Desaparecimento de Caroline Fernandes completa 8 meses; amigos cobram resposta da Polícia Civil

Grupo busca respostas sobre o desaparecimento de Caroline Fernandes.

Na última quinta-feira (15) foram completados oito meses do desaparecimento de Caroline Fernandes. A moça de 38 anos foi vista pela última vez no dia 15 de fevereiro, durante a passagem do bloco “As Muringuetes” que desfilou no bairro do Pontal.

Sem informações sobre o andamento da investigação, amigos de Caroline realizaram um ato de protesto em frente à Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam), na manhã da quinta-feira (15). Na ocasião, um ofício foi entregue aos representantes da Deam e da 7ª Coorpin da Polícia Civil.

Caroline sumiu no dia 15 de fevereiro.

Na época do desaparecimento, Caroline havia iniciado um namoro com um homem chamado Rafael, que também desapareceu. Os familiares dela tinham poucas informações sobre o novo companheiro. Alguns sequer sabiam do namoro e outros afirmam que ele não tem parentes em Ilhéus.

O temperamento introspectivo de Rafael, pouco comunicativo e fechado, gerou desconfianças. Um familiar disse em depoimento à Polícia Civil que o rapaz demonstrava um comportamento ciumento e agressivo, e que já teria agredido fisicamente Caroline. Não há registro de nenhum fato a esse respeito na delegacia.

Índio Tupinambá está desaparecido há 24 dias

Deivid deixou a casa da mãe em Eunápolis e sumiu.

O índio Tupinambá Deivid Charles dos Santos, da aldeia Boca do Córrego, de Belmonte, desapareceu no dia 22 de fevereiro. Segundo a família, Deivid retornou de viagem após passar oito meses trabalhando em São Paulo.

Ele saiu da casa da mãe em Eunápolis, pegou uma motocicleta emprestada para ir para sua casa na aldeia – cerca de 140 km de distância – e sumiu. O fato foi registrado na 1ª Delegacia de Eunápolis no dia 25 de fevereiro.

Segundo a cacique Cátia, madrasta de Deivid, no momento da queixa sobre o desaparecimento, não foi informado que Deivid é indígena. Há um temor relacionado aos conflitos fundiários existentes na região.

A família de Deivid está preocupada. Segundo a madrasta: “o sentimento é de tristeza, tensão e impotência. São 20 dias de desaparecimento, sem notícias”. Entidades e organizações indígenas e de defesa dos direitos humanos acompanham o caso com bastante preocupação.

PRF ENCONTRA IDOSO COM ALZHEIMER PERDIDO EM FRENTE À UESC

“Seo” Valtemario. Foto divulgada pela família nas redes sociais.

Policiais Rodoviários Federais realizavam ronda, por volta das 10h de ontem (09), quando avistaram um idoso em frente à UESC, sozinho no acostamento da rodovia, bem próximo à faixa de rolamento. Sensibilizados com a situação, a equipe se aproximou do homem e percebeu que estava desorientado e não fornecia informações precisas.

O idoso relatou aos policiais que residia no bairro Banco da Vitória, em Ilhéus, porém, ao chegar ao local acompanhado dos agentes, não foi reconhecido por nenhum dos moradores.

Contudo, após encontrar o documento de identificação do idoso e consultar o banco de dados, os PRFs verificaram a sua real residência e o conduziram até o bairro Conquista, Rua Santa Clara, em Ilhéus, de onde ele desapareceu.

Foto: PRF.

Na chegada, os familiares de Valtemario que já estavam a sua procura, inclusive com postagens nas redes sociais e no Blog Chico Andrade, ficaram extremamente gratos com a atitude da equipe de policiais.