Pesquisa comprova que resíduos da Samarco afetaram Abrolhos

Imagem aérea do Arquipélago de Abrolhos: Foto: Manu Dias.

Do site da UERJ.

Um estudo conduzido pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) comprovou que os corais do Parque Nacional dos Abrolhos, na Bahia, sofreram impactos significativos decorrentes da contaminação por rejeitos da Samarco. Após o rompimento da barragem de Fundão, em Mariana (MG) em 2015, os resíduos do beneficiamento de minério se espalharam rapidamente pelo Rio Doce e, em seguida, começam a atingir a região costeira.

Abrigando mais de 1/3 de toda a biodiversidade marinha global conhecida, Abrolhos é considerado o recife mais importante do Atlântico Sul. Os corais são animais cnidários que vivem em colônias e segregam exoesqueletos calcários. Em um relatório de quase 50 páginas, os pesquisadores apresentaram análises detalhadas sobre a presença de metais nestas estruturas, demonstrando notória incorporação de zinco e cobre, entre outros elementos.

A pesquisa envolveu seis laboratórios da UERJ e também contou com a colaboração da UFF e da PUC-Rio. O coordenador do trabalho, Heitor Evangelista, do Laboratório de Radioecologia e Mudanças Globais (LARAMG), criou uma página no facebook, a Abrolhos Sky Watch, para observar a dispersão da lama do Rio Doce até o mar. “Eu e meus alunos checávamos diariamente as imagens de satélite e colocávamos na internet para o público ir acompanhando o desenrolar do problema”.

Amostra de coral analisada mostrou presença de metais pesados. Foto: UERJ/reprodução.

O monitoramento acendeu o alerta de que os rejeitos poderiam chegar ao parque marinho, localizado a cerca de 250 km da foz. “A gente já desenvolvia um trabalho em Abrolhos com corais. Então entrei em contato com o ICMBIO (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade), em Brasília, e programei uma coleta de duas colônias no arquipélago. Através de técnicas químicas, constatamos que, no meio do crescimento dos corais, houve um pico enorme de metais pesados, que coincide exatamente com a cronologia da chegada da pluma de sedimentos da Samarco”, explicou o professor.

Evangelista afirma que o dano é irreparável, devido à extensão atingida. “Nosso papel é saber em que medida aquela área foi impactada. E a partir daí deflagrar mecanismos de monitoramento para descobrir qual vai ser a resposta biológica diante desse fato. Não há como remediar, mas nós precisamos aprender com esse processo”. O professor acrescenta que a preservação já vinha sendo ameaçada pela temperatura mais alta da água dos oceanos. “Agora, precisamos monitorar levando em conta este novo fator, para antever o que pode acontecer”.

O relatório foi encaminhado ao ICMBIO, órgão do Ministério do Meio Ambiente, e vai integrar os autos da multa ambiental aplicada à Samarco. “Até agora não havia nada provando um sinal claro da pluma da mineradora em Abrolhos. Esse trabalho é conclusivo nesse sentido”, finalizou o pesquisador.

CIPPA joga duro com a Prefeitura de Ilhéus e impede retirada de areia da praia

Ação da PM na Praia da Soares Lopes. Foto: CIPPA/PS.

Na segunda-feira, 18, por volta das 11h20min., a Companhia Independente de Polícia de Proteção Ambiental (CIPPA/Porto Seguro), encontrou na praia da Avenida Soares Lopes, em Ilhéus, máquinas retirando de areia da praia. O crime foi denunciado pelo BG.

Os militares flagraram trator e caçamba, a serviço da Prefeitura de Ilhéus, em plena remoção de areia. Jorlan Orestes da Silva e Diogo Reis Ribeiro, operadores das máquinas, alegaram que o serviço foi autorizado pelo órgão ambiental do município.

O suposto documento que autoriza a lavra não foi apresentado. Os policiais tiveram acesso apenas a uma licença que libera a limpeza de valas e manilhas para drenagem da água da chuva. A extração de areia foi imediatamente suspensa e os órgãos ambientais foram comunicados.

De acordo com a CIPPA, a praia da Avenida Soares Lopes está na rota de desova das tartarugas marinhas.

Crime ambiental: caçamba da Prefeitura de Ilhéus retira areia da praia

Imagem extraída de vídeo.

A retirada de areia das praias é praticada indiscriminadamente em várias cidades do litoral nordestino. Em Ilhéus não poderia ser diferente.

O fato surpreende quando o próprio poder público, no caso a prefeitura municipal, usa duas de suas máquinas para cometer o crime.

O órgão licenciador do município muitas vezes é pressionado a fazer autorizações irregulares para atender interesses de outras secretarias. 

Retirar areia da beira mar é uma extração mineral que só pode ser autorizada pela Agência Nacional de Mineração quando houver interesse público.

Leitor do BG nos enviou este vídeo gravado nesta segunda-feira, 18, atrás da Concha Acústica da Avenida Soares Lopes. Apuramos que as máquinas utilizadas são da PMI.

Danos à saúde em Brumadinho vão se prolongar por anos, afirma especialista da Fiocruz

Foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press.

Do blog do CEE-Fiocruz.

O impacto da tragédia de Brumadinho sobre a saúde coletiva vai muito além das mortes já causadas pelo rompimento da barragem do Córrego do Feijão e que já torna o Brasil campeão em número de vítimas fatais – que deve ultrapassar 300 – em um desastre.

O pesquisador Carlos Machado, do Centro de Estudos e Pesquisas em Emergências e Desastres em Saúde da Fiocruz (Cepedes/Fiocruz) e integrante da Estratégia Internacional das Nações Unidas para a Redução de Desastres, analisa neste comentário, que, como já foi possível verificar no caso de Mariana – o maior em extensão ambiental –, os danos ambientais refletem-se em danos à saúde, da população local e de cidades vizinhas.

Elevação do número de casos de dengue, doenças respiratórias e doenças relacionadas à qualidade da água são algumas das consequências. “E vamos lembrar que as pessoas socorridas vão continuar precisando de atendimento. E aquelas que perderam seus entes queridos vão precisar de atenção psicossocial, de cuidados em saúde mental”, diz o pesquisador.

Nesse sentido, o papel do Sistema Único de Saúde é de enorme relevância na resposta a essas demandas. Carlos destaca também que das 24 mil barragens espalhadas pelo país, apenas 3% tinham planos de ação de emergência.

Assista abaixo.

CIPPA flagra carro com som alto no Malhado

Foto: CIPPA/PS.

Na última sexta-feira, 08, a Companhia Independente de Polícia de Proteção Ambiental (CIPPA/Porto Seguro) encontrou um carro com som muito alto na Avenida Litorânea Norte, no bairro Malhado, em Ilhéus.

O flagrante aconteceu por volta das 21 horas, após denúncia anônima recebida pelos policiais militares. O volume foi medido, tendo sido constatado 83,2 decibéis de poluição sonora.

A aparelhagem e o veículo foram apreendidos. Edson de Lima Oliveira, responsável pelo carro, vai responder no judiciário por crime ambiental e perturbação do sossego.

Prefeito de Guanambi quer evitar construção da barragem de rejeitos da Bamin

Jairo Magalhães e a barragem de Ceraima. Fotos: Lay Amorim e Google.

O prefeito de Guanambi, Jairo Magalhães (PSB), pretende adotar providências para impedir a construção da barragem de rejeitos projetada pela Bahia Mineração (Bamin).

Segundo o site Achei Sudoeste, o gestor já acionou órgãos competentes, como a Procuradoria Geral da República (PGR), a fim de garantir a segurança da população que vai estar abaixo do curso da barragem, caso aconteça uma tragédia como as de Mariana e de Brumadinho. 

“Peço apoio e ajuda de toda população de Guanambi. Não estou contra o desenvolvimento, nem a geração de emprego e renda, mas temos que garantir a segurança necessária para a nossa população”, disse o prefeito.

A construção da barragem da Bamin tem preocupado grande parte das populações de Caetité, Guanambi, Pindaí e região.

Guanambi possui uma barragem de água, a de Ceraíma, que serve como fonte de irrigação para a agricultura. Um acidente nessa barragem, em 1960, marcou a memória coletiva do município.

A barragem de rejeitos da Bamin vai submeter a antiga a mais um fator de risco.

Barragem da Mirabela: prefeitos vão debater ações preventivas nessa quinta-feira em Itacaré

Barragem da Mirabela. Foto: Gilson Fotógrafo.

Prefeitos vinculados a Associação dos Municípios da Região Cacaueira (Amurc) estarão reunidos nessa quinta-feira, 31, às 9hs, no auditório do hotel Ecoporan, em Itacaré, para debater com os técnicos do Governo do Estado da Bahia, Ministério Público, representantes dos municípios da Bacia do Rio de Contas e a comunidade regional, ações que serão adotadas para prevenir possíveis danos ambientais e humanos, por conta da barragem de rejeitos da Mirabela.

A reunião estratégica foi proposta pelo prefeito de Itacaré e presidente do Consórcio Litoral Sul, Antônio de Anízio, tendo em vista que o município seria um dos destinos mais afetados, caso ocorra um acidente de grandes proporções. Nesse sentido, a reunião vai tratar sobre eventuais riscos que a barragem representa para a comunidade regional, as ações que serão adotadas, bem como o laudo técnico que está sendo elaborado pelo Inema e Secretaria Estadual de Meio Ambiente.

Amurc reúne prefeitos para tratar da Barragem da Mirabela em Itagibá

Barragem da Mirabela Mineração em Itagibá. Imagem do Google.

O rompimento da barragem de Brumadinho, em Minas Gerais, levantou grande preocupação na imprensa regional sobre a barragem de contenção de resíduos minerais da empresa Mirabela, instalada em Itagibá. Nesse sentido, a diretoria da Associação dos Municípios da Região Cacaueira (Amurc) vai reunir prefeitos da Bacia Hidrográfica do Rio de Contas, nesta segunda-feira, 28, às 16 horas, para uma reunião de emergência na Câmara de Vereadores de Barra do Rocha.

O objetivo, segundo o coordenador executivo da entidade, Luciano Veiga, é socializar as informações sobre o estado da Barragem de Rejeitos da Mirabela, provocar os órgãos de fiscalização e controle (Ministérios de Minas e Energia e o do Meio Ambiente, Secretaria do Meio Ambiente do Estado da Bahia, SEMA/INEMA, Ministério Público do Estado da Bahia e representante da Sociedade Civil Organizada) para criação do Conselho Deliberativo e Consultivo de Gestão e Acompanhamento da Barragem de Rejeitos da Mirabela, visando o acompanhamento permanente deste equipamento.

Ainda segundo Luciano, técnicos do Instituto Estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos – INEMA e da Secretaria de Meio Ambiente da Bahia – SEMA já estão visitando a Barragem de Resíduos da Mirabela, onde estão fazendo uma vistoria técnica para a emissão de um laudo sobre o seu estado.

Vale repete Mariana e rejeitos poderão chegar ao rio São Francisco

Foto: O Eco/reprodução.

 

Reportagem do site especializado em meio ambiente O Eco.

A mineradora Vale adotou em 2017 o lema ‘Mariana nunca mais’, em alusão ao acidente na barragem da mineradora Samarco , ocorrido há 3 anos, e que destruiu a bacia do rio Doce. A Samarco é controlada pelas mineradoras Vale e BHP Billiton. Pois Mariana voltou a acontecer nesta sexta-feira (25), em doses (por enquanto) menores do ponto de vista ambiental e maiores do ponto de vista humano. Se a tragédia ocorrida em novembro de 2015 deixou 19 mortos, na de hoje estão confirmados 7 mortos e mais de 150 pessoas desaparecidas.

No total, três barragens de rejeitos de mineração se romperam no fim da manhã desta sexta-feira (25), mudando a paisagem do município de Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. De acordo com o Corpo de Bombeiros, até o início da noite 189 pessoas foram resgatadas com vida. Parte são funcionários da própria Vale, que estavam almoçando no momento do acidente.

A lama atingiu o rio Paraopeba, ‒ que faz parte do sistema de abastecimento de água da região metropolitana de Belo Horizonte ‒, e segue a caminho do município de Betim e Pará de Minas. As prefeituras pediram para que moradores esvaziem casas próximas das margens do rio. A lama deverá atingir a hidrelétrica de Retiro Baixo, localizada entre os municípios de Curvelo e Pompeu, no domingo. Segundo a Agência Nacional de Águas (ANA), órgão agora ligado ao Ministério do Desenvolvimento Regional, a hidrelétrica deve amortecer a onda de rejeitos.

Se a lama for segurada, Furnas terá uma hidrelétrica a menos, mas isso evitará que a lama chegue ao rio São Francisco. Se transbordar, a tragédia de Brumadinho tem chances de superar Mariana no posto de maior tragédia ambiental da história.

Desculpas

Fabio Schvartsman, presidente da vale, durante coletiva. Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

O presidente da Vale, Fábio Schvartsman, pediu desculpas às vítimas e disse que estava surpreso e transtornado por causa do rompimento. Segundo ele, a barragem estava inativa há três anos e não apresentava riscos. “Há mais de três anos [a barragem] não opera e estava em processo de descomissionamento. Ela sequer vinha recebendo rejeitos da mineração. (…) Quando digo surpreso, é que há laudos das consultorias que atestam a estabilidade da barragem. Daí nossa surpresa”, afirmou, em coletiva. “Como vou dizer que a gente aprendeu [com Mariana] se acaba de acontecer um acidente desses?”, disse.

Neste sábado, o presidente Jair Bolsonaro sobrevoará a região, junto com os ministros de Minas e Energia, Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional, além do  Secretário Nacional de Defesa Civil. O presidente da Vale participará da comitiva.

Prefeitura de Uruçuca e Inema listam nascentes para reflorestamento e restauração

Foto: Ascom/Uruçuca.

Com o objetivo de identificar algumas nascentes em propriedades de agricultores familiares, o Prefeito de Uruçuca, Moacyr Leite Junior, acompanhado de técnicos da prefeitura e do Instituto Estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema), visitou no último domingo, 20, a região do Barrocão. Estas nascentes farão parte da lista de áreas a serem restauradas, numa estratégia de diminuir os efeitos das mudanças climáticas.

De acordo com Moacyr Junior, esta região fica no entorno do Parque Estadual da Serra do Conduru e logo será beneficiada pelo programa de Serviços Ambientais, uma política pública, que promoverá o Pagamento por Serviços Ambientais – PSA (financeira ou por serviço) a produtores rurais que contribuírem com a recuperação das matas ciliares. “A preocupação com o meio ambiente, sua conservação e restauração, deve ser uma agenda permanente no nosso município, considerando que a parte do planeta que me cabe atuar para torná-lo sustentável é aqui. Entendo que atitudes como esta poderão no futuro garantir, a redução do aquecimento global como também o abastecimento de água para as nossas comunidades”, afirmou o prefeito.

CIPPA apreende equipamento de som no Bairro Nelson Costa

No último domingo, 20, a Companhia Independente de Polícia de Proteção Ambiental (CIPPA/Porto Seguro) apreendeu um equipamento de som no bairro Nelson Costa, em Ilhéus, na Rua Bem Me Quer. Por volta das 21h18min., João Paulo Muniz Marques estava com a aparelhagem ligada, impedindo o descanso dos moradores que tinham uma segunda-feira de trabalho pela frente.

A CIPPA mediu o volume de som e constatou poluição sonora de 85,9 decibéis. Um termo circunstanciado foi expedido e João Paulo vai responder na justiça pelo ato ilegal.

Vale lembrar que em março de 2018, um morador do bairro Teotônio Vilela foi condenado pelo mesmo erro (lembre aqui).

CIPPA apreende equipamentos de som no Vilela e no Alto do Coqueiro

Equipamentos sonoros apreendidos no Teotônio Vilela e no Alto do Coqueiro. Foto: CIPPA/Porto Seguro.

A Companhia Independente de Polícia de Proteção Ambiental (CIPPA/Porto Seguro) apreendeu um carro tirando o sossego dos moradores do bairro Teotônio Vilela, na sexta-feira, 11, por volta das 23h20min.

Uma guarnição do 2° Pelotão de Ilhéus flagrou Danis Fontes Freire com seu veículo fazendo uso de aparelhagem sonora com volume acima do permitido. Aferição realizada com decibelímetro constatou 90,8 dB de pressão sonora.

No sábado, 12, por volta das 22h50min.,um fato parecido aconteceu no Alto do Coqueiro. Segundo a PM, Adria Ellen Santos Demétrio estava dentro da própria residência com som alto, atrapalhando o descanso das pessoas. A CIPPA mediu 95,6 dB de pressão sonora e apreendeu a aparelhagem.

Danis e Adria vão responder no poder judiciário por crime de poluição sonora.

CIPPA apreende caranguejos vendidos no período da “andada”

Foto: CIPPA.

Na manhã do último domingo, 6, o 2° Pelotão da CIPPA apreendeu 250 caranguejos da espécie Ucides cordatus comercializados irregularmente na Central de Abastecimento do Malhado, Rodovia Ilhéus/Itabuna e Bairro Nelson Costa, em Ilhéus. Conforme a CIPPA, os crustáceos apreendidos foram soltos na foz do Rio Cururupe.

A ação policial atendeu o 3º artigo da instrução normativa dos Ministérios da Agricultura, Pesca e Abastecimento (MAPA) e do Meio Ambiente (MMA), de nº 6, expedida em 16/01/2017, que proíbe a captura e a comercialização de caranguejos no período do defeso ou “andada”.

Caranguejos foram soltos na foz do Cururupe. Foto: CIPPA.

Entende-se por defeso a época reprodutiva, quando caranguejos machos e fêmeas saem em grande número de suas galerias (tocas) e andam pelo manguezal para acasalamento e liberação de ovos (ovas). A captura no período de reprodução ameaça bastante a sobrevivência da espécie.

Atenção para as datas da andada em 2019:

1º período – 6 a 11 de janeiro, e 22 a 27 de janeiro;

2º Período de 5 a 10 de fevereiro, e 20 a 25 de fevereiro;

3º Período: 7 a 12 de março, e 21 a 26 de março.

Nesses períodos fica proibida a captura, o transporte, o beneficiamento, a industrialização e a comercialização do caranguejo-uçá no Estado da Bahia.

Cippa fecha rinha de galos de briga no São Domingos

Foto: CIPPA/Porto Seguro.

A Companhia Independente de Polícia de Proteção Ambiental (CIPPA/Porto Seguro), com apoio da 70ª CIPM, fechou uma rinha de galos treinados para brigas, no Loteamento São Domingos, em Ilhéus. A operação ocorreu nesta quarta-feira, 02.

No imóvel foram apreendidos 48 galos domésticos utilizados nas brigas; R$ 2.000,00 em espécie e 1 cédula de cinco dólares; 19 cheques cuja somatória dos valores resulta em R$ 16.945,00; 11 notas promissórias cuja somatória dos valores resulta em R$ 6.000,00; 4 cartões magnéticos, sendo 3 da Caixa Econômica Federal e 1 do Banco do Brasil; 10 canhotos de cheque do Banco Itaú; 2 Certificados de Registro de Veículo, sendo 1 de GM Prisma Joy e 1 de Honda CBX/250; 3 capangas, 25 buchas, 30 biqueiras de borracha, 7 esporas plásticas, 15 biqueiras de metal, 2 tesouras, 1 escova, 1 flanela;  1 cadeado, 2 correntes de prata, 1 celular marca Motorola; 2 frascos com medicações não identificadas, 1 Bepeben, 1 colírio Higicler, 1 Solmucol, 1 NGF-S, 1 caixa vazia de Benerok/Complexo B, 2 seringas vazias, 1 frasco com mel; 3 pássaros da fauna silvestre nativa, sendo 1 sabiá e 02 canários da terra.

Galos de briga confinados. Foto: CIPPA/Porto Seguro.

Sandoval Nascimento dos Santos, identificado como o responsável pela rinha, foi conduzido e apresentado na Delegacia de Proteção Ambiental de Ilhéus. Com fundamento no Art. 32 e no Art. 29 da Lei 9.605/98 (Lei de Crimes Ambientais) ele responderá no judiciário pelo erro cometido.

Dinheiro e materiais apreendidos. Foto: (CIPPA/Porto Seguro).

CIPPA APREENDE CARROS E APARELHAGENS BARULHENTAS EM OLIVENÇA

Aferição da CIPPA em frente à garagem com som barulhento. Foto: CIPPA/Porto Seguro.

Na última sexta-feira, 28, a Companhia Independente de Polícia de Proteção Ambiental (CIPPA/Porto Seguro), após registrar denúncia de moradores, flagrou na Rua Hortêncio Castro, em Olivença (Ilhéus), um veículo estacionado numa garagem com som muito alto tirando o sossego e o direito ao silêncio da comunidade. Após aferição foi constatado 80,5 dB de pressão sonora. Daniela Barbosa Damasceno Machado, proprietária do veículo e da aparelhagem vai responder pelo crime de poluição sonora. Os equipamentos poluidores foram apreendidos.

No mesmo dia, no Cai N´Água, também em Olivença, a CIPPA (2º Pelotão de Ilhéus) apreendeu a aparelhagem sonora de Bruno Lemos Araújo, que estava numa residência emitindo poluição sonora no volume de 86,7 decibéis. A aparelhagem foi apreendida e o responsável vai responder no judiciário.

Aparelhagem apreendida no Cai N´Água, em Olivença. Foto: CIPPA/Porto Seguro.

A CIPPA já havia distribuído em Olivença panfletos informativos sobre os malefícios da poluição sonora à saúde. A prática é recorrente no bairro devido às várias casas de veraneio que são alugadas para turistas durante a alta estação. Durante as ações educativas, foram advertidos o Sr. Roberto Santos, que estava com sua família utilizando equipamento sonoro em pressão sonora permitida, bem como, o Sr. Raimundo Oliveira, que estava em comemoração com amigos em uma casa.

Ação educativa da CIPPA em Olivença.

DIREITO AO SOSSEGO: CIPPA APREENDE VEÍCULOS BARULHENTOS NO MAMOAN E NO SOL E MAR

“Carretinha” apreendida no Mamoan. Foto: CIPPA/Porto Seguro.

A Companhia Independente de Polícia de Proteção Ambiental (CIPPA/Porto Seguro) tem realizado várias operações para garantir o sossego dos moradores de Ilhéus e dos turistas que procuram a cidade para descansar.

No último domingo , 23, por volta das  10h15min., uma guarnição do 2° pelotão de Ilhéus flagrou no Mamoan (zona norte) equipamentos sonoros em cima de uma “carretinha”. A aparelhagem emitia poluição em alto volume, tendo sido constatado  80,5dB de pressão sonora. Os militares da CIPPA lavraram termo circunstanciado (nº040) contra Pedro Fontes de Araújo Neto, de 35 anos, responsável pelo equipamento. Veículo e aparelhos foram apreendidos.

No mesmo dia, por volta das 13h30min., a CIPPA encontrou no Condomínio Sol e Mar um veículo modelo Saveiro com aparelhagem sonora em total desrespeito às leis ambientais. A medição constatou 91,8dB de pressão sonora. José Neto dos Santos de Souza, de 41 anos, vai responder pela infração cometida, após o termo circunstanciado ser enviado ao poder judiciário.

Flagrante de poluição sonora no Condomínio Sol e Mar, zona sul de Ilhéus. Foto: CIPPA/Porto Seguro.

A poluição sonora, quando propagada por muito tempo, pode afetar o sistema nervoso, gerar estresse, irritação, cansaço e impedimento do sono. Em alguns casos, a depender do nível do ruído e do seu tempo de exposição, pode causar surdez. O excesso de barulho prejudica a qualidade de vida das pessoas incomodadas.

No dia 28 de março de 2018, um morador do bairro Teotônio Vilela foi condenado pela justiça por emitir poluição sonora (veja aqui).