Texto do blog Sexo na Ponta da Língua, de Carolina Diniz.

Quando Raquel Pacheco decidiu escrever um livro sobre suas experiências como Bruna Surfistinha, eu morri de curiosidade e inventei que tinha que ter este livro. Ganhei e no fim das contas nem achei nada demais, mas entre uma página e outra, ela sempre mencionava o beijo grego. Contava que muitos clientes pediam o tal beijo, aliás, era bem comum. Então eu te pergunto, você sabe o que é o beijo grego? Nada mais é do que o beijo no ânus, aqui podemos incluir caricias e o tão mal falado fio-terra.

Sabemos bem que o ânus é cheio de terminações nervosas e por isso proporciona grande prazer, então muitas mulheres dizem que vale a pena deixar o tabu de lado e experimentar o sexo anal ou preliminares que envolvam esta área, que também pode proporcionar o mesmo prazer aos homens, embora ainda seja cercado de tabus.

Prática comum na Grécia antiga, quando os homens acreditavam que as mulheres eram apenas parideiras e por isso mantinham relações homossexuais, o beijo grego é associado ao homossexualismo, muitos acham que ao demonstrarem sentir prazer no ânus, estarão pondo em dúvida sua masculinidade. O que não tem fundamento, já que ser homossexual é sentir desejo pelo mesmo sexo e não sentir prazer com caricias no ânus. Para quem gosta, está é apenas mais uma, das tantas formas de proporcionar prazer ao outro.

A edição da revista Nova (abril) de janeiro traz algumas dicas para aquelas pessoas que querem experimentar, mas não sabem qual será a reação do parceiro.

Em primeiro lugar tenha bom senso, se tiver abertura para conversar com ele sobre isso, converse, senão, sonde, vá devagar, nada de ir direto ao ponto, estragar o momento e ainda começar uma discussão interminável.

Comece com o sexo oral, ai com a língua percorra a área inguinal pelos dois lados, descendo pelos testículos e sugando-os levemente, conforme for se aproximando do ânus, verá se ele apresentará resistência ou não.

E claro, tal qual o sexo anal para as mulheres, a higiene é importante, até mesmo para tornar o momento mais confortável.

É bem complicado sair dando dicas assim quando estamos falando de um tabu, e que tabu, mas acredito que entre quatro paredes, desde que os dois estejam de acordo, não existe isso de “isso pode”, “isso não pode” ou “isso é nojento”, aliás, se o sexo for pensado e planejado demais, perde toda graça.

Todas as minhas experiências sobre o assunto se resumem as estórias da Bruna Surfistinha, mas quando contei para uma amiga que vi uma matéria sobre o beijo grego e abordaria o assunto, ela logo abriu um sorrisão de quem pratica e não vê problema algum nisso. E você, acha que está totalmente fora de cogitação? Já pensou no assunto?