TCM rejeita contas de Canavieiras

Dr. Almeida, prefeito de Canavieiras. Imagem: Blog do Paulo José.

Na sessão plenária desta terça-feira, 28, realizada por meio eletrônico, o Tribunal de Contas dos Municípios rejeitou as contas de Canavieiras, sob a responsabilidade de Clóvis Roberto Almeida de Souza.

O relatório técnico indicou extrapolação do limite para abertura de créditos suplementares, em descumprimento ao estabelecido pelo art. 167 da Constituição Federal, o que impôs o voto pela rejeição das contas. Em sua defesa, o gestor argumentou que existe uma diferença de R$30.516,24 entre os decretos apresentados e contabilizados no demonstrativo consolidado da despesa.

No entanto, o conselheiro Raimundo Moreira, relator do processo, considerou que o fato indica – o que é lamentável – deficiência no funcionamento do controle interno e da assessoria jurídica da prefeitura. O prefeito Clóvis Roberto Almeida de Souza foi multado em R$2,5 mil por essa e outras irregularidades contidas no parecer.

O relator, conselheiro Raimundo Moreira, também apontou como ressalva a extrapolação do limite das despesas com pessoal, que atingiu 59,58% da Receita Corrente Líquida, em descumprimento ao estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal. Entretanto, tal situação não interferiu no mérito das contas pelo fato da gestão estar em prazo de recondução. Cabe recurso das decisões.

Clientes podem acessar serviços públicos com senha do Banco do Brasil

Foro: Marcello Casal jr/Agência Brasil.

Cerca de 25 milhões de correntistas que usam o aplicativo ou o site do Banco do Brasil (BB) podem, a partir desta semana, acessar serviços públicos federais, estaduais e municipais sem a necessidade de um novo cadastro e de uma nova senha. A instituição financeira e a Secretaria de Governo Digital do Ministério da Economia integraram o login da conta corrente do banco ao Portal Gov.br.

Com o novo recurso, bastará que o usuário digite o número da agência, da conta e a senha de oito dígitos que usa nos canais eletrônicos do Banco do Brasil para ter acesso a 3.447 serviços públicos oferecidos no portal. Atualmente, 67% dos serviços oferecidos pela plataforma são completamente digitais, nos quais todas as etapas dispensam o deslocamento a algum órgão público e a entrega física de documentos.

O login único do Portal Gov.br também permite o acesso a serviços digitais do Distrito Federal, de oito estados e de quatro municípios. Os estados integrados à ferramenta são Alagoas, Bahia, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Pernambuco, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. As cidades são Recife, São Paulo, Blumenau (SC) e Rio do Sul (SC). As 27 juntas comerciais também estão interligadas ao portal.

De acordo com o Banco do Brasil, o login único estimula a digitalização dos serviços públicos em meio à pandemia provocada pelo novo coronavírus. O acesso não se dá pelo site nem pelo aplicativo do banco. Ao clicar no botão de acesso do Portal Gov.br, aparece a opção de conectar-se com os dados bancários.

Segundo a Secretaria de Governo Digital, o processo é totalmente seguro. As únicas informações trocadas entre o Portal Gov.br e o Banco do Brasil são o nome do cliente e o Cadastro de Pessoas Físicas (CPF). Os dados cadastrais e financeiros do cidadão, assim como a senha bancária, continuam sob a guarda da instituição financeira, não sendo repassados ao governo em nenhum caso.

Nos estados e nos municípios que aderiram ao login único do Portal Gov.br, o cliente do Banco do Brasil poderá acessar praticamente todos os serviços públicos por meio da senha do home banking da instituição. Além de resolver pendências com a União, o usuário poderá pagar o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), arrecadado pelos estados, quitar o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) e taxas de limpeza e de iluminação pública, administrados pelos municípios.

Atualmente, 58,5 milhões de pessoas têm cadastro no Portal Gov.br, o que equivale a pouco mais de um quarto da população brasileira. De janeiro a março, 3,66 milhões de pessoas por mês criaram perfis de acesso na página. Recentemente, o Ministério da Educação inseriu o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) à lista de serviços oferecidos pelo portal.

Projeto “Psicologia Solidária” ajuda pessoas durante a pandemia

Imagem ilustrativa.

O “Psicologia Solidária”  é um projeto solidário, formado por psicólogas (os) de todo o Brasil, com o intuito de atender voluntariamente, em plantão psicológico online, os profissionais que trabalham na rede de saúde e estão na linha de frente do combate ao COVID-19, independente da função que exerçam.

Além disso, os psicólogos atenderão brasileiros que se encontram em outros países, em situação de isolamento, devido à pandemia.

Psicólogas ou Psicólogos  quer desejem se juntar podem se cadastrar neste link.

Profissionais da saúde ou brasileiros isolados em outro país, podem solicitar atendimento por meio deste link.

Conheça o trabalho clicando aqui.

Moro: Bolsonaro queria interferir pessoalmente na PF, ligar pra diretores e superintendentes e ter acesso a relatórios

Ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro Foto: Pablo Jacob / Pablo Jacob.

Fonte: O Globo

O ex-juiz federal Sergio Moro anunciou nesta sexta-feira sua saída do cargo de ministro da Justiça, após o presidente Jair Bolsonaro exonerar o diretor-geral da Polícia Federal Maurício Valeixo, nome de confiança do ministro na corporação. A troca, segundo Moro, seria uma interferência política na PF sem uma causa que fosse aceitável.

— O presidente queria uma pessoa que ele pudesse ligar, que ele pudesse colher informações de inteligência, e realmente não é o papel da Polícia Federal prestar essas informações, disse Moro.

— O presidente também informou que tinha preocupação com inquéritos em curso no Supremo Tribunal Federal e que a troca seria oportuna nesse sentido. Também não é uma razão que justifique, pelo contrário até gera preocupação

Moro disse que Bolsonaro afirmou a ele que o objetivo da troca no comando da Polícia Federal era, sim, interferir politicamente na instituição. Segundo o ministro da Justiça, o presidente “sinalizou que tinha preocupações em curso no Supremo Tribunal Federal (STF)”, em referência às investigações em curso sobre fake news e os atos antidemocráticos do último fim de semana. Ainda de acordo com Moro, Bolsonaro afirmou que precisa de delegados na PF com quem ele possa ter contato, inclusive tendo acesso a relatórios de inteligência.

– Falei com presidente que seria interferência política, e ele disse que seria mesmo. Presidente me disse mais de uma vez expressamente que queria ter uma pessoa do conato dele, que ele pudesse ligar, ter informações, colher relatórios de inteligência. Seja diretor, seja superintendente, não é papel da Polícia Federal prestar esse tipo de informação. Imagina se durante a própria Lava-Jato, ministro ou diretor-geral, ou a presidente Dilma ou o ex presidente Luiz (Lula) ficassem ligando para o superintendente…. Autonomia da PF é valor fundamental. Grande problema não é quem entra, mas por que alguém entrar. Eu fico na dúvida se vai conseguir dizer não (a Bolsonaro) em relação a outros temas.

Moro destacou na entrevista que foi prometido carta branca a ele. (mais…)

Bolsonaro exonera diretor-geral da PF, Maurício Valeixo

Maurício Valeixo, exonerado do cargo de diretor-geral da PF, em foto de 10 de janeiro de 2018, na sede da PF em Curitiba — Foto: DENIS FERREIRA NETTO/ESTADÃO CONTEÚDO.

Do G1

O diretor-geral da Polícia Federal (PF), Maurício Leite Valeixo, foi exonerado do cargo nesta sexta-feira (24). A exoneração ocorreu a pedido, segundo decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro e pelo ministro da Justiça, Sergio Moro, e publicado no “Diário Oficial da União” desta sexta-feira (24).

Na quinta, Moro havia dito ao presidente que pediria demissão se Valeixo fosse demitido, segundo informaram as colunistas do G1 e da GloboNews Cristiana Lôbo, Andreia Sadi e Natuza Nery. Oficialmente, o Ministério da Justiça nega que Moro tenha chegado a pedir demissão.

Questionado por apoiadores no fim da tarde, ao chegar à residência oficial do Palácio do Alvorada, Bolsonaro não respondeu.

Não foi nomeado um substituto para o comando da PF. Entre os nomes cotados estão: (mais…)

Moro pede demissão após troca na PF, e Bolsonaro tenta reverter

Sérgio Moro. Imagem: Agência Brasil.

Fonte: Folha de São Paulo

O ministro Sergio Moro (Justiça) pediu demissão a Jair Bolsonaro nesta quinta-feira (23) ao ser informado pelo presidente da decisão de trocar a diretoria-geral da Polícia Federal, hoje ocupada por Maurício Valeixo.

Bolsonaro informou o ministro, em reunião, que a mudança na PF deve ocorrer nos próximos dias. Moro então pediu demissão do cargo, e Bolsonaro tenta agora reverter a decisão do ex-juiz federal.

Os ministros Braga Netto (Casa Civil) e Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo) foram escalados para convencer o ministro a recuar da decisão. Se Valeixo sair, Moro sairá junto, segundo aliados do ministro.

Valeixo foi escolhido por Moro para o cargo. O atual diretor-geral é homem de confiança do ex-juiz da Lava Jato. Desde o ano passado, Bolsonaro tem ameaçado trocar o comando da PF. O presidente quer ter controle sobre a atuação da polícia.

Moro topou largar a carreira de juiz federal, que lhe deu fama de herói pela condução da Lava Jato, para virar ministro. Ele disse ter aceitado o convite de Bolsonaro, entre outras coisas, por estar “cansado de tomar bola nas costas”.

Tomou posse com o discurso de que teria total autonomia e com status de superministro. Desde que assumiu, porém, acumula recuos e derrotas.

Moro se firmou como o ministro mais popular do governo Bolsonaro, com aprovação superior à do próprio presidente, segundo o Datafolha. Pesquisa realizada no início de dezembro de 2019 mostrou que 53% da população avalia como ótima/boa a gestão do ex-juiz no Ministério da Justiça. Outros 23% a consideram regular, e 21% ruim/péssima. (mais…)

Petrobras pode fechar 4 mil postos de empregos na Bahia, critica Joseildo

Joseildo Ramos.

O deputado federal Joseildo Ramos (PT) criticou, nesta terça-feira (21), em reunião virtual com diretores do Sindipetro-BA, prefeitos e parlamentares, a decisão política da Petrobras de “hibernar” os campos terrestres de produção de petróleo na Bahia e no Nordeste.

Segundo o parlamentar, o fechamento desses campos vai causar um grande impacto na arrecadação do Estado, dos municípios, além de desempregar mais de 4 mil trabalhadores, concentrados principalmente na região do litoral Norte – Agreste Baiano, em Alagoinhas, além de São Sebastião do Passé, Candeias e Mata de São João.

“ É temerário que uma empresa pública do tamanho da Petrobras, que só na Bahia faturou R$ 2 bilhões, tome uma decisão dessa magnitude em plena pandemia do coronavírus quando já estamos com a economia fragilizada, com os municípios e estados perdendo arrecadação e o povo sofrendo. Não podemos admitir essa crueldade”, criticou.

De acordo com o parlamentar, a decisão é mais um passo para transformar a Petrobras apenas em uma empresa de exploração que não considera a importância da companhia para o desenvolvimento nacional. Na Bahia, a FAFEN, fábrica de fertilizantes, já foi hibernada. “A reunião de hoje serviu para mobilizar diversos atores políticos no sentido de evitar que a concretização dessa atitude da companhia. Vamos levar essa preocupação ao Consórcio do Nordeste e ao governador Rui Costa”, destacou.

Médico Julio Guzman está na UTI do Hospital de Ilhéus

O médico infectologista Julio Guzman está internado na UTI do Hospital de Ilhéus desde ontem (segunda, 20).

Guzman é cubano e reside em Ilhéus há muitos anos onde constituiu família.

O médico já trabalhou na Secretaria Municipal de Saúde e foi responsável pelo Programa de Combate às Endemias, em especial, à dengue.

Como médico estava responsável pelas ações do Hospital São José no atendimento aos casos da Covid-19.

Julio Guzman também foi diretor do Hospital Regional de Ilhéus.

Ainda não há confirmação de que o médico foi contaminado pelo coronavírus.

Segundo informações obtidas pelo BG, o médico está com dificuldade para respirar, mas não está intubado. Ele apresentou melhoras na última noite.

Ministros do STF e parlamentares reagem à presença de Bolsonaro em protesto com pedidos de intervenção militar

O presidente Jair Bolsonaro discursa para apoiadores em Brasília Foto: Pedro Ladeira/Folhapress / Agência O Globo.

Fonte: O Globo

A presença do presidente JairBolsonaro em um protesto em frente ao Quartel General do Exército, em Brasília, fez com que ministros do Supremo, parlamentares e governadores repudiassem a sua participação. No ato, que foi transmitido ao vivo pelas redes sociais de Bolsonaro, os manifestantes fizeram demandas inconstitucionais, como o fechamento do Congresso e do STF e um novo AI-5, ato que marcou a fase mais violenta da ditadura militar. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, disse que é preciso lutar contra o “vírus do autoritarismo”. O episódio causou mal-estar entre integrantes da ala militar do governo.

No ato, os manifestantes utilizaram cartazes e gritos de ordem para expressar demanda inconstitucionais, como uma intervenção militar, o fechamento do Congresso e do STF e um novo AI-5, ato que marcou o início da fase mais violenta da ditadura militar. Entre os principais pedidos estava também a retomada de atividades econômicas não-essenciais, interrompidas por prefeitos e governadores como forma de combater o avanço do novo coronavírus.

Mal-estar entre militares
Segundo informações do blog do jornalista Gerson Camarotti, no G1, o episódio causou grande mal-estar entre integrantes da ala militar do governo. O blog da jornalista Andréia Sadi também noticiou que a cúpula militar do governo diz, nos bastidores, que não existe qualquer ameaça concreta à democracia porque as Forças Armadas rechaçam a ideia. Generais ouvidos pelo jornal “O Estado de S. Paulo” dizem que Forças Armadas são instituições permanentes, que servem ao Estado brasileiro, e não ao governo.

O incômodo com o episódio ficou evidente em mensagens publicadas nas redes sociais pelos ministros do Supremo Marco Aurélio Mello e Luis Roberto Barroso, recém-eleito para presidir o Superior Tribunal Eleitoral (TSE). Também se manifestaram o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e os governadores João Doria (SP), Wilson Witzel (RJ), Flávio Dino (MA), Camilo Santa (CE) e Rui Costa (BA). Além desses, outros governadores assinaram uma carta em defesa do Congresso e contrária às manifestações recentes de Bolsonaro. (mais…)

Vale-alimentação estudantil será distribuído ao longo da semana; Assaí vai abastecer estudantes de Ilhéus

Imagem ilustrativa.

O vale-alimentação estudantil começa a ser distribuído nesta segunda-feira (20), pelo Governo da Bahia, para 284 mil estudantes da rede estadual de ensino em Salvador e 21 cidades do interior do estado. A recomendação da Secretaria da Educação do Estado é para que o estudante, o pai, a mãe ou o responsável, cujo CPF está cadastrado na escola, procure evitar aglomerações como medida de proteção, diante do combate ao novo coronavírus, planejando a retirada dos alimentos ao longo da semana. O vale-alimentação poderá ser usado durante o período de suspensão das aulas.

Parte dos estudantes receberá o benefício na Cesta do Povo e em suas lojas credenciadas, e parte, na Rede Assaí. A ida aos supermercados está orientada por escola. A lista com esta distribuição está disponível no Portal da Educação. Na lista há também uma indicação para que o estudante vá, preferencialmente, à rede localizada mais próxima da sua escola.

Horário de funcionamento

A rede Assaí funciona das 7h às 22h. A Cesta do Povo e as lojas conveniadas, na capital, abrem das 7h às 20h, e no interior, das 8h às 20. Por conta do decreto municipal de Salvador, os supermercados atendem, preferencialmente, aos idosos das 7h às 9h.

O superintendente de Planejamento Operacional da Rede Escolar da Secretaria da Educação, Manoel Calazans, chama a atenção para a ida planejada ao supermercado. “Somente deve ir uma pessoa por família, mesmo que sejam dois, três ou mais estudantes beneficiados. Orientamos que o beneficiado, antes de ir ao supermercado, consulte seu nome na lista no Portal da Educação ou ligue para a escola em que estuda para ver qual é a loja do Assaí ou da Cesta do Povo e conveniadas onde fará a retirada dos alimentos. Só saia de casa com máscara de proteção e, nos supermercados, faça suas compras de forma rápida”, afirmou. (mais…)

Vale-alimentação estudantil será entregue a partir de segunda-feira (20)

Com o objetivo de agilizar o acesso dos estudantes e de suas famílias ao vale-alimentação estudantil, no valor de R$ 55 por aluno, o Governo do Estado, por meio da Secretaria da Educação, assinou contrato, nesta sexta-feira (17), com a Cesta do Povo e o Assaí. A entrega ocorrerá a partir da próxima segunda-feira (20).

Com isto, as duas redes de supermercados poderão atender 284 mil estudantes da rede estadual de ensino nas cidades onde suas lojas e redes de apoio estão distribuídas (veja relação abaixo). Para os alunos que moram em municípios não atendidas por essas duas redes de supermercado, estão sendo feitos os cartões alimentação, que serão entregues diretamente aos estudantes pelas escolas.

“A entrega do vale-alimentação pelos supermercados foi uma alternativa emergencial que encontramos para que os estudantes tenham acesso mais rapidamente aos gêneros alimentícios. Em paralelo, estamos correndo e empreendendo todos os esforços para que os cartões também cheguem o mais breve possível para aqueles estudantes onde as redes de supermercado não atuam. Os recursos de R$ 44 milhões do Tesouro Estadual já estão assegurados e é importante ressaltar que todos os 800 mil estudantes matriculados na nossa rede estadual de ensino têm este direito assegurado”, afirmou o secretário da Educação do Estado, Jerônimo Rodrigues.

Toda a logística de acesso ao vale-alimentação está sendo organizado. Os detalhes serão informados posteriormente, para evitar aglomerações nos supermercados e a exposição ao risco ao novo coronavírus. Será divulgada uma lista, no domingo (19), no Portal da Educação, com o nome da escola e para qual rede a pessoa que tem o CPF cadastrado na unidade escolar (estudante, pai, mãe ou responsável) deve se dirigir.

No supermercado, o estudante deverá ir ao setor de atendimento ao cliente, portando CPF e Carteira de Identidade originais, para a retirada do vale-alimentação. O vale é destinado, exclusivamente, para a compra de gêneros alimentícios, como feijão, arroz, macarrão, açúcar, café, leite, dentre outros. Em caso de dúvida, o estudante deve ligar para sua escola ou para o 0800 284 0011.

A Cesta do Povo está presente nas cidades de Salvador, Camaçari, Simões Filho, Valença, Dias D´Ávila, Santo Estevão, Gandu, Santa Bárbara, Monte de São João, Morro do Chapéu, Camamu e Ituberá. Já a rede Assaí, nas cidades de Salvador, Feira de Santana, Vitória da Conquista, Juazeiro, Jequié, Ilhéus, Lauro de Freitas, Paulo Afonso, Guanambi, Serrinha, Senhor do Bonfim e Itapetinga. (mais…)

Bolsonaro anuncia oncologista Nelson Teich como ministro da Saúde

Nelson Teich é o novo ministro da Saúde.

Anunciado como substituto de Luiz Henrique Mandetta no Ministério da Saúde, o oncologista Nelson Teich disse hoje, durante pronunciamento, que existe um “alinhamento completo” entre ele e o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

O médico ainda defendeu que saúde e economia são complementares e não devem competir, declaração que também vai ao encontro do que pensa Bolsonaro.

Teich, porém, não defendeu o fim do isolamento social, política criticada pelo presidente mas tida por órgãos de saúde internacionais como crucial para o combate ao novo coronavírus.

Do UOL.

Mandetta anuncia em rede social que foi demitido do Ministério da Saúde

Foto: Renato Strauss/Ministério da Saúde.

Do G1.

Em meio à pandemia do novo coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro demitiu nesta quinta-feira (16) o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. A informação foi divulgada pelo próprio ministro em uma rede social.

“Acabo de ouvir do presidente Jair Bolsonaro o aviso da minha demissão do Ministério da Saúde. Quero agradecer a oportunidade que me foi dada, de ser gerente do nosso SUS, de pôr de pé o projeto de melhoria da saúde dos brasileiros e de planejar o enfrentamento da pandemia do coronavírus, o grande desafio que o nosso sistema de saúde está por enfrentar”, escreveu Mandetta.

“Agradeço a toda a equipe que esteve comigo no MS e desejo êxito ao meu sucessor no cargo de ministro da Saúde. Rogo a Deus e a Nossa Senhora Aparecida que abençoem muito o nosso país”, prosseguiu.

Ex-deputado federal, Mandetta estava à frente da pasta desde o início do governo, em janeiro de 2019, e ganhou maior visibilidade com a crise provocada pelo novo coronavírus. Na tarde desta quinta, Mandetta foi chamado ao Planalto para uma última reunião com Jair Bolsonaro.

Nas últimas semanas, contudo, Bolsonaro e Mandetta tiveram divergências públicas em razão das estratégias para conter a velocidade do contágio da Covid-19, doença provocada pelo vírus.

Em entrevista ao Fantástico, no domingo (12), Mandetta disse que a população não sabe “se escuta o presidente ou o ministro” da Saúde em relação a medidas.

Em coletiva nesta quarta (15), no Palácio do Planalto, o então ministro da Saúde disse que era claro o “descompasso” entre a pasta e as orientações do presidente Jair Bolsonaro. Segundo Mandetta, pessoas cotadas para a sucessão no cargo chegaram a ligar para ele em busca de aconselhamento.

Na entrevista, o ministro também disse que a equipe montada por ele e empossada em 2019 trabalharia em conjunto, e ajudaria na transição para evitar uma ruptura na política contra a Covid-19.

O último dia
Na manhã desta quinta, Mandetta participou de um seminário virtual sobre o enfrentamento ao coronavírus. Durante o papo, afirmou que a perspectiva era de que a mudança no comando do ministério acontecesse “hoje, no mais tardar amanhã”. (mais…)

Rui afirma que não há previsão de corte nos salários dos servidores estaduais

Rui Costa. Foto: Fernando Vivas (GOV-BA).

O governador Rui Costa (PT) afirmou que não há previsão de corte nos salários dos servidores estaduais por causa da pandemia do coronavírus.

O petista ressaltou que o governo estadual está tentando reduzir o custeio “do que for possível”.

“Não há previsão de cortes nos salários. O que nós estamos fazendo é tentar reduzir o custeio daquilo que for possível, mas não temos no horizonte de curto prazo corte nos salários. Espero que a situação não se agrave e chegue a esse ponto. Vamos manter trabalho firme e cortar o que podemos cortar”, disse em áudio disponibilizado pela Secretaria de Comunicação.

Do Bahia.ba.

Secretário de Vigilância do Ministério da Saúde pede demissão

O secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson de Oliveira, em coletiva de imprensa Foto: Reprodução.

De O Globo.

O secretário Nacional de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Wanderson de Oliveira, pediu demissão do cargo na manhã desta quarta-feira . A informação foi confirmada pela assessoria de imprensa do ministério por volta das 12h. Ele fazia parte do chamado “núcleo duro” da equipe do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

Wanderson é enfermeiro e doutor em epidemiologia. Ele já teve passagens pelo Ministério da Saúde, mas atuava como pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) antes de assumir a Secretaria de Vigilância em Saúde, com a chegada de Mandetta. Além de ser reconhecido na pasta pela performance nos bastidores durante epidemias, como a do zika.

É considerando o grande estrategista da ação do ministério contra o novo coronavírus. Foi Wanderson quem elaborou, com sua equipe, as chamadas “medidas não farmacológicas” de combate à Covid-19, que engloba o distanciamento social.

Nas últimas semanas, em meio a pressões para que o ministério abandonasse o discurso de isolamento mais amplo, Wanderson confidenciava a pessoas próximas sua vontade de se dedicar a dar aulas. Ele se diz “professor por natureza”. Para se esquivar de temas mais políticos, costumava dizer que “estou gestor”, mas sou “técnico”.

A saída de Wanderson acontece em meio ao aumento dos rumores sobre a demissão de Mandetta. Desde domingo, quando ele concedeu uma entrevista ao programa “Fantástico”, da TV Globo, o ministro perdeu o apoio que tinha de parte da ala militar do governo que vinha tentando mantê-lo no cargo apesar da intenção do presidente Jair Bolsonaro de demiti-lo.

Mandetta e Bolsonaro vêm divergindo sobre a condução da crise causada pela epidemia do novo coronavírus há semanas. Mandetta e sua equipe defendem a adoção de medidas de distanciamento social ampliado como forma de diminuir a força da epidemia no país. Bolsonaro, por outro lado, defende o distanciamento social seletivo, no qual apenas alguns grupos considerados de risco seriam submetidos ao isolamento social.

Segundo o último balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, o Brasil tem 25262 casos confirmados de Covid-19 e 1531 mortos.