Paulo Moreira. Imagem: Clodoaldo Ribeiro.

Paulo Moreira. Imagem: Clodoaldo Ribeiro.

“Não vim para criar celeuma. Vim para esclarecer”. Assim falou o ex-secretário de Educação de Ilhéus, Paulo Moreira, no fim da sua conversa hoje (20) com o radialista Vila Nova, apresentador do programa O Tabuleiro (Conquista FM).

O ex-secretário contestou informações da gestão atual sobre o transporte escolar. Segundo ele, diferente do que foi dito na última sexta-feira (17), o governo passado não entregou todos os ônibus quebrados. Apenas quatro dos dezesseis veículos não funcionavam no dia 22 de dezembro de 2016.

Moreira questionou a contagem da gestão atual. Disse que  Ilhéus tem 16 ônibus do programa Caminho da Escola, não 17.

O ex-secretário também falou sobre o custo do serviço. No contrato do governo anterior, disse, o investimento atingiu uma média de cento e dezoito mil reais por mês. Nessa parte da entrevista, Paulo Moreira aparentemente se confundiu ou esqueceu de considerar que os gestores atuais se referiram ao preço global do contrato. Considerando os valores globais apresentados em matéria do Blog Agravo, que provocou a reunião de sexta-feira, o contrato do governo Jabes Ribeiro tinha estimativa de custo mensal de R$ 225.666,00. O número é muito abaixo do valor atual, R$ 465.250,00.

Na reunião de sexta-feira (17), o governo Marão explicou que a diferença significativa tem uma explicação simples. O contrato anterior cobria apenas onze das vinte e seis rotas do transporte escolar na zona rural. Segundo os secretários Bento Lima (administração) e Eliane Oliveira (educação), o processo licitatório atual cobriu todos os trajetos.

Na entrevista de hoje, o ex-secretário não comentou a chamada “quinteirização” do serviço.