramento nas praias do município.