Candidato à reeleição, Mário Alexandre não manda fiscalizar os bares para não se indispor

Notinhas.

Foto do prefeito Marão em pré-campanha postada na última sexta-feira, 9, no perfil da Superintendência de Trânsito de Ilhéus no Instagram. Depois que perceberam o erro, a imagem foi excluída.

O governador Rui Costa concedeu entrevista aos meios de comunicação do Sul da Bahia, nesta segunda-feira, 11.

O BG perguntou ao governador por qual razão a Polícia Militar, em Ilhéus, não age com mais rigor para fazer cumprir as medidas de isolamento social instituídas pelos decretos municipais.

Rui Costa disse que o poder de fiscalização é do município e que a PM dá apoio em caso de resistência e desobediência.

Segundo o governador, alguns municípios suspenderam o alvará de funcionamento de estabelecimentos que não cumprem as regras estabelecidas de isolamento social.

Durante o último final de semana, o BG recebeu informações de que vários bares funcionaram.

Fontes da Prefeitura de Ilhéus afirmam que o prefeito Mário Alexandre não tem exigido fiscalização rigorosa devido aos planos que ele tem de disputar as eleições deste ano.

Marão está em pré-campanha e não quer se indispor com os infratores. Até agora, as ações mais rigorosas de enfrentamento ao novo coronavírus realizadas por ele, foram feitas na “base da pressão” da sociedade como do governador Rui Costa e do secretário estadual de saúde, Fábio Vilas-Boas.

O prefeito está tão preocupado com a eleição que posou para fotos no acesso à nova ponte Ilhéus-Pontal fazendo o símbolo 55, utilizado na sua campanha de 2016.

Com isso, Marão está antecipando o processo eleitoral e devido à foto desrespeitou a legislação.

Vale lembrar que o próprio prefeito Mário Alexandre tem participado de festas no condomínio Aldeia Atlântida, conforme denúncia feita por uma moradora à rádio Gabriela FM. Em um vídeo publicado pelo BG é possível ouvir a fala do prefeito em uma dessas festas.

Ouça a pergunta do BG e a resposta do governador:

Magela e os dribles na verdade

Notinhas.

Magela: o craque dos dribles.

Se a verdade fosse um quarto zagueiro, o atual secretário de saúde de Ilhéus, Geraldo Magela, seria um Neymar da vida.

Magela foi secretário de saúde de Teixeira de Freitas e quando deixou a pasta, em setembro de 2010, foi denunciado por deixar uma dívida de R$ 10 milhões. O então prefeito da cidade, Padre Aparecido, o chamou de mentiroso publicamente.

Como secretário de saúde de Itabuna, no final do governo do Capitão Azevedo (2009-2012), teve passagem muito contestada, não deixou saudade e foi acusado de agredir uma sindicalista.

Como competência não é critério para o prefeito Mário Alexandre, Magela assumiu o comando da saúde de Ilhéus em julho de 2018.

Pessoas que trabalharam com Magela afirmam que ele tem o costume da “palavra flácida” e gosta de “pregar peças”. No dia 05 de abril deste ano, disse que desconhecia o contrato firmado com uma “bodega” de Coaraci para o fornecimento de R$ 500 mil convertidos em álcool gel. O Diário Oficial do Município o desmentiu, pois no dia 24 de março publicou a homologação do contrato assinada pelo próprio secretário de saúde.

A mais nova “meia verdade” de Magela diz respeito à Covid-19. Na última quinta-feira, 7, ele afirmou que Ilhéus tinha 267 casos confirmados da doença (123 pessoas em isolamento domiciliar e 144 altas médicas). A soma do secretário passaria pela “prova dos nove” se não fosse por um detalhe. E o número de 11 mortos?

Na pressa de inflar o total de altas médicas e espalhar notícia positiva, Magela excluiu a quantidade de óbitos da relação de casos confirmados.

Especialistas em Vigilância Epidemiológica ouvidos pelo BG disseram que o número de mortos é parte do total de casos confirmados.

Sendo assim, concluímos que, mais uma vez, Magela faltou com a verdade.

Ouça essa notinha narrada por Emilio Gusmão.

Vídeo de festa postado na quarta-feira (06) traz uma voz bem parecida com a de Marão

Notinhas.

Postagem de Suelen Valiense com Fábio Junior publicada no Instagram na quarta-feira, 6.

Ilhéus vive dias tensos e de bastante sofrimento.

Comércio fechado, muitos desempregados e a morte rondando corações e mentes.

A cidade tem 13 óbitos e a maior taxa de contaminação por Covid-19 na Bahia.

Em paralelo, o secretário municipal de turismo, Fábio Junior, e o prefeito Mário Alexandre foram denunciados por promoverem festas no Condomínio Aldeia Atlântida, no privilegiado litoral sul do município.

As supostas festas, se realmente aconteceram, desrespeitam o isolamento social e afrontam a preocupação de todos que moram em Ilhéus com o novo coronavírus. Inegavelmente, não é tempo de alegria.

No vídeo abaixo, publicado na noite da última quarta-feira, 6, no Instagram da “digital influencer” Suelen Valiense, uma voz bem parecida com a de Marão, e embargada pelo álcool, se destaca ao pronunciar uma frase de conteúdo escatológico.

Na mesma data, Suelen Valiense também publicou uma foto ao lado do secretário Fábio Junior.

Veja e, principalmente, ouça.

Mais uma medida fracassada

Notinhas.

Imagem feita por Cézar Rodrigo Lucena na manhã desta segunda-feira, 03, às 9h15min, no centro de Ilhéus.

Ilhéus tem vivido uma sucessão de fracassos no combate à Covid-19.

Foi uma das últimas a fechar o comércio, a paralisar o transporte coletivo, a limitar o acesso aos supermercados, a determinar o uso obrigatório de máscaras e demorou a organizar a Central de Abastecimento do Malhado.

Tentou copiar o bom exemplo de Vitória da Conquista, com a marcação de espaços nas filas. A imagem mostra que também não deu certo.

Governo Marão não divulga informações sobre 5ª morte por Covid-19 e omite taxa de ocupação de leitos de UTI

Notinhas.

Marão não sabe usar a máscara e não é transparente. Imagem extraída de vídeo.

O governo Mário Alexandre não é transparente com os dados da pandemia da Covid-19. Ilhéus registrou nesta sexta-feira, 1, o 5º óbito devido à doença, mas a secretaria municipal de comunicação tentou omitir o fato.

Tudo indica que a missão da Secom está longe da comunicação institucional. O objetivo  é tentar manter as chances mínimas (e cada vez mais improváveis) de reeleição do prefeito.

A secretaria municipal de saúde, comandada por Geraldo Magela (chamado de mentiroso pelo finado Padre Aparecido, ex-prefeito de Teixeira de Freitas), também não informa a taxa de ocupação dos leitos de UTI. Magela afirma que Ilhéus é a cidade que mais realizou exames, mas não diz a quantidade.

Nesta sexta-feira, a Secom-Ilhéus informou a surpresa de Marão ao saber que o secretário estadual de saúde, Fábio Vilas-Boas, mandou interditar a Central de Abastecimento do Malhado.

A agência de publicidade (ops!), ou melhor, o órgão oficial tentou jogar no colo de Vilas-Boas o desgaste com os feirantes.

Sempre atrasado, Marão ainda não exigiu o uso de máscaras em Ilhéus

Notinhas.

Mário Alexandre, prefeito de Ilhéus.

A Prefeitura de Itabuna publicou um decreto, na quinta-feria, 23, que exige o uso de máscaras de proteção e determina multa no valor de 102,68 para quem descumprir. As medidas têm como objetivo conter a disseminação do novo coronavírus.

O uso das máscaras passou a ser obrigatório nas ruas, feiras livres, praças públicas, transporte coletivo, táxis, comércio, repartições públicas, transporte por aplicativo, dentre outros.

Ilhéus ainda não conta com nenhuma determinação do tipo. Por sinal, foi uma das cidades que mais demoraram em adotar o isolamento. No início da crise, o prefeito externava um riso desnecessário em fotos bem humoradas e trocava cumprimentos com os pés e cotovelos.

Repetidas vezes acenou com o gesto de “ok” em vídeos mal editados. Apesar de ser médico, Marão demorou para compreender o tamanho do problema que tomava conta da cidade.

Uma simples comparação com a cidade vizinha mostra a diferença. O prefeito Fernando Gomes fez barreiras sanitárias, fechou o comércio e ordenou o isolamento social.

A letargia de Marão persiste e o número de casos cresce assustadoramente em Ilhéus. Parte significativa da população não segue as regras e a cidade ocupa o lamentável primeiro lugar com o maior coeficiente de incidência da doença.

O prefeito de Ilhéus inegavelmente é uma figura decorativa que tem o respeito de poucos.

Rui Costa precisa intervir; número de casos da Covid-19 em Ilhéus é mais do que o dobro de Feira de Santana

Notinhas.

Nesta quinta-feira, 23, Ilhéus registrou 127 casos confirmados da Covid-19. O número alarmante chama a atenção para a disparada de casos da doença no município. Ontem, 22, eram 95 casos confirmados.

Ilhéus, com 162.327 habitantes, tem mais que o dobro de casos de Feira de Santana, que conta com 63 e cuja população é de 614.872 pessoas. Ilhéus permanece na liderança das cidades com o maior coeficiente de contaminação do coronavírus na Bahia.

A situação de Ilhéus é preocupante. O prefeito Mário Alexandre não possui autoridade para convencer a população a ficar em casa. Por outro lado, muitas pessoas não tem consciência do perigo e não respeitam o isolamento social.

O número de leitos de UTI a ser implantados na cidade não será suficiente para atender a demanda projetada.

Ilhéus pede uma intervenção do governo estadual urgente. Rui Costa precisa tomar as rédeas da cidade.

Marão toma bronca de secretário estadual por manter a Central de Abastecimento do Malhado em funcionamento

Notinhas.

Imagem extraída de vídeo.

Na videoconferência que aconteceu na terça-feira, 14, entre os prefeitos do sul da Bahia, o prefeito de Ilhéus, Mário Alexandre, tomou uma bronca do secretário estadual de saúde, Fábio Vilas-Boas, por manter a Central de Abastecimento do Malhado em pleno funcionamento. Marão contra-argumentou ao dizer que a “Central” vende alimentos. A bronca pode ser vista aos 1min40seg de vídeo.

O secretário não aceitou a justificativa. Advertiu que o funcionamento da principal feira livre viola as normas da nota publicada por duas secretarias estaduais, SEAGRI/SEAP (Secretaria da Agricultura, Pecuária, Irrigação, Pesca e Aquicultura e da Secretaria de Administração Penitenciária e Ressocialização).

O secretário Vilas-Boas tem usado as redes sociais há alguns dias para chamar a atenção dos moradores do sul da Bahia. “A região sul está se destacando num surto crescente no número de casos, superando o município de Feira de Santana, que hoje [fala de terça-feira, 14] está com 48 casos confirmados, enquanto apenas Ilhéus e Itabuna, juntas, somam 75 casos”, ressaltou o secretário durante o encontro.

No vídeo fica patente a fraqueza de Marão como gestor, no momento em que pediu ao secretário para transmitir um pedido de ajuda ao Comandante Geral da Polícia Militar da Bahia, Anselmo Brandão.

Como autoridade maior do município, Marão poderia fazer uma reunião virtual com os comandantes das três Companhias de Polícia Militar de Ilhéus. Caso eles recusassem ajuda, possibilidade bem improvável, só a partir daí o prefeito deveria pedir auxílio direto ao Comando Geral da PM.

A forma como o prefeito se dirige ao secretário para pedir ajuda reforça o argumento utilizado pela antropóloga Georgia Couto em entrevista ao BG.

A professora afirmou que grande parte da população não respeita o prefeito, por ele passar a imagem de “menino/malandro”, que não consegue fazer valer sua vontade legalmente conferida pelos munícipes.

Veja o vídeo:

Marão faz propaganda e entrega cestas básicas que o governo não comprou

Notinhas.

Imagem extraída de vídeo.

Circula na internet um vídeo em que o prefeito de Ilhéus, Mário Alexandre, em plena pré-campanha eleitoral, entrega cestas básicas a integrantes da Coolimpa, importante cooperativa de catadores de material reciclável do município.

A edição das imagens usou um fundo musical “meloso”, na tentativa de passar a impressão de que o prefeito está solidário aos que mais necessitam.

Também desperta curiosidade a informação de que as cestas distribuídas não foram compradas pela Prefeitura de Ilhéus. O prefeito afirma que os alimentos foram doados por meio de parcerias com associações, ongs, empresários e entidades como o Instituto Arapyaú.

O prefeito, para se promover, “pega carona” numa ação feita coletivamente por entidades e pessoas jurídicas que atuam no Sul da Bahia.

Quando será que o governo, com recursos próprios, vai doar cestas básicas às famílias que mais necessitam?

Veja o vídeo clicando aqui.

Ilhéus próxima do caos e o governo Marão só comprou 5 respiradores

Notinhas.

Até o momento, Ilhéus possui 29 casos confirmados da Covid-19 e a prefeitura continua tendo dificuldades para controlar o número de pessoas que teimosamente está indo às ruas.

A contaminação é comunitária, o que torna impossível saber de onde surgem os novos casos. O próprio secretário municipal de saúde, Geraldo Magela, disse que a projeção é que Ilhéus tenha 35 mil infectados até o final de maio. O descontrole é mais do que real e vai matar muitas pessoas.

Apesar do cenário de forte tensão que beira o caos, no que diz respeito a leitos de UTI’s, até agora a única medida que o governo Marão fez foi comprar cinco respiradores para os cinco leitos inacabados do Hospital de Ilhéus.

O release publicado pela Secom-Ilhéus neste sábado, 12, afirma que “ao prever a necessidade de mais equipamentos para a saúde, o Prefeito Mário Alexandre, ainda no mês de janeiro, solicitou a compra dos novos ventiladores para atender o Município com as futuras necessidades em razão da pandemia”.

Se prefeito tinha consciência em janeiro que a pandemia atingiria a cidade, por que comprou apenas cinco respiradores?

O que impediu Marão, que é médico, de comprar mais equipamentos?

Ontem o BG informou que a Secretaria de Saúde de Ilhéus recebeu cerca de R$ 3.2 milhões de recursos extras para combater a pandemia do coronavírus. Até agora não se sabe como o governo Marão vai usar esse recurso. 

Itabuna: dois comandantes com diabetes na guerra contra o coronavírus

Notinhas.

Uildson Nascimento e Juvenal Maynart.

O espaço “notinhas” do BG sempre publica críticas venenosas aos políticos. Hoje abriremos uma exceção.

Os dois principais membros do governo Fernando Gomes na área da saúde têm diabetes, ou seja, fazem parte do grupo de maior risco.

Uildson Nascimento (secretário de saúde de Itabuna) e Juvenal Maynart (presidente da fundação que gere o Hospital de Base) estão com a responsabilidade de possibilitar condições de trabalho aos profissionais de saúde, os guerreiros da linha de frente.

Uildson Nascimento ficou alguns dias isolado, pois um dos médicos que manteve contato apresentou sintomas da Covid-19. O exame deu negativo e o secretário voltou a participar de reuniões (algumas presenciais). A secretaria de saúde tem comprado insumos e EPI´s para a batalha com dezenas (ou centenas) de mortes pré-anunciadas. Uildson tenta convencer o poder judiciário a desbloquear R$ 25 milhões destinados a cirurgias bariátricas e convertê-los para o enfrentamento ao vírus letal.

Juvenal Maynart está com a difícil missão de transformar o Hospital de Base de Itabuna em unidade de atendimento exclusivo para os casos da Covid-19. Vários pacientes com outros problemas de saúde foram transferidos para que no “Base” sejam instalados mais 31 leitos de UTI com respiradores (40 ao todo).

Os dois comandantes além de municiar a rede pública de saúde, devem ter atenção redobrada com o próprio corpo. Qualquer vacilo pode ser fatal.

Com absoluta sinceridade, o BG deseja boa sorte não só aos dois, como a todos os guerreiros da saúde.

Em plena crise do coronavírus, Magela quer aglomerar a imprensa no Palácio Paranaguá

Notinhas.

Geraldo Magela está perdido.

O secretário de saúde de Ilhéus, Geraldo Magela, enviou um convite indecoroso ao BG.

Por meio do WhatsApp, ele nos convidou para participar de uma coletiva de imprensa, que será promovida nesta terça-feira, 17, a partir das 10h, no salão nobre do Palácio Paranaguá.

Magela demonstra que está perdido num governo incompetente e omisso que tem um médico à frente.

Até o momento não há do governo municipal nenhuma determinação para que as aglomerações sejam evitadas.

O próprio governo está disposto a reunir pessoas num mesmo ambiente, apesar da OMS desaconselhar encontros.

A entrevista coletiva de Magela poderia ser organizada, com antecedência, via redes sociais como Twitter, Facebook e etc, com os profissionais de imprensa encaminhando perguntas por meio de chats.

No momento em que a imprensa percebe a incompetência do governo municipal para orientar corretamente a população, o convite de Magela soa muito estranho.

Alguns países com menos casos de coronavírus, como a Argentina, já fecharam fronteiras.

Recomendamos que o governo Marão feche a fronteira com a burrice.

Convite enviado pelo secretário Magela.

Em plena crise do coronavírus, Marão está sumido

Notinhas.

Prefeito Marão. Foto: Secom-Ilhéus.

O Brasil passa por um período de forte tensão. As autoridades de saúde estão atônitas e a todo o momento encaminham novas recomendações para os cidadãos.

O recomendável é não entrar em pânico, mas não há como fugir do clima tenso.

Talvez por isso, o secretário de saúde de Ilhéus, Geraldo Magela, demonstre estar completamente perdido.

Lento, não sabe o que fala e até agora não tomou as atitudes corretas como preconizam a Organização Mundial de Saúde e o Ministério de Saúde.

Em Itabuna, o prefeito Fernando Gomes proibiu aglomerações com mais de 50 pessoas. Em Ilhéus, o secretário completamente perdido afirma que as missas devem continuar sendo realizadas para evitar o pânico.

Onde está o prefeito Mário Alexandre? Por que ele não atua também como médico no sentido de orientar as pessoas?

Sabe-se que ele não é infectologista, e sim, ortopedista. De qualquer forma, ele fez o juramento de Hipócrates e até o momento não se percebe dele nenhuma atitude que demonstre preocupação com a saúde dos munícipes.

O prefeito age de maneira omissa e sequer podemos afirmar que está na cidade.

Por onde anda o prefeito?

Bebeto vai apoiar Marão, o prefeito que não governa?

Notinhas.

Bebeto Galvão e Mário Alexandre.

Em novembro de 2019, o ex-deputado federal Bebeto Galvão concedeu uma entrevista ao Jornal Bahia Online.

À época, Bebeto era considerado candidato a prefeito de Ilhéus. Ele afirmou que o atual prefeito, Mário Alexandre, não sabe administrar a cidade.

Segundo o ex-deputado, os secretários do governo mandam em suas pastas e não devem obediência ao prefeito. Ele afirmou ainda que a atitude de Marão em afastar os servidores não estáveis foi algo “impensável”.

Em 2016, ano em que Bebeto estava na Câmara dos Deputados, ele destinou uma verba para comprar equipamentos permanentes para os postos de saúde. O recurso chegou, mas não foi utilizado para o devido fim (saiba mais aqui).

Na mesma entrevista ele ironizou ao afirmar que o prefeito de Ilhéus é o governador Rui Costa.

Bebeto questionou a competência de Marão, quando disse que ninguém o impediu de trabalhar, mas por falta de projetos a cidade não avançou.

Comenta-se nos bastidores da política que Bebeto está fazendo uma aliança com Marão em troca de espaço político no governo (cargos). Na entrevista que concedeu à Ilhéus FM nesta semana, Mário fez vários elogios a Bebeto.

Diante do discurso combativo e crítico empregado na entrevista ao Jornal Bahia Online, como vai ficar a situação de Bebeto? Será que de novembro para cá o governo melhorou e atingiu as expectativas do ex-deputado? O prefeito aprendeu a governar? O governador passou o cargo para Marão?

Marão não fez Carnaval porque deseja se reaproximar dos evangélicos

Notinhas.

O prefeito Mário Alexandre.

Fontes ligadas ao prefeito de Ilhéus disseram ao BG que ao decidir não fazer o Carnaval 2020, Mário Alexandre busca, na verdade, uma reaproximação com o eleitorado evangélico.

Grande parte deste segmento, muito conservador, enxerga o carnaval como “festa do “demônio” ou “da carne”.

Ao decidir não bancar os festejos do “Rei Momo”, Marão sinaliza o desejo de reconquistar parte do público evangélico neopentecostal, que em 2018 praticamente rompeu com a mãe do prefeito, a então deputada estadual, Ângela Sousa (PSD), que não conseguiu a reeleição.

Mário Alexandre não é bem visto pelos “crentes”, pois adota publicamente comportamento hedonista, ao contrário da mãe que é uma típica integrante da Igreja Assembleia de Deus.

O prefeito gosta de festas, costuma dar “reboladinhas” em palcos e não tem receio em esconder a sua predileção por bons vinhos.

De uns tempos pra cá, percebeu que o eleitorado evangélico de Ilhéus é imprescindível e para recuperá-lo, tem adotado postura conservadora em relação ao carnaval.

Marão tem seguido os passos do prefeito do Rio de Janeiro, bispo Marcelo Crivella, que some da cidade no carnaval e tem diminuído o apoio aos blocos e escolas de samba.

Crivella tem realizado a festa a contragosto, forçado pela imprensa e pela cultura tradicional do samba carioca que envolve milhões de pessoas.