Governo Marão abandona posto de saúde de Pimenteira

Posto de saúde de Pimenteira antes e depois do governo Marão. Fotos: BG e leitores.

Em setembro de 2016, durante o governo do ex-prefeito Jabes Ribeiro, o BG publicou reportagem sobre o abandono das comunidades de Inema e Pimenteira, sedes distritais mais distantes da zona urbana de Ilhéus. Para chegar nesses locais os motoristas têm que passar pelos territórios de dois municípios vizinhos, Itabuna e Itajuípe.

Segundo depoimentos de moradores, na época apenas uma técnica de enfermagem trabalhava diariamente no posto de saúde de Pimenteira (a 81 km de Ilhéus).

A unidade não oferecia o mínimo, como materiais de curativos, e a médica designada pelo governo anterior atendia a comunidade quinzenalmente (lembre aqui).

De lá pra cá a situação piorou. O governo Marão, que prometeu melhorar a saúde em todo o município, com ênfase na zona rural, abandonou por inteiro o posto de saúde de Pimenteira.

Unidade de saúde abandonada. Foto enviada por leitor.

A unidade está fechada faz quase dois anos e hoje serve como criatório de galinhas e outros bichos.

Atendimento médico só nas cidades vizinhas de Itajuípe e Coaraci, por meio de um carro fretado (custo de 200 reais), ou em Itabuna.

Os interessados também podem ir para Itajuípe ou Itabuna num ônibus da empresa Rota Transportes, que sai de Inema e passa em Pimenteira às 6h30min. Não há outro horário.

Ligamos para o secretário de saúde, Geraldo Magela, para tentar ouvir suas explicações. Não conseguimos contato.

Fontes da secretaria de saúde afirmam que o secretário não conhece Inema e Pimenteira e não sabe onde ficam.

Foto enviada por leitor.

Contrato do Fundo Municipal de Saúde com a COTI é ilegal e imoral, afirma Mesaque Soares

Magela vê interesse público, Mesaque vê ilegalidade e imoralidade. Fotos: Secom/Ilhéus e Google.

Por meio de uma mensagem enviada ao BG nesta quarta-feira, 06, o advogado Mesaque Soares contestou as declarações do secretário de saúde de Ilhéus, Geraldo Magela, sobre o contrato no valor R$ 4 milhões firmado entre o Fundo Municipal de Saúde e a clínica COTI.

A empresa conveniada ao SUS pertence a dois familiares diretos do prefeito Mário Alexandre. De acordo com o secretário, o contrato majorado em 652% vai atender os interesses da população (veja aqui).

O advogado Mesaque Soares entende que há ilegalidade e imoralidade na contratação. Ele explica que o artigo 9° da Lei Federal de nº 8.666/1993 não proíbe que parentes de servidores públicos participem de licitação ou contratem com a administração pública. Mas existe vedação de parentes de servidores responsáveis ou de dirigentes do órgão contratante. Os impedimentos referem-se à proteção da ampla competitividade, coibindo situações de fraude em licitação. O dispositivo trata da impossibilidade de se contratar empresas pertencentes a pessoas que possuam grau de parentesco com agentes públicos.

Segundo Mesaque Soares, o chamamento público é uma modalidade licitatória. Logo, há ilegalidade na contratação da COTI, e o caso será levado ao promotor Frank Ferrari do MP-BA.

A contratação, ainda segundo Mesaque, também atenta contra os princípios da administração pública presentes no artigo 37 da Constituição Federal. “Como saber se outras empresas não foram vetadas em detrimento da empresa familiar? Não seria também possível jogo de planilha para ninguém se habilitar? Foi dada ampla publicidade ao chamamento público para possibilitar inclusive a habilitação de outras empresas?”, perguntou o advogado

Mesaque Soares citou o Recurso Extraordinário nº 423.560 que considerou constitucional lei municipal que veda tal prática. “Usarei como fundamento jurisprudencial para provocar o Ministério Público”, finalizou.

Contrato de R$ 4 milhões com a clínica de familiares do prefeito atende o interesse da população, afirma Magela

Fotos: O Sarrafo/reprodução e Secom/Ilhéus.

Em contato com o BG nesta terça-feira, 05, o secretário de saúde de Ilhéus, Geraldo Magela, explicou a informação publicada no último sábado, sobre o reajuste de 652% no valor do contrato com a clínica COTI, que pertence a dois familiares diretos do prefeito Mário Alexandre (veja aqui).

Segundo Magela, a COTI atende há muitos anos pelo SUS e com o novo contrato outros tipos de serviços serão prestados como: angiologia (tratamento de esponja); diagnóstico por ultrassonografia, oftalmologia, procedimentos cirúrgicos e diagnósticos por radiologia e ortopedia. O valor mensal estimado em R$150 mil será pago de acordo com a produção, e não pode ser considerado ruim para a municipalidade.

Geraldo Magela. Foto: Secom/Ilhéus.

O secretário disse que a empresa participou normalmente do “chamamento público” do município e que não houve aumento injusto. A majoração vai ocorrer “conforme o produto ofertado e atende o interesse da população. Esse contrato é positivo para o município, pois amplia os serviços do SUS, independente de quem seja o proprietário”.

Perguntado se o contrato respeita o princípio da impessoalidade no serviço público, Magela explicou que o chamamento aconteceu durante o período de sua antecessora, a então secretária de saúde Elizângela Oliveira.

“Não se preteriu ou se deu preferência a qualquer prestador. Todos foram chamados em condições legais de prestar serviços à municipalidade. Cada um dos prestadores ofertou o que queria e o que tinha capacidade de ofertar, e o município contratualizou todos de acordo com o estatístico. O chamamento é um modelo impessoal e moralmente justo. Eu acredito que todas as autoridades que tenham conhecimento em saúde pública, vão concordar plenamente com a minha visão e com a de minha antecessora”, finalizou o secretário.

Magela sofre cobranças dentro da secretaria de saúde por dívida a supostos ciganos

Geraldo Magela. Foto: Secom/Ilhéus.

O secretário de saúde de Ilhéus, Geraldo Magela, tem sido cobrado nas dependências do órgão vinculado ao SUS por uma dívida contraída junto a supostos ciganos do extremo sul da Bahia.

A informação foi passada ao BG por dois funcionários que exercem cargos de confiança na secretaria de saúde e por uma fonte externa que nos enviou áudio com relato de outra pessoa.

Magela contraiu o empréstimo antes de assumir o comando da pasta, mas como tem sido cobrado dentro do órgão público de Ilhéus, a questão saiu da esfera particular.

Segundo as fontes, no final de novembro passado representantes dos credores chutaram a porta do gabinete do secretário, depois de perceberem que não seriam recebidos. Um oficial da PM, já na reserva, faz a intermediação entre os supostos ciganos e Magela, a fim de evitar confusões e ameaças. Por não termos ouvido o militar, decidimos não revelar o nome.

Outro lado.

De maneira sincera e sem demonstrar qualquer tipo de receio, Geraldo Magela admitiu a existência da dívida, mas não deu certeza de que foi contraída junto a ciganos. Negou que a porta do seu gabinete foi chutada, mas admitiu que um oficial da PM, muito educado, tratou dessa questão com ele na secretaria. Afirmou que tem quitado as parcelas do empréstimo, cuja última prestação será paga em fevereiro.

Disse ser alvo de fofocas oriundas de pessoas desonestas que foram descobertas pedindo propinas dentro da secretaria de saúde. Inquirido sobre os nomes dos supostos corruptos, disse que no momento certo a opinião pública tomará conhecimento, pois os fatos serão denunciados ao Ministério Público.

Magela afirmou não possuir nenhuma condenação no poder judiciário. Disse que sua trajetória como gestor do Sistema Único de Saúde (SUS) é honesta e de absoluta seriedade.

Magela esclarece aumento no salário de Érica Silva

Érica Silva e Geraldo Magela. Fotos: Chico Andrade/PMI/reprodução.

Em contato com o BG nesta segunda-feira, 14, o secretário de saúde de Ilhéus, Geraldo Magela, negou que a reforma administrativa vai aumentar o salário de Érica Silva, chefe do setor de alta e média complexidade, para R$ 4.500 (relembre aqui).

A enfermeira que hoje recebe R$ 2.500, com a reforma receberá R$ 3.200, valor menor do que é pago às servidoras da mesma profissão que trabalham 40 horas, aprovadas no último concurso público, em 2016. Magela explicou que o reajuste também será concedido à chefia da atenção básica, ou seja, não será um benefício exclusivo.

Ele também esclareceu uma polêmica espalhada no Whatsaap sobre outros valores pagos a Érica, que recebeu três diárias (novecentos reais) para um treinamento em Vitória da Conquista entre os dias 10 a 12 de janeiro, sendo que os demais servidores envolvidos receberam uma ou duas.

De acordo com o secretário, ocorreu um erro no setor de recursos humanos da pasta e Érica Silva, que não teve nenhuma culpa no caso, vai devolver o valor de uma diária.

POSTO DE SAÚDE DO PONTAL: SESAU DESMENTE RECLAMAÇÃO

Posto de Saúde Herval Soledade.

O secretário de saúde de Ilhéus, Geraldo Magela, desmentiu reclamação de usuários do SUS sobre o horário de funcionamento do Posto de Saúde Herval Soledade, no Pontal. Os reclamantes afirmam que a unidade fecha no horário do almoço (veja aqui).

De acordo com o secretário, a informação não procede, uma vez que uma técnica de enfermagem “mora praticamente ao lado do posto” e ao meio dia costuma render o trabalho da colega que trabalha pela manhã.

CALABRESAS ESTRAGADAS: VIGILÂNCIA AFIRMA QUE DENÚNCIA CONTRA O MEIRA É IMPROCEDENTE

Calabresas encontradas no Meira do Vilela podem ser consumidas. Foto: Vigilância Sanitária de Ilhéus.

Após grande repercussão de um vídeo no Whatsaap em que uma consumidora denuncia o supermercado Meira do bairro Teotônio Vilela por vender calabresas estragadas na promoção, o secretário de saúde de Ilhéus, Geraldo Magela, determinou que a vigilância sanitária fizesse uma vistoria.

Na manhã deste sábado, 10, a fiscal sanitária Maria Cristina da Silva esteve na loja e não encontrou os produtos citados em condições impróprias para consumo.

Conforme termo de vistoria, o lote de calabresas Perdigão encontrado estava dentro do prazo de validade. A fiscal considerou a denúncia “improcedente”.

No documento a fiscal não informa se conseguiu ouvir a denunciante. 

Termo de vistoria. Foto enviada pelo secretário de saúde, Geraldo Magela.

KADU SEM PRESTÍGIO COM MARÃO

Notinhas.

Marão e Kadu: derrota nas eleições e despedida.

O prefeiturável de Coaraci, Kadu Castro, atual superintendente do fundo municipal de saúde, está sem prestígio com o prefeito de Ilhéus, Mario Alexandre.

No último domingo, a deputada estadual Ângela Sousa (mãe de Marão) conquistou 1.444 votos na terra do aliado. Kadu teria prometido em torno de 2.000.

Com o resultado aquém do prometido, somado ao chororô da derrota, é provável que ele deixe o cargo, pois eleição para deputado só daqui a quatros anos. Caso Mario tente novo mandato, hipótese quase improvável, Kadu seria um zero à esquerda uma vez que não tem votos em Ilhéus.

O secretário de saúde, Geraldo Magela, não esconde o desconforto com os métodos do superintendente e já diminuiu seu poder. O cabo eleitoral não decide mais nada sobre os pagamentos feitos pela secretaria.

Voltando às eleições do último domingo, fonte do grupo de Marão disse que Kadu levou oitenta mil “santinhos” para Coaraci. Ao dividir a quantidade de “propagandas” pelos votos conquistados por Ângela na cidade (1.444), o quociente atinge 55 “santinhos” por voto. 

“Até que não saiu caro”, disse a fonte.

COCI FALHA NA ORTOPEDIA, APESAR DE TER RECEBIDO R$ 10 MILHÕES DO GOVERNO MARÃO

COCI: dez milhões de reais e falha no plantão da ortopedia.

Dados do Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia (TCM) revelam que entre janeiro de 2017 a julho de 2018 o Hospital de Clínica do Malhado, a conhecida COCI, recebeu do governo Mario Alexandre acima de R$ 10 milhões (R$ 10.264.533,55).

O contrato 061/2016, firmado com a secretaria municipal de saúde, assegura que a COCI preste serviços de urgência e emergência durante vinte quatro horas por dia aos usuários do SUS.

Apesar do compromisso, no último sábado, 29, por volta das 11h40min., o vereador Makrisi (PT)  foi até a COCI em busca de atendimento para um sobrinho com punho e mão machucados.

A recepção informou que não havia ortopedista de plantão e recomendou o Hospital Regional Costa do Cacau.

O sobrinho de Makrisi não teve fratura e passa bem. Decepcionado, o parlamentar encaminhou denúncia ao Ministério Público Estadual, Conselho Estadual de Saúde e outros órgãos de controle e fiscalização.

Por volta das 14h07min., desta quarta-feira, 03, tentamos falar via telefone com o secretário de saúde, Geraldo Magela, para colher explicações. Mesmo após várias tentativas durante 15 minutos, não conseguimos contato. 

NA SECRETARIA DE SAÚDE, KADU MANDA MAIS DO QUE MAGELA

Notinhas.

Cadu Castro e Geraldo Magela. Imagens: Google.

A força do superintendente do Fundo Municipal de Saúde, Kadu Castro, fica cada vez mais evidente no dia-a-dia da secretaria de saúde de Ilhéus.

Na semana retrasada, o secretário Geraldo Magela determinou que o setor financeiro fizesse um pagamento ao laboratório de análises clínicas “Laboclin”.

Um servidor efetivo, de primeiro nome Hudson, disse a Magela que só pagaria com a determinação de Kadu.

A direção do Laboclin bateu de frente com o poderoso superintendente, e por isso, sofre sanções.

O pagamento só foi realizado na última semana, por livre e espontânea vontade de Kadu, indiscutivelmente o homem forte do prefeito Marão na gestão da saúde.

EXCLUSIVO: UPA INAUGURADA PELO GOVERNO MARÃO É “CLONADA”

Governo Marão usa indevidamente marca de programa do Governo Federal. Foto: Clodoaldo Ribeiro.

Reportagem: Emilio Gusmão.

A Unidade de Pronto Atendimento inaugurada no bairro Conquista na manhã deste sábado, 15, pelo prefeito de Ilhéus, Mario Alexandre, com a presença do secretário estadual de saúde, Fabio Vilas-Boas, não faz parte do programa UPA 24h do Governo Federal, apesar de ter a marca dele em sua fachada.

O Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES), do Datasus, não inclui a unidade falsa de Marão, mas cita a UPA verdadeira de Itabuna que funciona no bairro Monte Cristo.

O mesmo acontece no site do Ministério do Planejamento, que disponibiliza a relação das UPAS em processo de licitação, contratação, concluídas, em operação e etc. A consulta fornece informações sobre as unidades de Itacaré e Itabuna, mas nada traz sobre a de Ilhéus.

Fontes da secretaria de saúde asseguram que a UPA de Marão é uma “meia sola”, e “mais uma enganação”, pois não obedece os pré-requisitos exigidos pelo Ministério de Saúde. “Essa UPA é clonada. Colocaram no prédio as marcas da UPA 24h, SUS e Ministério da Saúde como estratégia publicitária, mas não compraram todos os equipamentos obrigatórios” (veja a lista aqui).

Outra fonte afirma que em 2009 o Governo Federal disponibilizou recursos para a construção de uma UPA 24h em Ilhéus, mas nunca foram utilizados, “o dinheiro continua na conta rendendo juros. Tem lá R$ 334 mil”, explica.

Especialista em gestão de saúde, ouvido pelo blog, ressalta o custo alto de uma UPA. “Uma unidade de porte 2 custa por mês cerca de um milhão e trezentos mil reais. O Ministério da Saúde garante novecentos mil e o município deve entrar com o resto. Só as cidades com bastante receita ou governos sérios que fazem racionalização constante de gastos conseguem manter um equipamento como esse”.

UPA verdadeira do bairro Monte Cristo, em Itabuna. Foto: Google.

Explicações do governo.

O secretário municipal de saúde, Geraldo Magela, confirmou que a UPA inaugurada hoje não faz parte do programa do Governo Federal e não segue as exigências do ministério. Explicou que é um equipamento custeado pelo município, com parte dos requisitos exigidos, construído para desafogar os hospitais Costa do Cacau, São José e COCI que estão lotados.

Magela explicou que a secretaria de saúde vai inscrever e tentar credenciar a UPA para recebimento de recursos do Ministério da Saúde.

Indagamos por que o município usa a marca do programa UPA 24h, sendo que a unidade não está credenciada e não segue as exigências estabelecidas.

Magela disse que a logo não é exatamente igual. Independente desse fato, ressaltou que vai ajudar bastante a população de Ilhéus. 

HÁ 3 MESES MORADORES DO NOSSA SENHORA DA VITÓRIA TENTAM MARCAR EXAMES DE LABORATÓRIO

Governo Marão reinaugurou o posto em setembro de 2017, mas não disponibiliza exames para os moradores. Foto: Secom/Ilhéus.

O Blog do Gusmão foi procurado por quatro moradores do bairro Nossa Senhora da Vitória, que há três meses tentam marcar exames de laboratório via SUS, em Ilhéus.

Eles recorrem à Unidade de Saúde da Família da localidade e não conseguem as cobiçadas fichas.

“Chego no posto cinco e meia da manhã e já encontro gente na fila. O posto abre sete horas. Quando chega a minha vez, a funcionária diz que as fichas acabaram”, disse uma mulher de 34 anos, que prefere não ser identificada para não ter problemas com os funcionários da unidade.

“Semana passada, eu passei a noite no posto, e mesmo assim não consegui. É uma vergonha o que está acontecendo. Estou desempregada e não tenho condições de pagar os exames num laboratório particular. Se eu tivesse trabalhando já teria feito”, disse outra mulher de 44 anos, que trabalha como diarista de vez em quando.

“A distribuição é desorganizada. Já vi uma pessoa só conseguir exames para várias pessoas. Para conseguir as fichas, tem que ter um peixe dentro do governo. Como eu não tenho, sou obrigada a sofrer”, palavras de uma idosa de 67 anos que tenta pegar fichas para o neto de 8 anos.

A versão do governo municipal.

O secretário de saúde, Geraldo Magela, nos disse que sua equipe está identificando os gargalos na prestação deste serviço. Desde a sua posse, houve um aumento de 30% no número de exames de laboratórios e de ultrassom disponibilizados aos usuários do SUS. A intenção é elevar em 50%.

O governo vai tentar acabar com as filas presenciais e criar a espera virtual. Segundo Magela, muitos usuários conseguem marcar os exames, mas não comparecem nos laboratórios no dia da coleta.

Outra providência será a reorganização do cadastro de cartões do SUS. Ilhéus possui em torno de 400 mil cartões. Essa quantidade está bem acima do previsto.

Sobre uma denúncia publicada no dia 31 de maio, de que muitas pessoas de outros municípios conseguem fazer exames em Ilhéus, enquanto as daqui não tem a mesma sorte, o secretário disse que o SUS é universal e não pode fechar as portas para quem tem necessidade.

Magela recomendou às pessoas com dificuldades para marcar exames que o procurem na secretaria de saúde ou se dirijam às unidades mais próximas de suas residências. 

MARÃO FAZ MUDANÇA NA SECRETARIA DE SAÚDE SEM CONVERSAR COM MAGELA

Magela e o jeito Marão de governar. Imagens: Pimenta e Youtube.

A edição de ontem (quarta-feira, 22) do Diário Oficial do Município pegou o recém-empossado secretário de saúde de Ilhéus de surpresa.

O prefeito Marão fez alterações na equipe sem ao menos conversar com Geraldo Magela.

Ele exonerou Fernanda Jovita da saúde do trabalhador para colocar na função Jeovana Santos Nascimento (confira aqui).

Fontes da secretaria que acreditavam na autonomia de Geraldo Magela, exigida pelo secretário estadual da área, Fábio Vilas-Boas, passaram a enxergá-lo com outros olhos: “Gusmão, esse rapaz não vai mandar em nada. Ele é mais um”, enfatizou uma das pessoas ouvidas.

Por volta das 14h38min., ligamos três vezes para o secretário Magela, mas ele não atendeu e não retornou.

Comentário do blog.

O prefeito tem pleno poder para alterar sua equipe, porém, para que as políticas públicas aconteçam com eficácia, é fundamental a interação com os secretários, responsáveis pelo gerenciamento diário das pastas. Isso é tão obvio que parece ridículo explicar.

A última palavra é a do prefeito, mas as mudanças devem ser combinadas com o secretário, para que ele possa chefiar sua equipe tendo conhecimento da capacidade de cada membro.

Além do desrespeito costumeiro aos secretários, a forma como Marão governa indica claramente que ele não se preocupa com a qualidade do serviço prestado à população.

GOVERNO MARÃO SUSPENDE ENTREGA DE COLÍRIOS E IDOSOS PODEM FICAR CEGOS

Sem colírios, idosos não conseguem tratar o glaucoma. Imagem: Google.

Três idosos (as) que sofrem com glaucoma procuraram o Blog do Gusmão para reclamar do descaso do governo do Prefeito Mario Alexandre.

Os três dependem do SUS para tratar a doença que pode deixá-los sem a visão. Todos são aposentados, mas só recebem um salário mínimo do INSS.

Segundo relatos, as clínicas conveniadas à secretaria de saúde de Ilhéus suspenderam a entrega de colírios que são fundamentais para o tratamento. 

“A médica disse que todo dia eu tenho que usar os colírios. Faz cinco dias que não uso, pois o pessoal da clínica me disse que a prefeitura suspendeu o convênio. O colírio “Travatan” custa 120 reais, fora os outros. Não tenho condições de comprar. Estou com medo de perder a visão do olho direito”, afirma uma aposentada de 68 anos, que prefere não ser identificada.

Outro lado.

O secretário de saúde de Ilhéus, Geraldo Magela, disse que o convênio com a clínica CENOE foi suspenso por ser alvo de investigação do Ministério Público Federal.

Alegou que o tratamento do glaucoma é de responsabilidade do Governo Estadual (prometeu checar melhor essa informação). Segundo Magela, a suspensão da entrega dos colírios aconteceu em outros municípios e esse problema será resolvido nesta semana.

ESCRITORES LANÇAM LIVROS DURANTE SEMANA DE CULTURA JORGE AMADO

Jorge Amado. Imagem: internet.

Os escritores Cyro de Mattos, Gérson dos Anjos, Gustavo Felicíssimo, José Maria Soares e Geraldo Magela participam do lançamento coletivo de livros promovido pela Secretaria de Cultura de Ilhéus, em parceria com a editora Mondrongo, nesta quinta-feira (9). A solenidade, que faz parte da programação da Semana de Cultura Jorge Amado, acontece na Casa de Cultura Jorge Amado, às 19 horas.

As obras literárias dos autores convidados são “Todo o peso terrestre”, de Cyro de Mattos; “Carta a Rubem Braga”, de Gustavo Felicíssimo; “Natalino, o homem que jogou na loteria”, de José Maria Soares; “Imagens”, de Gerson dos Anjos; e “Igreja Nossa Senhora da Escada”, de Geraldo Magela.

Aniversário – A programação em homenagem a Jorge Amado, no dia 10 de agosto, data de aniversário de nascimento do escritor, inclui a entrega do prêmio do concurso de crônicas de Gabriela, 17 horas e a Tenda de Jorge, espaço destinado à divulgação da sua obra, instalado em frente à Casa de Cultura, no centro histórico de Ilhéus, das 9 às 18 horas.

(mais…)

PRIMEIRO DESAFIO DE MAGELA É MEDIR O TAMANHO DAS ASAS DE CADU

Cadu Castro e Geraldo Magela. Imagens: Google.

Por Emilio Gusmão.

O próximo secretário de saúde de Ilhéus, Geraldo Magela, vai assumir o cargo com as bençãos de Fábio Vilas Boas, secretário estadual da área no governo Rui Costa.

Magela veio para cumprir uma missão: fazer a atenção básica do município funcionar e diminuir a grande demanda que bate todo dia nas portas do Hospital Costa do Cacau.

Obra cara e vultosa, até agora o novo hospital não trouxe dividendos políticos para o governador que busca a reeleição. Pesquisas recentes feitas pelo Governo do Estado, em Ilhéus, acenderam o sinal amarelo. Rui Costa e Vilas Boas culpam a incompetência e o imobilismo do governo Marão.

Aparentemente, Magela chega com  “licença para matar”, ou seja, vai ter autonomia para fazer as mudanças que forem necessárias, principalmente na equipe.

O primeiro desafio está no superintendente do fundo municipal de saúde. Cadu Castro é personalidade de Coaraci. Almeja o comando da prefeitura local. Não tem compromisso com o povo de Ilhéus e lhe falta competência para gerir o setor. Trata-se de um alienígena na política ilheense. Foi alçado ao posto por ser cabo eleitoral do grupo do prefeito. Pode conseguir de 2000 a 3000 votos nas eleições deste ano, dizem.

Empresas de Coaraci venceram licitações em Ilhéus, a exemplo da Lenocar, que vendeu quarenta mil reais em pneus para a secretaria de saúde. O ambiente da pequena política não guarda espaço para simples coincidências. É bom ficar de olho e medir o tamanho das asas.

Se forem grandes, há quem duvide que Magela terá poder e coragem para cortá-las

Veja aqui o processo de pagamento da Lenocar referente à compra de pneus. No documento a controladoria geral do município constatou que não houve manifestação da fiscalização do contrato sobre o recebimento dos produtos (imagem abaixo).