Dom Mauro Montagnoli, bispo da Diocese de Ilhéus. Imagem: Thiago Dias/Blog do Gusmão.

Dom Mauro Montagnoli, bispo da Diocese de Ilhéus. Imagem: Thiago Dias/Blog do Gusmão.

Convidado pelo vereador Makrise Angeli (PT), Dom Mauro Montagnoli, bispo da Diocese de Ilhéus, apresentou ontem (16) na Câmara de Vereadores a Campanha da Fraternidade 2017. O tema desse ano é “Fraternidade: biomas brasileiros e defesa da vida”.

A Igreja Católica promove a campanha da fraternidade há 50 anos, sempre com atividades a partir da quarta-feira de cinzas, quando os cristãos iniciam a quaresma.

Antes de compor a mesa da sessão especial, Dom Mauro falou rapidamente com o Blog do Gusmão. Perguntamos se nesse ano a escolha do tema da campanha tem relação com a encíclica do Papa Francisco. “Com certeza, é a tentativa da CNBB [Conferência Nacional dos Bispos do Brasil] de aplicar aqui no Brasil aquilo que o papa fala para o mundo todo, para cuidar da casa comum”, respondeu.

Depois, durante o discurso na abertura da sessão, Dom Mauro explicou a mensagem do pontífice. “Se nós não tomarmos cuidado, nós acabaremos provocando até a destruição do planeta. E essa fala do Papa é comprovada cientificamente por estudiosos”. Por isso, a campanha desse ano “trata da nossa realidade concreta”.

O bispo lembrou da velocidade com que os recursos do planeta passaram a ser explorados nos últimos séculos. “Nós sabemos que num período curto de tempo, a partir especialmente da revolução industrial, a humanidade começou a atingir, a ferir a Terra de uma forma muito intensa, explorando-a até o máximo”.

Dom Mauro criticou os impactos dessa exploração sobre as florestas, os animais “e também as populações humanas, como indígenas e ribeirinhos que são deslocados do seu habitat natural por causa de grandes empreendimentos que visam somente a parte econômica”. Segundo ele, esse tipo de progresso “tem causado morte e pobreza”.