Imagem de arquivo: Facebook/Reprodução

Imagem de arquivo: Facebook/Reprodução

Nessa terça-feira (7), a Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Sustentável de Ilhéus embargou a reforma do Bar Vesúvio. A decisão se baseou na Lei Municipal 2.312 de 1989, que delimita o Centro Histórico da cidade e regula as intervenções no local.

Entre outros requisitos, a lei 2.312 estabelece que o Conselho Municipal de Cultura deve autorizar reformas como a que estava em andamento no Vesúvio. Essa exigência não foi cumprida.

O blog  manteve contato hoje por telefone com Camilo Carvalho, um dos empresários que assumiram o Vesúvio. Ele explicou que o projeto da reforma preserva todas as características arquitetônicas do bar. Além disso, na gestão passada, a Prefeitura de Ilhéus licenciou a obra.

Segundo Camilo, por considerar as particularidades do patrimônio arquitetônico, ele e os sócios estimam que a reforma da fachada do prédio vai consumir 30% dos recursos investidos no empreendimento. “Nosso interesse é preservar o máximo possível do imóvel e resgatar a parte cultural”.

Camilo Carvalho considera que a reforma, por ser simples, não precisaria da avaliação do Conselho de Cultura.

Na manhã desta quarta-feira (8), o Blog do Gusmão conversou por telefone com o vice-prefeito José Nazal (Rede Sustentabilidade), que também é secretário de Planejamento e Desenvolvimento Sustentável. Ele evitou dar detalhes sobre o embargo, porque não estava com os documentos do processo. Terá acesso à documentação hoje à tarde.