Cartórios registram aumento nas mortes por doenças cardiovasculares

Doenças cardiovasculares são as que mais matam no Brasil e no mundo.

Os cartórios de registro civil registraram aumento de 31% no número de mortes por doenças cardiovasculares entre 16 de março, quando os estados começaram a decretar a quarentena por causa da pandemia da covid-19, a 31 de maio, em comparação com o mesmo período de 2019.

Os dados fazem parte do novo módulo do Portal da Transparência, lançado hoje (26), que reúne os óbitos por doenças cardíacas. O módulo foi desenvolvido pela Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-Brasil) em parceria com a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC).

Porém, o levantamento da SBC mostra que os óbitos por infarto e Acidente Vascular Cerebral (AVC) registraram queda de 14% e 5% respectivamente, no período analisado, o que, na avaliação do presidente da entidade, Marcelo Queiroga, pode estar diretamente relacionado ao aumento do número de mortes em domicílio e à dificuldade do diagnóstico exato.

“A forte correlação positiva entre o aumento de mortes cardiovasculares por causas inespecíficas e domiciliares corrobora essas explicações, pois pode sugerir que pelo menos algumas das mortes por infarto e AVC ocorreram em casa, impedindo o diagnóstico correto”, disse Queiroga.

O presidente da Sociedade Brasileira de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista, Ricardo Costa, lembra que as doenças cardiovasculares, que são as que mais matam no Brasil e no mundo, continuam acontecendo. “Estamos vivendo situação preocupante. A mortalidade pode estar sendo aumentada pelo não tratamento ou pelo tratamento muito retardado, pela não procura dos indivíduos infartados por um atendimento da maneira adequada”.

Segundo Costa, na segunda quinzena de março, quando as medidas de isolamento social foram implantadas de maneira mais ampla, foi observada uma redução em torno de 50% na realização de procedimentos de emergência como a angioplastia.

“Nas primeiras semanas de abril, observamos uma redução em torno de 70%. A principal hipótese é que pacientes mesmo com sintomas de infarto estavam deixando de procurar atendimento médico de emergência por conta do receio de serem contaminados pelo novo coronavírus”, disse Costa, destacando que muitos pacientes acabavam morrendo em casa ou chegavam com um quadro cardíaco grave no atendimento.

O presidente da SBC alerta para a necessidade de as pessoas buscarem atendimento médico para outras doenças que não apenas a covid-19. “Assim, é necessário realizar campanhas públicas para conscientizar sobre a importância do cuidado cardiovascular, mesmo durante esse período desafiador. É de notar que os efeitos deletérios sobre eventos cardiovasculares podem durar mais que a própria pandemia, pois as prevenções primárias e secundárias estão sendo adiadas nesse contexto”, disse Queiroga.

Hospital Costa do Cacau recebe equipamentos para ampliar tratamento de hemodiálise

HRCC.

A ala Covid-19 do Hospital Regional Costa do Cacau (HRCC), em Ilhéus, conta com serviço de hemodiálise para pacientes internados na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Além disso, o hospital recebeu na última semana, equipamentos da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab) para o tratamento de pessoas acometidas pelo novo coronavírus.

Alguns pacientes com a Covid-19, por terem maiores complicações em suas funções renais, necessitam do procedimento de hemodiálise. De acordo com a enfermeira do HRCC, Diovania Braga, “mediante ao cenário atual na UTI Covid-19, demos início a esse serviço, atendendo de forma completa as necessidades dos pacientes internados”.

A enfermeira ainda relatou que a hemodiálise também é disponibilizada na Enfermaria Covid-19 e a localização próxima a UTI, é outro ponto importante. “A disposição dessas duas áreas de assistência, uma em frente a outra, facilita o fluxo dos pacientes que possivelmente apresentem a necessidade de transferência para a UTI, otimizando o tempo de atendimento, evitando maiores agravos do quadro clínico”, disse.

Semana passada, o Governo do Estado da Bahia, por meio da Sesab, enviou ao HRCC para enfrentamento a Covid-19, remessa de equipamentos, contendo aparelhos cardioversores, de eletroencefalografia, laringoscópios, espirômetro, raio X, ventiladores pulmonares, entre outros.

Para o médico Almir Gonçalves, diretor assistencial do HRCC, o suporte oferecido pelo governo estadual e Sesab proporciona condições de atendimento necessário aos pacientes acometidos pelo novo coronavírus. “Na nossa unidade Covid-19 temos estrutura para tratar complicações da doença, conforme as necessidades de cada um, de acordo com seu quadro clínico. O apoio do governador Rui Costa e do secretário Fábio Vilas-Boas tem sido muito importante nesse momento e toda equipe do IBDAH está comprometida cada dia mais com o restabelecimento da saúde dos pacientes”, conclui.

Até 80 milhões de bebês podem ficar sem vacina, afirma Unicef

É a maior ruptura dos programas de imunização desde 1970.

Ao menos 80 milhões de bebês correm o risco de contrair difteria, sarampo e poliomielite em países ricos e pobres, por causa do impacto da pandemia de coronavírus nas campanhas rotineiras de vacinação, afirmaram nesta sexta (22) OMS (Organização Mundial da Saúde), Unicef (agência para infância das Nações Unidas) e Gavi (entidade de disseminação de vacinas).

Dados coletados pelas agências e pelo Instituto Sabin Vaccine mostram que a rotina de vacinação foi severamente prejudicada em pelo menos 68 países, afetando crianças com menos de um ano de idade.

Os locais com interrupções moderadas, graves ou suspensão total dos serviços de vacinação entre março e abril de 2020 equivalem a mais da metade (53%) dos 129 países em que os dados estavam disponíveis.

É a maior ruptura dos programas de imunização desde 1970, quando se iniciaram campanhas globais, afirma a OMS. Os motivos variam, de pais que temem ser punidos por desrespeitar o confinamento a medo de contrair o coronavírus ou falta de informação.

Outro fator que reduz a cobertura pelas vacinas é a transferência de profissionais de saúde para o combate ao coronavírus e a falta de equipamentos de proteção prejudica o serviço de vacinação.

Atrasos no transporte também estão provocando falta de vacinas, segundo o Unicef, por causa da queda nos voos comerciais e da disponibilidade limitada de fretes.

Segundo Seth Berkley, CEO da Gavi, é preciso evitar o desmonte dos programas de imunização não apenas para evitar surtos de doenças já controláveis como também para garantir a infraestrutura necessária para acelerar a imunização contra o coronavírus em escala global, quando uma vacina estiver disponível.

“A interrupção ameaça desintegrar décadas de progresso contra doenças preveníveis por vacina, como o sarampo”, afirmou Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS.

(mais…)

Saúde atualiza para 200 os casos de infectados por coronavírus no país

© Reuters / Rahel Patrasso / Direitos Reservados.

Fonte: Agência Brasil

O Ministério da Saúde atualizou há pouco o número de casos confirmados do novo coronavírus (Covid-19) no país. Conforme a segunda atualização dos dados realizada ontem (15), até o momento, há 200 casos em todo o país. De acordo com levantamento diário feito pela pasta, 1.917 pessoas em 26 estados e no Distrito Federal são monitoradas por suspeitas de estarem infectadas. Nenhuma morte foi registrada no Brasil desde o início da transmissão da doença.

Na última quarta-feira (11), a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou pandemia de coronavírus. O termo é usado quando uma epidemia – grande surto que afeta uma região – se espalha por diferentes continentes com transmissão sustentada de pessoa para pessoa.

Veja o que se sabe sobre a pandemia e sobre o vírus até agora.

Secretaria de Saúde confirma 4 novos casos de coronavírus na Bahia

Imagem ilustrativa.

A Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) confirmou, na tarde da sexta-feira (13), mais quatro casos do novo coronavírus no estado da Bahia. Três deles foram registrados em Salvador, que tem a primeira ocorrência da Covid-19. O resultado foi confirmando por meio de testes.

De acordo com os secretário Fábio Vilas-Boas, os casos da capital são: uma mulher de 52 anos e a filha de 11 anos, que voltaram de uma viagem recente à Espanha, e um idoso de 72 anos, que também veio de viagem recente à Itália e está internado em um hospital privado.

O outro caso também se trata de um idoso, de 73 anos, na cidade de Feira de Santana. Ele é marido da mãe da trabalhadora doméstica, que foi contaminada pela dona de casa que ela trabalha, após uma viagem à Itália. Os quatro foram infectados pelo coronavírus.

A dona de casa foi a primeira ocorrência na Bahia, sendo um caso importada. Ela, que tem 34 anos e é residente de Feira de Santana, retornou da Itália em 25 de fevereiro, com passagens por Milão e Roma, onde aconteceu a contaminação.

A primeira transmissão local do vírus também foi em uma mulher, de 42 anos, que teve contato domiciliar com a dona de casa quando esta ainda estava sintomática. A terceira paciente de Feira de Santana é a mãe da doméstica, de 68 anos. Ainda não há detalhes se o marido da mãe da doméstica é pai ou padrasto dela. (mais…)

Secretaria de Saúde de Ilhéus emite nota sobre coronavírus

Imagem ilustrativa.

A Secretaria Municipal de Saúde (Sesau) solicita aos colaboradores e hóspedes que estiveram no Txai Resort entre os dias 6 e 8 de março, e que sejam domiciliados ou residentes no município de Ilhéus, que entrem em contato com setor de Vigilância Epidemiológica por meio dos números (73) 98837-9911 e WhatsApp (73) 98866-4656, para o necessário acompanhamento e monitoramento do estado de saúde, com vistas ao contingenciamento do novo coronavírus (Covid-19).

O Txai resort emitiu na quarta-feira (11), um comunicado com a informação de que um dos hóspedes foi diagnosticado com a doença do Covid-19, pelo Estado de São Paulo. Diante disso, a Sesau mantém o alerta na saúde pública sobre os cuidados e recomendações para a prevenção e monitoramento da doença. O órgão é responsável por realizar o acompanhamento de possíveis casos que possam ser notificados no município de Ilhéus, que até o momento não teve nenhum caso de confirmação.

O secretário de saúde de Ilhéus, Geraldo Magela, informa que não há motivos para pânico, contudo, o município está em alerta para a necessária contingência e o enfrentamento do coronavírus na cidade.

O fluxo de atendimento da rede municipal para os processos de encaminhamento de usuários com suspeita ou diagnóstico do Covid-19 já está em funcionamento na atenção primária à saúde, no que compete a Atenção Básica. O fluxo integra o plano municipal de contingência ao enfrentamento do coronavírus da Sesau. (mais…)

Planos de saúde terão de cobrir exames para novo coronavírus

© Divulgação/Josué Damacena (IOC/Fiocruz).

Fonte: Agência Brasil

Os planos de saúde terão de cobrir os exames para avaliar a infecção do novo coronavírus (Covid-19). A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) incluirá o procedimento no rol dos obrigatórios para custeio pelas operadoras.

A informação foi adiantada ontem (10) em entrevista coletiva do Ministério da Saúde. No início da noite, a ANS divulgou nota confirmando a decisão em caráter extraordinário.

A diretoria do órgão optou pela medida em reunião realizada hoje, com representantes de planos de saúde e de entidades representativas do setor de saúde suplementar. A agência informou que ainda está disciplinando quais serão os tipos de teste, os protocolos e o prazo para as operadoras se adequarem à determinação.

Ainda de acordo com a ANS, o tratamento para a doença já é garantido aos pacientes com casos confirmados de infecção. Mas a cobertura depende da segmentação dos planos do paciente.

Kits para diagnóstico do coronavírus

No início de março, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) começou a distribuir kits para o diagnóstico do Covid-19 para laboratórios do Rio de Janeiro. A princípio o exame só era realizado em três estados – São Paulo, Pará e Goiás. Os laboratórios das regiões Norte (Amazonas, Pará e Roraima), Nordeste (Bahia, Ceará, Pernambuco e Sergipe), Sudeste (Rio de Janeiro, Espírito Santo e Minas Gerais), Centro-Oeste (Distrito Federal e Mato Grosso do Sul) e Sul (Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul) receberão os kits e serão capacitados até o fim do mês.

Os kits foram desenvolvidos no Brasil pelo Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos/Fiocruz) e pelo Instituto de Biologia Molecular do Paraná (IBMP). Já a capacitação será conduzida pelo Laboratório de Vírus Respiratório e Sarampo do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz).

A Fiocruz tem capacidade de produzir de 25 mil a 30 mil testes por semana, e o ritmo deve atender à demanda estabelecida pelo Ministério da Saúde.

Além de testes para coronavírus, a Fiocruz vai entregar aos laboratórios kits para identificar os vírus Influenza A e B, o que contribui para o diagnóstico diferencial, quando a confirmação de um vírus descarta a suspeita de outro.

Coronavírus: Bahia registra 145 casos suspeitos

Foto : Reprodução/TV Integração.

A Bahia registrou 145 casos notificados com suspeita clínica de infecção pelo novo coronavírus, em novo boletim divulgado na tarde de hoje (9) pela Secretaria de Saúde do Estado. Destes, 21 foram excluídos por não se enquadrarem no protocolo do Ministério da Saúde, 61 foram descartados laboratorialmente, 61 aguardam análise laboratorial e dois casos confirmados.

Os municípios notificantes foram: Araci, Camaçari, Candeias, Feira de Santana, Ilhéus, Itabuna, Jacaraci, Jequié, Lauro de Freitas, Lençóis, Madre de Deus, Pojuca, Porto Seguro, Salvador, Santa Cruz Cabrália, Teixeira de Freitas, Tucano, Vera Cruz e Vitória da Conquista.

O diagnóstico do coronavírus é feito com a coleta de materiais respiratórios (aspiração de vias aéreas ou indução de escarro). Na suspeita de coronavírus, é necessária a coleta de duas amostras, que serão encaminhadas para o Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen-BA).

Do Metro1.

Sobe para 13 o número de casos confirmados do coronavírus no Brasil

Foto : Alex Pazuello/Semcom.

O número de casos confirmados do novo coronavírus no Brasil subiu para 13. O balanço foi divulgado hoje (6) pelo Ministério da Saúde. Os quatro novos casos são todos em São Paulo. Há um caso no Distrito Federal aguardando contraprova.

No país, existem 768 casos suspeitos da doença. Outros 480 já foram descartados, desde o início do monitoramento.

Do Metro1.

Brasil confirma o oitavo caso de coronavírus

Brasil passa a ser país com transmissão local, diz Ministério da Saúde. Foto: Erasmo Salomão/MS.

Fonte: Agência Brasil

O Ministério da Saúde (MS) confirmou mais quatro casos de coronavírus no Brasil, totalizando seis em São Paulo, um no Rio de Janeiro e outro no Espírito Santo. Segundo o secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson de Oliveira, o caso confirmado no Espírito Santo entrará no banco de dados do ministério nas próximas horas, mas já está confirmado.

Com a atualização dos dados de hoje, o Brasil tem 636 casos suspeitos e oito confirmados. Os casos confirmados estão em isolamento domiciliar. O caso do Espírito Santo é uma mulher de 37 anos, com histórico de viagem.

O caso confirmado no Rio é de uma mulher de 27 anos, que fez viagem à Itália e Alemanha entre 9 e 23 de fevereiro. Ela sentiu os primeiros sintomas ainda durante a viagem, em 17 de fevereiro. A paciente teve febre, falta de ar e apresentou coriza. Foi atendida, no Brasil, no dia 2 de março.

Além disso, existe um caso confirmado no Distrito Federal, após exame feito por um laboratório particular. O ministério ainda aguarda a contraprova, realizada por uma instituição credenciada pelo Ministério da Saúde para realizar o exame, para confirmar oficialmente. Trata-se de uma mulher, de 53 anos, que viajou pela Inglaterra e Suíça.

Existe um caso atípico em São Paulo, também dentre os confirmados. Uma jovem de 13 anos retornou da Itália, não apresentou sintomas, mas teve a presença do vírus confirmada no organismo. Ela procurou atendimento médico por outro motivo, ter rompido um tendão. E, durante os procedimentos médicos, os exames detectaram o vírus.

Isso não significa que essa jovem pode transmitir o vírus. Segundo o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, ela não está em isolamento e não transmitiu o vírus a ninguém. “Ela teve a presença, a identificação, de fragmentos do vírus. Ela pode ir para escola, vida que segue. Ela é um portador assintomático, mas não quer dizer que esse vírus pode ser transmitido. O vírus não é viável, ele está fragmentado. As pessoas próximas não pegaram”. (mais…)

27 países são monitorados pelo Ministério da Saúde

Foto: Erasmo Salomão / ASCOM MS

Fonte: Ministério da Saúde

O Ministério da Saúde ampliou para 27 o número de países que passam a ser monitorados pela pasta por apresentarem transmissão local do coronavírus. Desta forma, as pessoas que estiveram nesses países nos últimos 14 dias e apresentarem febre e mais um sintoma gripal, como tosse ou falta de ar, serão enquadradas como casos suspeitos de coronavírus.

A medida faz parte das ações de contenção realizadas pelo Ministério da Saúde contra a transmissão do coronavírus. “Vamos continuar com a contenção porque não há circulação sustentada do vírus dentro do Brasil. O que nós temos são dois casos importados confirmados de pessoas que foram infectadas na Itália, que está com transmissão do vírus dentro do país”, afirmou o secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo.

Com o aumento do número de casos confirmados por circulação interna do vírus em alguns países, o Brasil vive um momento de transição. Além das ações de contenção, o Ministério da Saúde inicia as medidas de mitigação do enfrentamento do novo coronavírus no território brasileiro, que é a preparação da rede de assistência. A intenção é reforçar as ações de prevenção para evitar que o vírus circule dentro do Brasil e atinja a população que tem maior risco de desenvolver casos graves da doença, como os idosos, os imunodeprimidos e as pessoas com doenças crônicas, respiratórias e cardíacas.

O secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Wanderson de Oliveira, ressalta que o Brasil se aproxima do inverno, onde o número de casos de síndromes respiratórias, como as gripes, aumenta consideravelmente. “Independentemente de qualquer outra situação, estamos nos preparando para todos os cenários, de um surto localizado a situações mais intensas”, informou o secretário. (mais…)

Fiocruz: Brasil está mais preparado contra Covid-19 que contra H1N1

Segundo o médico infectologista, Rivaldo Venâncio, a população precisa se manter informada, mas ressalta que não há razão para pânico. Foto: Sumaia Villela/Agência Brasil

De acordo com o coordenador de Vigilância em Saúde e Laboratórios de Referência da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Rivaldo Venâncio “o Brasil está mais preparado para lidar com o Covid-19 do que estava em 2009 para enfrentar a pandemia da gripe H1N1”. O médico infectologista diz que a população precisa se manter informada, mas ressalta que não há razão para pânico.

“Há inclusive casos assintomáticos, em que a pessoa, embora tenha sido infectada, não desenvolve nenhuma manifestação clínica. A ampla maioria dos casos são leves e moderados, talvez uns 80%, 85%, até 90%. E é pequena a parcela de infecções com manifestações clínicas mais fortes” disse Rivaldo.

Com sede no Rio de Janeiro, a Fiocruz é uma das instituições habilitadas a fazer os testes laboratoriais capazes de detectar a presença do novo coronavírus. Os exames são realizados a partir de amostras de material clínico coletado das narinas ou da faringe dos pacientes. Os resultados saem após um período que varia entre 24 e 72 horas.

Do Metro1.

Número de casos suspeitos de coronavírus no Brasil é de 132

Diagnóstico laboratorial de casos suspeitos do novo coronavírus (2019-nCoV), realizado pelo Laboratório de Vírus Respiratório e do Sarampo do Instituto Oswaldo Cruz Foto: Divulgação/ José Damacena (IOC/Fiocruz).

Fonte: Agência Brasil

Após cerca de 24 horas da confirmação do primeiro caso de coronavírus no Brasil, o número de pessoas oficialmente tratadas como suspeitas de ter o vírus no país é de 132, segundo o secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo. Na última sexta-feira (21), era apenas um caso.

O Ministério da Saúde recebeu as notificações dos estados até a tarde de ontem (27), mas não analisou todos.  “Esse número não é definitivo. É muito maior que 132. Ficamos com 213 notificações ainda não analisadas. Elas podem ser todas consideradas suspeitas ou apenas uma parte, mas dá para a gente avaliar que, na verdade, temos perto de 300 casos suspeitos”, disse Gabbardo.

Segundo o secretário, esse aumento se explica em virtude do aumento do número de países com fluxo migratório intenso com o Brasil, e que têm pessoas com o vírus. Um exemplo é o primeiro caso confirmado no Brasil. O homem de 61 anos não esteve na China, que concentra a maioria dos casos no mundo, e sim na Itália. Após a confirmação desse caso, pessoas com histórico de viagem à Itália, à França e à Alemanha e que apresentem febre somada a um sintoma respiratório também são tratadas como suspeitas de ter o coronavírus.

Critérios

O ministério tem usado como critérios de determinação de casos suspeitos: ter viajado para um dos 16 países da Ásia, Europa e Oriente Médio com casos da doença; não ter viajado, mas ter tido contato com esses viajantes ou ter tido contato com o caso confirmado no Brasil. Em todas as hipóteses, a pessoa é considerada como um caso suspeito se apresentar febre somada a um sintoma respiratório.

Os 16 países considerados na definição de casos suspeitos são: Austrália, China, Coreia do Sul, Coreia do Norte, Camboja, Filipinas, Japão, Malásia, Vietnã, Singapura, Tailândia, Itália, Alemanha, França, Irã e Emirados Árabes Unidos.

O secretário-executivo do ministério reforçou ainda a importância das medidas de prevenção para reduzir os riscos de contaminação da doença. A lavagem constante das mãos e evitar levá-las ao rosto e, principalmente, à boca; o uso de álcool em gel para esterilização das mãos e o não compartilhamento de utensílios de uso pessoal, como talheres, copos e travesseiros, entre outros.

Bolsonaro

Nesta quinta-feira, o presidente Jair Bolsonaro disse que pode ser que ele cancele a viagem que faria à Itália devido ao surto de coronavírus no país europeu.

“Infelizmente, é mais uma realidade ruim que vai ter que ser enfrentada. Já estamos enfrentando, fazendo o possível”, disse o presidente.

Anvisa pede lista de passageiros de voo com brasileiro que voltou da Itália com suspeita de coronavírus

Imagem ilustrativa.

Do G1.

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) solicitou ontem (25) a lista de passageiros que viajaram no mesmo voo do brasileiro que esteve no norte da Itália entre os dias 9 e 21 de fevereiro e que testou positivo para um exame preliminar para coronavírus. O homem aguarda resultado de contraprova.

A Anvisa informou que pretende investigar outros passageiros do voo e fez a seguinte nota:

Diante de exame preliminar positivo para coronavírus (Covid-19) em passageiro vindo da Itália para o Brasil no dia 21 de fevereiro deste ano, a Anvisa já tomou as seguintes medidas:

Solicitou à companhia aérea a lista de passageiros que estavam no mesmo voo do passageiro com resultado positivo para coronavírus. O documento será encaminhado ao Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (Cievs) para investigação de outros passageiros do voo que tiveram contato com o caso suspeito

O Hospital Albert Einstein, na Zona Sul da capital paulista, registrou em 25 de fevereiro a notificação do caso suspeito de um homem de 61 anos. Ele é brasileiro e viajou para o norte da Itália entre 9 e 21 de fevereiro. O paciente tem sinais brandos da doença, como tosse, e está em isolamento domiciliar, em São Paulo.

“O paciente encontra-se em bom estado clínico e sem necessidade de internação, permanecendo em isolamento respiratório que será mantido durante os próximos 14 dias. A equipe médica segue monitorando-o ativamente, assim como as pessoas que tiveram contato próximo com ele”, diz nota do Hospital Albert Einstein.

O caso também está sendo investigado pelo Ministério da Saúde e as secretarias estadual e municipal de São Paulo e irá para o Instituto Adolfo Lutz para exame contraprova. (mais…)

Coronavírus: sobe para dois mil o número de mortes em decorrência do novo vírus

Centro de convenções foi convertido em hospital em Wuhan, concentrando pacientes que apresentam variados graus de sintomas para o coronavírus. Foto: STR / AFP.

Fonte: O Globo

O balanço da epidemia provocada pelo novo coronavírus chegou a dois mil mortos na China continental, depois que as autoridades da província de Hubei (centro), epicentro da crise, anunciaram nesta quarta-feira (noite de terça no Brasil), outros 132 óbitos.

Em sua atualização diária, a comissão provincial de saúde também reportou 1.693 novos casos de contágio. O total chega a mais de 74 mil diagnósticos.

Desde que funcionários de um mercado de animais vivos de Wuhan começaram a apresentar sintomas de febre e problemas respiratórios como falta de ar, a doença tem se espalhado pelo mundo.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) há 25 países, além da China, com casos confirmados de coronavírus, nos quais ocorreram três mortes: Japão, França e Filipinas.

No Brasil, o Ministério da Saúde divulgou na terça (18) que monitora cinco casos suspeitos da doença, mas nenhum ainda foi confirmado.

Rússia vai bloquear a entrada de chineses
A Rússia anunciou nesta terça-feira que proibirá a entrada de cidadãos chineses em seu território a partir da próxima quinta-feira, uma nova medida drástica para tentar impedir a propagação da epidemia da doença.

— A entrada de cidadãos chineses nas fronteiras da Rússia está suspensa a partir de 20 de fevereiro para viagens de negócios, viagens privadas, estudos e turismo — disse Tatiana Golikova, vice-primeira-ministra responsável pela Saúde, citada pelas agências russas.

O país teve dois casos de Covid-19 confirmados em seu território, ambos de nacionalidade chinesa, que foram diagnosticados em regiões distintas do país. Além disso, nesta terça-feira, a embaixada da Rússia no Japão confirmou que um russo a bordo do Diamond Princess, cruzeiro mantido em quarentena na cidade japonesa de Yokohama, se contaminou com o vírus.