Marão está insatisfeito com o trabalho da Secom

Notinhas.

Hélio Ricardo não faz “milagres” e pode ser trocado.

O prefeito de Ilhéus está insatisfeito com o trabalho da secretaria municipal de comunicação.

Marão é muito sensível às criticas e acha que o secretário Hélio Ricardo deve “conversar” mais com os veículos.

Hélio tem feito a parte dele, mas não foi canonizado pelo Papa Francisco, ou seja, não tem o poder de fazer milagres num cenário em que o prefeito é desaprovado por 73% da população. Além do mais, calar a imprensa não eliminaria o desgaste, pois nas redes sociais sobram críticas e xingamentos ao governo.

Bajuladores insistem em colocar a culpa na Secom e o prefeito concorda, sendo que a culpa pelo desgaste enorme é dele mesmo, pois a gestão não tem metas, planejamento e tem poucas realizações para atenuar a desaprovação. Marão, como personalidade política, não passa confiança e credibilidade.

Amigo pessoal do prefeito, Hélio usufrui da liberdade e discorda de algumas determinações sem sentido. O chefe, incapaz de admitir seus erros, pensa em trocar de secretário por achar que está sendo peitado.

Valderico Junior faz acordo com o governo Marão, se arrepende e devolve o dinheiro

Notinhas.

Marão e Junior: acordo desfeito e dinheiro devolvido.

O prefeito Mário Alexandre e o empresário Valderico Junior firmaram um acordo para veiculação de anúncios da Prefeitura de Ilhéus na Gabriela FM. O objetivo era evitar ou diminuir a intensidade das críticas a atual gestão, que é desaprovada por 73% das pessoas que moram na cidade.

A Gabriela FM tem em sua grade, de segunda a sexta-feira, um noticiário que vai ao ar no horário do almoço. A linha editorial do “Jornal do Meio-Dia” faz jornalismo com independência em relação ao governo municipal e as críticas têm incomodado, dada a grande audiência da rádio.

Não podemos afirmar que Valderico Junior tiraria a liberdade dos seus profissionais, contudo, o objetivo do governo era esse.

O valor do contrato foi estipulado em R$ 15 mil por mês. Junior exigiu pagamento adiantado, por não acreditar que o erário lhe pagaria no primeiro vencimento, devido à fama de mau pagador entre os prestadores de serviço.

A agência Engenho Novo, que tem a conta do governo municipal, fez o pagamento sem ter recebido. Ouviu determinação expressa: “pague para receber depois”.

O dinheiro foi depositado na conta da emissora, mas o empresário Valderico Junior se arrependeu e mandou estorná-lo na conta da agência.

Marão, Valderico Junior e o desafio do requebrado

Notinhas.

Valderico Junior e Marão: rebolar não é problema.

Uma dupla de políticos de Ilhéus desperta nossa atenção por ter característica incomum no meio.

É o caso do prefeito Mário Alexandre e do seu provável oponente, em 2020, Valderico Júnior. Ambos são mais reconhecidos pela forma como requebram os quadris do que pela capacidade administrativa.

Os preconceituosos dizem que não fica bem para um político rebolar em público. Os tolerantes afirmam que a dança é apenas uma latinidade, um traço comum de muitos baianos que apreciam o pagode, e, ninguém é de ferro.

Marão não tem medo do escárnio e costuma “descer até o chão” nos palcos, ao lado de cantores ritmados que o estimulam. A marca do prefeito que dança na “boquinha da garrafa” pegou, mesmo que o recipiente nunca tenha sido visualizado por ninguém.

Valderico Junior, quando mais novo, tentou ser pagodeiro de sucesso. Não sabemos se fracassou por falta de talento ou de insistência. Num carnaval fora de época organizado pelo pai, então prefeito de 2004 a setembro de 2007, tentou desafiar o cantor Xandinho, do Harmonia do Samba, para um duelo. Não foi sequer notado.

No cenário onde o molejo é fundamental, e os interesses coletivos nem tanto, podemos prever que nas eleições municipais de 2020, enfim, Valderico Junior terá pela frente um pagodeiro fácil de ser vencido.

Além de fazer péssimo governo, o rebolado de Marão é o movimento mais ridículo da política ilheense desde o surgimento da Capitania Hereditária em 1534.

Confira.

Cacá Colchões e o fardo do jabismo

Notinhas.

Cacá e o seu fardo político. Imagem de arquivo: Thiago Dias/Blog do Gusmão.

Se as eleições para prefeito ocorressem em 90 dias, Cacá Colchões teria grande chance de vencê-las, analisam observadores da politica partidária comezinha de Ilhéus.

Em 2020, se Cacá fizer tudo certo, provavelmente irá suceder o desgastado Mário Alexandre, cujo prestígio junto à população não vale uma moeda de 50 centavos de real.

Contudo, o vendedor de colchões (e de sonhos) não poderá abrir mão do equilíbrio e da inteligência, pois o seu mais importante apoiador, o ex-prefeito Jabes Ribeiro, representa um fardo pesadíssimo de impopularidade.

Outro ponto negativo está nos medalhões do jabismo. Figurinhas carimbadas como Isaac Albagli e John Ribeiro, que tiveram muita liberdade nos governos de Jabes, causam desconfiança nos possíveis aliados. Com eles à frente do processo, fica a impressão de que outro triunvirato do mandonismo vai governar Ilhéus, sem ouvir mais ninguém.

Por outro lado, o grupo de Jabes controla o Partido Progressista (legenda de Cacá), reúne apoiadores capazes de fazer diferença num processo eleitoral e sabe captar recursos para campanhas.

Para vencer as eleições, Cacá terá que usufruir do lado bom do jabismo, escondendo-o da maioria do eleitorado que o repele com toda convicção.

Resta saber se o ex-prefeito, vaidoso como é, vai aceitar o jogo.

Alcides pediu para sair, sabendo que seria exonerado

Notinhas.

Alcides Kruschewsky saiu chateado.

No dia 04 de janeiro deste ano, publicamos em primeira mão que 11 vereadores de Ilhéus pediram as exonerações dos secretários Alisson Mendonça, Alcides Kruschewsky e Valmir de Inema.

Alisson Mendonça, que comandava a Seplandes, foi exonerado no dia 19 de fevereiro junto com todos os seus apadrinhados. Alcides Kruschewsky, da secretaria de turismo, pediu para sair na manhã de ontem (terça-feira, 02), sabendo que seria exonerado nos próximos dias. Valmir de Inema terá o seu destino definido, no governo, até o final de abril.

Nos últimos meses, Alcides e Marão conversaram em poucas ocasiões sempre rapidamente. O ex-titular do turismo tentou manter conversas mais demoradas, mas sequer conseguiu entrar no Condomínio Aldeia Atlântida, onde fica a residência do prefeito.

No ambiente da política, Marão tem dificuldade para se relacionar com sinceridade e franqueza. Sem coragem suficiente para externar seus ímpetos de mudança, costuma maltratar os secretários que não lhe agradam com indiferença e isolamento. Por esses motivos, Alcides é mais um que deixa o governo chateado.

Ele também desenvolveu o hábito de criticar o secretário de administração, Bento Lima, internamente. Como todos os outros que fizeram isso antes, saiu derrotado.

Carqueija está preocupado com a Rádio Santa Cruz

Paulo Carqueija.

Notinhas.

A Câmara Municipal de Ilhéus tem ignorado vários problemas relevantes em troca de cargos e influência no governo Mário Alexandre.

Parte da imprensa já percebeu que a maioria dos vereadores é norteada por interesses pessoais, e por isso iniciou uma torrente de críticas.

O vereador Paulo Carqueija (PSD), dado a fazer indicações de funcionários fantasmas, está preocupado com as críticas da Rádio Santa Cruz.

Numa gravação que chegou ao BG com exclusividade, com sua voz rouca Carqueija convoca os colegas para reagir contra a emissora.

O vereador é um dos mais próximos do prefeito Mário Alexandre.

Ouça o áudio.

Magela ganha sobrevida na secretaria de saúde

Notinhas.

Geraldo Magela e seus padrinhos Fabio Vilas-Boas e Cássio Garcia.

O prefeito de Ilhéus não está satisfeito com o desempenho de Geraldo Magela na secretaria de saúde.

Magela não prioriza a atenção básica, instrumento da politica de saúde preventiva. Adota, desde Teixeira de Freitas, preferência mal explicada pela medicina curativa e hospitalar. Não visita postos de saúde, promove reuniões de efeito inócuo, não desperta empatia na equipe que comanda, mas é apadrinhado do secretário estadual de saúde, precisamente de Cássio Garcia, assessor especial de Fabio Vilas-Boas.

Marão, cuja incapacidade administrativa é notória, esperava mais de Magela. Agora, não sabe como se livrar dele.

A continuidade de Magela é condição imposta para viabilizar alguns projetos, até agora vinculados ao universo duvidoso das promessas políticas.

Cosme Araujo anda muito e calado

Notinhas.

Cosme Araújo: a espada do guerreiro não corta mais.

O advogado criminalista Cosme Araujo tem a capacidade de gerar discursos destrutivos contra seus adversários. Poucos têm coragem de comprar uma briga com ele.

Em determinados contextos, as palavras de Cosme repercutem como veneno num organismo debilitado, sem direito à reabilitação.

Nas últimas três eleições em Ilhéus, o advogado saiu das urnas com pouco mais de 10 mil votos. Apesar do capital eleitoral, ele não tem se posicionado sobre o péssimo governo do prefeito Mário Alexandre.

A postura anormal, em Cosme, tem gerado boatos. Alguns dizem que ele tem uma aliança pré-estabelecida com Marão para as eleições de 2020. Outros dizem que a verborragia de Cosme não existe mais, pois ele teria mudado seus hábitos devido a problemas de saúde.

Cosme teria aderido à filosofia oriental por meio da meditação e da yoga. Desconfiam também que ele tem tomado chá de “Centella Asiática”, trocou o trigo por “quinua” e tem levado uma vida completamente “zen”, distante do materialismo da política.

Acredite. Secretário de turismo da Bahia ficou 45 minutos à espera de Marão

Notinhas.

Cida Aguilar, o secretário Fausto Franco e o prefeito Mário Alexandre após os 45 minutos de atraso.

O jeito “largadão” do prefeito Mário Alexandre não cansa de surpreender.

A Câmara de Turismo da Costa do Cacau se reuniu nesta quinta-feira, 28, em Ilhéus, no Centro de Convenções. O início da reunião foi programado para 16 horas.

O encontro teve as presenças de Fausto de Abreu Franco (secretário estadual de turismo), Cida Aguilar (presidente da Câmara de Turismo da Costa do Cacau), e dos prefeitos Antônio de Anizio (Itacaré), Dr. Almeida (Canavieiras) e Moacyr Leite (Uruçuca).

As personalidades listadas no parágrafo anterior vieram de outras cidades e chegaram antes do horário previsto. O prefeito anfitrião, por incrível que pareça, chegou quarenta e cinco minutos atrasado.

Reportagem publicada neste blog revela que Ilhéus perde para Santa Cruz de Cabrália e Praia do Forte no ranking dos destinos turísticos da Bahia.

Completamente descompromissado com o fomento da atividade econômica, Marão deixou o secretário Fausto Franco quarenta e cinco minutos esperando.

Vale ressaltar que os atrasos de Marão nos eventos com autoridades estaduais e federais são corriqueiros.

Ao receber ligações cobrando pontualidade, Marão dá sempre a mesma resposta: “estou na pooonnnte”.

Marão exonera pessoas ligadas ao vereador Ivo Evangelista

Notinhas.

Ivo e Mario Alexandre: fim da relação.

O prefeito Mário Alexandre iniciou retaliações aos vereadores que não apoiaram a mãe dele nas eleições de 2018.

No dia 28 de fevereiro, Marão exonerou Diego Danton Bastos da chefia de liquidação da Secretaria da Fazenda.

Quase um mês depois, também exonerou Sebastião Vivas da gerência de desenvolvimento econômico da Secretaria de Indústria e Comércio.

Os quadros pertencem ao PRB do vereador Ivo Evangelista, ligado à Igreja Universal do Reino de Deus.

Em declarações públicas, Ivo disse que Marão pediu o apoio dele em 2018. Comprometido com os candidatos da sua igreja, o vereador foi obrigado a dizer não.

Críticas feitas pelo vereador no plenário da Câmara Municipal motivaram o prefeito a dar por encerrada a relação política.

Compra de medicamentos: governo Marão está com medo do MPF

Notinhas.

O grupo do prefeito Mário Alexandre tem motivos de sobra para temer o Ministério Público Federal.

A matriarca do grupo, a ex-deputada estadual Ângela Sousa, responde processo por suposto envolvimento no uso ilícito de recursos da educação. A operação Águia de Haia está no encalço da ex-parlamentar e pode render problemas na justiça. O desgaste político, a partir da investigação, contribuiu para a derrota de Ângela em 2018.

O MPF também está de olhos abertos para a secretaria de saúde de Ilhéus. Auditoria realizada na pasta, a pedido dos procuradores, identificou compras de insumos e medicamentos com sobrepreço. O ágio atingiu 161% num determinado produto.

Licitação realizada na modalidade “por lote”, contrária às recomendações do Tribunal de Contas da União (TCU) que exige “por item”, contribuiu para o desperdício.

Temendo novas complicações, o governo resolveu obedecer o TCU. Edital de licitação para a compra de medicamentos, republicado no dia 21 de março após correções, vai utilizar a modalidade “por item”. A mudança vai propiciar economia substancial, pois os grandes laboratórios terão condições de participar via pregão eletrônico.

A Okey Med, empresa que tem vencido a maioria dos certames na modalidade “por lote”, terá dificuldades. Vale lembrar que em 2017, o município pagou R$ 693 mil a Okey Med. Em 2018, houve um salto significativo no valor dos pagamentos, que atingiram R$ 2.8 milhões.

Ciretran de Ilhéus pode voltar para o grupo de Jabes Ribeiro

Notinhas.

Marão perde e Jabes recupera a 13ª Ciretran.

A 13ª Ciretran, de Ilhéus, provavelmente terá um coordenador indicado pelo grupo do ex-prefeito Jabes Ribeiro (PP), que já comandou o órgão durante muitos anos.

O advogado José Rodrigues Filho (Dr. Rodrigues), no cargo desde junho de 2018 e indicado pelo grupo de Marão, começou a limpeza das gavetas.

Também pesa contra o grupo do atual prefeito “acenos amalucados” para o PSL do presidente Bolsonaro, representado na Bahia pela deputada federal Dayane Pimentel.

A articulação política do governo Rui Costa, que já reconhecia Marão como gestor incompetente e irresponsável, agora o vê como um aventureiro que não merece confiança.

Magela em processo de fritura

Notinhas.

Magela quase ao ponto.

O secretário de saúde de Ilhéus, Geraldo Magela, foi jogado num tacho com azeite de dendê bem quente.

O gerente de planejamento da secretaria e cunhado do poderoso Bento Lima, Alberto Júnior, já percebeu que Magela não é resolutivo. A secretaria de saúde sentiu bastante a exoneração de Uildson Nascimento, e isso pode ser percebido nas licitações atrasadas que não saem da abstração.

A cúpula do governo também desconfia que Magela deseja fazer “carreira solo” em determinados projetos.

A diretora de alta e média complexidade, Érica Silva, disse que as reuniões convocadas por Magela “servem para nada”. A frase cortante e verdadeira foi dita num encontro com os principais membros da equipe e o secretário ficou visivelmente constrangido.

Com as fragilidades percebidas, a substituição acontecerá em questão de dias. Ex-assessores da ex-deputada Ângela Sousa, já confortavelmente nomeados na prefeitura, querem a nomeação da enfermeira Sonilda Melo como secretária.

O secretário de governo e irmão de Sonilda, Mauro Alves, defende a ideia com entusiasmo “consanguíneo”.

Governo Marão é recíproco com “empresa amiga” do lixo

Notinhas.

Marão e a equipe da CTA. Imagem extraída de vídeo.

Nas situações de agonia e de emergência, a solidariedade dos desconhecidos é um fator de sorte. Nesses momentos, o apoio dos verdadeiros amigos é mais provável.

O prefeito Marão viveu dias de intensa dificuldade com a coleta de resíduos sólidos. A ceia de natal de muitos ilheenses (e turistas) foi “temperada” com o cheiro fétido emitido nas ruas sujas.

No início de março, após desacordos e indícios de boicote à empresa Solar Ambiental, a firma amiga CTA surgiu de repente, sem contrato e sem licitação, para socorrer o “amigo prefeito”.

Chegou a hora da reciprocidade. O compromisso da Prefeitura de Ilhéus com a CTA excede em R$ 221 mil o valor do contrato anterior firmado com a Solar Ambiental.

A homologação desperta mais dúvidas, pois a CTA não vai coletar resíduos hospitalares. Esse serviço era realizado pela Solar, que deveria receber mensalmente, e não recebeu, cerca de R$ 979 mil.

Partido de Jabes Ribeiro e Cacá Colchões está suspenso por falta de prestação de contas

Notinhas.

Cacá e Jabes. Imagem de arquivo: Thiago Dias/Blog do Gusmão.

De acordo com a justiça eleitoral, a comissão provisória do Partido Progressista, de Ilhéus, está suspensa por falta de prestação de contas equivalente ao ano de 2018.

A legenda do ex-prefeito Jabes Ribeiro e do prefeiturável Cacá Colchões pode não lançar candidatos nas eleições municipais de 2020, caso a situação não seja devidamente explicada.

Em Ilhéus, o PP é presidido por John Ribeiro, irmão de Jabes. Os ex-vereadores Raimundo Borges e Jamil Ocké, condenados no caso da compra mal explicada de frangos, quando estiveram na secretaria de desenvolvimento social do município, são respectivamente 1º e 2º secretários.

PSDB, PRTB, PC do B, Avante, PRP e o PSC estão na mesma situação.

Veja a certidão do PP.

Saúde: Câmara de Vereadores de Ilhéus vai convocar secretário Geraldo Magela

Notinhas.

Geraldo Magela.

A farra das diárias, as denúncias do ex-diretor de planejamento, Uildson Nascimento, e as duas auditorias feitas pelo Serviço Nacional de Auditorias do SUS motivaram um pedido de explicações, feito pela Câmara Municipal, ao secretário de saúde de Ilhéus, Geraldo Magela.

A sessão ainda não tem data prevista e vai depender da agenda do secretário.

O governo Mário Alexandre levanta dúvidas perigosas justamente na área em que mais se comprometeu durante a campanha de 2016.

No primeiro ano do governo “cuida de mim, doutor”, por meio de um decreto de estado de emergência mal explicado, a secretaria de saúde comprou insumos a preços bem acima do habitual. O sobrepreço atingiu 161% em alguns itens.

O BG espera que os vereadores não se deem por satisfeitos com explicações vazias, pois o Ministério Público Federal já está no caso.