Nomeação de Manzo, o assessor que sabe demais, gera crise entre os vereadores Tarcisio e Escuta

 

Manzo está com medo de andar sozinho nas ruas. Foto: Whatsaap.

Osman Antônio Lima, conhecido como Manzo, tem longa trajetória na Câmara de Vereadores de Ilhéus. Foi assessor e homem de confiança dos ex-vereadores Joabes Ribeiro, Gilmar Sodré, Alisson Mendonça e Lukas Paiva. Ao todo, soma 22 anos de casa.

Humilde, extrovertido e cumpridor de palavra, com o passar do tempo ganhou a confiança de outros parlamentares que não tinham vínculos com ele. A esses, cujos nomes não convêm mencionar, fez favores diversos, até mesmo depósitos em contas bancárias de amantes.

Certa vez, inadvertidamente ele avisou à amante X que o dinheiro já estava na conta. O problema é que a mesada entrou na conta da amante Y, e uma ficou sabendo da existência da outra. Por conta da confusão, o vereador polígamo virou desafeto de Manzo.

Quando Tarcisio Paixão (PP) presidiu a Câmara (2015-2016), pagamentos a algumas empresas,  feitos em cheques, foram parar nas mãos de Manzo para que fossem descontados. As quantias retiradas das agências bancárias foram entregues a assessores do presidente.

A partir das operações Citrus e Prelúdio, o Ministério Público da Bahia tomou ciência dos cheques e Manzo foi convidado a depor. Homem simples e alheio às malandragens, contou tudo ao MP.

Lotado no gabinete do vereador Luiz Carlos Escuta (PP), Manzo afirma sofrer perseguições de Tarcisio por ter sido sincero em seus depoimentos. O ex-presidente, hoje investigado, estaria exigindo do colega Escuta a exoneração do assessor por conta dos relatos sobre os cheques. Essa informação foi confirmada por duas fontes distintas.

Escuta não está disposto a exonerar Manzo, e, por conta disso, os dois vereadores do PP estão em crise.

Não conseguimos falar com o vereador Tarcisio Paixão.

Com ampla formação agrícola, Josias Gomes afirma estar preparado para a Secretaria de Desenvolvimento Agrário.

Josias Gomes. Foto: Google.

O Blog do Gusmão entrevistou na última segunda-feira, 18, o deputado federal (licenciado) Josias Gomes (PT), definido pelo governador da Bahia, Rui Costa, como o novo secretário de desenvolvimento agrário.

Na ocasião, Josias falou sobre o novo desafio no governo baiano.

BG – Quais são os seus planos para a Secretaria de Desenvolvimento Agrário?

Essa secretaria foi criada pelo governador Rui Costa, na primeira gestão dele [2015-2018], com o propósito específico de trabalhar pela agricultura familiar por ser um segmento muito importante da nossa economia.  A iniciativa deu certo. Rui escolheu um secretário com vivência [Jerônimo Rodriguez, um agrônomo] que montou uma equipe importantíssima para os movimentos sociais que lutam pela reforma agrária, e para os agricultores de um modo geral. O trabalho foi iniciado com muita solidez.

O que eu tenho que fazer é muito pouco, pois a largada foi muito boa. Deverei dar continuidade no atendimento aos trabalhadores rurais, e fazer ajustes muito pequenos para continuar o trabalho.

BG – Como recebeu essa nova missão definida pelo governador Rui Costa?

Primeiro, agradeço ao governador por confiar em mim, mais uma vez, para fazer parte da equipe. Segundo, encaro como mais uma das responsabilidades e desafios que me foram colocados. Tenho clareza que buscarei atender as expectativas do governador, com o apoio dos movimentos sociais que lutam pela reforma agrária e agricultura familiar, e por todos esses segmentos que têm lá na Secretaria de Desenvolvimento Agrário o seu espaço privilegiado de inserção com o governo.

BG – Josias Gomes se considera preparado tecnicamente para o cargo?

Eu tenho uma particularidade, Gusmão. Eu sou mestre agrícola, com diploma e formado no Ginásio Agrícola de Escada (PE), em 1973. Depois me formei em técnico agrícola no Colégio de Belo Jardim (PE), em 1976, e fiz agronomia na Universidade Federal da Paraíba, a segunda escola com esse curso de nível superior no Nordeste.

Se tem alguém que está no mundo da agricultura desde muito cedo, sou eu, pois sou filho de cortador de cana lá de Pernambuco.

BG – O que o novo secretário pode anunciar para os agricultores e assentamentos do sul da Bahia?

Eu não sou estranho a esses segmentos, pois sempre partilhei da agenda deles com o ex-secretário Jerônimo Rodriguez, por ter sido secretário de relações institucionais. Nós somos velhos conhecidos. Mesmo antes de estar no governo, sempre estive ao lado deles. Não tenho um recado específico, pois esse pessoal me conhece, e tem ciência das ações da secretaria.

Diário Oficial revela indicações “domésticas” de Alisson no governo Marão

Notinhas.

Marão e Alisson: “domésticos”.

A edição nº 48 do Diário Oficial do Município de Ilhéus, publicada ontem (terça-feira, 19), foi preparada sob medida pelo Alto Comando de Uruçuca/Itabuna (ACUI) contra o ex-secretário da Seplandes, Alisson Mendonça.

Quando constituiu plena convicção de que o prefeito Mário Alexandre iria exonerá-lo, Alisson saiu atirando. Por meio de um vídeo, afirmou que Marão faz um governo “doméstico”.

A resposta do Alto Comando de Uruçuca/Itabuna (ACUI) foi discreta e perspicaz. As primeiras páginas da citada edição do Diário Oficial trazem as exonerações de Alisson e de dois de seus irmãos (Alexandre e Vinicius). Ao todo, dez pessoas ligadas ao ex-secretário deixaram a prefeitura.

O fato prova que Alisson, de maneira contraditória à mensagem do vídeo, fez indicações com o critério da domesticidade. A palavra que remete ao lar e à família foi usada sem o devido cuidado.

O diário também revela que as exonerações não foram “a pedido”. A determinação saiu do prefeito e do seu estafe alienígena (confira).

Vídeo: manifestantes agridem Marão na saída da Câmara de Vereadores

Marão, de camisa branca, entra rapidamente no seu carro para evitar mais agressões. Imagem extraída de vídeo.

Manifestantes agrediram com palavras o prefeito de Ilhéus, Mário Alexandre, na tarde desta terça-feira, 19, após a sessão da Câmara de Vereadores que abriu os trabalhos legislativos de 2019.

Para entrar e sair do Palácio Teodolino Ferreira, a presença da Policia Militar e da Guarda Municipal foi importante na garantia da integridade física do gestor.

Apesar do governo ter reunido ex-servidores contratados da Secretaria de Desenvolvimento Social para fazer claque favorável, com a promessa de recontratação, o grito dos insatisfeitos foi mais forte.

Dentro do plenário, os dois grupos gritaram ao mesmo tempo e a mensagem do prefeito lida no púlpito quase não foi ouvida.

Marão faz um governo mal avaliado. No dia 01 de fevereiro o BG divulgou pesquisa sobre o desempenho da gestão.

Dos entrevistados, 73.28% afirmam que a administração é péssima ou ruim (mais detalhes aqui).

Vídeo que circula no Whatsaap mostra o prefeito sendo xingado na saída da Câmara de Vereadores. Assista.

 

Marão passa vergonha na Câmara de Vereadores

Imagem: site Pimenta.

A simples presença do prefeito Mário Alexandre nesta terça-feira, 19, na Câmara de Vereadores de Ilhéus, mobilizou um aparato de segurança comum aos governadores e chefes de Estado.

Policiais militares de grupos especiais fizeram a segurança do gestor. Para evitar superlotação, desde cedo funcionários da câmara entregaram senhas aos interessados em assistir a abertura dos trabalhos em 2019.

Segundo o site O Tabuleiro, quando chegou à Câmara de Vereadores Marão recebeu muitas vaias e foi xingado de “ladrão”, além de outros palavrões impublicáveis.

Crônica de uma morte anunciada: Alisson Mendonça deixa o governo Marão

Marão e Alisson na campanha de 2016. Foto: arquivo BG.

Na manhã desta terça-feira, 19, o secretário de planejamento e desenvolvimento sustentável de Ilhéus, Alisson Mendonça, divulgou vídeo no facebook em que informa sua saída do governo Marão.

Alisson já tinha ciência de que o prefeito Mário Alexandre iria exonerá-lo a pedido de 11 vereadores.

Dessa forma, resolveu adiantar o processo. Na gravação, o secretário afirma que Marão não consegue dar unidade à sua equipe e faz uma gestão muito doméstica.

Assista.

Uruçuca: Moacyr reitera união entre os poderes

Prefeito Moacyr Leite durante abertura dos trabalhos legislativos de 2019. Foto: Ascom/Uruçuca.

O prefeito de Uruçuca, Moacyr Leite, participou na última sexta-feira, 15, da abertura dos trabalhos Legislativos na Câmara de Vereadores do Município. Junto com os secretários municipais, o prefeito desejou sucesso e reiterou a renovação do trabalho realizado nos últimos anos, apontado pelos vereadores como fundamental para o desenvolvimento do município. 

Moacyr parabenizou a nova mesa diretora da casa e os demais vereadores presentes e garantiu que seguirá firme em conjunto com os parlamentares por uma Uruçuca cada vez melhor. “Não medirei esforços para nos manter na rota do crescimento, melhorando os serviços e realizando obras, como a população merece”.

Na oportunidade, Moacyr apresentou um balanço dos dois primeiros anos de governo e os projetos e propostas para os próximos anos. O prefeito foi muito aplaudido pelos presentes. A Presidente da Câmara, Magnólia Barreto, confirmou que a união foi fundamental para a realização de projetos importantes para a comunidade e adiantou que continuará trabalhando em parceria com a prefeitura para que Uruçuca continue no caminho do desenvolvimento.

César Porto quer segurar Marão até o final do mandato

Notinhas.

Nazal não daria a César, o que César já conseguiu de Marão. Fotos: Thiago Dias e INI.

O governo Marão tem usado recursos oriundos do governo federal, com fins específicos, para pagar despesas proibidas por lei.

Entre os vereadores de Ilhéus uma tese tem gerado reflexões. Alguns afirmam que as “pedaladas” configuram justificativas para cassar o prefeito.

O presidente do legislativo municipal, César Porto, afirma que se o vice-prefeito assumir, a vida dos parlamentares não será fácil, pois José Nazal é muito duro [leia-se sério] e não fala o idioma da casa.

A opinião é verossímil. Vale lembrar que César tem parente direto na prefeitura em cargo de confiança, nomeação definida pelo Ministério Público como “nepotismo cruzado”.

A pequena política prevê que um governo impopular costuma atender pedidos pessoais de vereadores. Ciente da fragilidade, a câmara, sob a presidência de César, está disposta a salvaguardar o governo Marão de um vexame histórico.

Afinal, Marão já deu a César parte do que César pediu. Nazal, eventualmente no cargo, poderia não manter o que César já conquistou.

Alisson Mendonça vai fazer a travessia do deserto

Notinhas.

Alisson Mendonça vai ter que encarar. Fotos: Google e Thiago Dias.

Dono de uma ironia fina e educada, o ex-vereador Alisson Mendonça costuma fazer piada das figuras políticas que estão fora do poder. “Está atravessando o deserto. Eita travessia complicada!”, ri quase às gargalhadas.

Parte do desgaste do prefeito Marão muitas pessoas atribuem a Alisson, tido como “raposa da velha politica”. Nesse ponto, o senso comum erra mais uma vez, pois só há um culpado pelo fracasso do governo, o próprio Mário Alexandre.

Porém, não há como negar que Alisson não teve êxito em sua missão principal: a interlocução com a Câmara de Vereadores.  Quando foi nomeado para a secretaria de governo, muitos disseram que a indicação foi corretíssima, pois o ex-vereador por cinco mandatos é capaz de se comunicar em qualquer idioma com os edis, do mandarim ao grego, do português ao russo, passando também pelo esperanto e o latim (língua morta).

Posteriormente, Alisson arriou suas malas na Seplandes sem deixar boas recordações na pasta anterior.

Desprestigiado pelo prefeito, Alisson está com o olhar fixado em sua ampulheta, cuja areia da parte superior está próxima do fim. Desde 1997 no poder, está na iminência de fincar os pés na areia quente e claudicante do deserto, sabe-se lá até quando.

“Eita travessia complicada!”, dura demais para quem ama o poder, somente pelo poder.

Mauro Alves vai ser os olhos de Ângela no dia-a-dia do prefeito

Notinhas.

Mauro Alves: o observador indicado por Ângela.

A nomeação de Mauro Alves como chefe de gabinete do prefeito de Ilhéus, Mário Alexandre, atende determinação da ex-deputada estadual Ângela Sousa.

Mauro é pessoa da confiança da ex-parlamentar – por dizer apenas o que ela gosta de ouvir – e exerceu cargos no governo estadual indicado por ela. Sem ter qualquer experiência no trato com a imprensa, costuma acompanhá-la nos estúdios de rádio durante as entrevistas e em viagens políticas.

Mauro vai chefiar um gabinete vazio e sem vida (segundo o vice-prefeito Nazal, em determinados horários do dia é possível andar “nu” pelo recinto). Também não terá acesso facilitado ao verdadeiro ambiente de trabalho do chefe, no condomínio Aldeia Atlântida.

A mais importante missão de Mauro será manter a mãe do prefeito bem informada sobre moças bonitas que podem se aproximar de Marão para tirar proveito.

Neopentecostal praticante, ela repudia o poder nos seus aspectos afrodisíacos e os possíveis efeitos no filho.

Jabes Ribeiro, o Orson Welles de Vila Nova

Notinhas.

Vila Nova e Jabes Ribeiro. Imagens: Charles Henri e O Tabuleiro.

Erivaldo Vila Nova é o radialista de maior sucesso no sul da Bahia.

Poucos conseguem influenciar a agenda política de uma cidade como ele.

O único prefeito que ousou peitá-lo foi Newton Lima (setembro de 2007 a 2012), que hoje se arrasta pelos fóruns respondendo centenas de processos, não por culpa do comunicador.

De origem humilde, vendeu sonhos (pães açucarados com goiabada) num tabuleiro durante a infância. Dedicou pouco tempo aos estudos, uma vez que só cursou até a 7ª série do antigo ginásio, mas desenvolveu inteligência notável.

Movido pela amizade ou por lacunas intelectuais, Vila Nova demonstra admiração especial pelo ex-prefeito de Ilhéus, Jabes Ribeiro. Admitiu isso no ar repetidas vezes para que todos ouvissem.

Abre o microfone à vontade para o amigo, indo de encontro a vários manuais de produção radiofônica ao permitir longos pronunciamentos, sem uma perguntinha sequer.

Vila nunca indagou o experiente político sobre a operação Citrus, que rendeu prisão e condenação de dois ex-secretários por superfaturamento na compra de frangos (alimento que simboliza o populismo do gestor).

Jabes, no estúdio de Vila Nova, passa incólume diante dos questionamentos, cria verdades paralelas e mundos fantasiosos.

O Rádio mexe com a imaginação dos ouvintes e Vila Nova não precisa de Orson Welles (e sua Guerra dos Mundos). Ele tem Jabes Ribeiro com o microfone inteiramente franqueado.

Partidos devem constituir diretórios estaduais e municipais definitivos até o dia 28 de junho

Do site do TSE.

Os partidos políticos em âmbitos estadual e/ou municipal que ainda mantêm comissões provisórias têm até o dia 28 de junho para constituir diretórios definitivos. A regra está prevista na Resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) nº 23.571/2018, que disciplina a criação, organização, fusão, incorporação e extinção de agremiações partidárias.

Segundo o artigo 39 da norma, as anotações relativas aos órgãos provisórios têm validade de 180 dias, salvo se o estatuto partidário estabelecer prazo inferior. O prazo é contado a partir de 1º de janeiro de 2019, tendo como data-limite o dia 29 de junho, que cai num sábado. Assim, o prazo deve ser antecipado para o primeiro dia útil anterior, ou seja: 28 de junho, sexta-feira.

As comissões provisórias são representações temporárias dos partidos, até que eventualmente haja a constituição regular de um diretório, mediante eleição interna no âmbito da agremiação. Cabe a elas, na ausência dos diretórios definitivos, promover as convenções para a escolha de candidatos. Entretanto, como usualmente ocorre em muitos municípios e até em estados, os diretórios permanentes não existem, razão pela qual as comissões provisórias acabam assumindo o papel de promover as convenções.

A fixação do período de 180 dias para a duração das comissões provisórias foi aprovada pelo Plenário do TSE em junho no ano passado. Antes disso, o prazo era de 120 dias. Os ministros entenderam que estabelecer um tempo de vigência para os órgãos provisórios é um meio de ampliar a democracia interna nas agremiações. E fixaram a data de 1º de janeiro de 2019 como marco inicial para contagem do novo prazo em observância ao princípio da segurança jurídica, de modo a permitir que os partidos tivessem tempo razoável, após a conclusão das Eleições Gerais de 2018, para a organizar o processo de constituição dos órgãos definitivos.

Na prática, depois de eleger os dirigentes dos diretórios estaduais e/ou municipais definitivos, os partidos terão de encaminhar até o dia 28 de junho, aos respectivos Tribunais Regionais Eleitorais (TREs), por meio do Sistema de Gerenciamento de Informações Partidárias (SGIP), os dados da composição e de início e término de vigência dos órgãos.

Stella Carillo deixou o PCdoB por divergências sobre drogas e aborto

Stella Carillo. Foto: Youtube/reprodução.

A advogada e professora Stella Carillo, por meio de uma mensagem enviada ao BG, informa que deixou o Partido Comunista do Brasil (PCdoB). Nas redes sociais, informações desatualizadas afirmam que ela ainda pertence à legenda comunista.

Stella entregou carta de desfiliação em agosto de 2018. No mesmo ano, fez campanha para o presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Adepta do espiritismo, sempre foi contra o aborto. “A minha opinião é a de que o aborto só deve ser feito na hipótese de risco de vida para a gestante”, explica. Também é contrária à descriminalização das drogas. O PCdoB tem postura libertária sobre os dois temas e isso motivou a saída da advogada.

Em 2016, quase foi candidata a vice-prefeita na chapa de Cacá Colchões. Por ter perdido o prazo de desincompatibilização no serviço público, cedeu espaço ao sindicalista Rodrigo Cardoso.

Stella Carillo é viúva do procurador federal Israel Nunes (filiado ao PCdoB), que faleceu precocemente no dia 01 de agosto de 2014, aos 32 anos.

Leia a mensagem enviada ao BG.

(mais…)

Contrato do Fundo Municipal de Saúde com a COTI é ilegal e imoral, afirma Mesaque Soares

Magela vê interesse público, Mesaque vê ilegalidade e imoralidade. Fotos: Secom/Ilhéus e Google.

Por meio de uma mensagem enviada ao BG nesta quarta-feira, 06, o advogado Mesaque Soares contestou as declarações do secretário de saúde de Ilhéus, Geraldo Magela, sobre o contrato no valor R$ 4 milhões firmado entre o Fundo Municipal de Saúde e a clínica COTI.

A empresa conveniada ao SUS pertence a dois familiares diretos do prefeito Mário Alexandre. De acordo com o secretário, o contrato majorado em 652% vai atender os interesses da população (veja aqui).

O advogado Mesaque Soares entende que há ilegalidade e imoralidade na contratação. Ele explica que o artigo 9° da Lei Federal de nº 8.666/1993 não proíbe que parentes de servidores públicos participem de licitação ou contratem com a administração pública. Mas existe vedação de parentes de servidores responsáveis ou de dirigentes do órgão contratante. Os impedimentos referem-se à proteção da ampla competitividade, coibindo situações de fraude em licitação. O dispositivo trata da impossibilidade de se contratar empresas pertencentes a pessoas que possuam grau de parentesco com agentes públicos.

Segundo Mesaque Soares, o chamamento público é uma modalidade licitatória. Logo, há ilegalidade na contratação da COTI, e o caso será levado ao promotor Frank Ferrari do MP-BA.

A contratação, ainda segundo Mesaque, também atenta contra os princípios da administração pública presentes no artigo 37 da Constituição Federal. “Como saber se outras empresas não foram vetadas em detrimento da empresa familiar? Não seria também possível jogo de planilha para ninguém se habilitar? Foi dada ampla publicidade ao chamamento público para possibilitar inclusive a habilitação de outras empresas?”, perguntou o advogado

Mesaque Soares citou o Recurso Extraordinário nº 423.560 que considerou constitucional lei municipal que veda tal prática. “Usarei como fundamento jurisprudencial para provocar o Ministério Público”, finalizou.

Governador vetou Bebeto no secretariado. Ligações com ACM Neto pesaram

Notinhas.

Rui Costa e Bebeto Galvão. Foto: Jefferson Peixoto.

Fontes da cúpula estadual do PSB afirmam que o governador Rui Costa vetou o nome do ex-deputado federal Bebeto Galvão no seu secretariado.

Bebeto não tem o perfil técnico exigido por Rui, porém, observadores notaram que o “nível de dificuldade do jogo” foi elevado ao grau máximo apenas no caso do ex-parlamentar.

Nos bastidores da política sabe-se que o governador guarda pequenos ressentimentos na geladeira, para nos momentos certos esquentá-los.

Em 2016, na eleição para prefeito de Ilhéus, Bebeto ostentou o apoio de ACM Neto. Em 2018, lideranças da Força Sindical, ligadas ao mesmo, apoiaram o então vereador Léo Prates para deputado estadual. Prates foi presidente da Câmara Municipal de Salvador, é filiado ao DEM e é da cozinha de Neto.

A volatilidade de Bebeto, capaz de ir do líquido ao gasoso com facilidade, não tem a simpatia de Rui e motivou o veto, afirmam as fontes do PSB.