BOLSONARO INVENTA “9º SEMINÁRIO LGBT INFANTIL” NO JORNAL NACIONAL

Imagem: Tijolaço.

Da Carta Capital.

Em entrevista ao Jornal Nacional, da Rede Globo, Jair Bolsonaro, candidato à Presidência pelo PSL, inventou um suposto “9º seminário LGBT infantil”. Em 2012, ocorreu na verdade o 9º seminário LGBT no Congresso Nacional, cujo tema era “infância e sexualidade”.

O seminário é realizado anualmente. No 15º seminário LGBT no Congresso, de junho deste ano, o encontro tratou de temas como justiça inclusiva, envelhecimento e acesso à saúde, violência e abandono familiar, mercado de trabalho, todos sob a ótica da população LGBT. O tema da sexualidade na infância foi, portanto, apenas um dos debates realizados no Congresso pelos seminários.

À época, Bolsonaro criticava o chamado kit anti-homofobia, chamado pelo deputado de “kit gay”. O kit educativo, que faz parte do projeto Escola sem Homofobia, foi avaliado pelo Conselho Federal de Psicologia, pela Unesco e pelo Unaids, e teve parecer favorável das três instituições, mas acabou vetado por Dilma Rousseff em 2011. Bolsonaro chegou a levar uma suposta cartilha ao Jornal Nacional, que não foi mostrada pela emissora.

O 9º Seminário LGBT foi organizado pela Frente Parlamentar Mista Pela Cidadania LGBT, coordenada pelo deputado Jean Wyllys, do PSOL. À época, Wyllys e outros convidados alertaram para a violência infantil contra quem não se encaixa nos padrões de gênero definidos pela sociedade.

“Tem o tema e o lema. O lema vai ser “Todas as Infâncias são Esperança”. Em torno desse tema a gente quer discutir o próprio reconhecimento de uma sexualidade infantil, proteger as crianças que escapam dos papéis de gênero definidos pela sociedade da violência. A gente sabe que tem muita criança que sofre violência doméstica terrível, são queimadas, são espancadas porque não se enquadram em papéis de gênero. Ou seja, aquele garoto que, com 6, 7 anos de idade, quer brincar de boneca e os pais batem”, disse Wylls ao portal da Câmara à época.

PC DO B REPUDIA AÇÃO DO VEREADOR ALDEMIR ALMEIDA

Vereador Aldemir Almeida (PP).
Vereador Aldemir Almeida (PP).

Na última quinta-feira (19), o Comitê Municipal do Partido Comunista do Brasil (PCdoB) repudiou a ação do vereador Aldemir Almeida (PP) e emitiu uma Moção de Repúdio à Intolerância.

O CASO

Na sessão ordinária da terça-feira (17), Aldemir Almeida expressou a sua opinião e sentimento de ódio em relação ao público LGBT. A ação do vereador gerou revolta na população envolvida e grupos da sociedade civil e em partidos políticos do município.

O ato protagonizado pelo médico e vereador Aldemir Almeida (PP) foi divulgado pelo Ilhéus 24h.

Íntegra da nota do PC do B – Moção de Repúdio à Intolerância

O comitê municipal de Ilhéus do PCdoB, Partido Comunista do Brasil, repudia veementemente as declarações antidemocráticas e homofóbicas proferidas pelo vereador Aldemir Almeida durante sessão da câmara de vereadores.

Infelizmente o Brasil vive um momento de crescente intolerância política, religiosa, e também contra as lutas por igualdade de direitos das mulheres, negros, indígenas e por liberdade de orientação sexual.

Mais recentemente essa tendência tem se reforçado com uma pauta pseudomoralista que tenta trazer ao debate público ataques a liberdades constitucionais, difundindo preconceitos ilegais através de distorções de informações para manipular um certo sentimento conservador em relação aos costumes, cultivado por parcelas da população. Isso é feito nacionalmente de forma hipócrita, para estabelecer uma cortina de fumaça encobrindo a pauta política e econômica dos setores mais reacionários, de liberalização da economia, restrição de direitos sociais e trabalhistas e sustentação do governo golpista que a tem promovido em meio à entrega do patrimônio nacional, às malas de dinheiro e contas já descobertas ou ainda secretas, aos votos contra a abertura de processo sobre as ilegalidades de Temer e quadrilha, a favor da retirada de direitos trabalhistas e do congelamento dos investimentos públicos.

Defender as famílias, em todas as composições possíveis regidas pelo afeto, é defender direitos sociais, desenvolvimento, emprego, cultura e segurança para todos e todas.

O PCdoB considera inaceitável que a câmara de vereadores, a casa do povo, lar da democracia e dos valores constitucionais, seja palco para ataques ao povo e às liberdades. Ilhéus, 19 de Outubro de 2017.

COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS DA ASSEMBLEIA REPROVA DIA DO ORGULHO HETERO

orgulhohetero
Comissão é contra projeto do deputado Pastor Sargento Isidorio.

Com 5 votos e uma abstenção do deputado estadual Soldado Prisco, a Comissão de Direitos Humanos e Segurança Pública da Assembleia Legislativa da Bahia aprovou nesta terça-feira (15), durante a reunião do colegiado, o parecer da deputada Luiza Maia contra o Projeto de Lei nº 21.081/2015 do deputado Pastor Sargento Isidório, que institui o Dia Estadual do Orgulho Heterossexual, a ser comemorado no terceiro domingo do mês de dezembro.

O presidente da comissão, deputado Marcelino Galo, afirmou que o Brasil ainda é o país que mais mata por homofobia e lembrou que o projeto contribui para estimular o preconceito. “Precisamos integrar essas minorias que sempre sofreram tentativa de marginalização e segregação social. Devemos lutar, efetivamente, para que não se retire das escolas e dos planos de educação a discussão de gênero, pois a intolerância crescente é a principal causa da violência”, avalia.

Para a relatora, que solicitou o arquivamento do projeto, a proposição é uma medida que vai de encontro às diversas ações governamentais voltadas a garantia da igualdade e dignidade da pessoa humana. “Não é preciso esforço mais intenso para concluir que a proposição apresentada, além de inconstitucional, também não se ajusta as diretrizes atualmente apontadas pelos estudiosos, órgãos e entidades que lidam com a temática dos direitos humanos”, afirma a deputada, ao que lembrar que não há notícias de que a manifestação da heterossexualidade tenha sido proibida, tal qual tem ocorrido com os cidadãos que manifestam sexualidade diferente desta. “Não se tem notícias de homicídios decorrentes do fato de determinada pessoa ter se manifestado com heterossexual, por outro lado, são inúmeros os registros de agressões, das mais diversas naturezas, praticadas contra cidadãos simplesmente pela circunstância de se afirmarem homossexuais”.

A Comissão aprovou ainda o parecer favorável ao Projeto de Lei de autoria do ex-deputado Álvaro Gomes, que institui atendimento especial para os deficientes visuais em agências bancárias.

DE REPENTE, IMAGINEI VILA NOVA AO LADO DO REÚNE ILHÉUS

Se o Reúne Ilhéus tivesse surgido no final dos anos 80, os contrários de hoje seriam contemporâneos da mesma causa.
A imaginação deste modesto blogueiro transformou os adversários de hoje em contemporâneos da mesma causa.

Por Emílio Gusmão

De repente, minha imaginação resolveu alterar o passado. Rememoro o final dos anos 80 e início dos 90 de outra forma. Visualizo o Coletivo Reúne Ilhéus lutando pela adoção da carteirinha de estudante, ao lado do bravo Valdemir Conceição (o Nêgo Val – apelido da época), então presidente da saudosa União dos Estudantes Secundaristas de Ilhéus (UESI).

Ao lado de “Nêgo Val” e do Coletivo Reúne Ilhéus, minha imaginação vê o estudante Elivaldo Vila Nova, humilde morador do Nelson Costa, prestes a iniciar uma trajetória bem-sucedida no rádio ilheense.

Passado e presente estão confundidos. Vila Nova, hoje adversário ferrenho do Reúne Ilhéus, no passado esteve ao lado do movimento, na incessante busca por um transporte coletivo de qualidade.

Agora retorno aos dias atuais. Essa fusão de tempos e posturas distintas não é tão incoerente quanto parece. Revelo aqui um fato verdadeiro. Vila Nova foi um destemido líder estudantil do PDT que lutou, ao lado de “Nego Val”, pelo direito à meia-passagem. Nessa época, alguns membros do Reúne Ilhéus sequer haviam nascido, entretanto, as causas de ontem e de hoje guardam semelhanças.

Lembro também que tanto Val como Vila Nova foram vítimas de preconceitos intoleráveis, sobretudo, por serem negros.

Não vou julgar ninguém. A vida impõe obstáculos que nos fazem mudar de opiniões, e as necessidades, muitas vezes, falam mais alto.

Contudo, admito que fico pasmo quando, no campo das ideias políticas e das lutas sociais, vejo uma pessoa romper tão drasticamente com o seu passado. Vale ressaltar que este caso específico remete aos direitos humanos. O artigo II da Declaração Universal adotada pela Assembleia Geral das Nações Unidas em 1948 diz: “Toda pessoa tem capacidade para gozar os direitos e as liberdades estabelecidos nesta Declaração, sem distinção de qualquer espécie, seja de raça, cor, sexo, língua,  religião, opinião política ou de outra natureza, origem nacional ou social, riqueza, nascimento, ou qualquer outra condição”.

Lembro também o 12º princípio da Carta da Terra (cada vez mais citada por juristas internacionais): “defender, sem discriminação, os direitos de todas as pessoas a um ambiente natural e social capaz de assegurar a dignidade humana, a saúde corporal e o bem-estar espiritual, com especial atenção aos direitos dos povos indígenas e minorias. a) Eliminar a discriminação em todas as suas formas, como as baseadas em raça, cor, gênero, orientação sexual, religião, idioma e origem nacional, étnica ou social”.

Quando utilizou o termo “descaração paixão” numa referência a dois jovens homossexuais que trocaram beijos à noite, “nos arredores do Palácio Paranaguá”, Vila Nova adotou a linguagem típica de um “Skinhead” (restrito à comunicação).

Não fez jus à inteligência do jovem (meu contemporâneo) que apesar de ter estudado pouco, sempre se destacou por ter inteligência notável.

Olvidou completamente o passado e perdeu a capacidade de refletir.

Ao invés de atacar profissionais de comunicação que abrem espaços às minorias, deveria ser humilde e pedir desculpas.

Poderia, assim, abrir mão do preconceito e emitir um sinal de grandeza.

DEBATE SOBRE “A CURA GAY” TERMINA EM CONFUSÃO

Do Luiz Nassif Online

Gritos, bate-boca e muita confusão marcaram a audiência pública que terminou no início da tarde de ontem na Comissão de Seguridade e Família da Câmara para discutir o projeto de decreto legislativo 234/11, conhecido como projeto de Cura Gay. De autoria do deputado João Campos (PSDB-GO), a proposta susta a aplicação de dois dispositivos da resolução 1/99 do Conselho Federal de Psicologia (CFP). O regulamento do CFP proíbe profissionais de usarem a mídia para reforçar preconceitos contra homossexuais ou propor tratamento de cura.

O PDC 234 ainda não foi apreciado em outras comissões. Para João Campos, os artigos 2 e 3 da resolução do CFP, que vedam a chamada ´cura gay´, são abusivos. “Ela fere a autonomia do paciente, pois proíbe o atendimento no caso de ele ser homossexual”, afirmou.

(mais…)

BAHIA LIDERA RANKING DE AGRESSÃO A GAYS

Campeã no ranking de crimes contra homossexuais em 2010, a Bahia repetiu o feito nada comemorável em 2011.

Apesar dos números negativos e do protesto dos grupos gays, o estado caminha para romper um novo recorde, já que só nos primeiros dias desse ano, 6 homossexuais foram mortos.

Segundo o Grupo Gay da Bahia (GGB), todas as mortes têm relação com a homofobia.

A entidade afirma que são necessárias ações mais rígidas de combate, investigação e punição para os agressores, além de ter informado que pretende denunciar o Brasil na Organização dos Estados Americanos, por causa da demora na criação de políticas que coíbam esse tipo de violência.

Informações do A Região.

EM VÍDEO, EDIR MACEDO “EXORCIZA” JOVEM GAY

Um vídeo divulgado na internet coloca no centro de uma nova polêmica o líder da Igreja Universal de Deus (IURD), Edir Macedo. Nas imagens, Edir aparece “exorcizando” um jovem que supostamente é homossexual. Durante 14 minutos, o Bispo tenta livrar o rapaz dos desejos que sente pelo vizinho.

Edir e seus ajudantes não poupam agressões verbais aos gays e aos líderes de religiões de matriz africana, que são responsabilizados, nas palavras de Edir Macedo, pela homossexualidade do jovem.

Confira o vídeo.

CASAMENTO GAY

Do Poder Online

Presidente da Frente Parlamentar pela Cidadania LGBT, o deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) gravou depoimentos de artistas brasileiros favoráveis ao projeto que legaliza o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo.

Participam do vídeo os cantores Ney Matogrosso, Preta Gil e Wanessa Camargo; os atores Alexandre Nero, Luís Miranda, Lucia Veríssimo e José de Abreu, além da modelo Fiorella Mattheis e seu namorado Flavio Canto.

Os vídeos irão ao ar no site do deputado até o fim da próxima semana.

BAHIA REGISTRA PRIMEIRA UNIÃO GAY

Osmar de Jesus e Leano Andali, no dia da oficialização.

A primeira união estável homoafetiva da Bahia foi registrada na última sexta-feira (2), em Teixeira de Freitas.

O suíço Leano Andali, 32, e o brasileiro Osmar de Jesus Júnior, 23, vivem junto há 3 anos, em Zurique, na Suíça, onde já haviam oficializado a união desde 2009.

Segundo informou o juiz Marcos Aurélio Sampaio, da Vara de Registro Público de Teixeira de Freitas, o que houve não foi um casamento, e sim uma união estável do mesmo sexo reconhecido pelo Supremo Tribunal Federal.

A união homoafetiva é feita para declarar perante a lei que eles convivem juntos, e desfrutam de direitos comuns, igual a todos os casais.

Informações do Teixeira News.

7ª PARADA DA DIVERSIDADE GAY DE ILHÉUS

Dj Delmário (O Gigante das Pistas) será a principal atração musical da festa.

Já tem data definida a 7ª Parada da Diversidade Gay de Ilhéus, que deve reunir cerca de 30 mil pessoas durante seis horas de muita música e animação.

A festa, que tem o objetivo de mobilizar a sociedade para as questões homossexuais e contra a homofobia, além de conscientizar a população para o uso de preservativo e a prevenção de doenças sexualmente transmissíveis, contará com dois trios elétricos, DJs, participação de gogo-boys e gogo-girls.

A parada será no dia 25 de setembro, na Avenida Soares Lopes, das 13h às 19h, e é uma realização da coordenação do DST-Aids de Ilhéus, dos grupos Eros e Saphos, que representam o Movimento Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneros (LGBT) em Ilhéus.

HOMOSSEXUAL É AGREDIDO DENTRO DE ÔNIBUS

Por volta das 20h30min da última segunda-feira (08) dois homens agrediram covardemente um jovem, dentro de um ônibus que fazia o percurso do Terminal Urbano ao bairro da Conquista, em Ilhéus.

Segundo a polícia, o rapaz começou a ser espancado no fundo do veículo, e teve cortes profundos na boca pelo fato de ser homossexual.

Uma passageira, ao questionar o motorista sobre o episódio, teve como resposta “quem manda ser gay”. A assessoria da empresa Viamentro nega que o funcionário tenha feito a declaração.

A Polícia Civil está investigando o caso.

STF DERRUBA DECISÃO CONTRÁRIA A CASAIS DO MESMO SEXO

O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), cassou decisão do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, ontem (quarta-feira, 27), que não reconheceu a existência de união homoafetiva, para fins de pagamento de pensão, após a morte de um dos parceiros.

Na decisão, o ministro lembrou o recente entendimento do Supremo que reconheceu a união estável entre pessoas do mesmo sexo como uma família comum.

Celso de Mello frisou ainda que nenhum cidadão pode ser privado de seus direitos, nem sofrer quaisquer restrições por causa de sua orientação sexual, nem por outro motivo.

Com essa decisão, segundo o ministro, “a corte deu um passo significativo contra a discriminação e o tratamento excludente que têm marginalizado, injustamente, grupos minoritários, como os homossexuais em nosso país”.

Informações do Portal JusBrasil.

BAHIA É CAMPEÃ NA VIOLÊNCIA CONTRA HOMOSSEXUAIS

A Bahia é o estado onde mais morrem lésbicas, gays, bissexuais e travestis, somente em 2010 foram 29 execuções. O número só tende a crescer, esse ano já foram registradas nove mortes.

Dos homicídios, 47%  ocorreram nas ruas, de forma violenta e 31% por arma de fogo.

Ilhéus e Itabuna estão entre as cidades baianas onde mais ocorrem assassinatos de homossexuais. As vítimas geralmente são cabeleireiros, estudantes ou profissionais do sexo.

O dados foram apresentados na sessão temática “O Ministério Público e a Segurança para os homossexuais”, realizado na última segunda-feira (20), em Salvador.

Informações do jornal A Região.

OS GAYS E A BÍBLIA

Por que fingir ignorar que o amor exige união e querer que essa união permaneça à margem da lei? No matrimônio são os noivos os verdadeiros ministros. E não o padre, como muitos imaginam. Pode a teologia negar a essencial sacramentalidade da união de duas pessoas que se amam, ainda que do mesmo sexo?

Por Frei Betto

É no mínimo surpreendente constatar as pressões sobre o Senado para evitar a lei que criminaliza a homofobia. Sofrem de amnésia os que insistem em segregar, discriminar, satanizar e condenar os casais homoafetivos. No tempo de Jesus, os segregados eram os pagãos, os doentes, os que exerciam determinadas atividades profissionais, como açougueiros e fiscais de renda. Com todos esses Jesus teve uma atitude inclusiva. Mais tarde, vitimizaram indígenas, negros, hereges e judeus. Hoje, homossexuais, muçulmanos e migrantes pobres (incluídas as “pessoas diferenciadas”…).

Relações entre pessoas do mesmo sexo ainda são ilegais em mais de 80 nações. Em alguns países islâmicos elas são punidas com castigos físicos ou pena de morte (Arábia Saudita, Irã, Emirados Árabes Unidos, Iêmen, Nigéria etc). No 60º aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos, em 2008, 27 países-membros da União Europeia assinaram resolução à ONU pela “despenalização universal da homossexualidade”.

A Igreja Católica deu um pequeno passo adiante ao incluir no seu catecismo a exigência de se evitar qualquer discriminação a homossexuais. No entanto, silenciam as autoridades eclesiásticas quando se trata de se pronunciar contra a homofobia. E, no entanto, se escutou sua discordância à decisão do STF ao aprovar o direito de união civil dos homoafetivos.

(mais…)