Exclusivo. Governo Marão paga R$ 2.5 milhões em juros por atrasos no recolhimento do INSS, acusa Uildson Nascimento

Prejuízos causados por Marão foram revelados por Uildson Nascimento. Fotos: Secom-Ilhéus e O Tabuleiro.

Em primeira mão.

A gestão iniciada pelo prefeito Mário Alexandre em janeiro de 2017 causa prejuízos e danos às contas do município, afirma o contabilista Uildson Nascimento, ex-secretário municipal e ex-diretor de planejamento da secretaria de saúde de Ilhéus.

De posse de documentos oficiais levantados junto à Receita Federal, por meio da Lei de Acesso a Informação, Uildson afirmou ao BG nesta sexta-feira, 9, que entre janeiro de 2017 e maio de 2019, o governo Marão pagou R$ 2.5 milhões a título de juros pelo atraso no recolhimento de encargos sociais (INSS). A irresponsabilidade financeira também não tem respeitado as datas de vencimento dos parcelamentos junto ao “leão”.

Segundo o ex-secretário, o pagamento de juros como efeito da incompetência da gestão é inadmissível no momento em que a saúde de Ilhéus beira o caos. Há falta de profissionais, insumos e grande parte dos procedimentos de média e alta complexidade são negados à população. Vários postos de saúde não marcam exames por não haver sinal de internet disponível e não há recolhimento dos resíduos hospitalares.

Uildson disse que pretende comunicar sua descoberta aos órgãos de controle externo e aos Ministérios Públicos Estadual e Federal, para que seja proposta ação judicial por ato de improbidade administrativa contra Marão.  O objetivo da medida é propiciar que o município recupere os recursos gastos com o prejuízo causado pelo prefeito.

Infelizmente o Tribunal de Contas dos Municípios do Estado da Bahia (TCM-BA), ao julgar as contas do prefeito referentes ao exercício de 2017, “comeu mosca” por não apontar a grave ilegalidade, explicou Uildson Nascimento.

O BG enviou mensagens ao secretário de comunicação, Hélio Ricardo, pedindo esclarecimentos. Não conseguimos resposta. O espaço está aberto para a versão do governo.

Veja o relatório da Receita Federal.

Obra do governo Marão no Alto do Socorro vira plantação de abóboras

O que deveria ser muro de contenção, virou plantio de abóboras e melões. Foto: enviada por morador.

Em janeiro deste ano, publicamos que o Estádio Mário Pessoa estava abandonado. No palco principal do esporte Ilheense havia plantação de melancias (no gramado) e de quiabos (veja aqui).

O abandono de espaços e obras essencialmente públicos e o surgimento nessas áreas de plantas de crescimento não estimulado prova o desleixo do governo municipal.

Em novembro de 2018, após as operações Sombra e Escuridão e Elymas Magus da Polícia Federal, a obra de contenção de encostas do Alto do Socorro foi paralisada (relembre). As investigações apontaram indícios de irregularidades na escolha da empresa que deveria executar o serviço.

Foto: enviada por morador.

O recurso, cerca de R$ 1.5 milhão, veio do governo federal após emenda parlamentar do então deputado federal Bebeto Galvão (PSB), mas o processo licitatório foi organizado pelo governo Marão/Bento.

Passados oito meses, plantações de abóboras e de melões preenchem o espaço da obra que visa garantir a segurança dos imóveis e das pessoas que residem no Alto do Socorro. O governo Marão/Bento nunca veio a público dar explicações e a comunidade convive com mais um exemplo de falta de compromisso e desperdício de recursos públicos.

O BG pediu esclarecimentos ao secretário municipal de infraestrutura Átila Dócio e para a secretaria de comunicação. Não conseguimos respostas.

Foto: enviada por morador.