Justiça determina que a mãe de Marão devolva R$ 55 mil ao Tesouro Nacional

Ângela Sousa e Mário Alexandre. Foto: internet/reprodução.

No dia 05 de junho deste ano, o BG publicou reportagem exclusiva sobre as contas eleitorais de 2018 da ex-deputada estadual Ângela Sousa, mãe do prefeito de Ilhéus, Mário Alexandre. Informamos que o Ministério Público Federal (MPF) pediu a desaprovação, uma vez que foram encontrados “vícios” (relembre aqui).

O desembargador do Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA), José Edvaldo Rocha Rotondano, atendeu pedido do MPF e determinou que a mãe do prefeito devolva R$ 55.900,00 ao Tesouro Nacional, pois a campanha dela, conforme prestação de contas, foi custeada com recursos públicos do Fundo Especial para Financiamento de Campanha (FEFC).

Na decisão, Rotandono afirma que o MPF pontuou bem ao considerar que “as contas restaram substancialmente afetadas em sua confiabilidade e transparência” (leia aqui).

A mãe do prefeito ainda pode recorrer.

MPF pede desaprovação das contas da última campanha eleitoral de Ângela Sousa

Ângela Sousa e o filho prefeito Mário Alexandre.

Em primeira mão.

Parecer do procurador federal Claudio Gusmão, assinado no dia 02 de maio, pede que a justiça desaprove as contas da última campanha política da ex-deputada estadual Ângela Sousa (veja aqui).

Após análise do setor técnico do judiciário, foram encontrados vícios que podem resultar na rejeição da contabilidade da campanha.

Dentre as inconsistências, houve suposta omissão de receitas e gastos eleitorais, informações fornecidas pela assessoria da ex-deputada sobre gastos de campanha divergem das notas fiscais que constam na base de dados da justiça eleitoral, ausência de extratos bancários, dentre outros problemas.

A assessoria jurídica de Ângela Sousa (PSD) apresentou justificativas que serão analisadas pelo desembargador do TRE-BA, José Edvaldo Rocha Rotondano, relator do processo eleitoral.

De acordo com os extratos do processo, a última campanha da mãe do prefeito de Ilhéus, Mário Alexandre, custou R$ 657 mil. Deste montante, R$ 640 mil foram doados pelo PSD, partido da ex-deputada.

EM ILHÉUS, HADDAD SUPERA BOLSONARO COM 19 MIL VOTOS DE FRENTE

Diferente de Itabuna, onde a disputa no 2º turno foi acirrada e Haddad teve apenas 2.728 votos (2,62%) a mais que Bolsonaro, em Ilhéus a diferença foi maior a favor do petista.

Na cidade litorânea, que tem menos eleitores, Haddad conquistou 54.505 votos (60,68%) e Bolsonaro 35.315 (39,32%). A vantagem do candidato do PT sobre o presidente eleito atingiu 19.190 votos. 

Dezessete mil novecentos e sessenta e um eleitores cadastrados não votaram no 2º turno. O índice de abstenção foi de 15,38%. No 1º turno foi maior (15,70%).

Confira o resultado completo do 2º turno em Ilhéus.

NO TERRITÓRIO LITORAL SUL DA BAHIA, BOLSONARO SÓ GANHOU EM BUERAREMA

No Território Litoral Sul da Bahia, que abrange 26 municípios, o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) venceu apenas em Buerarema, onde obteve 4.698 votos (55,26%). O resultado desperta curiosidade, pois na vizinha São José da Vitória Fernando Haddad (PT) venceu com 2134 votos (68,79%).

O conflito por terra entre agricultores e índios Tupinambás desencadeou a estagnação econômica de Buerarema. A população da cidade questiona os governos do PT e apostou em Bolsonaro que prometeu não demarcar áreas reivindicadas pelos povos indígenas.

Almadina, Arataca, Aurelino Leal, Barro Preto, Buerema, Camacan, Canavieiras, Coaraci, Floresta Azul, Ibicaraí, Ilhéus, Itabuna, Itacaré, Itaju do Colônia, Itajuípe, Itapé, Itapitanga, Jussari, Maraú, Mascote, Pau Brasil, Santa Luzia, São José da Vitória, Ubaitaba, Una e Uruçuca compõem o Território Litoral Sul da Bahia.

O mapa abaixo foi preparado pelo vice-prefeito de Ilhéus, José Nazal.

Mapa: José Nazal.

BOLSONARO VENCE O PT E SERÁ O 38º PRESIDENTE DO BRASIL

Foto: Adriano Machado/Reuters.

Da Agência Brasil.

A presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministra Rosa Weber, anunciou, por volta das 20h10, que Jair Bolsonaro está matematicamente eleito novo presidente do Brasil. O anúncio foi realizado na sede do TSE em Brasília.

Segundo a ministra, o resultado da eleição foi definido às 19h18, com 94,44% das urnas apuradas, momento no qual Bolsonaro atingiu 55,54% dos votos válidos, ante 44,46% de Fernando Haddad.

A ministra destacou que as eleições transcorreram “na mais absoluta tranquilidade”.

HADDAD VIRA E DERROTA BOLSONARO, EM ITABUNA

Jair Bolsonaro (presidente eleito) e Fernando Haddad.

No 1º turno das eleições presidenciais de 2018, Jair Bolsonaro venceu as eleições em Itabuna com 42.190 votos (40,62%). Fernando Haddad teve  37.980 votos  (36,57%).

No 2º turno, a votação do presidente eleito subiu para 50.668 votos (48,69%), mas não o suficiente para vencer o candidato petista que obteve 53.396 (51,31%).

O índice de abstenção ficou em 26,19%.

A virada em Itabuna aconteceu devido ao peso político e à influência do governador Rui Costa (PT).

REGINA DUARTE ACREDITA QUE HOMOFOBIA DE BOLSONARO “É DA BOCA PARA FORA”

Foto: Reprodução/Instagram.

Entrevista da atriz Regina Duarte publicada pelo Estadão nesta sexta-feira, 26, traz opiniões no mínimo curiosas.

Segundo a estrela da Rede Globo, Jair Bolsonaro “tem uma alma democrática”. As inúmeras declarações consideradas homofóbicas e racistas do candidato à presidência seriam fruto do “humor brincalhão típico dos anos 1950, que faz brincadeiras homofóbicas, mas que são da boca pra fora, coisas de uma cultura envelhecida, ultrapassada”.

Regina Duarte afirma que conversou com Bolsonaro durante 65 minutos. Esse tempo foi suficiente para que a atriz considerasse as declarações polêmicas como “imagens montadas, pois mostram a reação dele, mas não a de quem provocou a reação. É unilateral. Quando souberam que ele ia se candidatar, começaram a editar todas as gravações e também a provocá-lo para que reagisse a seu estilo, que é brincalhão, machão. Daí fica a imagem de um homem tosco, bruto. Acredito que 80% dessas reações eram brincadeiras dele: você manda uma porrada e ele devolve outra”.

A atriz admitiu sua “alienação”, nas eleições presidenciais de 2002, quando externou temor pela vitória de Lula.

“Não me arrependo, mas, se pudesse voltar no tempo, teria me informado melhor sobre o que estava acontecendo naquele momento. O País queria o Lula e fui dar a cara a tapa à toa”.

DATAFOLHA: DIFERENÇA ENTRE BOLSONARO E HADDAD CAI 6 PONTOS

Jair Bolsonaro e Fernando Haddad.

Da Agência Brasil.

O Instituto Datafolha divulgou nova pesquisa hoje (25) de intenção de voto para presidente da República. O candidato Jair Bolsonaro (PSL) continua à frente, mas a diferença diminuiu. Entre os votos válidos (excluindo brancos, nulos e as pessoas que se manifestaram indecisas), o presidenciável ficou com 56% das intenções, contra 44% de Fernando Haddad (PT). No levantamento anterior, realizado no dia 18 de outubro, o ex-capitão do Exército havia registrado 59% e o ex-prefeito de São Paulo, 41% dos votos válidos.

Na contagem das intenções de votos totais, Bolsonaro marcou 48% e Haddad, 38%. Brancos e nulos somaram 8% e indecisos, 6%. Destes, 22% expressaram abertura para mudar de posição até o dia da eleição. Há uma semana, a medição das intenções de votos totais registrou 50% para o candidato do PSL, 35% para o concorrente do PT, 10% brancos ou nulos e 5% indecisos.

Segundo o Datafolha, Bolsonaro perdeu apoio em todas as regiões do país, mas permanece na frente. No Sudeste, a vantagem é de 53%, contra 31%. A única região em que Haddad está na frente é no Nordeste, onde tem 56% das intenções de voto, contra 30% do ex-capitão.

Rejeição

Na análise da rejeição, a do candidato do PT caiu de 54% para 52%. Já a de Bolsonaro cresceu 3 pontos, de 41% a 44%.

Em relação à certeza do voto, 94% dos que manifestaram intenção de voto no candidato do PSL garantiram que estão decididos. No caso do presidenciável do PT, a certeza foi declarada por 91%.

A pesquisa entrevistou 9.173 pessoas em 341 cidades ontem (24) e hoje (25). A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. O levantamento foi encomendado pelo jornal Folha de S. Paulo e pela Rede Globo.

ATÉ ONDE IREMOS? VOCÊ É RESPONSÁVEL!

Por Julio Gomes.

Nestes dias que antecedem à votação do segundo turno das eleições presidenciais de 2018 no Brasil e ante a gravidade do que se avizinha, não há como deixar de enfrentar as questões que envolvem este pleito maior e, de forma direta, nosso futuro.

Causa enorme, imensa preocupação o que temos visto por parte de um dos candidatos à Presidência. Declarações tais como “não te estupro porque você não merece”, dirigidas a uma Deputada Federal dentro do Congresso Nacional; “prefiro ter um filho morto em acidente a ter um filho gay”; “o afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas” e “acho que nem para procriador eles servem” são provas de uma grosseria e irresponsabilidade inaceitáveis para quem pretende ocupar a Presidência da República.

A semeadura de intolerância e violência feita pelo citado candidato já se encontra dando frutos, mesmo antes do fim das eleições. Ao segurar o tripé de uma câmera em um comício no Acre, simulando o uso de uma metralhadora de grosso calibre, e afirmar que “Vamos fuzilar a petralhada toda aqui do Acre”, avalizou-se os assassinatos de Moa do Catendê, na Bahia; o esfaqueamento de um funcionário de um restaurante em Porto Alegre, e centenas de outros graves atos de agressão, perpetrado sobretudo por apoiadores deste mesmo candidato.

Jair Bolsonaro.

As agressões, dirigidas principalmente contra militantes ou simpatizantes da candidatura oposta, contra negros, gays e minorias sociais, se tornam cada vez mais frequentes, grosseiras e concretas. O medo já começa a se fazer sentir nas pessoas, que passam a esconder suas preferências sexuais, ideológicas e políticas, como se fosse crime externá-las.

A pergunta é: se antes das eleições estamos diante de um quadro assim, o que ocorrerá se o candidato da violência ganhar as eleições? A resposta é dada por ele mesmo, que tem o coronel médico do Exército Carlos Alberto Brilhante Ustra, o mais famoso torturador do Brasil, como herói nacional; e que defende abertamente a ditadura como regime ideal para o Brasil.

Não se pode brincar com a possibilidade concreta do retorno do horror que se avizinha. Nós, brasileiros, se escolhermos ao candidato do obscurantismo, da ignorância, do desrespeito, da violência, não poderemos reclamar do que virá depois. E não me venham falar em movimentos do tipo “Fora Presidente”, porque quem ganhar no voto adquirirá o direito de governar, enquanto durar seu mandato.

Quanto a você, eleitor, assuma seu voto e as consequências que dele advém. Se amanhã, após a instalação de um governo baseado na violência e no medo, homossexuais e mulheres forem espancados ou mortos no meio da rua, se pessoas forem arbitrariamente presas e torturadas, se não tivermos mais liberdade de religião, de imprensa, de manifestação, se a sociedade brasileira se desmoronar sob o autoritarismo de um ditador irresponsável e insano, não venha dizer que nada tem a ver com isso: foi você quem colocou a monstruosidade no poder.

Ainda há tempo. Pule fora disso. Talvez você não possa mudar o resultado da eleição como um todo, mas poderá mudar a sua responsabilidade perante a vida, o Brasil, as demais pessoas e diante de sua própria consciência ou, se você assim preferir, diante de Deus.

Julio Cezar de Oliveira Gomes é graduado em História e em Direito pela UESC – Universidade Estadual de Santa Cruz.

ALBERTO GOLDMAN, EX-PRESIDENTE DO PSDB, DECLARA VOTO EM HADDAD

Alberto Goldman. Foto: Fátima Meira/Futura Press/Estadão Conteúdo.

O ex-governador de São Paulo e ex-presidente do PSDB , Alberto Goldman,  declarou voto em Fernando Haddad, candidato do PT à Presidência da República. Em vídeo publicado em suas redes sociais nesta quarta-feira, 24, o tucano afirma que a eleição de Jair Bolsonaro (PSL) traria retrocessos, e que o capitão reformado “passou dos limites aceitáveis” no último domingo ao ameaçar seus opositores.

O discurso de Jair Bolsonaro (PSL) veiculado na Avenida Paulista no último domingo, no entanto, teria levado Goldman a decidir pelo voto no petista. O ex-governador criticou a declaração de Bolsonaro, de que “esses marginais vermelhos serão banidos de nossa pátria”, transmitida em um telão na Avenida Paulista, em São Paulo, no domingo.

Minha conclusão é que eu não estou disposto a pagar para ver – disse Goldman, que presidiu o partido após a saída de Aécio Neves do cargo, em 2017, em meio à delação da JBS.

– Vou, contra a minha vontade, contra o que eu pensava, contra os princípios e contra esses anos de luta contra o PT, acabar votando em Haddad. E, ao final da votação pedir desculpas a Deus, que ele me perdoe – disse.

Confira a declaração do ex-governador de SP.

Com informações de O Globo.

SEGUNDO TURNO DA ELEIÇÃO SUSPENDE AULAS EM ESCOLAS DE ILHÉUS

Foto: Rodrigo Macedo.

No segundo turno da eleição para a Presidência da República, que ocorre no próximo domingo, dia 28 de outubro, escolas estaduais, municipais e particulares de Ilhéus serão cedidas e utilizadas pelo Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA) como locais de votação. Nesse sentido, as aulas serão suspensas nesta sexta-feira, 26, no período da tarde, quando as urnas começam a ser instaladas. Pela manhã, as unidades vão funcionar normalmente.

Nas unidades das redes públicas estadual e municipal, os alunos voltarão às salas de aula na segunda-feira, 29, no período da tarde e noite. O TRE baiano assegurou que a suspensão das aulas nas unidades estaduais, municipais e particulares que abrigam seções eleitorais não afetará o calendário escolar, que prevê o cumprimento dos 200 dias letivos regulamentados pela Lei de Diretrizes e Bases (LDB).

No caso das unidades da rede particular de ensino, não haverá alteração no cronograma e os estudantes terão atividades normais. Os eleitores vão às urnas das 8 às 17 horas para escolherem o próximo presidente da República. Para votar, é preciso levar um documento oficial com foto. Este ano o eleitor pode usar o aplicativo e-título instalado no seu smartphone.

DECLARAÇÃO DE EDUARDO BOLSONARO É “GOLPISTA”, AFIRMA MINISTRO CELSO DE MELLO

Celso de Mello, ministro do Supremo Tribunal Federal. Imagem: Pedro Ladeira/Folhapress.

O ministro Celso de Mello, do STF (Supremo Tribunal Federal), classificou a afirmação do deputado federal eleito, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), de que bastam um soldado e um cabo para fechar a corte, de “inconsequente e golpista”. Segundo a Folha de São Paulo, o ministro também disse que o fato de Bolsonaro ter conquistado uma votação expressiva nas eleições (quase 2 milhões de votos) não legitima investidas contra ordem político-jurídica.

“Essa declaração, além de inconsequente e golpista, mostra bem o tipo (irresponsável) de parlamentar, cuja atuação no Congresso Nacional, mantida essa inaceitável visão autoritária, só comprometerá a integridade da ordem democrática e o respeito indeclinável que se deve ter pela supremacia da Constituição da República!!!! Votações expressivas do eleitorado não legitimam investidas contra a ordem política-jurídica fundada no texto da Constituição! Sem que se respeitem a Constituição e as leis da República, a liberdade e os direitos básicos do cidadão restarão atingidos em sua essência pela opressão do arbítrio daqueles que insistem em transgredir os signos que consagram, em nosso sistema político, os princípios inerentes ao Estado Democrático de Direito”, escreveu o decano da suprema corte à Folha de São Paulo.

Confira o vídeo com as declarações “golpistas” de Eduardo Bolsonaro.

TVE EXIBE ENTREVISTA EXCLUSIVA COM FERNANDO HADDAD

O candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad, concedeu entrevista exclusiva ao jornalista Bob Fernandes para a TVE Bahia. O programa será exibido nesta terça-feira, 16, às 21h15 e reexibido no próximo domingo , 21, às 18h30.

Geração de empregos, segurança, educação, respeito à democracia, moradia, impostos e propostas de mudanças na cobrança de juros bancários. Esses são alguns dos temas da entrevista que abordou ainda o clima de intolerância política, a violência física registrada nestas eleições e as chamadas fake news.

No primeiro turno, o candidato Jair Bolsonaro alcançou 46,03% dos votos válidos do país. Já Fernando Haddad chegou a 29,28%. Bolsonaro também foi convidado para conceder entrevista a Bob Fernandes.

VIOLÊNCIA? ISTO É SÓ O COMEÇO…

Por Julio Gomes.

Passava de meia noite em Salvador. Após a votação do primeiro turno, ocorrida no domingo, dia 07/10/2018, iniciava-se a madrugada de segunda-feira. Em um bar humilde, localizado próximo ao Dique do Tororó, surge uma discussão entre eleitores do PT e um eleitor de Bolsonaro, que instantes depois se retira para retornar logo em seguida, matando no local o capoeirista Moa do Catendê com 12 facadas, sem chance de defesa.

Porto Alegre, dia 08/10/2018. Uma jovem que usava mochila e bandeira com as cores do Movimento LGBT e camisa com a frase EleNão é interceptada por um grupo de homens e agredida, e em seu corpo é marcada a canivete uma suástica diretamente em sua barriga. Como o símbolo nazista foi marcado de forma invertida, o Delegado registrou a ocorrência disse, cinicamente, que entendeu tratar-se de um “símbolo budista”!

Brasil, primeira semana após a votação do primeiro turno. Dezenas de escolas, universidades e instituições públicas são pichadas com fortes agressões a negros, mulheres e homossexuais, por vezes acompanhadas de símbolos nazistas. Estas agressões repercutem na imprensa, mas de forma bastante modesta.

Moa do Katendê.

Multiplicam-se as agressões e ameaças pessoais, de forma direta e indireta, aos milhares, em todo o Brasil. Alunos falam para professores e pacientes relatam a seus psicólogos que têm sido xingados, ameaçados e agredidos por conta de suas opções sexuais, políticas ou por questões eminentemente pessoais.

Em Ilhéus, um jovem homossexual que trabalha em uma fábrica em seu primeiro emprego ouve ao passar, de um subordinado, que “isso vai acabar, Bolsonaro está chegando”. Sem querer azedar o ambiente de trabalho nem expor-se, o jovem finge que não ouviu e segue lívido, preocupado, sob forte constrangimento.

Bolsonaro é apenas o candidato rumo ao segundo turno, mas os relatos das mais diversas formas de agressão, desde ameaças verbais a homicídio, eclodem em todo o Brasil, prenunciando o que deverá vir a tornar-se cotidiano, caso ele e seu projeto político de sociedade sejam aprovados nas urnas.

As pessoas são, em regra, dissimuladas, sonsas. Temo que todos os atos de violência cometidos até agora sejam somente um prefácio, uma amostra grátis, um cafezinho ante o banquete de violência social que desabará, nas mais diversas formas, inicialmente sobre as pessoas tidas como indesejáveis e, depois, sobre todos os que de alguma forma não concordarem com Bolsonaro e sua linha de conduta política, caso chegue ao poder.

Se você não sabe o que é o fascismo e viver sob uma ditadura, pergunte às pessoas acima, que foram agredidas ou ameaçadas. Elas não viveram o período de 1964 a 1985, da ditadura militar, mas já sabem do sentimento de medo, impotência e terror que aqueles que sofreram tais tipos de violência conhecem perfeitamente, e não esquecerão jamais.

Quem vota em Bolsonaro estará, conscientemente ou não, chancelando todos estes atos de violência já cometidos, e também todos os que vierem depois, quando, definitivamente instalados no poder e com o apoio de parte significativa da polícia, do Poder Judiciário, dos grandes meios de comunicação, e respaldados pelos que votaram no projeto de ódio, poderão, aí sim, mostrar o que é realmente repressão, ameaça e violência, agindo com a certeza da impunidade!

Bem vindo ao primeiro ato do fascismo e da ditadura, ainda no pré poder. Se Bolsonaro realmente for eleito, o pior estará por vir.

Julio Cezar de Oliveira Gomes é graduado em História e em Direito pela UESC – Universidade Estadual de Santa Cruz.

KADU SEM PRESTÍGIO COM MARÃO

Notinhas.

Marão e Kadu: derrota nas eleições e despedida.

O prefeiturável de Coaraci, Kadu Castro, atual superintendente do fundo municipal de saúde, está sem prestígio com o prefeito de Ilhéus, Mario Alexandre.

No último domingo, a deputada estadual Ângela Sousa (mãe de Marão) conquistou 1.444 votos na terra do aliado. Kadu teria prometido em torno de 2.000.

Com o resultado aquém do prometido, somado ao chororô da derrota, é provável que ele deixe o cargo, pois eleição para deputado só daqui a quatros anos. Caso Mario tente novo mandato, hipótese quase improvável, Kadu seria um zero à esquerda uma vez que não tem votos em Ilhéus.

O secretário de saúde, Geraldo Magela, não esconde o desconforto com os métodos do superintendente e já diminuiu seu poder. O cabo eleitoral não decide mais nada sobre os pagamentos feitos pela secretaria.

Voltando às eleições do último domingo, fonte do grupo de Marão disse que Kadu levou oitenta mil “santinhos” para Coaraci. Ao dividir a quantidade de “propagandas” pelos votos conquistados por Ângela na cidade (1.444), o quociente atinge 55 “santinhos” por voto. 

“Até que não saiu caro”, disse a fonte.

CONFIRA O RESULTADO DAS ELEIÇÕES EM CANAVIEIRAS, SANTA LUZIA, UNA, ITACARÉ E CAMAMU

O Blog do Gusmão disponibiliza o resultado das eleições em mais cinco municípios do sul da Bahia: Canavieiras, Santa Luzia, Una, Itacaré e Camamu.

Os dados são do programa Divulga do Tribunal Superior Eleitoral.

As listas com os candidatos a deputado federal e estadual iniciam com a votação dos eleitos, depois dos mais votados (não eleitos) em ordem decrescente. Clique no link de cada cargo.

Canavieiras.

Presidente.

Governador.

Senador.

Deputado Federal.

Deputado Estadual.

Santa Luzia.

Presidente.

Governador.

Senador

Deputado Federal.

Deputado Estadual.

Una.

Presidente.

Governador.

Senador

Deputado Federal.

Deputado Estadual.

Itacaré.

Presidente.

Governador.

Senador

Deputado Federal.

Deputado Estadual.

Camamu.

Presidente.

Governador.

Senador

Deputado Federal.

Deputado Estadual.