O Ministério Público Federal do Trabalhou tratou a seleção assim: “De modo flagrante, o que se observa é a tentativa de burlar os ditames constitucionais e manter a histórica prática de favorecimento a aliados em cargos no setor público”.

O Ministério Público Federal do Trabalhou tratou a seleção assim: “De modo flagrante, o que se observa é a tentativa de burlar os ditames constitucionais e manter a histórica prática de favorecimento a aliados em cargos no setor público”.

Em janeiro, Távilla Guimarães, Elza Santos e Jorge Luiz (defensor histórico do SUS) protocolaram denúncia no Ministério Público Federal do Trabalho em Itabuna, com o intuito de anular a seleção simplificada promovida pela Secretaria de Saúde de Ilhéus.

O procurador do MPT, Ilan Fonseca de Souza, acatou a denúncia e acionou a justiça. Segundo Jorge Luiz, o juiz José Cairo Júnior, titular da 3ª Vara do Trabalho de Ilhéus, anulou o processo seletivo nesta quinta-feira 27.

O Ministério Público Federal do Trabalho criticou os métodos empregados pela Prefeitura de Ilhéus na avaliação dos candidatos: “De modo flagrante, o que se observa é a tentativa de burlar os ditames constitucionais e manter a histórica prática de favorecimento a aliados em cargos no setor público”.