MP recomenda paralisação de extração mineral sem licença ambiental em Jacobina

O Ministério Público do Estado da Bahia recomendou ao prefeito e secretários de Meio Ambiente e de Obras do Município de Jacobina que paralisem, interrompam e interditem extrações minerais que não possuem licenças ambientais, autorizações de supressões de vegetação e título autorizativo da Agência Nacional de Mineração (ANM).

Segundo o promotor de Justiça Pablo Almeida, o mesmo deve ser feito com relação às extrações minerais em áreas de aplicação da Lei da Mata Atlântica, já que existem alternativas dentro do próprio Município, que registra pelo menos 13 pedidos de autorização protocolados junto à ANM nos últimos anos. Além disso, explica ele, “não há comprovação de exaurimento de Jazidas fora da região de Mata Atlântica”.

Pablo Almeida informa no documento que avaliou diversos fatores, imagens, mapas, legislação, que levaram à conclusão da existência de atividades de extração mineral e supressão de vegetação em Mata Atlântica irregulares. Ele também recomendou aos gestores públicos que paralisem e interditem obras que estejam usando produtos e subprodutos de origem mineral que tenham sido objeto de extrações sem licenças ambientais, até a completa regularização da atividade.

Além disso, que as obras e extrações minerais, bem como as contratações de obras e serviços de engenharia que envolvam o emprego de produtos e subprodutos minerais obedeçam a procedimentos de controle com vistas à comprovação da procedência legal dos produtos e subprodutos de origem mineral, exigindo-se, especialmente, licenças ambientais, autorizações de supressões de vegetação, bem como título autorizativo da ANM e anuências dos Conselhos Gestores de Unidades de Conservação, quando for o caso.

Ainda na recomendação, o promotor de Justiça orienta que projetos básicos de obras e serviços de engenharia, que envolvam o uso de produtos e subprodutos minerais, somente sejam aprovados pela autoridade competente caso contemple, de forma expressa, o emprego de produtos e subprodutos minerais de procedência legal.

Segundo ele, o edital de licitação dessas obras ou serviços devem estabelecer para a fase de habilitação, entre os requisitos de qualificação técnica, a exigência de apresentação pelos licitantes de declaração de compromisso de utilização de produtos e subprodutos minerais com procedência legal.

Já os contratos que tenham por objeto a execução de obras ou a prestação de serviços de engenharia deverão conter cláusulas específicas que indiquem a obrigatoriedade dos produtos que tenham procedência legal, dentre outras medidas.

Para elaboração do documento, o promotor de Justiça considerou variados fatores. Ele verificou, inclusive, que três áreas requeridas pela Prefeitura Municipal de Jacobina para exploração mineral estão completamente inseridas no Mapa de Aplicação da Lei da Mata Atlântica, com as restrições dela decorrentes.

Dia Mundial do Meio Ambiente: MP lança quinta edição do Gibi Novo Código Florestal

Quinta edição está disponível em português e inglês.

O Ministério Público estadual lançou hoje, dia 5, data em que se comemora o Dia Mundial do Meio Ambiente, a quinta edição do Gibi Novo Código Florestal, que traz informações da Lei 12. 651/12 ( Lei de Proteção da Vegetação Nativa) e inclui as principais regras sobre Área de Preservação Permanente, Reserva Legal, Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental.

Com essa quinta edição, lançada por meio do Centro de Apoio às Promotorias de Meio Ambiente e Urbanismo (CEAMA) e do Programa Floresta Legal do MP, serão distribuídos 21.000 exemplares, incluindo uma versão em inglês.

O programa visa promover a defesa do meio ambiente, com fomento à regularização ambiental de imóveis rurais na Bahia, realizada por meio do mapeamento, proteção e recomposição das Áreas de Preservação Permanente (APP) e de Reserva Legal (RL).

“Conhecer o Novo Código Florestal é o primeiro passo para aplicá-lo corretamente. Esse papel de informar é primordial para que possamos alcançar a adequação ambiental de imóveis rurais, objetivo do Programa Floresta Legal”, afirmou o promotor de Justiça Fábio Corrêa, gerente do Programa.

Clique aqui para acessar a versão em português.

Governo Federal fecha três unidades do Projeto Tamar; uma delas na Bahia

Outras 17 bases podem encerrar as atividades.

O Projeto Tamar, iniciativa dedicada à conservação de tartarugas marinhas, anunciou nesta quinta-feira, 28, o fechamento de três unidades, inclusive a primeira do país, em Sergipe.

Em portaria publicada no “Diário Oficial da União”, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) anunciou a extinção das bases de Arembepe, em Camaçari, na Bahia; de Parnamirim, no Rio Grande do Norte; e de Pirambu, no Sergipe. Responsável pelo Tamar, o órgão é subordinado ao Ministério do Meio Ambiente, liderado por Ricardo Salles.

O texto também traz a criação de uma base avançada do projeto em Salvador, na Bahia. Ainda segundo a portaria, 17 bases avançadas dos Centros Nacionais de Pesquisa e Conservação, incluindo uma unidade do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Cavernas (Cecav) em Nova Lima, na região metropolitana de Belo Horizonte, só seguirão ativas se houver “necessidade de ações de pesquisa e conservação conduzidas pelo centro para a localidade, durante todo o período do ano, comprovada por meio dos projetos de pesquisa ou de conservação e de planos de trabalho aprovados”.

No fim da tarde, o ministro divulgou um comunicado na sua conta no Twitter, explicando a situação. Segundo o texto, assinado pelo presidente do ICMBio, Homero de Giorge Cerqueira, a proposta de fechamento das unidades partiu do próprio Tamar e foi feita no fim do ano passado, já que os locais deixaram de contar com servidores que realizassem as atividades finalísticas. Além disso, segundo a nota, o encerramento permitirá uma melhor alocação de recursos do ICMBio. Informações do jornal O Tempo.

Desmatamento na Mata Atlântica cresce quase 30%

Bahia ficou em segundo lugar no trágico ranking de desmatamento.

Após dois períodos consecutivos de queda, aumentou o desmatamento na Mata Atlântica. Foram desflorestados entre 2018-2019 um total de 14.502 hectares – um crescimento de 27,2% comparado com o período anterior (2017-2018), que foi de 11.399 hectares.

As informações são do Atlas da Mata Atlântica, iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) realizada desde 1989. O estudo teve execução técnica da Arcplan e patrocínio de Bradesco Cartões.

Mais uma vez o estado campeão de desmatamento foi Minas Gerais, que teve uma perda de quase 5.000 hectares de floresta nativa. A Bahia ficou em segundo lugar, com 3.532 hectares, seguido pelo Paraná, com 2.767 hectares.

Clique aqui e acesse o relatório completo.

Os três líderes do ranking tiveram aumento de desflorestamento de 47%, 78% e 35% respectivamente, ao comparar com o período anterior. Já o quarto e quinto lugares da lista, Piauí e Santa Catarina, tiveram redução do desflorestamento em relação ao período 2017-1018 de 26% e 22%. Piauí somou 1.558 hectares desmatados e Santa Catarina 710 hectares.

“A ampliação do desmatamento da Mata Atlântica observada mostra que a destruição do meio ambiente não tem ocorrido apenas na Amazônia. E o fato é preocupante, já que restam apenas 12,4% da Mata Atlântica – o bioma é o que mais perdeu floresta no país até hoje”, afirma Mario Mantovani, diretor de Políticas Públicas da SOS Mata Atlântica.

“Ficamos decepcionados, pois os desmatamentos seguem nas mesmas regiões. Observamos vários desmatamentos em áreas interioranas e nos limites da Mata Atlântica com o Cerrado em Minas Gerais, na Bahia e no Piauí, além de regiões com araucárias no Paraná. Como são áreas já mapeadas anteriormente, os desmatamentos poderiam ter sido evitados com maior ação do poder público. É lamentável que sigam destruindo nossas florestas naturais, ano após ano”, afirma Marcia Hirota, diretora executiva da SOS Mata Atlântica e coordenadora geral do Atlas.

(mais…)

Homem é detido e animais são resgatados durante ação da Cippa

Foto: Cippa/Divulgação.

Um homem foi detido após ser flagrado com quatro falcões e um tatu morto durante uma ação da Companhia Independente de Polícia de Proteção Ambiental (CIPPA) em Eunápolis, Ilhéus e Santa Cruz Cabrália, durante o final de semana. A informação foi confirmada pela Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA) nesta segunda-feira (27).

A ação teve como intuito reduzir os crimes contra a fauna na região. Conforme a SSP-BA, com base na CIPPA, o homem foi detido em Santa Cruz Cabrália, no sábado (25). Além dos animais, ele também estava com quatro falcões na hora do flagrante. Ele foi levado para a delegacia onde assinou um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO).

Já em Eunápolis, dois papa-capins foram soltos de gaiolas que estavam em uma residência. De acordo com a SSP-BA, durante a soltura, os moradores foram orientados sobre os procedimentos que devem ser adotados para as pessoas que querem criar pássaros silvestres ou nativos em casa.

Foto: Cippa/Divulgação

O resgate do ouriço caixeiro, por sua vez, ocorreu em Ilhéus. O animal estava em via pública e foi solto no habitat natural após atendimento pelo CIPPA.

A SSP-BA não divulgou quando ocorreram as ocorrências de Eunápolis e de Ilhéus.

Do G1 Bahia.

Cippa apreende aparelho de som durante carnaval de Ilhéus

Som apreendido no bairro da Conquista pela Cippa. Foto: Cippa/PS.

No último domingo, 23, por volta das 21h, uma Guarnição do 2° Pelotão da CIPPA-PS realizava rondas na Praça Santa Rita, no bairro Conquista, quando flagrou o uso de equipamento com som alto em área residencial.

A equipe aferiu o som por meio de aparelho decibelímetro e foi detectada a prática de poluição sonora. O aparelho constatou 90,8 dB no som do carro. O infrator foi identificado, um termo circunstanciado foi lavrado e a equipe apreendeu os equipamentos sonoros.

A CIPPA/PS lembra que a poluição sonora é um dos maiores problemas ambientais, em especial, nos centros urbanos. O crime é configurado quando o som altera a condição normal de conforto acústico  num determinado ambiente, podendo causar danos à saúde humana, comprometendo a qualidade de vida das pessoas.

Denúncias podem ser feitas por meio do número (73) 99807-1353 (WhatsApp) ou pelo e-mail: [email protected]

Clínica desiste de cortar árvore de 40 anos no centro de Ilhéus

Árvore conhecida como “Pata de vaca” seria cortada. Foto enviada via WhatsApp.

A matéria do BG sobre a derrubada de uma árvore de 40 anos, que sombreia uma pequena praça em frente à Barrakítika, no centro de Ilhéus, mobilizou muitos internautas na sexta-feira, 21, nas redes sociais. O texto recebeu mais de 600 compartilhamentos no Facebook e foi amplamente disseminado via WhatsApp. Após a repercussão, a clínica Médico Center resolveu publicar uma nota informando da desistência de cortar a referida árvore.

Veja a nota na íntegra:

A empresa Médico Center vem a público informar que, através da Prefeitura Municipal de Ilhéus, aceitou o convite para participar do projeto Adote Uma Praça, que prevê o patrocínio da urbanização e manutenção de logradouros. Devido a localização da empresa supracitada, essa adotou a Praça Aristeu Campos.

O projeto inicial previa a requalificação total deste logradouro. Mas, diante da proposta de retirada da árvore que existe em frente à empresa, essa opção foi totalmente descartada e a obra descontinuada.

Um novo projeto deve ser elaborado pela Prefeitura Municipal de Ilhéus para esse logradouro, contemplando a manutenção da referida árvore, dando-lhe atenção especial quanto aos aspectos paisagísticos.

Grato pela atenção.

Médico Center

Moradores desconfiam que árvore de 40 anos seria derrubada hoje; caixa coletora levanta dúvidas

Caixa coletora poderia receber restos da árvore morta. Fotos enviadas via WhatsApp por moradores da Rua General Câmara.

A matéria do BG sobre a derrubada de uma árvore de 40 anos, que sombreia uma pequena praça em frente à Barrakítika, no centro de Ilhéus, mobilizou muitos internautas ontem, 21, nas redes sociais.

O texto recebeu mais de 500 compartilhamentos no Facebook e foi amplamente disseminado via WhatsApp.

A sensibilização por um tema tão importante mostra que apesar dos tempos difíceis, de incentivo à destruição do meio ambiente, muitas pessoas estão interessadas em conservar o pouco que ainda resta.

Moradores da Rua General Câmara, em contato com o BG, desconfiam que a árvore seria derrubada na manhã deste sábado, 22, pois na manhã de hoje foi colocada uma caixa coletora em frente à clínica Médico Center.

O recipiente, ao que tudo indica, receberia os galhos, folhas e pedaços de tronco da árvore ameaçada.

A secretaria de Meio Ambiente afirma que não autorizou a supressão da planta e que não há pedido com esse objetivo.

Já o secretário de Serviços Urbanos, Hermano Fahning, disse que há um pedido em análise.

Diante das informações contraditórias, é possível que a derrubada ocorresse neste sábado sem consentimento do órgão responsável pela avaliação.

A mobilização na internet conseguiu salvar a árvore, pelo menos por enquanto.

Vamos manter a vigilância, pois em Ilhéus é normal derrubar árvores sem motivos justos e sem a previsão de replantio.

Árvore antiga em frente à Barrakítika pode ser derrubada; ameaça gera revolta

Árvore de sombra generosa, que não destrói passeio, pode ser derrubada a qualquer momento.

Leitores do BG reclamam da Secretaria de Meio Ambiente de Ilhéus que, segundo informações ainda não checadas, teria autorizado a derrubada de uma árvore antiga (de 40 anos) a pedido da direção da clínica Médico Center, localizada na Rua General Câmara, no Centro da cidade.

A perspectiva de queda da planta gerou revolta em clientes da Barrakitica (famoso bar de Ilhéus) que costumam aproveitar da sombra.

O autointitulado “Clube dos Rolas Murchas”, grupo de idosos que se reúne aos sábados debaixo da árvore, também será prejudicado. As reuniões da confraria, animadas com músicas antigas, marcam o local inserido no Centro Histórico de Ilhéus.

Para o comerciante Bruno Susmaga, proprietário da Barrakítika, o corte será ruim até para os pacientes da clínica, que também utilizam a sombra. Ele informou que a manutenção é realizada anualmente e que é um absurdo retirar uma árvore que está no local há 40 anos.

Especialista consultado pelo BG afirma que a árvore é conhecida como “pata de vaca”, cujo nome científico é “Bauhinia variegata”. As raízes crescem para baixo, ou seja, não quebram passeios e são ideais para parques, jardins, praças, ruas e avenidas. Conforme o saber popular, das folhas desta espécie podem ser feitos chás medicinais.

Segundo Bruno da Barrakítika, a árvore foi plantada há 40 anos pela Professora Silvia Kruschewsky (mãe do ex-vereador e ex-secretário municipal Alcides Kruschewsky) que morou em frente ao local durante muitos anos.

Mantivemos contato com a secretaria municipal de comunicação e pedimos esclarecimentos. Aguardamos resposta.

Atualizado às 11h55min.

Segundo a secretaria de Comunicação Social, não há na pasta do Meio Ambiente nenhum pedido de supressão da referida árvore.

Porém, o secretário de serviços urbanos, Hermano Fahning, nos disse que há um requerimento em análise.

As explicações são contraditórias e o BG manterá a vigilância. 

Veja quais praias estão impróprias para banho em Ilhéus neste final de semana

Praia do Marciano.

Neste fim semana em Ilhéus, estão impróprias para banho as praias do Marciano (próximo ao Bar Litrão) e Malhado (Próximo à escultura da sereia) de acordo com o Inema.

A Rede Amostral de Monitoramento da balneabilidade no estado atualmente é composta por 133 pontos, distribuídos em toda a costa baiana. As amostras de água para análises da balneabilidade são coletadas sistematicamente semanalmente, no período da manhã em locais com maior concentração de banhista.

De acordo com a resolução Conama a praia é considerada imprópria quando mais de 20% das amostras coletadas em cinco semanas consecutivas, apresentar resultado superior a 1.000 coliformes fecais ou 800 Escherichia coli, ou quando, na última coleta, o resultado for superior a 2500 coliformes termotolerantes ou 2000 Escherichia coli ou 400 enterococos por 100 mL de água.

No período em que o tempo estiver chuvoso, as praias podem ser contaminadas por arraste de detritos diversos, carregados das ruas através das galerias pluviais, podendo causar doenças. Além disso, é desaconselhável, ainda em dias de sol, o banho próximo à saída de esgotos, desembocadura dos rios urbanos, córregos e canais de drenagem.

Baixe o aplicativo “Vai Dar Praia”, disponível para dispositivos móveis com sistema operacional Android, e confira a qualquer momento as informações sobre a qualidade das praias.

Decreto obriga empresas a recolherem lixo eletrônico

Foto: Emerson Ferraz/GPE/SECOM.

Fonte: Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro assinou ontem (12) o decreto que regulamenta a logística reversa de produtos eletroeletrônicos, que obriga empresas do setor a implantarem sistemas de coleta desse tipo de resíduo e dar sua destinação correta. Uma solenidade no Palácio do Planalto marcou a assinatura da norma, além de oficializar a assinatura de convênios com prefeituras para a compra de equipamentos de coleta de lixo reciclável e compostagem de resíduos orgânicos.

Em outubro do ano passado, o Ministério do Meio Ambiente assinou um acordo setorial com entidades que representam as principais empresas de eletroeletrônicos do país como forma de fazer cumprir a logística reversa. O termo consta na lei que instituiu a Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei nº 12.305/2010), e prevê o retorno dos produtos após o uso pelo consumidor, de forma independente do serviço público de limpeza urbana e de manejo dos resíduos sólidos.

Atualmente, existem, segundo o governo, 173 pontos de coleta de eletroeletrônicos no Brasil. O acordo, agora regulamentado em decreto, prevê que esse número aumente para 5 mil pontos até 2025, abrangendo os 400 maiores municípios do país, com mais de 80 mil habitantes, e representam, no total, 60% da população brasileira.

“Esse 60% da população brasileira, que, ao final de 2025, vai ser contemplado, representa uma parcela muito significativa dos resíduos de eletroeletrônicos que temos no Brasil”, disse o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, em coletiva de imprensa após a cerimônia. Segundo a lei, a logística reversa deve ser implantada na forma de regulamento ou de acordos setoriais e termos de compromisso firmados entre o poder público e o setor empresarial.

Medicamentos (mais…)

Em 2019 foram encontrados 213 animais marinhos mortos de Maraú a Canavieiras; em 2020 foram encontrados 24

Foto: Núcleo de encalhes do Projeto (A)mar.

O Projeto (A)mar identificou o encalhe de três animais marinhos nas Praias de Serra Grande/ Uruçuca. Sendo eles duas tartarugas verdes (Chelonia mydas) e uma ave marinha. Os animais foram encontrados no domingo, 09.

Uma das tartarugas era sub-adulta da espécie verde com cerca de 1.08m de comprimento e morreu em decorrência de um afogamento após se enroscar incidentalmente numa rede de pesca. Outra tartaruga foi encontrada na Praia dos Milionários, com 70 cm de comprimento. O terceiro animal encontrado foi uma ave marinha sem causa da morte definida.

A equipe do Projeto (A)mar já contabilizou 19 tartarugas encalhadas e mortas, 24 animais marinhos mortos entre Maraú e Canavieiras em 2020, 17 dos casos de mortes de tartarugas foram em Ilhéus. Em 2019 o grupo catalogou 213 animais marinhos encalhados, sendo 169 tartarugas marinhas, nesta região. 70% desses encalhes aconteceram em Ilhéus.

CIPPA realiza combate a crimes ambientais em Ilhéus

Cippa realizou rondas nas áreas rural e urbana de Ilhéus.

Na manhã da última quarta-feira, 05, uma guarnição do 2° Pelotão da CIPPA-PS, durante rondas ambientais na zona rural de Ilhéus, ouviu barulho de motosserra em funcionamento.

A equipe entrou na mata e visualizou dois indivíduos desmatando a área. Ao perceberem a presença policial, os homens fugiram e deixaram a motosserra no local. O equipamento foi apreendido. Ainda durante as rondas foram apreendidos 12 pássaros, entregues voluntariamente por moradores locais.

Os policiais também realizaram o resgate de uma cobra (Jaracuçu) no bairro Jardim Savóia. Após avaliação técnica, todos os animais foram soltos em habitat natural.

As ações de combate aos crimes contra o meio ambiente, e as ações de resgate de fauna, estão entre as atividades desenvolvidas pela CIPPA/Porto Seguro. Denúncias podem ser feitas pelo número (73) 99807-1353 (WhatsApp) ou pelo e-mail: [email protected].

Governo oficializa criação de mais sete reservas particulares do patrimônio natural

Imagem: Reprodução.

O secretário do Meio Ambiente (Sema), João Carlos Oliveira e a diretora-geral do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema), Márcia Telles assinaram, na manhã da terça-feira (04), o termo de compromisso para criação de mais sete Reservas Particulares do Patrimônio Nacional (RPPNs) na Bahia. Com uma área total de 5.864 hectares, o equivalente a cerca de 500 Arenas Fonte Nova, o Governo praticamente dobra a área de reserva particular no estado. As reservas criadas pertencem ao grupo empresarial Bracell e às fazendas Reunidas Santa Maria, e estão localizadas nos biomas Mata Atlântica e área de transição da Caatinga.

“Esta é uma construção coletiva de grande valor para o desenvolvimento econômico sustentável em nosso Estado, não só pela quantidade de hectares preservados, mas, principalmente, pela qualidade das áreas das reservas particulares criadas. O nosso propósito é ampliar a parceria entre governo e iniciativa privada, com a implantação de novos projetos que possam fortalecer a agenda ambiental. Parabenizo os proprietários destas Reservas pela iniciativa, e que seja um exemplo para criação de novas RPPNs”, afirmou o secretário João Carlos.

As novas RPPNs da Bracell estão localizadas nos municípios do Conde, Reserva Lua Alta, com 605 hectares; Esplanada – Reserva Falcão (937 ha); Entre Rios – Reservas Subaumirim Gleba A (1.607 ha) e Subaumirim Gleba B (107 ha), todas no bioma Mata Atlântica. Já as reservas das Fazendas Reunidas Santa Maria estão localizadas em área de transição da Caatinga, no município de Iramaia, são as reservas Aliança (437 ha) e Nova Esperança (1.634 ha).

“A RPPN é um instrumento poderoso de conservação da biodiversidade, pois parte da iniciativa do agente privado a conservação das áreas de mata da sua propriedade”, afirmou a diretora-geral do Inema, Márcia Telles. A superintendente de Inovação e Desenvolvimento Ambiental da Sema, Clarissa Amaral ressaltou o potencial das RPPNs para manutenção do equilíbrio climático e ecológico. “Cada hectare preservado nessas áreas de reserva representa o sequestro médio de 150 toneladas de gás carbônico. Isso nos dá a dimensão do que deve ser feito, estado e sociedade, para avançarmos na mitigação dos impactos das mudanças climáticas e do aquecimento global”, pontuou. (mais…)

Salles mantém a intenção de Secretaria da Amazônia

Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil)

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, mantém a intenção de instalar, em Manaus, a Secretaria da Amazônia, que seria encarregada de descentralizar as ações federais para o desenvolvimento sustentável da região. Sem divulgar publicamente detalhes sobre o funcionamento do novo órgão, o ministro discutirá o assunto com o governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), no próximo sábado, durante evento na capital do estado.

A viagem a Manaus foi confirmada, nesta segunda-feira (27/1), pelo Ministério do Meio Ambiente, uma semana após o anúncio do presidente Jair Bolsonaro sobre a criação do Conselho da Amazônia, a ser coordenado pelo vice-presidente Hamilton Mourão, e da Força Nacional Ambiental. A pasta, no entanto, não deu detalhes da pauta do encontro com o governador.

Consultada, a assessoria de Wilson Lima informou que a criação da secretaria será um dos principais temas da agenda de sábado. Na ocasião, Salles deve participar da solenidade de inauguração da nova sede da Secretaria de Estado do Meio Ambiente do Amazonas (Sema). Segundo as conversas iniciais, esse local vai abrigar o novo órgão federal.

A criação da Secretaria da Amazônia foi também tema de uma reunião, na última sexta-feira, entre representantes do ministério e o secretário estadual de Meio Ambiente do Amazonas, Eduardo Taveira. Uma comitiva da pasta esteve em Manaus para acompanhar uma agenda do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). (mais…)